19 de julho de 2007

Lord of the Rice - Parte I

Outro dia, eu estava em casa assistindo a algumas cenas de O Retorno do Rei. Sim, algumas cenas, porque o legal dos filmes de O Senhor dos Anéis é que eles são tão longos que, com um pouco de disposição e um controle remoto na mão, você consegue montar um best of e rever apenas as cenas “hit parade” do filme. Então, lá estava eu largado no sofá, com a Besta-Fera deitada no chão (sem deixar eu me aproximar do aquecedor, obviamente) e brincando com o filme. E dá-lhe Laracna para cá, batalha dos campos de Pelennor para lá, e eis que surge, numa cena o Aragorn gritando ao seu exército:

Eu vejo em seus olhos o mesmo medo que acometia o meu coração. Pode chegar o dia em que a coragem dos homens falhe, que os amigos sejam traídos e os laços de amizade sejam rompidos. Mas esse dia não é hoje. Hoje, NÓS LUTAMOS!"

Fui contagiado pela emoção e bravura do monólogo. Uma estranha e poderosa força tomou conta de cada fibra do meu corpo. Hoje, nós LUTAMOS! Eu não era mais um Rob Gordon. Naquele momento, eu era um soldado valoroso que iria proteger meus princípios e valores - até mesmo com a morte, se preciso. Hoje, NÓS LUTAMOS! Nunca mais iria me render ao medo ou ao acaso e decidi que, a partir daquele momento, eu jamais seria um joguete do destino (citação de shakespeare mode: on). HOJE, NÓS LUTAMOS! Desliguei o filme, levantei do sofá, estufei o peito (a Besta-Fera nem se moveu, claro) e, munido de coragem e determinação, resolvi tomar a decisão que vim adiando há muito tempo.

Vou aprender a fazer arroz.

Sim, se você é homem e mora sozinho, a melhor coisa que você pode fazer da sua vida é aprender a fazer arroz. Um prato de arroz branco, à primeira vista, pode parecer algo sem graça e casual demais. Mas, confie em mim, ele é a chave que destranca o portal que leva a um mundo mágico, repleto de pratos congelados maravilhosos, como strogonoff e feijoada (sem falar nos meus já lendários ovos com bacon), que simplesmente não funcionam sem arroz.

Alem disso, como já se passaram meses desde a minha queixa formal direcionada às empresas como a Sadia, que subestimaram a força política deste blog e não lançaram a merda do arroz congelado para acompanhar os pratos citados acima (atenção, funcionários da Perdigão: vocês foram TEMPORARIAMENTE perdoados graças ao lançamento da lasanha de calabresa) resolvi arregaçar as mangas e me livrar dos grilhões da tirania impostos pelas empresas de congelados e assumir as rédeas da minha vida. Não vou mais depender de ninguém! Darei meu grito de independência e vou aprender como se faz isso de qualquer maneira! Nunca mais passarei vontade de comer alguma coisa porque não tem arroz em casa. De hoje em diante, devotarei minha vida a me tornar o mestre do arroz branco!

Afinal, cá entre nós, estamos falando de fazer arroz. Não deve ter muito segredo. Eu passei a vida vendo minha mãe fazendo arroz em casa. Pelo que eu me lembro, é fácil. É só jogar o arroz numa panela cheia de água, cozinhar, desligar o fogo e comer. Na boa, até eu consigo fazer isso.

Ok, minha mãe colocava cebola também, mas espere aí, isso também já é pedir demais para um dia. Se cozinhar arroz é como aprender a ler; colocar cebola, então, seria o equivalente a resolver uma equação de segundo grau. Alho, então, seria quase um de MBA (aquele arroz yakimeshi do China in Box, então, que tem mais ingredientes que muito supermercado, já é exibicionismo).

Não, vamos nos contentar com o arroz mesmo. Depois nos aprimoramos. Primeiro, o arroz. Depois, o mundo.

Hora de entrar em ação. Fui até a cozinha a passos largos, disposto a iniciar meus planos de conquista imediatamente... Mas parei no meio do caminho, me dando conta de um problema. Minha mãe havia me visitado dois dias antes. Em outras palavras: mesmo se houvesse arroz em casa, eu jamais o encontraria, já que ela, com aquela “lógica que só as mães têm”, teria guardado o saco de arroz em algum lugar totalmente absurdo, como o armário de perecíveis, junto com farinha e café.


Para ele é fácil, ele é o rei. Se ele pedir,
é capaz até dos elfos fazerem arroz à grega.

E o problema é que eu não tenho nem idéia de onde fica isso na minha casa. Na verdade, nem sei se existe um armário de perecíveis em casa. Quando eu aluguei o apartamento, não me lembro da corretora dizendo “ali é a varanda, aqui é o banheiro e ali fica o armário de perecíveis, onde você irá armazenar seu arroz”.

