14 de outubro de 2010

– Oi! Você gosta de crônicas?

Imagine que você, leitor, está andando na Avenida Paulista. Ali perto do Masp, sabe? É um fim de tarde e você está caminhando por ali, tomando cuidado para não ser visto pelas pessoas que tentam vender livros de poesia, ou por aqueles malucos que agarram seu braço e aparentemente não o deixarão ir embora até que você compre um ingresso para uma peça de teatro amador.

Lá está você, desviando dos hippies que vendem colares feitos com conchinhas (“é do Peru”, porque tudo que eles vendem é do Peru, até mesmo se for um Cristo Redentor esculpido em madeira) e fazendo força para não engasgar com o cheiro de incenso.

E é neste momento que uma voz surge do nada:

– Oi! Você gosta de crônicas?

Você olha ao redor e não vê ninguém. Mas, aparentemente, seja quem for que falou aquilo, falou para você. A voz estava perto de você. Mas não há ninguém ali. Assim, você decide continuar andando.

– Você gosta de crônicas?

De novo. Mas agora você percebeu que a voz não veio do seu lado. Ela veio de baixo.

Você olha em direção ao chão e lá está um garoto de oito anos, gordinho e sorridente, com um livro na mão.

Não. Não é um garoto.

Ele tem barba – mal aparada, por sinal – e é careca.

Apesar do tamanho, não pode ser uma criança.

– Oi? – é tudo que você consegue dizer.

– Você gosta de crônicas?

É a terceira vez que a suposta criança, barbada e careca, pergunta isso. Aparentemente, o assunto não vai avançar até que você responda.

– Sim.

– Que ótimo! Veja, você conhece isso aqui?

E ele lhe entrega o livro que tem em mãos. O título, “Anônimos e Urbanos”, destaca-se na capa azul. O nome do autor é Rob Gordon. Antes que você possa folhear o livro, o ser diminuto se põe a falar.

– Este livro é meu, eu que escrevi todos os textos! Todos mesmo! Até a orelha e a contracapa. Produção independente, sabe?

– Hum...

– E agora estou promovendo o livro aqui, na Avenida Paulista. Aqui tem um nicho legal para crônicas. O pessoal que vende livros aqui trabalha somente com poesia. São aqueles hippies ali. Ninguém nesse pedaço explora o mercado de crônicas. Só vendem poesia.

Assim que ele terminar de falar, arrisca uma rápida olhada para os lados e, quando se certifica de que não está sendo observado, fica na ponta dos pés. Com a mão, pede para você se abaixar.

Você obedece e ele sussurra um segredo no seu ouvido:

– O mercado de poesias aqui no Masp está saturado. Não existe tanta demanda assim para sonetos, mas eles não percebem isso.

Antes que você possa responder, ele continua.

– Agora, crônicas, apenas eu vendo. Eu não sou hippie não, viu? Essa barba é preguiça mesmo, não é nada contra o sistema.

– Entendi. – É tudo que você consegue responder (e se serve de consolo, eu não teria feito muito melhor).

– E aí, quer dar uma olhada?

– Olhe, eu estou meio com pressa...

– Ah, é rapidinho. Olha só! Ele chama Anônimos e Urbanos porque ele fala das pessoas comuns da cidade. Sabe? Aquele rosto que é apenas mais um na multidão? Então, ele está aqui no livro. São pessoas como você, cara! Você vai adorar!

– Hum...

– Pode folhear.

Você se mostra indeciso quanto a segurar o livro. Mas ele insiste.

– Para folhear não paga nada, cara. Pode ficar tranqüilo.

Você pega o livro. Até que é bem acabadinho, o danado.

– Qual você está olhando?

– Não sei... Espere... Chama “Em Vão”.

– Esse é um texto feito exclusivamente para o livro. É baseado num blues antigo.

– Blues?

– É. Love in Vain, do Robert Johnson. Você gosta de rock?

É claro que você gosta. Toda pessoa de bom senso gosta.

– Muito!

– Então, os Stones regravaram essa música. Mas eu prefiro o original.

– E é baseada na letra?

– Isso mesmo. Tem outra também que é baseada num filme antigo, chama Desencanto. O filme, não a crônica. É um filme do David Lean.

– Quem?

– David Lean.

– Não conheço.

– É o cara que fez A Ponte do Rio Kwai e Lawrence da Arábia.

– Ah, sei sim. Mas não conheço esse filme.

– Pouca gente conhece, é da década de 40. E acho que não saiu em DVD no Brasil. Ao menos, não de forma oficial.

