22 de agosto de 2011

1001 Textos para Escrever Antes de Morrer

Em 31 de julho de 2006 eu decidi criar um blog.

Na época, já namorava a ideia há algumas semanas e, com duas ou três crônicas no bolso – e publicadas no site de uns amigos – decidi fazer logo meu cadastro no blog. Originalmente, a intenção era arquivar minhas crônicas, montando uma espécie de portfólio.

Mas aí tudo mudou e eu me apaixonei. Talvez porque eu tenha feito tudo errado desde o começo, pois abri o blog e não postei as crônicas que já tinha. Pelo contrário, comecei a escrever alucinadamente textos novos, curtos e longos, sobre tudo.

Contudo, as crônicas antigas, salvas nos PC, nunca saíram da minha cabeça. Tanto que meses depois criei outro blog somente para isso – e aí sim eu postei as tais crônicas que havia escrito antes de tudo começar. E comecei a escrever novas crônicas.

Comecei a escrever nos dois blogs.

Dois blogs. Um de realidade pintada de ficção; outro de ficção com um pezinho na realidade. Um sobre mim; outro sobre o mundo.

Cheguei a criar um terceiro blog, com resenhas de livros, filmes e discos, mas não vingou: eu não conseguia me divertir escrevendo sobre os mesmos temas que escrevia profissionalmente. E escrever é como sexo: é preciso ter tesão. Foi quando ficou claro para mim o que eu queria fazer da vida. Ou melhor, sobre a vida que eu queria ter escrevendo. Desisti e voltei a ter dois blogs.

De lá para cá, muita coisa aconteceu na minha vida, mas os dois blogs sempre estiveram aí. Nunca fiquei mais de uma semana sem postar. Nunca deixei de ler um comentário. Nunca deixei de tentar fazer com que cada texto fosse a melhor coisa que eu tivesse escrito na vida.

E nunca mais abri nenhum outro blog. Pelo que vi nestes anos, é comum as pessoas apagarem seus blogs e criarem outro do zero. Nunca fiz isso, mas não condeno, cada um faz o que quiser. Porém, me dou o direito de não concordar. Afinal, se não posso fazer isso com a minha vida, não acho justo fazer com os blogs. Além disso, apagar o que escrevi não apaga o que vivi.

“Escrever”. A palavra tem um significado totalmente diferente para mim, hoje.

Hoje eu vivo de escrever. Ou estou aprendendo a fazer isso. Mas, independente disso, escrever se tornou minha paixão e minha terapia. Na verdade, escrever é meu brinquedo preferido. E talvez o único brinquedo que eu possa usar sendo um adulto de 35 anos.

E eu gosto de brincar. E parece que eu tenho brincado bastante.

E aí chegamos onde eu queria.

Tenho brincado tanto que hoje, com este texto que você está lendo, eu completo a marca de mil textos postados nestes dois blogs. São exatamente 780 posts aqui, no Champ; e 220 no Chronicles.

Na verdade, esta marca foi superada alguns meses atrás, se contabilizarmos os posts do blog de resenhas; os textos inéditos para os meus dois livros; as colaborações para o Malvadezas e em outros blogs que me convidaram, como o Diários Roubados e alguns outros.

Mas, contando somente os meus dois blogs, são mil textos.

Mil textos. É muita coisa. Fiz as contas aqui (bem nas coxas mesmo, arredondando o número de dias), e, desde que comecei a brincar com isso aqui, escrevi mais ou menos um post a cada 1,8 dias.

Chame de produtividade. Chame de criatividade. Chame de enrolação.

Eu chamo de Amor. Assim, com maiúscula mesmo.

Acho que é bastante, mas não sinto que seja suficiente. Acho que existem outros milhares de mundos por aí – dentro de mim e na rua – somente esperando para serem descobertos e escritos.

Espero que tenham gostado. E espero que gostem mais ainda.

Porque eu estou adorando isso, cada vez mais.

Um post por dia? Um post por hora? Tanto faz. O que importa é a qualidade. Os mundos estão aí fora esperando para ser escritos. Tudo o que eu preciso é fazer o melhor que eu puder com cada um deles, entregando a vocês o melhor texto que conseguir. Daí o título deste post, com o número 1001. Afinal, eu quero sempre acreditar que o meu melhor texto sempre será o próximo.

Mas, sim, as histórias e os personagens, as piadas e as lágrimas... Todos eles estão aí fora. Não importa o estilo, o tamanho do texto, se terá somente diálogos ou se será um único parágrafo. Os mundos estão aí fora. Sempre estarão.

Tomara que sejam tão mágicos quanto os primeiros mil.

Obrigado por tudo.

Rob.


Este post é dedicado a você
que está aí do outro lado da tela.
Um pedaço desta história é seu.




24 comentários:

Dragus disse...

Agora sim!

Parabéns pela capacidade (e pela insistência) de conseguir produzir tanto material sem perder a mão (exceto quando socou a geladeira e quase ficou sem postar por falta da mesma).

Em tempo (e interna): bom ver que virou escritor, se fosse tentar carreira de exatas corria o risco de morrer de fome. =p

Isso explica muitos lamentos pós-FNAC.

Brenu S. disse...

Para com isso! De novo, é a gente que agradece. É bom poder dividir um mundo a cada crônica: emoções, aventuras, risos, lágrimas...

