7 de janeiro de 2009

Desconstruindo Carochinha

De acordo com o leitor Anônimo que postou um comentário no meu último post – além de ainda comprar brigas com os demais leitores – meu diálogo com o moleque da Taii foi mentira. “Fake”, foi a palavra que ele usou.

Fiquei pensando sobre isso estes dias. Será que o Carochinha (desculpe, cara, mas a partir de agora este será seu apelido – você realmente não deveria ter postado seus comentários de forma anônima) tem razão? Acredito que não, porque eu realmente me lembro de manter aquela conversa com o sujeito.

Mas, como dizem que o cliente sempre tem razão, vamos estudar o caso dele com cuidado. Em primeiro lugar, a palavra “fake” não diz qual parte do post é mentira, então sou obrigado a pressupor que o post inteiro é mentiroso.

E isso inclui a parte que diz “”saio da minha casa e, assim que coloco os pés na Teodoro Sampaio”. Ou seja, podemos deduzir que eu não moro perto da Teodoro Sampaio. Logo, eu não moro em Pinheiros.

É tudo uma mentira minha.

Agora, o interessante sobre a idéia de eu não morar em Pinheiros e ter mentido todo este tempo é que este fato simplesmente anula outros posts nos quais eu também contei a mesma mentira, como são os casos, entre outros, de Só um Minuto, Coisas da Vida VII, Aerotrem, A Soma de Todos os Medos, Al Pacino e a Jaqueta de Couro, Aral contra Dudinka, Infernal Affairs, Do Pó ao Pó, Notícia Extraordinária II, Mr. Greenstone, Pequeno Interlúdio Canino, Animal Planet, Mussarela & Salame, Péps e Água e A Besta-Fera de Blair, além das séries Jim Morrison e o Maníaco do Táxi, Meeting Tyler Bazz, Pague para Comprar, Reze para Sair, Suicide is Painless e 25 Horas - Guia de Episódios.

Tudo mentira.

Ok. Vamos brincar um pouco em cima disso.

Por exemplo, se o post Notícia Extraordinária II é uma mentira, sinal de que não há uma Besta-Fera. Isso, consequentemente, transforma os posts Shake it, Baby, Shake it, Post Diarinho, Contagem Regressiva, Na Lona, A Lista de Schindler Gordon, Pequeno Interlúdio Canino, A Besta-Fera de Blair, Crônica de uma Morte Estúpida, Vida (Mansa) após a Morte (o que anula também a existência do Jonas, transformando Pequeno Incendiário Amoroso em mentira, o que, por sua vez, transforma meu namoro em mentira, anulando, assim muitos posts, entre eles o Lá e de Volta Outra Vez - Um Conto Hobbit), Until it Sleeps, Message in a Bottle, e Lord of the Rice (o que é uma boa notícia, porque então eu sei fazer arroz).


Por outro lado, se eu não moro em Pinheiros, o Pão de Açúcar ao lado de casa não existe, o que anula a saga O Último dos Moicanos e o post Rob Gordon X Ursinho da Johnson's, além de me poupar do constrangimento visto em Carta Aberta aos Donos de Supermercados. Nem a padaria, transformando a saga das Carolinas em uma grande mentira em três partes e o Bigode, coitado, fruto da minha imaginação. Aliás, como não é difícil eu falar que moro e trabalho em Pinheiros – e isso também deve ser mentira – eu também não trabalho aqui. Aliás, é seguro afirma que nem jornalista eu sou.

Logo, podemos concluir que Certa Manhã, no Inferno, 366, A Era (sem Graça) do Gelo e Ó-Ká também são grandes mentiras minhas. Aliás, eu nem incomodo mesmo com o fato de A Era (Sem Graça) do Gelo ser mentira, porque como Lord of The Rice -como visto acima - também é mentira, eu aprendi a fazer arroz enquanto escrevo este post, onde fui desmascarado. Então, Ok (pronuncia-se "óquei", porque "ó-ká" é mentira, não se esqueçam).

Claro que eu poderia escrever um post muito maior, ligando todos os meus textos aqui e deixando claro que é tudo mentira, mas uma das minhas resoluções de Ano Novo é cuidar mais de mim - e isso inclui não dar mais de meia hora de Ibope para pessoas como você.

Mas, se te serve de consolo, eu te dou um empurrãozinho aqui, e aí você continua por conta própria. Se eu não moro em Pinheiros, não namoro, sei fazer arroz, não sou jornalista, não tenho cachorro, não divido apartamento com um fantasma, podemos admitir, então, que não existe síndica também; que eu não gosto de heavy metal, nem de cinema ou quadrinhos; que nunca fui a nenhum show na vida. É só ir ligando um post ao outro que vocês vão descobrir que é tudo mentira da minha parte.

