6 de novembro de 2008

Coisas da Vida - VII

Outro dia tive que ir até as Casas Bahia pagar um carnê de um telefone que eu comprei. Aliás, deveriam inventar uma nova lei da Física para as Casas Bahia. Se você comprar qualquer coisa ali – seja uma geladeira, uma cama ou uma lapiseira – você nunca mais deixará de ir à loja. E isso não porque o atendimento é maravilhoso e os preços são ótimos, mas sim porque você tem sempre que voltar para pagar algo. E sempre que você vai pagar, um vendedor te pega pelo braço e não deixa você sair antes de comprar outra coisa – que será parcelado. Ou seja, em breve as pessoas passarão mais tempo dentro das Casas Bahia, pagando o que compraram, do que nas próprias residências, usando as coisas compraram nas Casas Bahia.

Como eu estava com pressa, entrei determinado a nem mesmo cumprimentar um vendedor que olhasse para mim. Aliás, estava mesmo pronto para cuspir na cara de qualquer um deles que me viesse me dar bom dia. Atravessei a loja rapidamente – no meio do caminho, uma das vendedoras me viu, mas me abaixei e fiquei agachado atrás de um fogão, fingindo que estava amarrando o sapato por alguns segundos e consegui escapar e fui direto para o fundo da loja, onde ficam os caixas.

Porém, a poucos metros do caixa, meu sentido de aranha disparou. Olhei para os lados procurando a fonte de perigo que deveria estar próxima de mim, mas não vi nada. Achei que tinha me enganado, mas quando olhei para a fila do caixa, senti um arrepio subindo pela minha espinha.

Duas velhas esperavam a vez para pagar.

Nada contra a terceira idade. Sempre dou meu lugar para pessoas idosas, e até mesmo já ajudei alguns a atravessarem a rua. Isso quando eu morava em Moema, claro. Em Pinheiros não rola, porque na Teodoro Sampaio impera a lei da selva e é cada um por si. Mas, de modo geral, sempre respeitei os mais idosos. Vale citar, claro, que isso não se aplica à Velha Louca que mora em Moema, na rua em que cresci (Interlúdio: eu acredito que “Velha Louca” seja um conceito: afinal, toda rua ou prédio que tem uma turma de moleques tem, também, uma entidade misteriosa conhecida como Velha Louca).

Portanto, colocando a Velha Louca de lado, ressalto mais uma vez que sempre respeitei os idosos. Sempre.

Mas, nas Casas Bahia, a idéia de “velha” é diferente. Estar numa fila nas Casas Bahia e ter uma velha na sua frente é uma espécie de loteria: você pode dar sorte e ser premiado com uma velha que vai apenas pagar a prestação do liquidificador, agradecer e ir embora; ou pode ser uma velha que vai transformar seu dia em algo, no mínimo, bizarro.

Comigo, claro, é sempre a segunda opção.

Mas, desta vez, eu não imaginava (e nem estava preparado) para o que iria encontrar.

Parei na fila e um sujeito estava guardando uns documentos no bolso e agradecendo a menina do caixa. Ou seja, assim que coloquei os pés na fila, as velhas foram em direção ao caixa. Eu estava abrindo minha carteira para pegar meu cartão do banco, quando ouvi:

Como está tu, cara de tatu?
Eu vou bem, cara de Belém!


Sem fazer movimentos arriscados, olhei para frente. Uma das velhas havia cumprimentado exatamente dessa forma a menina do caixa, que, claramente constrangida e segurando a risada, soltou um “bom dia” tímido. Enquanto a outra velha– que parecia não ter vocação de repentista ou de apresentadora de programa infantil – entregava o carnê para o pagamento, a velhinha cantora olhou ao redor, procurando novas platéias.

Ao mesmo tempo, eu olhei para cima e implorei a Deus por perdão. E, claro, perguntei discretamente a ele porque é SEMPRE comigo. Ele, obviamente, não me explicou e nem concedeu clemência: quando abaixei os olhos, a velha olhava fixamente para mim.