Como esse baixinho sabe isso? Ele deve estar inventando essas coisas. Ou é louco. Com essa barba, é mais provável que seja louco mesmo. Você começa a sentir vontade de ir embora.

– Olha...

– Mas têm outras. Tem a história do cara que queria voltar a ser adolescente e tenta mudar a própria idade. Tem a menina que consegue um encontro dos sonhos, mas não sabe se consegue voltar a ser feliz. Tem uma que eu gosto muito que é um casal se despedindo no metrô. É uma das minhas preferidas.

Pior que o livro parece interessante. Ouvindo assim, dá vontade de ler. Bem, você não tem nada a perder mesmo. Além disso, você já leu tanta coisa que não gostou. Será que esse cara não merece uma chance?

– Foi você mesmo quem escreveu?

– Isso mesmo. Todas elas. Eu tenho um blog. Na verdade, dois blogs. Esse livro é o do blog menos famoso.

– E o livro do mais famoso?

– Não, por enquanto, só tenho esse. Esse é o primeiro.

– Mas vai fazer do outro?

O baixinho olha para os lados e se aproxima de você, diminuindo o tom de voz. Você se abaixa para ouvir melhor o que ele diz.

– Olha, você não conta para ninguém?

– Não.

– Promete.

– Ok.

– Promete!

– Prometo.

– É o seguinte. O meu blog mais famoso, o nome dele está aí no livro, é o próximo a virar livro.

– E vai ser coletânea também?

– Fala mais baixo! Aí que está. Não vai.

– Vai ser o quê?

– Vai ser um romance. Uma enorme história, inédita. Toda ela inédita, com todos os personagens do blog. Ou quase todos. Vai ser quase uma postagem de, sei lá, cento e poucas páginas!

– Uau! E já tem título?

– Sim. Bolei essa semana.

Ele não consegue disfarçar o orgulho.

– E como vai chamar?

Ele olha atentamente para os lados. Fica na ponta dos pés e chama você novamente. Você se abaixa e ele sussurra algo no seu ouvido, mas, infelizmente, você não entende nada. Consegue identificar apenas que é um nome curto.

Mas não há tempo para pedir que ele repita, pois ele se afasta novamente, e volta ao tom de voz normal, coçando a barba.

– Demais, hein?

Ele não consegue disfarçar o sorriso. E, sorrindo, com os olhos brilhando, aponta para o livro, que ainda está na sua mão.

– Mas o primeiro é esse.

– E quando sai o outro?

– Depois desse.

Esse cara está de sacanagem, só pode ser.

– É evidente que é depois desse. Este é o primeiro!

– Não, não. Você não entendeu. Eu vou esperar um pouco. Quero que este primeiro aqui venda um determinado número de cópias, antes de lançar o outro.

– Ah, entendi. E que número você quer chegar?

– Ah, cara, aí você quer saber demais, né? Eu tenho meu número na cabeça. Chegando nesse número, eu lanço o outro.

Você tenta captar a resposta no olho dele, mas não consegue. Podem ser oito livros, como podem ser dez mil. Mas a empolgação dele é genuína. E contagiante.

– Quanto custa?

– R$ 34 e uns quebrados.

– Uns quebrados?

– É, eu não consigo decorar os centavos. Tento, mas não consigo de jeito nenhum. É... R$ 34,62, acho.

Ele é louco mesmo. Um louco que quer arrancar trinta e cinco paus de você. Louco e pilantra.

– Carinho, hein?

– Mas vale a pena. Cada crônica. Eu garanto.

– Hum...

– Pode confiar. E, olhe, se comprar agora, aqui, da mão do autor, eu autografo. Quer dizer, você tem caneta aí?

– Tenho.

– Eu autografo.

Com autógrafo ainda. Eu, no seu lugar, compraria, leitor.

– Ok. Me convenceu. Você aceita cheque, né?

– Oi?

– Estou sem dinheiro comigo. Mas tenho cheque.

– Porra, meu... Cheque? Acho que ninguém aceita cheque hoje em dia. Talvez um mendigo. Mas, convenhamos... Eu sou escritor, mas não vamos exagerar, né?

– Então, nada feito.

– Olha, vamos fazer o seguinte? Você tem cartão?

Será que ele vai puxar uma máquina do Visa do bolso? Se ele fizer isso, é golpe. Mas você decide ver o que ele pretende.

– Tenho.

– Então você pode comprar pelo site.

– Seu site?

– Não! É o Clube de Autores, o livro está à venda ali.