Palmas para o Carochinha, que me desmascarou impiedosamente.

Mas o mais impressionante é que como o post Meeting Tyler Bazz também não existe (afinal, eu não moro nem trabalho em Pinheiros, lembram-se?), ele também não existe. Sim, eu também inventei o Tyler. Aliás, se o Blog do Tyler não existe mas está linkado aqui no meu blog, podemos concluir que absolutamente todos os outros blogs aqui não existem são mentiras minhas. E vocês caíram direitinho.

Puxa, Carocha, você é um gênio!

Você conseguiu provar que a única coisa verdadeira no meu blog é o meu nome: Rob Gordon - coincidentemente, o único elemento do meu blog que É ficção. Parabéns, tapado.

Aliás, Carochinha, me enganei. Nem todo o blog é mentira. Sobrou um post que é verdade. E sugiro que o leia: é este aqui. Aliás, para você poupar tempo, sugiro que leia apenas os últimos cinco parágrafos, mais um PS especial que deixei para você ali.

Divirta-se. E, depois, gostaria muito de não ter mais notícias suas.

Obrigado.

30 comentários:

Dalleck disse...

Segundo essa lógica, eu sou um fake do Rob também o.O Mas se ele que escrevesse no Farofa, com certeza ia ser bem melhor, então não pode ser ele. Isso causaria um paradoxo temporal e abriria um buraco negro na Terra.

Que isso sirva de lição para todos os anônimos que gostam de aparecer! Apoiado, Rob!

O Lerdo disse...

Meu mundo caiu.
Aliás, que mundo?

Seguindo a lógica, a Terra não pode ser engolida pelo buraco negro do paradoxo do Champ nem pelo funcionamento do LHC porque a Terra também é uma mentira. Aliás, estas letras aqui também.
E tudo o que já aconteceu na História do universo na verdade não aconteceu. Esqueçam big bang, pangéia, dinossauros, homo habilis etc. etc. etc.

Carochinha abriu nossos olhos!

Se ele não fosse um simples e medíocre anônimo eu agradeceria pessoalmente.

Pensando bem, se ele não fosse um simples e medíocre anônimo talvez nem conseguisse a atenção que conseguiu agora.

Layla Barlavento disse...

Gente! como foi que vivemos até hoje sem saber de tudo isso? Esse cara deveria se canonizado, é um santo! Abriu nossos olhos! Ou melhor, não temos olhos já que tudo é um "fake" e eu não estou escrevendo isso. E Rob, se você me permite, chamá-lo de carochinha é um desrespeito as baratas...

Vinicius Maffei disse...

Cara, sou novo no teu blog e o acho muito bom. Estou lendo a grande maioria dos posts e esses montes de links foram uma mão na roda! Agora só uma coisa: O Link de "A Soma de Todos os Medos" te redireciona para "Aerotrem" (que já li).

Abraços!

Rob Gordon disse...

Vinicius,

Valeu pelo toque! Link arrumado!

Abraços e volte sempre!

Gilgomex™ disse...

sempre achei isso tb, mas não tinha coragem de dizer, finalmente descobriram que o Rob não existe, nem Besta-Fera, nem a nmoara "garota de ouro" do Rob, nem o Tyler... Cara, o Tyler realmente é fruto de imaginação faz tempo. Eu sei que não existo, onde já se viu um ser humano chamado Gilgomex?? Acho até que a blogosfera não existe, o que aliás já deixaria claro que o Tas também não existe, o que faria com que o CQC não exista, como o CQC é a maior audiencia da Band (teoricamente), a Band também não existe, e como a Band deveria ser a quarta colocada entre as TVs abertas, e ela não existe, as outras também não existem, pois como haveriam 3 primeiras colocadas se a quarta não existe? Então a Globo também não existe. E se a Globo não existe e, se existisse, exibiria vários filmes na Sessão da Tarde ou em outros horários, esses files também naõ existem. Se os filmes não existe, não existe cinema, se o cinema é uma forma de mostrar a vida nas telonas, com ficção ou não, a vida também não eixste e como a vida não existe... Cara, realmente dá pra ir longe com essas coisas...

Fox disse...

KJGDSADKHGSADFSADFHKASd

fake ou não, seu blog continua sendo um dos melhores da blogosfera que visito, e vale cada clique no meu rss-reader!

mas cá entre nós, a única coisa fake foi o comentario dele.

grande abraço! =]

Looky disse...

