6 de janeiro de 2008

Until it Sleeps

Apesar de adorar dormir, eu detesto dormir. Sim, eu sei, é contraditório, mas eu tenho o péssimo hábito de ser contraditório na maioria das vezes. Mas explico: eu adoro dormir não para descansar, mas pelo ato de dormir mesmo. Sempre achei fascinante a idéia de você ficar deitado por horas, sem saber o que acontece ao seu redor, enquanto seu cérebro (o órgão que mais sofre de insônia em todo o organismo) aproveita para revisar todos os roteiros que ele escreve enquanto sonha com uma carreira em Hollywood – naquilo que, na falta de um nome melhor, resolvemos batizar de sonhos.

Por outro lado, eu detesto dormir, por que acho um tremendo desperdício de tempo. Se eu parar de comprar livros e DVDs a partir de agora, eu tenho o que assistir e ler por mais uns dois anos. E como eu continuo comprando, a fila está aumentando cada vez mais. Ou seja, eu não posso me dar ao luxo de passar horas deixando o cérebro revisar os seus roteiros, enquanto meus seriados, filmes e livros estão parados ali, na estante da sala, esperando para ser consumidos.

Bem, de uns dias para cá, eu deixei de adorar dormir e de detestar dormir. Não, minha opinião não mudou. Eu apenas não consigo mais dormir. Insônia? Stress? Pesadelos? Não. Besta-fera. Uma das resoluções de ano novo do meu cachorro é expandir a sua área de atuação na casa para dentro do meu quarto, o único aposento em que eu ainda dou as cartas. Ou reinava, porque, pelo jeito, ele pretende cumprir essa resolução ainda antes do carnaval.

E apesar do que minha mãe falava, eu nunca tive problema em dormir com um bicho na cama. Aliás, quando eu morava com ela, um dos maiores prazeres era quando eu deitava numa noite fria, e, segundos depois, eu sentia o gato da casa andando pela cama e se acomodando ao meu lado ou se enrolando no meio das minhas pernas.

Hoje as coisas são diferentes. Eu apago a luz, deito e, logo em seguida, começo a ouvir os passos no quarto. É ele, estudando o ambiente ou procurando algo para destruir. Anda para cá, anda para lá. Começa a cheirar algo. Anda para lá, anda para cá. De repente, ouço os passos se afastando.

Foi embora?

Nada. Ele foi até o meio da sala para tomar impulso e pular na cama. De repente, eu ouço aquela correria desenfreada pela casa que, invariavelmente, culmina com ele subindo na cama com aquela delicadeza que lhe é peculiar, que lembra um Panzer rompendo as linhas inimigas no Norte da África. E, a partir do momento em que ele está na cama, sei que meu sono vai ser, no mínimo, agitado.

Isso porque ele faz sempre as mesmas coisas e todas elas me impedem de dormir. O primeiro passo é explorar a cama, para verificar se não tem nada de diferente em relação à noite anterior. E, como bom explorador, ele sabe que, quanto mais alto o terreno, melhor a visão, logo, ele faz isso de cima das minhas costas. Sobe ali e fica olhando ao redor. Uma noite dessas, chegou ao cúmulo de sentar ali para descansar enquanto observava.

Após a vigília, é hora de estabelecer contato com os nativos, ou seja, eu. Ele desce das costas e vem andando pela cama na direção do travesseiro. Ao chegar perto, começa a me lamber no rosto e na cabeça, num ritual que pode durar de intermináveis dois a cinco minutos. Depois disso, ele deita do meu lado (normalmente me empurrando, senão não teria a mesma graça) e dorme. Ou finge que dorme. E, inevitavelmente, nesses poucos minutos de sossego, eu apago. E é tudo o que ele precisa.

Porque a partir do momento em que eu durmo, ele percebe que é o dono da casa. Finalmente, assumiu o controle do quarto. Ou seja, estou ali a mercê dele. Pelo que eu consegui deduzir ao longo dos meses, a primeira providência é transportar todos os brinquedos dele para a cama. Não é raro eu acordar no meio da madrugada sentindo uma dor violenta em algum lugar do corpo, e, quando coloco a mão, encontrar um osso ou bichinho de borracha debaixo de mim.