– Entendi. E lá aceita cartão?

– Aceita. Crédito e débito. E no crédito você pode parcelar em até dez vezes! Fica fácil demais pagar assim!

– Ok.

– Aí você volta aqui e eu autografo. Fechado?

– Fechado. Qual o endereço do site?

– Anota aí. Aga tê tê pê dois pontos barra barra, né? Clube dos autores, tudo junto, ponto com ponto bê erre...

– Ok...

– Barra trinta e um cinco oito meia...

– Trinta e um o quê?

– Cinco oito meia.

– Só isso?

– Não. Cinco oito meia tracinho tracinho anônimos anderlaine e anderlaine urbanos.

– Dois tracinhos, e depois só anderlaine, né?

– Isso.

– Mais nada?

– Mais nada.

– Ok. Vou comprar. Se eu gostar, volto aqui e você autografa. Fechado?

– Fechado! Valeu cara! Espero que goste! Aliás, você vai gostar sim! Tenho certeza! E divulgue para os seus amigos, vai ser bastante importante!

– Se eu gostar do seu texto, divulgo sim.

– Oba! Mas, olha... Aquilo que eu disse do outro livro é segredo, hein?

– Pode deixar.

– Legal! Aliás, para eu já ir pensando no autógrafo, qual seu nome?

Você responde seu nome e se despede. Caminha poucos metros, antes de ouvir a voz dele, desta vez falando com outra pessoa:

– Oi! Você gosta de crônicas?

Você não olha para trás, e segue seu caminho. À noite, em casa, olhará o site com calma e comprará o livro. E ao recebê-lo em casa, dias depois, descobre que gostou. Mais até do que imaginava. Agora, só precisa voltar até o Masp para o baixinho autografar o seu, torcendo para que ele esteja ali.

Mas, se ele não estiver, tudo bem. Quem sabe ele está escrevendo o outro livro.

************************

E você? Conseguiu decorar o site? Não?

Mas você, que está lendo este post, em casa ou no trabalho, não precisa decorar nada. Você precisa apenas clicar aqui.

E, claro... Boa leitura!


39 comentários:

Otavio Oliveira disse...

Mto boa a cronic... ops o post. mas vc sabe (obvio) que a coisa mais foda foi ter lido certos detalhes não mto detalhados sobre o próximo livro. Eu, vc já sabe, curto mais o Chronicles, mas um ROMANCE inteiro sobre o champ, serio, é mto de tirar o fôlego. Vc sabe que eu te dou rts antes mesmo de ler os seus textos. o livro do champ já é, portanto, o livro mais legal que eu ainda não li. serio, to mto feliz, c n tem noção.

Nina disse...

auto-jabá da melhor qualidade.

Ana disse...

"– Vai ser um romance. Uma enorme história, inédita. Toda ela inédita, com todos os personagens do blog. Ou quase todos. Vai ser quase uma postagem de, sei lá, cento e poucas páginas!"

O.O

OMFG! Isso é sério???
Espero q sim! =D

Becka Cupaiolo disse...

Como você faz isso?

Já disse e repito: Quando eu crescer quero escrever igual você (:

:*

Rob Gordon disse...

Como o babaca aqui sem querer apagou o comentário do Megale, respostarei até ele colocar novamente.

"Rob Gordon, ao infinito e além!

Parabéns, cara!

Ainda não garanti o meu Anônimos e Urbanos (esse mês a grana tá curta, mas farei isso assim que puder) e já estou ansioso pelo livro do Champs.

Aliás, falando nele: acho que já saquei qual é o nome. Se for, é genial! =)"

Valeu, Megale.

Sorry pela bobagem que fiz aqui!

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Ahhhh Rob...

Assim me matas, meu caro.

Você é um sacana, mas daqueles bem sacanas, sabe? Então, você é desses.

Sorria tanto no meio da "crônica" que quase não conseguia mais ler, eu nunca te imaginei tão comunicativo com as pessoas, o seu mini me pelo menos é um excelente vendedor.

Você é um sacana, Rob.

Nathalia disse...

Quer dizer então que se eu aparecer perto do masp num fim de tarde eu ganho um autografo no livro? Tá fácil! A boa noticia é que ver alguém menor que você, pós puberdade, talvez te faça sentir bem. rs
Texto ótimo, parabéns.

Felipe Lima disse...

