13 de agosto de 2010

Certa Madrugada, no Inferno...

Local: Sala do Diretor de Novos Projetos
Horário: 23:08


Demônio-diretor: Alô.

Demônio-assistente: Boa noite, senhor.

Demônio-diretor: Boa noite.

Demônio-assistente: Algumas semanas atrás o senhor me pediu para avisar quando o Rob Gordon fosse dormir cedo.

Demônio-diretor: Sim.

Demônio-assistente: Ele está indo deitar agora.

Demônio-diretor: Excelente! Estarei na Sala de Testes em uma hora. Me encontre lá.

Demônio-assistente: Sim, senhor.


Local: Curral
Horário: 23:11


Demônio-capataz:
Alô.

Demônio-diretor: Boa noite. Os mosquitos estão prontos?

Demônio-capataz: Mais do que prontos, senhor. Eles já passaram por todos os procedimentos científicos e místicos.

Demônio-diretor: Tivemos alguma baixa?

Demônio-capataz: Apenas uma. Um dos...

GRAAAAU!

Demônio-diretor: O que é isso? Que barulho é esse?

Demônio-capataz: Desculpe, senhor, um dos adultos se aproximou e tentou me atacar. Mas meus homens já o amarraram com cabos de aço e estão o arrastando para longe. Eles estão assim desde que cortamos a ração pela metade. Devoraram um filhote de rinoceronte vivo, outro dia.

Demônio-diretor: Excelente! Mas você estava falando das baixas.

Demônio-capataz: Sim, senhor. Como eu estava dizendo, um dos filhotes não sobreviveu à implantação de titânio no ferrão. Os demais reagiram muito bem, tanto ao processo de agigantamento quanto aos feitiços de teleporte.

Demônio-diretor: Ótimo.

Demônio-capataz: Senhor... Peço permissão para falar francamente.

Demônio-diretor: Concedida.

Demônio-capataz: Eu não sei mais quanto tempo nós vamos agüentar estes mosquitos aqui. Eles estão cada vez mais famintos. E ferozes. Meus homens já domaram todos os tipos de criaturas existentes, mas eles estão começando a ficar com medo dos mosquitos.

Demônio-diretor: Não se preocupe. Ao que tudo indica, nós vamos usá-los hoje.

Demônio-capataz: Excelente notícia, senhor.

Demônio-diretor: Já deixe sua equipe avisada e de prontidão. Aguarde notícias minhas.

Demônio-capataz: Sim, senhor.


Local: Sala de Testes
Horário: 00:15

Demônio-diretor: Boa noite.

Demônio-assistente: Boa noite, senhor.

Demônio-diretor: Status?

Demônio-assistente: Ele está dormindo profundamente. Besta-Fera está aos pés dele, na cama. Dormindo também.

Demônio-diretor: Excelente. Mande uma mensagem para o Curral e avise ao Capataz para liberar os mosquitos.

Demônio-assistente: Os mosquitos, senhor? Aqueles mosquitos?

Demônio-diretor: Sim.

Demônio-assistente: Todos?

Demônio-diretor: Sim, a esquadrilha inteira.

Demônio-assistente: Sim, senhor. Pronto. Mensagem enviada.

Demônio-diretor: Excelente.

Demônio-assistente: O capataz já respondeu, senhor. A esquadrilha já está a caminho. Deve chegar ao apartamento do Rob em cerca de cinqüenta minutos. Uma hora, no máximo.

Demônio-diretor: Temos uma estimativa de quanto tempo irá demorar até ele ir ao banheiro?

Demônio-assistente: De acordo com os relatórios da Inteligência, ele jantou fora hoje. Pelos meus cálculos, ele precisará ir ao banheiro poucos minutos após a chegada dos mosquitos.

Demônio-diretor: Ótimo. Quer rachar uma pizza enquanto esperamos?

Demônio-assistente: Meia atum, meia enxofre?

Demônio-diretor: Parece perfeito. Vamos.


Local: Sala de Testes
Horário: 01:20


Demônio-assistente:
Os mosquitos estão a postos, senhor. Todos espalhados pelo quarto, nas paredes.

Demônio-diretor: Mas ainda não fizeram nada, certo?

Demônio-assistente: Segundo o capataz, eles ainda não atacaram somente por causa do bloqueio mental implantado. Assim que a trava for retirada, eles partirão para cima dele.

Demônio-diretor: Bom. Muito bom.

Demônio-assistente: Devo pedir para retirar a travar?

Demônio-diretor: Ele já foi ao banheiro?

Demônio-assistente: Não, senhor. Mas não irá demorar.

Demônio-diretor: Temos como retirar a trava de somente um mosquito?

Demônio-assistente: Sim, senhor.

Demônio-diretor: Faça isso.