Amei esse post, é como um índice dos textos do Champ *_*
O que me irrita é clicar em um dos links, descobrir que eu já li o texto, e mesmo assim ler até o final de tão bom ¬¬

djamar disse...

ROB,

EU ADOREI, KKKKKK!


BJS

MaxReinert disse...

Esse comentário não existe.... mas caso existisse poderia dizer que não me importa a mínima se vc conversou ou não com o tal do guri... se vc mora em Pinheiros ou na China (desde que vc continue escrevendo em português!)... ou whatever!

As pessoas não sabem o significado da palavra "literatura"? "Linguagem"então, nem pensar né?
"Ficção"? "Metáfora"? "Metalinguagem"?

Meu Deus.... se o Carochinha for ler meu blog vai acabar descobrindo que eu já morri várias vezes.... logo......

Socorrrrrroooooo!!!!!!

Thiago Apenas disse...

Tinha certeza que alguém que assina como Rob Gordon não poderia existir.
Porém ainda posso acessar o blog e me divertir com as incríveis aventuras fictícias de Rob Gordon.

Anônimo disse...

Vc teve esse trabalho todo pra... isso?

Anônimo disse...

Desculpe. De verdade.

Agora eu sei que estava completamente errado.

Eu não queria causar todo esse problema.

Acho que é tudo porque eu fui molestado sexualmente por meu ursinho de pelúcia.

Ele falava que ninguém ia acreditar em mim. Que todos achavariam que eu estava maluco, mas só porque eu já tinha 19 anos não quer dizer que ele podia fazer isso comigo.

Nós já tinhamos terminado a nossa relação há dois meses e ele não tinha esse direito.

Acho que é por isso que eu vou de blog em blog, tentando chamar atenção.

Eu apenas queria ser amado.

Mas agora eu acho que estou pronto para mudar de vida.

Estou namorando firme, há dois meses, com meu querido pônei e frequentando as reuniões semanais do IA (Imbecis Anônimos) e acho que agora as coisa vão dar certo.

Desculpe mais uma vez e sucesso para você.

Tyler Bazz disse...

Eu acho coincidência demais esse anônimo tonto aparecer bem quando o Gomex volta à blogosfera. [plantando a intriga mode: on]

Chato mesmo é justo no dia do aniversario do meu blog, eu descobrir que ele não existe!!!!!

E só o "quer dizer que eu inventei o Tyler?" já mandaria o Carocha pelo ralo. Vamos falar sério aqui.. QUEM criaria um amigo imaginário como eu?????

:D

Carocha disse...

Vanity, thy name is woman. Not Rob, but woman.

Quatro letras causaram uma barafunda despropositada, segundo algum.

Robbie, pensei que você soubesse lidar com críticas.

Ou será que o ego é tão grande assim?

Se não é ficção, por que tanta justificativa, tanto mimimi?

Não gosta de crítica, jovem padawan, melhor buscar outro passatempo. Ou então feche os comentários.

Mas será que você consegue viver sem idolatria?

Rob Gordon disse...

Ok.

Seguinte, Carocha.

A questão vai além de "crítica". Quer achar o meu texto uma merda? Ache. É um direito seu. E dependendo do texto, eu concordaria - existem textos meus aqui que eu não gosto, acho que poderiam ser mais trabalhados, que não ficaram tão engraçados quanto poderiam. Paciência, um dia eu ainda aprendo a escrever melhor.

E sei lidar com as críticas, tanto que já as recebi aqui no blog e as respondi educadamente - quando, claro, elas são educadas.

Mas o ponto não é esse. Você não veio criticar meu texto. Você pegou um texto meu - que em momento algum eu afirmei ser "ficção", o que, então, pressupõe que ele seja verdade - e o acusou de ser mentira.

Veja bem, você não questionou a veracidade dele. Não. Você determinou que ele é mentira.

Então, a meu ver, é irrelevante para você se eu sei ou não lidar com críticas, porque você não criticou meu texto. Sabendo ou não lidar com elas, eu não admito que alguém venha aqui criticar meu caráter. Sim, estamos falando de caráter, porque a partir do momento que coloco o texto como um "fato" para os meus leitores, (e eu tenho um blog de ficção para eventos não reais, ou mentirosos, como queira) não admito que você ou qualquer outra pessoa venha aqui chamá-lo de mentira.

A não ser claro, que você defenda sua opinião com argumentos sólidos.