Eu sorri para ela. Mas não foi um sorriso de “oi, tudo bem?”, foi um sorriso de “vamos fazer um trato: eu já dou risada do que você pensou em dizer e você não se dá ao trabalho de dizer, ok?”. Aparentemente deu certo. Ela me estudou de cima a baixo (e de lado a lado, porque eu estou absurdamente gordo) e desviou o olhar. Coitada da mulher do caixa, pois teve que segurar o rojão sozinha. A velha olhou para ela e, inspirada, soltou seu novo single de trabalho:

Você é um anjo de candura
Segurado pela cintura
Comendo rapadura
E numa cadeira dura!


Comecei a me perguntar se ela mesma havia composto isso ou se estava cantando algo do Arnaldo Antunes. A velha olhou para mim, novamente rindo. Eu, claro, coloquei em prática minha habilidade de permanecer imóvel e olhando para o infinito. Na verdade, eu estava suando frio. Eu sabia que aquilo não era uma velha fazendo riminhas nas Casas Bahia, era um recado do destino, uma espécie de bilhete escrito “eu posso acabar com seu dia a qualquer hora, Rob Gordon”, em letras garrafais e vermelhas.

A menina do caixa terminou de autenticar o carnê da velha normal, que agradeceu e começou a ir embora. Sua amiga, obviamente, ainda tinha mais um número no bolso, e, matando Chico Buarque de inveja, recitou:

Tchau, tchau!
Tchau, peixinho!
Tchau, bacalhau!
E foi embora, graças a Deus. Eu cheguei ao caixa, e por uma fração de segundos, pensei em falar tudo rimado também, só para sacanear a funcionária da loja. Mas, aí olhei para o lado, vi que o armário no final do corredor não era um móvel à venda, mas sim um dos seguranças das Casas Bahia. E, como a única rima que eu conseguiria fazer com “oi, eu vim pagar uma conta!” terminaria com “sua tonta!”, achei melhor ficar quieto.

Paguei e fui embora.

Mês que vem vou ter que pagar a conta um dia antes, ou deixar atrasar, para não correr o risco de encontrar a velhinha. Porque ela com certeza vai me reconhecer. E, se isso acontecer, é bem capaz de eu ganhar uma serenata no meio da loja.

Ô fase.

51 comentários:

†YaGo-SaN† disse...

AEUHaeuAEUHaeuhAEUHaeuhAEHUaeuhAEUaeuhAEUHaeuhAEUHaeuhAEUHAEUHaeuhAE
ri muito aqui xDDDDD
cara, se tem um talento pra escrver crônicas!
os seus textos me lebram o verissimo e o kledir ramil!
E muito bom o teu blog!
Se quiser fazer parceria dexa um comentário lá no meu blog! o/
abraços!

http://wallnosekai.blogspot.com/

Tyler Bazz disse...

Meu.. SÓ COM VOCÊ MESSSSSMO!!!

E só nas Casas Bahia pra achar umas velhas assim... impressionante!!


Ó, já que vc nao fez, proponho pra galera que comentar:

Top 5 (10, 20, todo mundo posta uma) riminhas que o Rob poderia ter feito no caixa:

Oi, vim pagar meu carnê,
Me atende ela* ou me atende você?

*nesse momento, rola uma 'apontada' super sagaz e simpática pra mina do caixa ao lado :D

Rob Gordon disse...

Fechado!

As cinco melhores ganham destaque no próximo post!

Barbarella disse...

ah convenhamos... até que a velhinha é uma gracinha!

"Oi, vim pagar meu carnê
que só me faz sofrê (sic)
que tanto me maltrata
e que um dia ainda me mata."

(Fiasco em rima - mode on)

Barbarella disse...

Ou assim:

"Oi, vim pagar meu carnê
que só me faz sofrê (sic)
que todo mês me maltrata
e que um dia ainda me mata."

(Sempre fiasco em rima - mode on)

Welker disse...

