13 de fevereiro de 2013

Rob Gordon X Vivo - Rounds 3 & 4


(Leia os Rounds 1 e 2 aqui)

Round 3

- Vivo, Atendente de Nome Estranho, bom dia. Qual o código do assinante?

- 123456789.

- Em que posso ajudá-lo?

- Minha internet está fora do ar. Novamente. Mais uma vez. De novo.

- Estou checando aqui e o senhor está com um débito em aberto.

- Eu imaginei.

- O senhor já estava sabendo do débito?

- Não. É que toda vez que eu preciso ligar para vocês, vocês me dizem que estou com um débito em aberto. Qual o valor que vocês acham que estou devendo agora?

- Dez reais.

- Dez? Como eu posso dever dez reais para vocês?

- É o que o meu sistema diz.

- Sabe, dez reais é dívida que a gente tem com amigos, não com empresas. Eu não me lembro de virar para vocês e dizer “paga uma coxinha e uma Coca para mim, depois te dou dez reais”, ou “paga essas cervejas aí, quando eu sacar dinheiro te pago dez reais”. Eu nunca vi alguém dever dez reais para uma empresa de internet. Nem sabia que isso era possível.

- Meu sistema diz que...

- Bom, eu tenho uma proposta. Vocês ligam a minha internet e bloqueiam alguns sites até dar dez reais. Que tal?

- Como assim?

- Por exemplo, o Ig. As notícias do Ig valem quanto? Uns 50 centavos? Duvido que seja mais, só falam da Ivete Sangalo naquele site. Globo.com deve valer um pouco mais, porque tem videos. Eu não assisto nenhum, mas reconheço o esforço deles. Vamos chutar... Hum... Dois reais pelo Globo.com. Já temos dois reais e cinquenta centavos abatidos da conta, é só bloquear estes sites. Faltam sete e cinquenta. O site de vocês vale quanto? Um real? Pode bloquear também. Faltam seis e cinquenta, certo?

- Senhor, eu não tenho como proceder desta forma.

- Certo. O que eu preciso fazer para que minha internet seja religada?

- O senhor precisa fazer um depósito identificado no valor de dez reais.

- Depósito identificado. Certo. Para isso, eu preciso ir ao banco.

- Sim, senhor.

- Bem, não sei se você reparou, nós estamos no meio do carnaval. Os bancos estão fechados. Então, deixe eu ver se entendi. Eu preciso esperar os bancos abrirem para poder pagar uma dívida que eu não tenho, senão eu fico sem internet?

- Isso.

- Vou fazer uma contraproposta. O que você acha de vocês ligarem minha internet e eu me comprometo a não explodir o prédio de vocês hoje de madrugada?

- Senhor, não precisa ficar nervoso.

- Eu não estou nervoso. Eu fiquei nervoso até a terceira vez que vocês me deixaram sem internet. Depois disso, eu entrei no estágio de tristeza e fiquei chorando porque meu provedor de internet é um lixo. Agora, estou no estágio de negação. Estou dizendo para todo mundo aqui em casa que a internet está funcionando sim, basta saber usar.

- Não estou entendendo, senhor.

- São os estágios do luto. Como minha internet morreu, eu preciso atravessar por essas fases. Eu não sei qual a ordem específica deles, mas não tenho como procurar no Google agora, já que estou sem internet. Mas só estou mostrando que não estou nervoso.

- Entendi, senhor.

- Olhe, vamos fazer o seguinte. Esses dez reais que vocês acham que eu devo... Eu nem vou perder tempo tentando descobrir de onde vocês tiraram este valor. O que você acha de ligar minha internet e, no dia que os bancos voltarem a funcionar, eu faço o depósito desta extorsão?

- Sendo assim, posso religar sua internet, senhor. O processo demorará de quinze a quarenta minutos.

- Você sabe que isso é mentira, certo? Toda vez que vocês me falam isso, a internet começa a funcionar imediatamente, ou ela não é religada.

- Senhor, o processo demora de quinze a quarenta minutos.

- Tenho uma ideia! Esses dez reais que estou devendo. Se você deixar de lado esse negócio de quinze a quarenta minutos e ativar minha internet agora, eu pago 20% a mais, por fora, direto para você. Que tal? Dois reais inteirinhos, só para você. Fica sendo um segredo só nosso.