O que não foi o caso.

Ou quem sabe, apresente provas de que estou mentindo.

O que não foi o caso.

Ou, ao menos, você ter culhões para se apresentar com seu nome.

O que também não foi o caso.

Não, eu não consigo viver sem idolatria. Nenhum blogueiro consegue - pergunte a qualquer um deles. Se a pessoa quisesse que ninguém lesse, ela escreveria num caderno, e não em um blog.

Mas, por outro lado, eu também não consigo viver com a idéia de alguém que me chama de mentiroso escondido atrás do anonimato da internet.

Aliás, VOCÊ consegue viver sem idolatria? Porque você está claramente tentando chamar a atenção aqui, já há alguns dias. Infelizmente, você ainda não percebeu que está fazendo papel de bobo, aqui, sendo malhado pelo resto dos leitores.

Mas, enfim, cada um tem a idolatria que merece.

Agora, o que me faz pensar é que você escreve bem - não em conteúdo, porque você só falou bosta até agora, mas em forma. Inclusive, ficou bastante bonitinha a citaçãozinha a Hamlet no começo do seu último comentário. Sabe, você deveria ter um blog. Assim você aprenderá que mesmo sendo impossível agradar a gregos e troianos, isso não dá os direitos dos gregos ou dos troianos ofenderem a você.

Assim, quem sabe, estando do outro lado, você aprenda a ter um pouco de educação.

Não, pensando bem, acho difícil você aprender isso, pelo que demonstrou até agora. Mas, se serve de consolo, você conseguiu seus cinco minutos de fama aqui.

Infelizmente, por causa da sua covardia, ninguém sabe seu nome. Paciência. Melhor sorte da próxima vez.

E sua próxima mensagem será ignorada. Esta discussão acaba aqui e isso não é negociável.

Foda-se e passar bem.

Tyler Bazz disse...

Eu acho que o Carocha trabalha na Taii e acredita MUITO que o treinamento que eles recebem pra ganhar clientes é infalível. Por isso ele diz que é fake, você ousou desmentir o deus Taii, Rob.

Varotto disse...

É. acho que o cara merece ser idolatrado mesmo...

P.S.: também para fechar o assunto já que, como você disse, já acabaram os cinco minutos de fama (eram quinze, mas a crise...), eu tinha chegado à mesma conclusão que você. Apesar de toda besteira e da falta de cojones, temos de admitir que, pelo menos, o (a) carocha tem mais classe que os últimos judas a serem malhados aqui (a saber: Sherman Klump, Hóstia e Carmila)

Gabi disse...

Chuuupa,Carocha.

Perci Carvalho disse...

Oba!! Uma sala de bate-papo!!!

ah nao... é a (NAO EXISTENTE) pag de comentarios do Rob...


Ai ai Rob, vc e essa sua mania de evitar só deletar comentarios idiotas e seguir com a vida me fizeram virar um fake?? aliás tadinho do Tyler ne? deve até estar em crise existencial... mas nem preocupe-se muito Sr. Rob Descartes Gordon ... em pouco tempo vc vai perceber que pensa, logo existe...hehehe...

Perci Carvalho disse...

Oba!! Uma sala de bate-papo!!!

ah nao... é a (NAO EXISTENTE) pag de comentarios do Rob...


Ai ai Rob, vc e essa sua mania de evitar só deletar comentarios idiotas e seguir com a vida me fizeram virar um fake?? aliás tadinho do Tyler ne? deve até estar em crise existencial... mas nem preocupe-se muito Sr. Rob Descartes Gordon ... em pouco tempo vc vai perceber que pensa, logo existe...hehehe...

Pâmela disse...

Não vou falar no anônimo (engraçado como vários outros anônimos vieram aqui e se apresentaram como o tal Carocha, não?), mas vouu dizer que, idependente de ser invenção, verdade ou meia-verdade, eu adoro o Championship Vinyl e lerei os textos daqui até que descubram que o mundo não existe.
E creio que todos os leitores fiéis daqui pensem isso também, já que, até hoje, daquele pessoal que realmente vale à pena e que se diverte com seus textos, ninguém nunca questional a veracidade dos seus textos, porque isso não importa.
Eles são divertidos, engraçados, inteligentes e sérios quando necessário. Se é verdade? Isso não importa, o que importa é que são bons.
Por isso, Rob Gordon, é que você tem tantos leitores e fãns.

Kel Sodre disse...

A Pâmela falou exatamente o que eu queria ter falado.