Bem, como diria Aragorn, “hoje, nós lutamos”! Nada de desistir. Entrei na cozinha e comecei a fuçar em todos os lugares, dando de cara com todos os meus alimentos altamente nutritivos (homem solteiro morando sozinho: mode on): chocolates, castanhas de caju, garrafa de vinho, três garrafas de Coca (sim, eu estoco Coca em casa, caso um dia estoure uma guerra e comecem a racionar refrigerante), Danettes, pacotes de Ruffles, mas nada de arroz. Achei até um resto de maionese de atum fossilizada que estava na geladeira desde a Era Mesozóica, mas nada de arroz.

Bem, vou ter que pedir ajuda às bases. Deve ter arroz aqui, e apenas minha mãe saberá desvendar isso. Olhei no relógio. Meia-noite e pouco. Tarde demais, ela já está dormindo. Se eu ligar agora para perguntar onde tem arroz, é capaz dela incendiar a minha coleção de Homem-Aranha que ainda está na casa dela. Além disso, seria falta de consideração demais ligar a essa hora.

Justamente por isso, decidi ligar para o meu irmão. Afinal, é irmão mesmo, foda-se. Liguei e ele atendeu no quinto toque.

– ...htrgstd...

– Tudo bom?

– ...rdsrjgps...

– Seguinte, é rápido. Preciso perguntar uma coisa.

– ... eu estava dormindo...

– Você sabe onde tem arroz aqui em casa?

– Filho da puta! Você me acordou para isso?, urrou, batendo o telefone na minha cara antes que eu pudesse explicar a importância da situação para ele. Pelo jeito, ele também utiliza a minha filosofia do “ah, é irmão mesmo, foda-se”.

Bem, Aragorn, então é isso. Os amigos foram traídos e os laços de amizade foram rompidos. Não existem mais alianças entre os homens. Não existem laços de amizade ou lealdade. Hora de tomar uma atitude drástica.

Hora de partir em busca do meu destino encontrar o meu próprio arroz.

Calcei o tênis e fui até o Pão de Açúcar.


(continua...)

25 comentários:

Isadora A. disse...

sorry, eu parei na parte da foto do Viggo...

Duda disse...

antes eu tivesse que salvar a Terra Média do que me aventurar na cozinha. outro dia eu fiz um bife-ao-carvão que ficou horrível...
um dia eu ainda aprendo a fazer um arroz também.

Bella...=^.^= disse...

Uma epopéia digna de Camões..kkkkkkkkk

R Lima disse...

Ahahaha... bela história e ponte ao Senhor dos Anéis... vou ter que lhe ensinar rapá a fazer um arroz.... facim, facim..r..r..s.s

Abraços,


Obrigado pelas palavras de retorno... e anuncio boas coisas lá no AveSSo.



[ http://oavessodavida.blogspot.com/ ]

O AveSSo dA ViDa - um blog onde os relatos são fictícios e, por vezes, bem reais...

Diego Moretto disse...

HAUHAUAHUAHAU. Nem me fale cara..tbm não sei fazer nem arroz nem feijão- q alias não gosto, hehehe. Na republica é macarrão sempre, pra varia tenho de comprar no mercado, hehehe.
E q irmão fdp vc tem heim....deve ser irmão mais velho...

Cara. te desafiei no meu blog, da um passada lá mais tarde. Abs!!!

Larissa Bohnenberger disse...

Olha, ao contrário do gosto da maioria das pessoas que gosta de arroz 'soltinho', eu gosto de arroz 'grudadinho', o famoso unidos venceremos. Mas das duas únicas vezes que eu tentei, em vão, fazê-lo com minhas próprias mãos, exagerei só um pouquinho... o arroz não saía da panela. Qdo finalmente com muito esforço consegui movê-lo, saiu tudo junto, como uma grande bola de arroz em forma de panela... depois disso não tentei mais.

Rafael Barbosa disse...

hahahahahaa
O Senhor do Arroz - A sociedade do Arroz, uma epopéia culinária em busca do famoso prato, que acompanha todas as maravilhas congeladas! hahahah

Muito bom, ansioso pela continuação!
Abraço!

Dr Spock disse...

Depois q vc aprender a fazer arroz, nada como aprender a fazer feijão, neh... de que adianta o arroz se não tem o feijao?
Sem o arroz e o feijão, qualquer comida fica intragável...

Tati disse...

hahaha... "For tonight, we dine in hell!", diria Leonidas, se a gente estivesse em Esparta.

ok por hoje, espero que a saga do arroz seja tão boa quanto a das carolinas... mas peraí: até eu que não tenho a mínima noção de nada sei como fazer arroz!!!!! pode ficar meio papa, unidos-venceremos, carnavalesco, e tal. mas é comível! COMO VOCÊ SIMPLESMENTE NUNCA FEZ ARROZ???

Anônimo disse...