- Senhor, o processo demorará de quinze a quarenta minutos. Não há nada que eu possa fazer.

- Tenho certeza de que se eu tivesse oferecido dois mil reais, você já estaria passando seus dados bancários, e minha internet estaria com a velocidade de um foguete aqui. Mas, tudo bem. Eu aguardo.

- Posso ajudá-lo em algo mais?

- Pode. Se vocês inventarem mais uma dívida minha ainda hoje, será que vocês conseguem me ligar avisando sobre ela amanhã logo cedo? Porque como eu vou no banco depois do almoço, eu faço uma viagem só, e pago as duas dívidas ao mesmo tempo.

- Senhor, tudo o que o senhor deve é dez reais.

- Na verdade, eu não devo nada. Mas tudo bem, eu pago. E minha internet?

- Será religada em até quarenta minutos.

- Ok.

- Posso ajudá-lo em algo mais?

- Não.

- A Vivo agradece sua ligação e tenha um bom dia.


Round 4

- Vivo, Atendente de Nome Mais Estranho Ainda, bom dia.

- Bom dia.

- Em que posso ajudá-lo?

- Preciso de uma informação. Tem como você acessar meu cadastro?

- Qual o código do assinante?

- 123456789.

- Pronto, senhor.

- Você está com meu cadastro aberto?

- Sim, senhor. Qual informação você precisa?

- Quer saber se vocês acham que eu sou palhaço.

- Senhor?

- Sim, quero saber isso. Tem algum lugar marcado aí no meu cadastro dizendo “este aqui é palhaço, pode sacanear?”

- Senhor?

- Porque se não tiver nada aí na tela, aposto que está no cadastro impresso. Se você pegar minha ficha impressa aí, tenho certeza de que a palavra “palhaço” vai estar escrita num cantinho do papel, a mão mesmo. Porque vocês tem algum problema comigo. Ou isso, ou a meta da empresa para este mês é conquistar mil novos clientes e fazer um cliente antigo sofrer um enfarto.

- Senhor, não sei como posso ajudá-lo.

- Eu vou dizer como. Vocês inventaram que eu tenho uma dívida com vocês. O valor é de... Você promete não rir?

- Senhor?

- Promete, senão não falo. Promete não rir?

- Sim, senhor.

- Certo. O valor é de dez reais. Não comece a rir! Você prometeu! Se você rir, eu nunca mais falo com você!

- Senhor...

- Enfim, eu disse que vou pagar quando o banco abrir depois do carnaval. É até bom porque como o valor é alto demais, eu ganho uns dias para pensar em como vou levantar esta fortuna. Mas, claro, isso é problema meu. Enfim, conversando com a atendente, eu expliquei que sim, vou pagar apesar de não saber como eu posso estar devendo esse dinheiro. Mas eu pedi para que a minha internet fosse religada. A atendente concordou, e  disse que eu teria internet num prazo de quinze a quarenta minutos, e eu, mesmo sabendo que isso é mentira, acreditei. Agora, olhe só, já se passou mais de uma hora e eu continuo sem internet.

- Aqui no meu cadastro diz que a sua internet já foi religada este mês.

- Sim, ela já foi religada e desligada. Olhe, eu vou tentar explicar o que está acontecendo. Toda hora minha internet cai. Aí eu sou obrigado a ligar para vocês e pedir para que ela seja religada, e vocês me dizem que só vão religar se eu der um trocado para vocês irem comprar uma Coca na padaria. O problema não é nem a chantagem, mas a frequência. Como vocês fazem isso semana sim, semana também, é evidente que minha internet já foi religada este mês. Mais de uma vez.

- Meu sistema diz que eu não posso reativar sua internet.

- E daí? O meu sistema diz que você não merece viver. E não é por isso que eu estou usando este argumento.

- Senhor, o máximo que a internet pode ser reativada é uma vez por mês.

- Sabe, eu admiro muito a criatividade de vocês. Cada vez que eu ligo, tem uma informação nova. Eu ligo porque estou sem internet, e vocês dizem que estou devendo. Eu digo que paguei, vocês dizem que vão ligar a internet. Eu digo que a internet não foi ligada, vocês dizem que não podem. Eu reclamo disso, vocês dizem que estou devendo. Eu digo que não estou devendo, vocês dizem que a internet não pode ser ligada este mês.