Enfim, o que fez (e faz!) a gente ler seu blog também é Amor: pelos belos textos, personagens, situações, pela sua criatividade e competência... Pelo Besta-fera, também!

Que venham outros 1.000 (aliás, vai demorar o 1.002?!?!?!?!rs).

Parabéns, Rob! Parabéns, Champ! Parabéns, Chronicles!

Sorte nossa, Leitores!

Ana disse...

#orgulho

Natalia Máximo disse...

Parabéns, rapaz! Fico muito feliz com o sucesso que você tem alcançado, ainda mais porque cada palavra que eu leio em um texto seu dá pra ver que foi escrita com Amor. Esse mesmo, com letra maiúscula.
Acredito que não sou a única, mas obrigada por me inspirar. Seus blogs são uns dos principais culpados por eu ter o meu hoje.
E que venham mais mil e um textos. Cada lágrima, sorriso e risada serão sempre muito bem recebidos por essa leitora aqui (:

Lilian disse...

Eu nem consigo pensar no que dizer. Acho que já disse tudo antes, e o que cada um falou antes de mim é também o que eu sinto. Só posso te parabenizar, dizer de novo que adoro isso aqui e torço pra vc ir mais longe... e que eu adoro fazer um pouquinho só parte daqui.

Bia Nascimento disse...

Que venham mais 1.000, 2.000, 3.000 ou quantos sua inspiração e a paixão pela escrita permitir!
Mesmo que não comente sempre, estou sempre por aqui lendo todos os textos!

Como disse o Brenu S., sorte a nossa! :)

Camila disse...

Puxa, parabéns, Rob! Eu acompanho seu blog há pouco mais de um ano e posso dizer que sou sua fã de carteirinha. Espero os outros textos que virão, pois você é fera!

Varotto disse...

Cara, se você não existisse tinha de ser inventado.

Ou escrito...

Fernanda Almeida disse...

Pára tudo... nós é quem deviamos abrir um blog aqui pra postar um "obrigada pelos 1000 posts, Rob!". rss

E antes que eu me esqueça do principal: parabéns, poxa, mil posts é coisa pra caramba!!!

Juliana Leodoro disse...

Rob, muito obrigada por esse texto, você realmente faz cada um de seus leitores se sentir especial!

Parabéns pelo marco, e que venham mais 1000!

PS Sou sua fiel leitora Juba, só atualizei o perfil.

Filipe Ribeiro disse...

Parabéns. E obrigado.

Kika® disse...

Rob, parabéns, parabéns.

E obrigada por nos deixar compartilhar desse Amor que você cultiva de forma tão linda. :)

Claudia Iarossi disse...

Obrigada pelos 1000 e todos os outros que virão.
PARABÉNS!!!

Luiz Valério disse...

A paixão pela escrita também me move. Tanto assim que me formei em Letras e depois me dediquei ao Jornalismo. Escrever é uma aventura individual sobre questões coletivas, ainda que fale sobre um mundo particular. Parabéns pela desenvoltura com as palavras. Não dá vontade de parar dde ler.

Leo B. disse...

Particularmente, só tenho a te agradecer por tanta risada, tanta lágrima e tanta emoção Em cada uma das tuas palavras. Que venham os próximos 1001!

Abração!

IsabelVeronica disse...

Parabéns Rob!

E obrigada por todos estes textos fantásticos.

Dani disse...

Parabéns, Rob, e muito obrigada!

Beijos

Fábio Megale disse...

Nós é que deveríamos falar: obrigado por tudo, Rob. Pelas lágrimas, pelas risadas e, principalmente, pelos sorrisos.

E parabéns! Continuaremos aqui para os próximos mil, pode ter certeza - mesmo que muitas vezes quietinhos.

Fagner Franco disse...

Muitíssimo obrigado por tão fodásticos textos. Que venham mais mil, dois mil - contanto que mantenha o mínimo de saúde, claro.
Grande abraço!

Lucas Reis disse...

Não sei o que mais me emocionou: o seu amor pelos seus blogs ou fato de que você nunca deixou de ler um comentário. Que lindo!

Obrigado a você, Rob! E parabéns pela sua sensibilidade de ver coisas e significados onde muita gente não consegue ver.

Parabéns mais um vez.

Abraço.

Richard disse...

Rob,


O amor da minha vida nasceu nesse dia, 22 de agosto.

E não falo do Champ's...

Bem, meus sinceros parabéns... é um dos meus blogues favoritos e que me inspiram a escrever.

Abração!

Larissa Bohnenberger disse...

Eeeeeeeee! Parabéns, Rob! 1000 textos é coisa pra caramba. Me sinto até mal com minhas longas ausências. Vou demorar bem mais para atingir esta marca! Rsrsrsrs!

Bjs!

Wi disse...

Parabéns, Rob!
Estaremos por aqui, sedentos e ansiosos por mais 1000, e mais 1000, e mais 1000, e mais... :)

Kel Sodré disse...

Ahhh, eu que agradeço! Tanta risada escondida no trabalho, tantas lagriminhas que eu fiquei equilibrando no canto do olho, tanta diversão e, mais que isso, tanto sentimento de ser uma pessoa querida só por ser leitora desses blogs! Eu que agradeço!