Artistas de rua estão buscando sucesso em outros lugares mesmo... como se a churrascaria já não fosse lugar suficiente pra atrapalhar o dia. :T

"Aquela velha escrota falava demais,
eu pago a minha conta e deixo você em paz."

George Marques disse...

Boooooaa!

Eu não vou nas Casas Bahia, peço pra alguém ir no meu lugar xD

Não consegui pensar em nenhuma rima (o q pensei q rima com carnê...deixa pra lá)

Ah, "usando as coisas compraram nas Casas Bahia" tá faltando um "que" aí, não?

E nem me lembre da Velha Louca...

teodorO disse...

HAUHuahuhuhauahuHUHauhaUHauhUHUHuhau

" Como está tu, cara de tatu?
Eu vou bem, cara de Belém!"

como assim??!!!

aposto q ela axa q issu é hype.

pelamor!

eu disse...

"Oi, eu vim pagar o meu carnê!
Que tal depois a gente dar um rolê?"

Péssima!
Depois tento outra melhor...

Tyler Bazz disse...

"xaveco minha arma, você minha vítima,
venho aqui pagar conta, meu bolso sempre lastima"

:)

Luna disse...

Acho que ela estava tentando começar um musical em plenas Casas Bahia. Você devia ter respondido cantando também, então ela ia começar a sapatear, a loja ia virar o palco da Broadway e você finalmente ia conhecer a Debbie Reynolds. Perdeu, hein?

André disse...

se não fosse obrigado eu não pagaria
e nem estaria nas casas bahia
ouvindo piadas e rimas anos 50
só pra ver se o meu leitor comenta.

Otavio Cohen disse...

poooo, esse comentario escrito André na verdade é meu, droga. isso que dá usar computador público.

Barbarella disse...

Oi, vim pagar meu carnê!
Que me faz enlouquecer
Com as rimas da velha louca
que só falta tirar a roupa.

(Ridícula- mode on)

Marcio Sarge disse...

Armário, mesa, enxoval
Quer pagar quanto que vou me dar mal?
Pego uma fila que não tem hora pra acabar
Ainda me vem uma velha que pensa que sabe cantar.

Da próxima vez vou na Marabraz
Lá eu sei que os móveis nunca duram
Ma pelo menos eu me ferro em paz.

Fui rs.

Arthurius Maximus disse...

Isso é que dá... quem manda encantar velinhas assanhadas e levemente loucas?

Leandro disse...

e eu achando que era o único com um para-raios de loucos :-)

Lady Dari disse...

Ela me estudou de cima a baixo (e de lado a lado, porque eu estou absurdamente gordo)
||
\/
lol
__
o coment da luna .... shuahsuahs... to imaginando um sgowzinho basico..
__

na fila esperando pra pagar
aquela conta que nunca deixa o dinheiro sobrar
como se naum bastasse na fila ter que esperar
ainda tenho que uma Velha Loica aturar
-
Coisas da vida que soh acontecem contigo
Inda bem, assim podes postar
qto mais leio, mais vicio, amigo
e deste post, soh a velha naum vai gostar
-
tentei alguma coisa rimar
juro que foi de coraçao
acho melhor eu parar de tentar
mas valeu minha intensao

(sou melhor em acrosticos... shauhsua)

Lady Dari disse...

showzinho*

Varotto disse...

Tragédia nas Bahia

"Eu podia tá vendeno bala,
chaveiro ou minduim, chefia
Mas tô aqui nessa porra
pra assaltar as casa bahia

Mão na cabeça, cara no chão
passa logo o dinheiro mermão
E se alguém gritá
O bicho aqui vai pegá!

Se o segurança fizé gracinha
vai virá comida de sardinha*
E se a velhinha cantá feliz
vai comê grama pela raiz

Então é bom me dá a sacola
E saí do meu caminho agora
Porque antes de eu entrá num camburão
Levo todo mundo comigo pru caixão"

*(o-segurança-dorme-com-os-peixes mode: ON)

Fernando Pocow disse...