Rapaz... particularmente prefiro o Risoto da China q Yakimeshi... sei lá, por ter trabalhado lá acho q o Risoto é mais gostoso!(China in Box)

Mas qto a fazer arroz, anota aí:

Pegue um copo como medida, ou xícara.

Lave 1 xícara de arroz e reserve.
Coloque uma panela no fogo, coloca um pouquinho de azeite, +- 2 colheres (de sopa) de azeite, aqueça e coloque alho picado e sal (compre o alho no Pão de Açúcar, supermercado q vc é sócio, de acordo c os posts do blog.)
Coloca o arroz e 2 xícaras de água. Tampe a panela e qdo ferver abaixe o fogo até q seque a água do arroz! Se vai ficar paap ou soltinho não sei, mas dá p comer!

Abel disse...

E eu pensando que você tinha tomado coragem ou algo do tipo
Fazer arroz???
hauhauhauhauhauhauhauhauhua
uma dúvida
como vc faz para concorrer a estes premios????
Como 1 melhor dos melhores
e 7 maravilhas da blogoesfera???

Daphne disse...

Corrigindo: não-perecíveis!

Diego Moretto disse...

Cara, te indiquei para mais um destes joguinhos entre logueiros...passa lá no meu blog mais tarde, abs!!

Larissa Bohnenberger disse...

Tem convite pra ti lá no meu blog!

Wagner disse...

boa sorte na sua cruzada

Amelie disse...

Antes de ler o post inteiro, eu ia fazer a mesma observação: por que não arroz congelado?

Afinal, o que é banal para uns, pode ser um tormento para outros.

Eu já me resignei. Quando cozinho, como todos os meus congelados sem qualquer acompanhamento.

Laura disse...

hauhauhau

soh vc msm pra escrever sobre isso: arroz

hauuahau

q especie de homem solteiro vc é?
xD

uma boa opção é arroz japonês
vc soh cozinha na água e pronto!

depois vc come com qqr coisa mais salgada
hauhauha

bjuus

Isadora A. disse...

quem aqui disse "solteiro" ?

Pizza disse...

Faça arroz não faça guerra...

Uma ótima alternativa pro miojo

Fábio C. Martins disse...

HAUhUAhuHA
PQP, essa situação foi parecida a uma que eu tive. Minha mãe mandou eu, meu irmão e meu pai até a Feira e ao mercado para comprar alguns mantimentos e claro, Salsinha e Cebolinha!

Imagine... 3 marmanjos que só sabem usar um eletrodoméstico em específico - o congelador - terem que sair pra comprar mato (sim, tudo que é verde que não seja amendoim temperado é mato).

Foi hilário! Depois de alguns 60 minutos conseguimos encontrar a salsinha e a cebolinha, mas compramos molho de tomate ao invés de polpa.

Sério, vai entender todas essas coisas. Seria muito mais fácil se fosse como nos filmes do De Volta para o Futuro. Tu joga um pedaço de concreto no micro e sai uma Pizza frequinha.

Abraços e que venha a continuação.

Renato Freixeda disse...

acho que é hora de você falar sobre musica ... vai la no meu blog e ve por que.

A tá,
mas um genial post da sua parte
Esperando anciosamente o próximo


abraços
Reanto freixeda

Bruno disse...

Uma vez eu fiz arroz e minha mãe disse que ficou horrível. Minha santa mãezinha não elogiou meu empenho, não disse que tudo que eu faço é ótimo, nem que eu sou o cara mais lindão do mundo e nem comeu um pouquinho pra agradar. Foi meio traumático, sabe?

Abraço, Rob!

RodrigooO disse...

hUhauHAUHuahUHAU

Muito foda o seu blog cara

Cibele disse...

Sabe, melhor do que gostar do seu blog é encontrar nele coisas que geralmente se passam comigo;só que obviamente redigidas com muita classe.
Impressionante como personagens de filmes nos levam a tomada de atitudes heróicas cotidianas.
Today we fight!
Como transpor a grandeza desse chamado para nossas vidas e trazer com isso um pouco da nobreza de outrora?
Today we fight!
ai, ai..
muito mais fácil ser o Aragorn mesmo!

Dama do Lago disse...

O único alimento salgado que eu consigo cozinhar decentemente nestes vinte anos de casada é...ARROZ!

Deus abençõe a babá das meninas que decidiu que, mesmo que elas não precisem mais de babá, nós precisamos de uma cozinheira :D

Eu também parei na foto do Aragorn por uns 15 minutos mas li até o fim(essa parte, agora vou ler o resto da saga).

Sei que o post é antigo mas você mesmo disse que gosta de comentários em posts antigos então não reclama do atraso na leitura ^^

Beijão

Sil

PS - essa sua verificação de palavras para postar os comentários é hilária, estão me pedindo para digitar XOWETAS, acredita?