Demônio-assistente: Pronto, senhor. Olhe! O mosquito já está voando! É aquele ali, próximo ao armário. Está indo em direção ao Rob. Ao ouvido, mais precisamente.

Demônio-diretor: Isso vai ser genial. Fique olhando.

Demônio-assistente: Uau! Que tapa!

Demônio-diretor: Você viu? Ele sempre faz isso, é demais!

Demônio-assistente: Deve ter doído muito!

Demônio-diretor: Será que ele acha que vai matar o mosquito dando um tapa no próprio ouvido? Tem como ser mais burro?

Demônio-assistente: Ele está acordando, olhe, senhor!

Demônio-diretor: Tudo está saindo como planejado.

Demônio-assistente: Ele está indo ao banheiro.

Demônio-diretor: O grande problema destas missões de madrugada é que somos obrigados a ver o Rob de cueca.

Demônio-assistente: É uma cena deplorável, não?

Demônio-diretor: Muito. Mas não se preocupe, além das horas extras, vou pedir um aumento à presidência, para nós dois. Vou alegar insalubridade.

Demônio-assistente: Obrigado, senhor.

Demônio-diretor: Me passe aquele telefone.

Demônio-assistente: Pronto.

Demônio-diretor: Capataz? Prepare-se para retirar as travas de todos os mosquitos ao meu comando.

Demônio-assistente: Ele está voltando.

Demônio-diretor: Três... Dois... Um...

Demônio-assistente: Ele acendeu a luz!

Demônio-diretor: Agora!

Demônio-assistente: Os mosquitos estão soltos!

Demônio-diretor: Excelente trabalho, capataz. Qualquer informação pertinente, estarei na sala de testes.

Demônio-assistente: Ele está olhando ao redor e vendo mosquitos por todos os lados. Veja a cara dele, senhor!

Demônio-diretor: Ele deve estar se perguntando como tantos mosquitos apareceram no quarto.

Demônio-assistente: Com certeza, senhor. Ele foi checar se janela está fechada, veja.

Demônio-diretor: Os mosquitos o estão devorando, e ele preocupado com a janela. Imbecil demais.

Demônio-assistente: Mas agora ele se virou para o quarto, senhor. Deve tentar atacá-los.

Demônio-diretor: É exatamente o que eu espero.

Demônio-assistente: Ele está se aproximando de um deles. Vai tentar capturá-lo.

Demônio-diretor: Espero que ele consiga.

Demônio-assistente: Senhor?

Demônio-diretor: Espero que ele consiga. Fique olhando.

Demônio-assistente: Veja, senhor. Acho que ele conseguiu!

Demônio-diretor: Ele acha que matou o mosquito, e vai abrir a mão agora. Fique olhando.

Demônio-assistente: Sim, senhor.

Demônio-diretor: Não tem nada na mão dele! Olhe a cara de raiva que ele fez!

Demônio-assistente: Senhor, eu não entendo. Eu vi o Rob pegando o mosquito claramente.

Demônio-diretor: Estes mosquitos foram manipulados. Eu mesmo cuidei disso. Eles passaram por modificações físicas. Receberam implantes de titânio, e seu sangue foi trocado por ácido clorídrico. E suas asas foram redesenhadas, para fazer um barulho maior e mais irritante. E passaram por modificações místicas também.

Demônio-assistente: Místicas?

Demônio-diretor: Sim, é por isso que ele não vai conseguir capturar nenhum. Eles passaram por encantamentos infernais. Cada mosquito que ele aprisionar irá se teleportar de dentro da mão dele para outro local do quarto. Ele nunca vai conseguir aprisionar nenhum.

Demônio-assistente: Ele está tentando novamente. Apanhou mais um.

Demônio-diretor: Ele ainda não percebeu que não irá conseguir.

Demônio-assistente: Eu vi, apareceu outro mosquito atrás do ombro dele. Era o mesmo mosquito, senhor?

Demônio-diretor: Exatamente. Veja, ele está abrindo a mão. Não vai encontrar nada.

Demônio-assistente: Pronto, já começou a xingar.

Demônio-diretor: Ele é previsível demais. E são sempre os mesmos palavrões. Prepare-se para ouvir muitos “mosquito do caralho” e “mosquito filho da puta” nos próximos minutos.

Demônio-assistente: Senhor, ele pegou o travesseiro e vai usá-lo como arma. Os mosquitos estão prontos para isso?

Demônio-diretor: Mais do que você imagina. Preste atenção, ele está indo em direção aquele no armário. Veja que ridículo, ele de cueca tentando levantar o travesseiro discretamente, para não assustar o bicho. Deplorável.

Demônio-assistente: Uau! Que porrada!