Um romance?!
Meu Deus! Ainda bem que a notícia foi dada com todo o cuidado, falando baixinho e em tom de segredo. Se não fosse assim, eu cairia da cadeira e provavelmente não me levantaria nunca mais. É muita emoção em tão pouco tempo, Sr. Rob Gordon.
Bom, de novembro não passa. Mês que vem, terei um exemplar de "Anônimos e urbanos" nas minhas mãos. Afinal, eu gosto de crônicas.

Lilian disse...

Eu estou no time dos que ainda não compraram. Mas ele está na minha listinha de desejados. Eu até o cadastrei no Skoob (meio que um orkut de livros, sabe, rs)

http://skoob.com.br/livro/132122

E já tem uns gatos-pingados, ops, LEITORES interessados! Rs.

Queria saber fazer auto-jabá assim que nem você. Fatão.

Hydrachan disse...

"– Aceita. Crédito e débito. E no crédito você pode parcelar em até dez vezes! Fica fácil demais pagar assim!"

Comprar o livro se torna cada vez mais tentador! XD Vc é um vendedor e tanto, Rob. Se não der certo como escritor, já sabe o que pode fazer.
hehehehe

Mas fica tranquilo. Você já deu certo como escritor! ;D

PS: Estou ficando ansiosa pelo livro do Champ. *__*

Natan disse...

Um romance! DO CHAMP!!! o/
Caaaara, um já é meu.

E assim que puder compro um Anonimos e Urbanos. E vou lá na Paulista pra vc autografar!

Fábio Megale disse...

Rob Gordon, ao infinito e além!

Parabéns, cara!

Ainda não garanti o meu Anônimos e Urbanos (esse mês a grana tá curta, mas farei isso assim que puder) e já estou ansioso pelo livro do Champs.

Aliás, falando nele: acho que já saquei qual é o nome. Se for, é genial! =)

---

Update:

#porrarob ahuahauahua

Sem problemas, cara. Já fiz muito isso. Preocupa não, é só me enviar uma cópia autografada do livro do Champs que a gente esquece isso.

(brincando. e parabéns, de novo!)

Dani disse...

Opa! Quando eu estiver aí em Sampa em janeiro vou querer um aturógrafo. Prometeu tem que cumprir! =)

Aliás, vc está se saindo um ótimo vendedor de rua... Mas R$ 34,62 em 10 vezes já é demais, não?

Ansiosíssima pelo livro do Champ. Com quase todos os personagens não vai poder faltar sua síndica, certo? Cuidado...

Parabéns pelo livro e pelo jabá!

Varotto disse...

Fala Jabá!!!

Já comecei a distribuir as cópias extras que comprei...

Nelson disse...

Vou aproveitar que minha namorada trabalha na Paulista e tentar achar esse baixinho vendendo este livro, pelo menos eu não pago o frete, hehe.

Creio que semana que vem o meu livro será mais um número na sua lista de exemplares vendidos.

abraço Rob!

PinkPulaS disse...

Quero saber o nome do próximo livro... ;)

Nelson disse...

Só pra informar: me dei de presente de aniversário o seu livro; semana que vem ele chega aqui.

abração Rob!

Rafael disse...

Rob, respeite seus vizinhos hippies e seus poemas.
Chamar o futuro cliente de "anonimo" n me parece uma boa estrategia de venda...
E pra q todo esse misterio? precisa forçar o cara a se dobrar ao meio para q fique da sua altura e vc possa sussurrar no ouvido dele?
XD zuera
boa sorte na auto-propaganda

George Marques disse...

Eu já tenho meu exemplar e o Rob já me prometeu autógrafo....

Estou ansioso pelo romance do Champ..

E só uma pequena correção ortográfica: não é "underlaine" e nem "undernaine" e sim "anderlaine" ;)

Matheus Silva disse...

pena que eu nao tenho como ir até o masp

só o foda é que com o frete até o RS o preço do livro fica bem salgado, mas vou dar um jeito nisso

M. Sarge disse...

Cara!! Isso é que eu chamo de resenha-propaganda-dinâmica. Alias, acho que só eu diria uma coisa desses :)

Segundo, a linha entre o escritor e o mendigo é muito tênue

Bia Nascimento disse...

Eu comprei na semana que foi lançado e já recebi! (Membro do Champclub mode on!)
Confesso: Estou lendo aos pouquinhos para não acabar logo! :)
Agora morri 1000x sabendo q o Champ tb vira livro! :):):)

Tharik disse...

UM ROMANCE? O.o
Eu nao vou aguentar esperar...
falando nisso, semana que vem vou comprar o Anônimos e Urbanos...

Quanto tempo demora para a entrega? Moro em SP mesmo.

Ah, e parabéns Rob!

Iza disse...