- Senhor...

- Daqui a pouco, eu vou ligar para dizer que estou sem internet e vocês vão responder que não podem religar porque estou sem camisa e almocei bisteca. Vocês são bons demais.

- Senhor...

- Cada atendente aí escreve seu próprio material, ou vocês têm uma equipe só para isso?

- Senhor...

- Bom, o papo está ótimo, mas eu preciso ir. Tenho um monte de coisas para fazer hoje, e vou passar o dia na internet trabalhando. Ah, a propósito, você pode religar minha internet? Que cabeça a minha, quase me esqueci de pedir.

- Senhor, sua internet não pode ser religada novamente este mês.

- Olhe, é o seguinte... É.... Espere. Você me dá um minuto?

- Sim, senhor.

- Só um segundo, por favor.

- Sim, senhor.

- Só mais um instante.

- Sim, senhor.

- Pronto. Estava vendo uma coisinha aqui na Internet e me desconcentrei. Desculpe. O que você estava dizendo?

- Que sua internet não pode ser religada mais uma vez este mês.

- Puxa. Que notícia ruim. E como posso fazer para ter internet novamente?

- O senhor precisa pagar o débito em aberto.

- Os dez reais, né?

- Isso.

- Caso contrário, eu fico sem internet para o resto da vida?

- Caso contrário, eu não posso religar sua internet.

- Entendi. Bom, tudo bem. Eu assumo meus erros e minha dívida. E peço que me perdoe.

- Senhor, não é necessário...

- Eu faço questão. O erro foi meu e eu mereço ficar sem internet. Estou me sentindo péssimo e com vergonha. Quero desligar. Espero que você possa me perdoar um dia.

- Posso ajudá-lo em algo mais?

- Não, obrigado. Eu tenho que lidar com a minha consciência sozinho.

- A Vivo agradece sua ligação e tenha um bom dia.

- Obrigado. E mais uma vez, me desculpe.

Desliguei o telefone, fiz um café e me sentei no PC para ver as notícias na internet.

Pois no momento em que pedi para a atendente aguardar alguns minutos, minha internet – aquela mesma que não poderia ser religada – havia voltado a funcionar, com sites, vídeos e e-mails abrindo normalmente. Ou a atendente da Vivo encontrou um modo de driblar o problema, hackeando o sistema da operadora e religando minha internet, ou era tão toupeira que clicou em “ligar a internet desse cara” sem nem perceber.

Agora, como ela nem percebeu que eu disse: “desculpe, estava vendo uma coisinha aqui na internet e me desconcentrei” quando voltei ao telefone, acho que a segunda opção é a mais provável.

(Aproveite e curta a página do Champ no Facebook, antes que a Vivo corte minha internet novamente)

8 comentários:

Varotto disse...

Cara, genial como sempre. Mas confesso que estes seus dois últimos posts me deixaram tão p$@!, que eu nem consegui rir.

Varotto disse...

Muito surreal...

fflush disse...

Realmente a Vivo fornece ideias para ótimos posts, mas se quiser mesmo resolver seu problema, abra um chamado na Anatel (reclamando da Vivo), já tive problema com a Vivo e o chamado na Anatel resolveu tudo em 48 hs, os caras precionam a Vivo e esta resolve o problema. Depois que você faz isso a Vivo passa a te tratar de outra forma, te passa até outro número para futuros problemas, é como se houvesse uma divisão, os clientes normais e os que já reclamaram na Anatel.

paulonando disse...

Vivo, uma empresa desonesta!!!

Barlavento disse...

Rob Gordon, você me deve 10 reais de analgésicos. Estou com as bochechas doendo de tanto rir.

Barlavento disse...

Rob Gordon, você me deve 10 reais de analgésicos. Estou com as bochechas doendo de tanto rir.

Elise Garcia disse...

Eu hein... que empresa mais esquizofrênica, essa! o.O

Pri disse...

O mestre... ahahaha
Essas cias de telefonia no Brasil são todas malucas!