Curioso é que sempre que faço isso, procuro por ele, e ele está dormindo. Ou fingindo. Poucas vezes eu o consegui surpreendê-lo acordado no quarto. Uma das vezes foi semana passada. Eu estava quase apagando quando ele entrou com um dos brinquedos na boca. E ele só sabe brincar no delicado estilo “morde & sacode”, o que às vezes faz com que o brinquedo escape e saia voando pela casa, me acertando em 98,7% das vezes que isso acontece. Obviamente, aquela merda babada escapou e alçou vôo no quarto, aterrissando na minha cabeça. Eu abri os olhos e lá estava ele ao lado da cama, esperando eu devolver o brinquedo.

– Porra, são quase duas da manhã. Você não dorme?

A resposta dele foi subir na cama, pegar o brinquedo e sair do quarto ofendido. Segundos depois, ele voltou.

Tem dias que eu acordo e encontro literalmente todos os brinquedos dele no quarto. Metade no quarto, metade na cama. Ou seja, enquanto eu durmo, ele literalmente instala uma base de operações no quarto. E eu, provavelmente, sou encarado não como o “dono que dorme”, mas como um prisioneiro de guerra que será interrogado e executado até o amanhecer.

Outra estratégia que ele desenvolveu ultimamente foi aguardar eu levantar durante a noite para conseguir meu lugar na cama. E é só eu levantar para beber água ou ir ao banheiro que, quando eu volto, ele está no meio da cama, dormindo. E se eu não levanto, ele providência isso. Semana passada, estavam colocando uma daquelas lixeiras de metal para entulho ao lado do prédio lá pelas três da manhã. Ele aproveitou-se disso e foi para a varanda começar a latir, provavelmente mostrando sua indignação aos operários por não ter sido consultado sobre o projeto.

Acordei com ele latindo e fui bêbado de sono, tropeçando e esbarrando e tudo, até a varanda. Quando ele viu que eu estava fora da cama, correu para o quarto e deitou no meu lugar. Voltei para o quarto e ele estava com aquele maldito olhar de “cheguei aqui primeiro” que ele sempre faz. Aí eu me deito, ocupando aproximadamente 1/6 da cama e usando um fiapo de coberta, que é o que ele permite que eu use. E, pior, acabo dormindo. A capacidade de adaptação do ser humano, infelizmente, é alta.

Mas nada é pior do que a hora que eu acordo. Algumas pessoas dizem que o segredo de um bom casamento é não olhar para o cônjuge na hora em que ele acorda. Bem, essas pessoas nunca experimentaram a sensação de acordar ao lado de um cachorro que dorme ao seu lado de barriga para cima e deixa suas... Como dizer isso? Suas... Suas partes íntimas ali, viradas para cima e apontadas para seu rosto. E se eu começo a fazer barulho ao me vestir, ele ainda acha falta de respeito e fica me olhando feio da cama.

Acreditem, não é uma boa maneira de se começar o dia, não. E o pior é que aí eu saio para trabalhar e ele fica em casa, dormindo. Dormindo e planejando. Com isso, eu não tenho mais pesadelos. Dormir se tornou meu pesadelo. E antes que perguntem por que eu não fecho a porta do quarto... Bem, aí ele vai começar a jogar sujo mesmo. E todas as minhas coisas de valor estão na sala. E ele sabe disso.

Antes que eu descubra o que me aguarda na noite de hoje, deixo vocês com o Top 5 características que tornam a Besta-fera a máquina de guerra perfeita:

1. Equilíbrio – Ele anda por cima do encosto do sofá. Tudo bem que ele usa isso para lamber minha cabeça enquanto vejo TV, mas ele pode usar isso também para emboscadas.
2. Agilidade – Às vezes, ele começa a correr feito um desesperado pela casa desviando dos móveis. O assustador é que ele não bate em nada, mesmo sem diminuir a velocidade ao fazer curvas.
3. Força – Nunca duvide da força física de uma criatura capaz de subir numa cama carregando (na boca) uma almofada com duas vezes seu tamanho.
4. Capacidade de adaptação – Quando suas batalhas apresentam momentos de sossego, ele consegue descansar em qualquer tipo de terreno (normalmente usando meu pé como travesseiro).
5. Destreza – Quando ele faz seus brinquedos voarem pela sala, consegue fazer com que eles atinjam exatamente o lugar que deseja. Normalmente é o meu rosto.

29 comentários:

Rafael Haviaras dos disse...

Provavelmente você era a sogra dele em outra encarnação...

vissaway disse...

Hahahahahaha

Eu tenho um cachorro que não deixa eu me mexer quando estou na cama. Ele acha uma falta de respeito e começa a rosnar e geralmente sai ofendido, voltando 5 segundo depois ao lugar onde estava me olhando atentamente esperando eu fazer um minimo movimento para rosnar denovo. Se eu continuo me mexendo depois do aviso mortal dele, ele começa a latir até tirar todo o meu sono.

