10 de agosto de 2007

(Meme)sa Redonda - Intervalo Comercial

Enquanto não voltamos com a entrevista, vou publicar este texto curtinho que eu já tinha guardado há algum tempo, e que entraria no blog como o título de Coisas da Vida III (aliás, se você não leu, dê uma espiada em Coisas da Vida e Coisas da Vida II, para entender mais alguns motivos de eu alegar que a humanidade não deu certo).

Enfim, essa aconteceu já há algum tempo. Era uma tarde tranqüila na Avenida Paulista – uma daquelas tardes feitas para se andar de mãos dadas com alguém que vale a pena andar de mãos dadas. E era justamente isso que eu estava fazendo, tranquilamente, quando a pessoa que segurava minha mão teve a feliz idéia de ir olhar as pulseiras e brincos que um daqueles camelôs hippies vendem por ali.

Enquanto ela vasculhava com a mercadoria comercializada pelo bípede (sim, porque aquilo não era humano, acredite), o hippie, utilizando as mais modernas estratégias de marketing, resolveu entabular uma conversa com seus clientes (leia-se: nós). Claro que antes disso, ele me pediu um cigarro, porque nenhum camelô da Paulista sabe começar um diálogo com uma frase diferente de “tem um cigarro aí, irmão?”.

Com o cigarro na boca, ele perguntou:

– Vocês são de São Paulo mesmo?

– Sim. E você?, perguntei

– Eu sou de outro praneta.

Assim mesmo. Praneta. Com “r”.

Com base nessa informação, fiz a única pergunta que uma pessoa normal poderia fazer frente a uma declaração dessas:

– Como assim?

– É isso mesmo. Outro praneta. Mas eu vim de Florianópolis.

– Quê?

– Sim, eu vim de Florianópolis para cá.

Só podia ser uma pegadinha. Olhei para os lados procurando a câmera escondida. Nada. Confesso que não procurei com muito afinco, pois estava distraído, pensando em como uma pessoa que fala “praneta” consegue pronunciar “Florianópolis” de forma correta, com todos os fonemas e a sílaba tônica. Sim, porque eu não me espantaria (aliás, acharia até mais normal ainda) se ele tivesse me falasse ter vindo de Froranópis.

Bom, se está no inferno, abraça o capeta. Continuei:

– Não entendi. Você é de outro planet...quer dizer, praneta? Ou de Florianópolis?

– Eu sou de outro praneta. Mas vim de Florianópolis.

– Que não é Florianópolis?

– Não, Florianópolis é de onde eu vim.

– Mas você é de outro praneta.

– Isso aí! Sacou, irmão?

– Saquei. Você é de outro praneta.

– Pódicrê.

Nem lembro se ela comprou alguma pulseira ou brinco do alien. Minha vontade era me jogar dentro de um bueiro e gargalhar durante quatro dias seguidos – claro que eu não poderia rir na frente do sujeito, porque como ele era um hippie de outro praneta, era bem provável que ele sacasse uma pistola que disparasse raios (com aroma de incenso e maconha, claro) e me desintegrar no meio da Paulista.

Eu sei que toda vez que eu passo naquele pedaço da Paulista, até hoje, fico procurando o sujeito, mas nunca mais o vi por ali. Provavelmente voltou para o seu praneta. Ou Florianópolis. Sei lá. Até hoje não entendi direito de onde ele era mesmo. Na dúvida, chupa Florianópolis e chupa outro praneta!

" Vida longa e próspera, bródinho! Tem um cigarro aí, irmão?"

Continue sintonizado no Championship Vinyl. No próximo post, retomaremos a entrevista, com a resposta de todos os memes faltantes.

10 comentários:

well disse...

kkkkkkkkkkkk

muito engraçado
esse hippie dever ser mesmo de outro "praneta"

gostei muito cara o posts

muito legal

http://blog-do-rato.zip.net
http://blog-do-rato.zip.net

Mau disse...

Meu praneta era muuuito pequeno, colidiu com a Terra no passado, na região de Florianópolis... Planetas colidindo fazem amor, não a guerra, morô, irmão?

MaxReinert disse...

huahauhauhauaha...
hauhauhauhauhauhuahuah...
huahauhauhauhuahuahuahuhauha...

Socorro!!!!!!
Vou morrer de rir aqui!!!!

SIM!!!!
Isso é Florianópolis....
Tem muita gente de outro "praneta" aqui!!!!!!

Você precisa ver a Lagoa da Conceição, no final da tarde... a nuvem de maconha te leva à outro planeta em meia hora!!!

Ótimo!!!!

Diego Moretto disse...

HAUHAUHAUAHUAHUAHUAHA. Cara, esse povo hippie é muito loco. Seria interessante se ele falasse mais do praneta dele...vai q ele revelava ser o Clark Kent original..heim?? ja pensou??? HAUHAUAHAUHUAHAUHA. Tu virar agente do superman???
HAUHAUAHUAHA. Abs cara, passando pra dar um OI!"

Danilo Moreira disse...

Hauhauhauhauhauhau!!!!!! Cara, to rindo até agora!!!!Aquela região só dá esses doidos mesmo.
Por isso que eu adoro a Paulista, vc encotra gente de até de outro "praneta". Hauhauahuahu!!!

Abraços!!!!!

-----------------------------------
http://emlinhas.blogspot.com/

EM LINHAS...
Quando as palavras se tornam o nosso mais precioso divã.

Novo texto: Tem Um Carro Me Seguindo!!!
-----------------------------------

renata disse...

uma vez um hippie passou pulgas pro meu cachorro. :/

Thayz disse...

fiquei curiosa pra saber o nome do praneta
xD

Foi bom prá mim! disse...

Ser de outro praneta não é tão raro quanto encontrar alguém que valha a pena andar de mãos dadas.

Mariliza Silva disse...

kkkkkkkkkkkk

depois dizem que MIB é ficção!!! Sabia que SP era infestado de extra-terrestre, ou melhor, de seres bípedes de outro praneta!!!

Beijão da sumida

Mariliza

Aquariano disse...

OPA! Primeira vez aqui no blog...espero não atrapalhar!
rs

Ele fedia ou era limpinho???
rs