Muitos talentos aqui hein...
Esse do Varotto ficou massa pra caramba...
Minhas humildes tentativas!

1ª tentativa

Oi, esqueci o meu cartão,
Mas eu trouxe o meu carnê
Na verdade, eu vim ver você
Aceita meu coração?

2ª tentativa
Oi, quer deixar de ficar no caixa das Casas Bahia,
e se tornar inspiração da minha poesia?

3ª tentativa
Eu não sou mais um menino,
pra acreditar em destino,
Mas olha o novo carnê,
24 parcelas, só pra vim te vê.

Alezinho quando nasce disse...

a riminha pode ser em video?

(não... nem pensar) huahuauha

Nanci disse...

Velhinha repentista?

Nas Casas Bahia?

Ô FASE! hehehee

Tem coisas que acontecem que nem a gente sabe explicar direito... quem dirá o autor da "folia carnavalesca" em plena fila!

E o caixa que aguente...

Bjs!

Varotto disse...

Pô, acho que eu estou meio trágico hoje...

Mas para dar uma balanceada, o Fernando parece estar num dia romântico. ;o)

Gostei, principalmente, da terceira. A rima de "carnê"com "te vê" ficou demais...

Felipe Lima disse...

São esses acontecimentos que tornam sua vida tão interessante para nós. Segue, abaixo, minha pobre riminha:

Trabalhar nas Casas Bahia é coisa de maluco./
Aqui se encontra de tudo./
Não sei como você agüentou aquela velha tonta./
Prometo ser rápido e só pagar a minha conta.

Larissa Bohnenberger disse...

Céus... eu só te imagino parado, mirando o infinito e sentindo vergonha pela velha! Sim, porque este é o tipo de velha que, apenas ela, não sente vergonha do que fala e faz. Todos os outros em volta sim!
Que horror, é sempre contigo mesmo, heim???
Rsssss!
Ô fase!
Bjs!

Varotto disse...

Tive um acesso de riso retardado (em ambos os sentidos) agora há pouco, imaginando o Rob de meia-calça na cabeça recitando aquela quadrinha do assalto que escrevi.

Não tinha visualizado com todas as cores ainda a cena do dia de fúria de Mr. Gordon.

Varotto disse...

E, pensando bem, eu podia ter incluído a gordinha pseudo-cinéfilo-intelectual nessa tragédia.

Por falar em pseudo-intelectual, não sei como eu não tinha pensado antes em indicar aqui o vídeo "Como fazer um curta-metragem experimental, cult e pseudo-intelectual".

Absolutamente sensacional:

http://www.vitoralli.com.br/cults/curta.php

Depois vejam os depoimentos de Godard e Jean Rouch sobre o curta:

http://www.vitoralli.com.br/cults/depoimentos.php

Imperdível! :oD

Tamara disse...

hahahahahaha!
Muito bom!

"Comecei a me perguntar se ela mesma havia composto isso ou se estava cantando algo do Arnaldo Antunes."
Foi a melhor parte!
Adorei :)

E eu não sei rimar. Sou péssima com isso. :/

Varotto disse...

Acho que estou sentindo o cheiro de um novo recordista de comentários...

P.S.: Estou fazendo minha parte (terceiro em menos de meia hora).

Pâmela disse...

É incrovel como esse tipo de coisa só acontece com você.
Eu até pensei em fazer uma rima (não que nisso eu sou boa?) mas não tô com cabeça pra isso (tô sem tempo pra nada e me apertei pra entrar aqui mode : on) . Talvez eu volte aqui quando tudo que eu tenho que fazer terminar, enquanto isso, continue encontrando pessoas estranhas pelos lugares, elas rendem bons posts e boas risadas.

Que Nem Chiclete disse...

carne com vim t v ficou otima!
preciso trabalhar e fico aqui lendo as riminhas..
__

penso: o povo na frente do pc.. "hum, deixe-me ver as palavras q posso rimar..."
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

record d coments?
record d risadas, isso sim!