Acho que nossos cachorros fazem partes de um tipo de "Clubinho" contra os donos, se é que podemos chamar esse animais de cachorros.

Tyler Bazz disse...

aUHAuhaUHauhaUHAaUHAuhaUHAuha
Ele te adora, Rob, só que a maneira que ele tem de demonstrar isso não é lá muito comum...

Já tentou deixar a tv ou algum som ligado quando sai de casa pra ver se ele não dorme durante o dia??


E no quesito agilidade, conheço um cachorro que provavelmente ganha do Besta-Fera. Minha amiga tem um poodle que também corre louco pela casa, subindo e desviando de coisas. Mas... ele só tem três patas!!!!! É assustador...


o/

Larissa Bohnenberger disse...

Só tenho uma coisa pra te dizer, Rob: Todas as Besta-feras são iguais! A minha não sossega enquanto literalmente me empurrar para fora da cama. E assim que eu levanto ela se deita em cima do meu travesseiro. Até a cara de "eu cheguei aqui primeiro" é a mesma!
Aliás, gostei de descobrir que eu não sou a única maníaca e consumista que compra livros e DVDs muito mais que os lê e assiste. Não só a gente não deveria mais dormir, como nossos dias teriam que passar a ter 72h, no mínimo!
Bjs!

Li disse...

poxa rob... que situação dificil!!!

renata disse...

ele é hiperativo e passa o dia sozinho. o que vc queria?
sugestão: castre-o.

Hally disse...

huahauhuahuahuahuahauhauhauhauhuahuahua
Risos de indignação pura!

Pq vc não tenta prender ele em algum canto? Talvez dormir não seja mais um pesadelo. E quanto aos latidos, compre uma porta anti-ruídos para isso.

Ainda bem que eu tenho um felino, bestas-feras são bestas ou feras demais.

Gilgomex™ disse...

hum... suspeito muito sobre esse post.

primeiro: seu assunto preferido atualmente é a Besta-Fera, seria por ele ser o personagem mais amado do blog?

segundo: me parece que vc criou um post super rápido (apesar de longo) por medo do post para preguiçosos atingir um número absurdo de comentários.

terceiro: algum outro motivo muito importante que não me vem ao cérebro neste momento.

quinto: ou será que errei a contagem?

Gilgomex™ disse...

rafael disse: "Provavelmente você era a sogra dele em outra encarnação..."

ou pior... em outra encarnação você era o dono dele.

MaxReinert disse...

Provavelmente você era a sogra dele em outra encarnação... [2]

hauhauhauuah

PS: a sugestão de castrá-lo só poderia ter vindo de uma mulher!! :O

Bruno Rogano disse...

Hahahahahahahahahaha!!!!

Cara, eu ri muito com o seu post..
As partes em que eu ri demasiadamente, foram as que me identifiquei com a Wendy, minha cachorra.

Ela também é bem espaçosa e reclama as vezes quando eu peço p/ ela ir pro chão.

Mas não feche a porta do quarto! Eu já fechei algumas vezes, e me fez uma falta danada acordar sem ela ocupando metade da cama e roncando alto, rs.

Parabéns pelo blog, vou voltar aqui mais vezes.

Um abraço!

Bruno Rogano disse...

A minha dog não chega a correr em alta velocidade pela casa (salvo quando eu brinco com ela) e nem sobe nas minhas costas, rs.

Na verdade, se eu me mexo muito na cama, ela pula pro chão e fica por lá, até eu parar de me mexer..p/ dar o bote novamente e pular nos meus pés! rs

ps: ignore a sugestão de castrar o animal ¬¬

renata disse...

com relação à castração, rob, posso te enviar informações sobre os benefícios, que são inúmeros, principalmente pra saúde dele.
a sugestão de "ignorar a sugestão" é ridícula, mas compreensível: homens jovens compartilham do instinto de proteção testicular coletivo. :)
(lembrando que os benefícios da castração são ainda maiores para as fêmeas...)

Bruno Rogano disse...

Renata, você não é a única no mundo que entende de cachorros.

E já conversei com muitos veterinários e donos de canis sobre o assunto.

Em alguns casos é viável, mas não se deve castrar o animal simplesmente por sua hiper atividade.

Passeios diários diminuem o stress de qualquer animal. E se não quer acreditar em mim, pergunte a algum especialista!!