Há alguns estudiosos da literatura inglesa que afirmam que Shakespeare era um... fake! Afirma-se que o tal cara, chamado de fato Shakespeare, não era quem escrevia os textos, era apenas um bode expiatório. Outros afirmam que era um "coletivo" de escritores, que assinavam sob o mesmo pseudônimo. Nem por isso os textos dele, seja lá quem for, deixam de ter seu valor (Anônimo bem sabe, já que citou o mencionado autor). O texto transcende o autor.

Rob, com perdão da sinceridade, não estou te comparando ao Shakespeare, pois acho que não é o caso. Uso apenas a situação, semelhante, como exemplo para reiterar a opinião da Pamela: não importa se os fatos narrados sejam verídicos ou não. Não cabe a mim julgar se a sua personalidade é mesmo essa, de fazer hora com a cara dos atendentes de telemarketing e vendedores de cartão Taií. O que cabe a mim (e acho que a nós, leitores) é ler os textos, achá-los bons ou ruins (mais bons que ruins, confesso), comentar ou não. Também é escolha minha, como leitora, frequentar ou não este - e outros - blogs. Não gostei do texto? Faço uma crítica - construtiva. Não gostei do blog? Não frequento mais. Simples assim.

Como escolhi continuar frequentando este blog especificamente, isso significa que gosto dele, do conteúdo veiculado nele e, de certa forma, do autor dele. Independentemente de serem verídicas ou não as situações nele narradas. E acho que isso se aplica para a maioria dos leitores não só de blogs, mas de todas as publicações.

Pena que fiquei fora uns dias e só consegui ver o barraco agora... Mas quis comentar, mesmo sabendo que quase ninguém vai ler, porque não consigui ficar impassível diante da situação.

Mas deixo um último recado pra você, Rob: se você quiser publicar histórias fictícias neste blog e não as identificar como ficção, é um direito seu. Se os textos forem tão bons quanto os que tenho lido até agora, continuarei vindo aqui quase que diariamente (e, em alguns casos, bi-diariamente) conferir o conteúdo.

Varotto disse...

Desde o início do imbroglio, apesar de também ter pensado isso, eu não quis nem chegar nesse ponto de discussão, abordado nos dois últimos comentários. Então citando Kel, e reforçando:

"...se você quiser publicar histórias fictícias neste blog e não as identificar como ficção, é um direito seu. Se os textos forem tão bons quanto os que tenho lido até agora, continuarei vindo aqui..."

P.S.: "...mesmo sabendo que quase ninguém vai ler..." - Eu li!

Louie disse...

Com certeza tocou no nervo esse Carocha. Vai todo mundo tomar uma cerveja que idiotice assim não tem porque.

PS: Se você ler isso rob e tiver interessado, casacos de couro bons em Nova Petrópolis, RS. hehe

emmanuel disse...

Acho que você se incomodou demais com um simples "Fake" de um anônimo.

Cruela Cruel Veneno da Silva disse...

pelo menos a fatura do seu cartão de crédito pode provar que a fnac existe

Larissa Bohnenberger disse...

Xiiiiiii... me desmascarou por tabela, o Carochinha! O meu blog, (que está lincado entre os teus) não existe, eu não existo, nada do que eu já contei nele aconteceu... fazendo este raciocínio passo a passo, rapidamente chegaremos à conclusão de que a internet não passa de um delírio...

Dama do Lago disse...

Rob, eu te conheço pessoalmente e, mesmo sendo doida de pedra segundo minhas filhas, tenho certeza de que você é real. Não vou entrar em detalhes porque a Sra. Gordon luta box e não quero estragar a sua única chance de desencalhar de vez ;P

Adoro o que você escreve, aqui ou em qualquer outro lugar e nenhum imbecil anônimo vai mudar minha opinião a seu respeito.

Sumi dos comentários mas continuo devorando seus escritos ^_^

Beijão

Sil

Dama do Lago disse...

Kel,

"não importa se os fatos narrados sejam verídicos ou não. Não cabe a mim julgar se a sua personalidade é mesmo essa, de fazer hora com a cara dos atendentes de telemarketing e vendedores de cartão Taií"

Ele é sacana desse jeito sim...com atendentes, vendedores, colunistas, amigos...não dá para ficar dois minutos ao lado do Rob sem rir do humor negro e ferino dele. Eu, particularmente, a-do-ro quando ele diz que perde o amigo mas não perde a piada :DDD
E para mim, ler os textos dele é como estar sentada na sala de visitas com ele falando ao vivo ^_^
Quem conhece o menino, sabe que é assim mesmo ;)