Fernando Pocow disse...

@varotto

Dia Romântico?
Eu sou quase um Amado Batista underground.
(modestia a parte)
uahuahuahuahuahuahuau

Gabi disse...

Rachei de rir tanto do texto quanto dos comentários.
Ótima a idéias do Tyler.

O que eu acho estranho é o Gomex não ter aparecido pr aqui ainda. oO
Tá dando bobeira!


;D

rbns disse...

Na fila das Casas Bahia;
Entre uma vovó e uma titia;
Só o Rob Gordon que não ria;
De longe ele reconhece uma fria;

O segurança não vai te ajudar;
Esta senhora pretende te alugar;
É fugir agora deste lugar;
E deixar a conta sem pagar;

Esta velhinha é um projeto-piloto;
Do pessoal que trabalha "pro" tinhoso;
Foi um sucesso estrondoso;
Primeiro teste, é claro, com você de novo;

Primeiro teste, é só um aviso;
Escute bem o que eu te digo;
Mudar de loja é bobagem;
Eles te seguem, é uma sacanagem;

Ignore o sentido de "sentido de aranha";
E esteja certo que logo você apanha;
Mês que vem nova parcela;
E você na fila com ela.

- - - - - - - -

hê, hê.
Falou irmãozinho. Saudades.

Barbarella disse...

medo das rimas do gomex.... muito medo!!!

Apareça Gomex....

gilgomex disse...

“oi, eu vim pagar uma conta!” terminaria com “sua tonta!”

o tipo de rima que eu tb pensaria... somos grandes poetisos.

Perci Carvalho disse...

caso tenha se perguntado em algum momento, não abandonei o champ, sempre leio, mas ta osso de comentar por esses dias, mta correria...



sobre o post anterior... preciso confessar... da primeira vez q vi o poderoso chefão, eu nao tinha muita noçao de nada mesmo... entao, qdo o Michael ia matar os carinhas no restaurante, eu pensei: esse frouxo nao vai ter coragem. - depois eu me desculpei com ele... mas deixei claro: 'mike, vc nunca chegará aos pés do seu pai.' - ele chorou.

eu acordei.



bj

Dalleck disse...

Bom, eu fiz um "pôEMO" no meu blog (Farofa à Milanesa) e nem tinha lido esse aqui ainda, tá todo mundo inspirado essa semana =D
Bom, se interessar a alguém, aí vai meu "pôEMO":

O que eu posso fazer
pra você ver
e perceber
que eu não sei rimar?

Quando a falta de assunto aperta
o jeito é apelar pra poemas.
Não sei se você enxerga,
mas eu não gosto de algemas.

Tem o cara que posta download,
Tem a garota que posta poesia,
Tem o cara que posta farofa,
e tem o cara do Coluna do Lorida.

Não sei se você vai gostar,
mas a intenção não era essa.
Só quero que você clique aí embaixo
no espaço de comentar.

Xingue-me, diga calúnias.
Faça do seu comentário
um texto melhor do que essa balbúrdia.

Não deixe se influenciar,
não fique com medo de se expressar,
faça um comentário espetacular
e reze pra que na próxima estrofe os versos não terminem com "ar".

Vou terminando essa droga, que saco!
Porque foi só um tapa-buraco
enquanto meu cérebro está em greve
e só consegue fazer posts de jegue.

Dalleck disse...

"Oi mulher do caixa,
essa velha rima mal
e você que paga o pato,
prefiro tapar os ouvidos
e ficar coçando o... cabelo.

Que tal a gente sair das Casas Bahia
e ir tomar café na padaria?
Tô te xavecando porque eu não sou bicha
Te jogo na parede e te chamo de lagartixa."

gilgomex disse...

heuhueheuheheue...
eu não li os coments anteriores (falta de tempo), agora que vi que os coments tem tudo a ver comigo... então... lá vai:

"Oi minha tia, cuidado coma bacia,
Oi cara de boi, foi você ou não foi?
Será que dava pra alegrar minha vida,
Ou nas Casas Bahia também tem privada entupida?"