E quanto ao "homens jovens" isso não faz o menor sentido, achei ofensivo o seu comentário!

Otavio Cohen disse...

não castra não.
vc gostaria que ele fizesse isso com vc??

melhor aguentar quieto. afinal, o que é uma noite de sono mal-dormida? ele não deixou vc dormir? vá ler um livro eheh..

Gilgomex™ disse...

vcs não são os únicos a entenderem de cachorros...

eu já comi muito cachorro quente!!!!

renata disse...

bruno, eu não sou a única no mundo que entende de cachorros. se fosse estaria milionária e não daria sugestões: cobraria por elas. e caro.
a sugestão não é exclusivamente pela hiperatividade. os passeios diários funcionam. mas nem sempre.
quanto ao comentário do "instinto de proteção testicular coletivo", não foi intenção ofender.

Gilgomex™ disse...

er... chat?

olá... tc de onde?
tem msn?

Pam disse...

Meldels!
O seu cachorro deve ser impossível mesmo... O meu poodle não é nem um pouco diferente... Quando ele encana com meu irmão, sai de perto. Ele vira um Chuck Norris de dentes arreganhados. E ai de quem chegar perto...

Vc virou meu blog favorito, Champ!
xDD~

ღ mey ♥¨`*•.¸¸.•*´¨♥ღ disse...

hahhahaha
olha eu nao gosto de dormir, mas meu cerebro sim... custo a levantar sempre!!!
adorei teu blog, viu!!!
espero que me viste e goste tbm.... bejaum

Daah disse...

Hahaha!
Bom, comentarei em partes!
Primeiro: Eu também odeio dormir qdo tenho muita coisa pra fazer, e fico puta-da-vida cmg mesma se eu sentir sono.
Segundo: Eu tenho uma maltês fresca pra caramba. Que invés de subir na cama, fica arranhando as unhas no tapete até ela se sentir a vontade de deitar e dormir. Rs.

Poxa,seu cachorro parece ser tão agradável...rs
Qual a raça do besta-fera?
:)

Gustavo Timm de Oliveira disse...

Pelo menos, Rob, você não tem de catar cocô pelo quarto :D Vou te dizer, por experiência própria, que não é nada agradável...

Abraço!

D Bituca - dbituca.blogspot.com

Bruno disse...

Tudo indica que o Bush vai convocar o Besta-fera para a campanha no Irã.

Deisinha Rocha disse...

não se preocupe... ele ainda o ama...

mas tenho uma idéia melhor:

ponha ele dentro do quarto e feche a porta. Daí, durma na sala...

hahahaha

Gilgomex™ disse...

ótima idéia a da deisinha... é melhor a fazer no momento...

BeCa MeLL disse...

Meus cães dariam tudo pra dormir na minha cama ....kkkk
Mas uma só já ocuparia a cama toda praticamente ... fora os pesadelos q ela sempre tem .....kkkkkk
Minha Sol naum tem o equilibrio q seu cão tem ....kkkkk ... ela geralmente cai sozinha ... achu q ela tem problemas... piorou na hora de desviar das coisas .....
eh ai q ela bate mesmo ..... dai q ela lembra q tem q desviar .....desvia e continua seu caminho até bater em outra coisa ...kkkkkk
gracinha!!!!
Forte ......isso elas são ....e bastante .... ja desisti de tentar tirar ela da sala quando ela consegue entrar ..... ou te tirar ela de cima do tapete da minha mãe .... ela gruda mesmo ..... hihihihihihi

te mais
bjus

Nathy. disse...

é siimples, retire suas coisas de valor da sala, passe para o quarto ou outro comodo que o cachorro não tem acesso, e deixe a sala livre para ele. tah certo que a sua sala vai estar 'de pernas pro ar' a cada amanhecer, mas pelo menos vc teráa uma boa noite de sono e é o que importa.


by.
(http://diiasmelhores.blogspot.com)

Angelita disse...

Também acho 'dormir' um tempo perdido. Não entendo o fato de especialistas afirmarem que 8h/dia são indispensáveis para se viver mais e melhor... (querendo discordar da ciência mode: on) Sobre o "melhor", acredito que vivo muito bem com as minhas 4 ou 5h de sono po dia. Sobre o "mais" só vamos descobrir daqui uns anos... hehe

Os textos são ótimos, mas também gosto demais dos comentários!
Cólicas de riso com esse Gilcomex :P
"vcs não são os únicos a entenderem de cachorros...

eu já comi muito cachorro quente!!!!" [2]

Angelita disse...

* por
* Gilgomex