Tá Rob Gordon, eu vou comprar. Tô só esperando juntar uns "pila". :)

paulonando disse...

Parabéns!
Comprei e li. Gostei.
Conte porque as páginas estão numeradas ao contrário.
É charme ou foi um erro?

Nelson disse...

Tharik,

comprei o meu ontem, e o prazo é de 5 dias úteis: 3 dias pros caras confeccionarem o livro e mais dois pros Correios (e-Sedex).

Tati Santana disse...

Uauuuu ^.^ Sinceramente, agora estou com uma extrema curiosidade para ler o livro! Que por sinal parece ser show de bola! Parabéns!

Paty disse...

Um romance do Vinyl.
Não preciso nem dizer mais nada, né. Pra me vender o primeiro, foi um tweet.O segundo não vai precisar nem disso, acho!
Esperando ansiosamente!

' Jαdє Amσrιm disse...

Nossa, que demais!
Essa história que você contou, é, tipo, de verdade? O cara te parou na rua mesmo?
O livro parece ser legal, vou colocar na minha lista de aquisições!
Ah, sou nova aqui no blog, vim pela amiga do so-contagious e adorei, pelo que deu para ler...

Beeijos! =*

Gilgomex™ disse...

cara... essa explicação do site me fez rir demais... pq fiquei imaginando o cara tentando decorar tudo aquilo...

decorar...

é mesma coisa de vc falar um endereço de orkut...

era mais fácil dizer: "Busca Clube dos Autores no Google... Daí vc busca pelo livro Anonimos e Urbanos..."

Ainda seria uma exemplicação longa, mas sem certos detalhes como aga te te pe dois pontos...

Cara... Um romance??? Cara... Um romance???

CARA... UM ROMANCEEEEEE????

CARACAAAA....

Vou comprar logo esse livro (recebi, recebi o salário) do Chronicles, senão me fodo na hora de comprar dois...)

Até pq se vc quer chegar num número, quem sabe com essa minha compra já chegue logo...

Um romance... Tss tss... Ainda estou atordoado...

Mari Hauer disse...

Bom, vc já foi pro vão do Masp, falta agora a Benedito Calixto e Embu das Artes! HAHAHAHA...

Tá, eu sei que vc não foi pro vão do Masp, mas ia ser engraçado vc marcar um encontro dos leitores e dos livros com uma camiseta do Champ Club (ô fase!) pra pegar um montinho de livros e sair se espalhando pela paulista, competindo ponto com os Hare Krishna pra vender Anonimos e Urbanos! Vc podia até fazer uma gincana de quem vendesse mais ganharia um almoço no Degas com Rob Gordon! HAHAHAHA...

Bom, eu já comprei os meus: um pra mim, um pra minha mãe e um pra minha amiga! Que mtas presepadas aconteçam com vc e te dêem inspiração pro próximo livro! Um romance, uau!

Ulisses Adirt disse...

Puxa, Rob, vai mesmo pro Masp um dia (e anuncia com antecedência).

Varotto disse...

Paulonando, acho que o seu livro veio com erro mesmo. As cinco cópias que eu pedi vieram com a numeração correta das páginas.

Anna Vitória disse...

hahaha
demais, Rob! Como a Nina disse ali em cima, auto-jabá da melhor qualidade!
Mas agora você jogou baixo falando que o novo romance com os personagens do blog vai sair quando o primeiro livro já tiver vendido um tanto X, hein?
Acho que vou pedir pros meus pais adiantarem a mesada, haha
Ei, obrigada pelo comentário e apoio lá no blog, viu?
Beijo!

K o n S a m a disse...

Nossa, é mesmo incrível como tu transforma pequenos momentos em posts tão bem elaborados, o jabá me convenceu, assim que puder compro teu livro, até lá sigo apreciando o blog.

paulonando disse...

Varotto
O meu exemplar veio com as páginas direitas e esquerdas com a numeração trocada.
Acredito que tenha sido nos originais do Rob.

Arthurius Maximus disse...

Como sempre sensacional. Vi, literalmente, o gordinho, baixinho, careca e barbudo na minha frente aqui.

Yara Balestrero disse...

Obaaaaaa!!!! Um romance do Champ! Podia publicar antes do Natal para podermos dar de presente ;D (olha a folgada!!!) Tem que ter muita participação do Besta-Fera, heim?

Kel Sodré disse...

É nessas horas que a gente vê que os quatro anos de faculdade de Publicidade te acrescentaram alguma coisa! Tô - claro - doida por esse livro do Champ.