Demônio-diretor: Ele matou o mosquito. Exatamente como eu imaginava.

Demônio-assistente: Mas o senhor disse que eles estavam preparados para isso.

Demônio-diretor: E estão. Este foi o encantamento mais difícil de realizar. A cada mosquito que ele matar com o travesseiro, dois novos surgirão de trás da estante de livros. A única coisa que ele vai conseguir é manchar as paredes do quarto com sangue e aumentar o número de mosquitos. Claro que ele jamais irá perceber isso.

Demônio-assistente: Genial! Veja, senhor, os mosquitos se organizaram! Um grupo deles está voando em formação de ataque em direção ao Rob, enquanto aqueles outros atacam as pernas dele!

Demônio-diretor: O capataz fez um excelente trabalho.

Demônio-assistente: Veja, ele ficou encurralado num canto do quarto, e está dando travesseiradas para todos os lados, sem saber o que fazer!

Demônio-diretor: Onde está o cachorro?

Demônio-assistente: Fugiu para a sala, alguns minutos atrás. Ele está sozinho. Uau! Você viu aqueles cinco dando rasantes em cima do ombro dele?

Demônio-diretor: Vi, sim. E pode ter certeza que cada rasante foi uma picada.

Demônio-assistente: Ele acertou mais um!

Demônio-diretor: E mais dois apareceram ali atrás, veja!

Demônio-assistente: Sim, senhor, estou vendo.

Demônio-diretor:
Bem, creio que finalizamos o teste. O projeto mosquito pode ser colocado em execução a partir de amanhã.

Demônio-assistente: Parabéns, senhor.

Demônio-diretor: Obrigado.

Demônio-assistente: Devo pedir ao capataz para chamar os mosquitos de volta?

Demônio-diretor: O Rob está muito cansado?

Demônio-assistente: Sim, senhor. Ele saiu do trabalho de madrugada praticamente a semana inteira. Veja as olheiras dele, parece um urso panda.

Demônio-diretor: Problema dele. Estes mosquitos estão há dias sem comer direito. Vamos deixá-los se alimentar hoje. Eles merecem.

Demônio-assistente: Certo.

Demônio-diretor: Instrua o capataz para ativar o comando que fará os mosquitos retornarem à base somente por volta das cinco da manhã.

Demônio-assistente: Mensagem enviada.

Demônio-diretor: Perfeito. Vamos para casa. Deixe o Rob com os mosquitos. Mas grave as imagens. Vamos exibi-las para a equipe no próximo happy hour.

Demônio-assistente: Estou gravando.

Demônio-diretor: Podemos encerrar por hoje. Boa noite.

Demônio-assistente: Boa noite, senhor. Até amanhã.

13 comentários:

Jullia A. disse...

com seis litros de sangue, tem entrada, prato principal e sobremesa.

Dragus disse...

Dessa vez ri litros... de sangue.

Trotta disse...

Sua vida deve ser mesmo épica!

Será que ele acha que vai matar o mosquito dando um tapa no próprio ouvido? Tem como ser mais burro?

Hahaha

Hally disse...

Nessas horas dou graças a Deus por ser inverno (dos bem congelantes), no sul.

Aqui, no inverno, não tem mosquito!

Ana disse...

Você devia ter colocado "No me moleste mosquito" do The Doors para tocar.
:P

Charlie disse...

CORRA POR SUA VIDA, BESTA-FERA!!!

Li disse...

Será que ele acha que vai matar o mosquito dando um tapa no próprio ouvido? Tem como ser mais burro?



uahuhahuahua... Faz assim...: Compra uma redinha... Sei o nome não! Mas daí você põe ela envolta da cama...

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Atacado por mosquitos no inverno de São Paulo...

Ô Fase...

Natalia Máximo disse...

HAHAHAHA GENIAL, Rob!
Já estava com saudades dos Demônios!

MarianaMSDias disse...

Pow, Rob, isso é castigo por não ter publicado o post que eu queria ler.

Vou mandar uma DM pro Demônio-diretor, quero estar nesse happy hour e assistir ao filme da primeira fila, com pipoca e na companhia dos mosquitos mais bem sucedidos!

Fabi disse...

Sempre digo: nada que seja menor que um beija-flor (à honrosa exceção da joaninha) é de Deus. Mosquito, pernilongo, mosca, marimbondo: TUDO DO DEMÔNIO.

Barlavento disse...

Rob, lembra da raquete da síndica? Acho que você deveria pensar em adquirir uma. Os mosquitos estão utilizando tecnologia de ponta e você com travesseiro?!
Francamente, Rob Gordon. Isso é briga de cachorro grande! Por isso o Besta-fera correu...

Juba disse...

Rob, citronela e raquete elétrica. Nem com manipulação eles resistem.