"Nada na carteira e nada na minha mão,
Será que posso pagar essa conta com cartão?
Uta, uta, uta, essa velha na minha frente é uma filha da..."

Cansei.
Eu sei.
Boiei.
Caguei e andei.

Pâmela disse...

Oi, eu vim aqui pagar
E não para comprar !
Vocês acham que vendem barato,
Mas me deixam é enjuriado !

Tá, eu sei, eu sei. Ficou uma bosta.

KarinaK disse...

o seu pqno momento "perdão a Deus" foi hilário, além da sua habilidade de ficar imóvel e olhando para o infinito
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
normalmente qd vc atrai gente "anormal" são idosos em geral?!

eu disse...

Minha nossa! A galera tá inspirada... Mês que vem agradece a vovó poetisa...

Gotardo disse...

Casas Bahia e foda!
Daqui a pouco vai rolar um Plantao da Globo informando a fusao entre as mega-empresas do pais :Casas Bahia e Igreja Universal.
Se as Casas Bahia abrir um partido politico...fudeu.

Entao,tava a bastante tempo procurando um blogueiro que escrevesse que nem voce!

Parece um pouco com o que eu escrevo tambem, acontecimentos extraordinario na semana de um ser humano.

Espero que se interrese em dar uma olhada no que os meus dedos teclam

;D


e nui?

Caique Almeida

http://uklafayette.blogspot.com/

Varotto disse...

Em meio ao turbilhão poético, até esqueci de comentar uma coisa sobre o texto. Quando você disse:

"Eu sabia que aquilo não era uma velha fazendo riminhas nas Casas Bahia, era um recado do destino, uma espécie de bilhete escrito “eu posso acabar com seu dia a qualquer hora, Rob Gordon”, em letras garrafais e vermelhas."

Só conseguia visualizar aquela cena do Forrest Gump com o Tenente Dan no topo do mastro, durante a tempestade, desafiando Deus a afundar a embarcação.

Felipe Lima disse...

Rob, essas coisas estranhas só acontecem contigo, sua vida é cheia de bizarrizes!!! Segue a minha pobre rima:

Só vim pagar meu carnê/
Não quero te encher/
Sei que as velhas eram um saco/
Por isso não vou alongar o papo/
Não faço rimas baratas/
Meu trabalho é com as palavras/
Sou blogueiro e editor/
E faço isso com amor/

Kel Sodre disse...

hihihih hahahahahha huahuahuahuahuahuahuahuahuahuahua

A-M-O os post da série Coisas da Vida! E, Rob, pra você não se sentir muito sozinho nesse mundodemeudeus onde coisas bizarras acontecem:

http://armariodecoisinhas.blogspot.com/2008/07/blog-post.html

Quando "Coisas da Vida"
Rob Gordon escreve
Não há jeito, minha cabeça ferve
Minha chefe agora está para me demitir
Pois eu não consigo parar de rir!

hahahahahahahahahahahahahahaha

Outra:
Sem carnê das Casas Bahia
Mais feliz eu seria
Mas sem Velha Repentista no meu dia
Posts eu não escreveria!

hihihihihihihihihihihihihihihhih

Mais uma (e prometo terminar com o sofrimento de vocês por aqui):
Fui às Casas Bahia
Pois um telefone eu queria
Mas não sabia que horror,
A velha comprara um liquidificador
Recitando versos sem louvor
Me fez escrever um post cheio de rancor

huahuahuahuahuahuahuahuahuahuahahuahuahuahuahuahuahua

Parei, prometo!

Barbarella disse...

Varotto, eu fui lá ver o vídeo viu... muito legal mesmo, vlw...

Dudu Tamborim disse...

Caralho, cara... li teu blog todo :O

Dudu Tamborim disse...

Caralho, cara... li teu blog todo :O