18 de abril de 2010

Os 300 do Champ

Vou ser sincero, agora.

Tem horas que sim, eu realmente desanimo com o blog. Não a ponto de jogar tudo para o alto, apagar o blog e ir tocar minha vida longe de vocês. É apenas um desânimo. Mas ele existe. Na verdade, estes desânimos existem em qualquer situação – desde relacionamentos a emprego – então, não seria diferente com o blog.

Os motivos são vários, apesar de nenhum exatamente “sério”. Passam pela falta de inspiração ocasional que acomete todo mundo, chegando às expectativas altas demais (que eu mesmo crio) em relação a um ou outro texto específico. Sim, existem textos que eu termino de escrever certo de que são algumas das melhores coisas que escrevi na vida, mas que, ao serem publicados aqui, passam batido por quem lê.

Mas acho que isso também acontece com todo mundo que escreve.

Por outro lado, algumas das recompensas de se ter um blog são enormes. Especialmente quando se tem um blog pessoal. Afinal, aqui não existem apenas textos, o que existe aqui sou eu. Se o texto está engraçado, é porque estou leve; se ele está triste, é porque estou também.

Ou seja, o Champ não tem apenas textos publicados, o Champ tem a mim publicado.

Cada texto é formado por palavras agrupadas de forma a montar um retrato dentre os vários que poderiam ser tirados de mim (tanto ao longo do dia, se você pegar um texto só; como ao longo dos últimos anos, se você analisar o blog como um todo).

E aí caímos na questão do gênio.

Já faz algum tempo que me incomoda a quantidade de “genial” e “você é um gênio” que recebo nos comentários. E o que me incomoda não é receber um comentário desses – quem não gostaria? – mas sim a quantidade deles, que sugere levemente que a coisa poderia estar no automático. Uma leitora, Camila, escancarou isso no post Sonhos de Kurosawa Gordon IV, apontando que eu recebo “sempre os mesmos comentários...”.

O comentário dela me fez pensar muito. Me fez questionar se não está tudo “no automático” demais por aqui. Eu escrevo, sou gênio; eu escrevo, sou gênio - e não estou me gabando não, mesmo porque 1) basta fuçar nos comentários antigos para ver que isso é verdade, e 2) se existe alguém no mundo que tem certeza de que não sou um gênio, sou eu. Conversando com algumas pessoas, cheguei até mesmo a pensar em escrever um texto horrível por aqui, somente para ver a reação das pessoas.

E foi remoendo este assunto por dias, que eu encontrei uma explicação.

Quanto aos textos engraçados e mais leves, isso é facilmente compreensível. Afinal, cada leitor é diferente e lê meus textos em momentos diferentes – não é porque uma pessoa gargalhou com um texto meu pela manhã, que outra não tem o direito de gargalhar mais com ele à noite.

Me lembrei agora de uma entrevista do Lemmy, vocalista e baixista do Motörhead. Ao ser perguntado se ele não estava cansado de ter que tocar Ace of Spades (o maior sucesso da banda) em todos os shows de 30 anos para cá, ele respondeu que precisa partir do princípio que, em todos os shows, existe alguém na platéia que nunca viu o Motörhead ao vivo, e quer ver a banda tocar Ace of Spades. “Eu não tenho o direito de privá-lo disso somente porque o resto do público já viu esta música ao vivo”, ele disse.

É a mesma coisa aqui. Ao menos, nos textos mais leves, mais cotidianos, mais engraçados. Se os leitores "cantam junto os refrões do blog" nos comentários, melhor. O texto atingiu o que eu queria.

Mas é a respeito dos textos mais sérios, aqueles nos quais que eu escancaro aqui o que estou sentindo, que a história é outra. E eu só consegui entender perfeitamente isso recentemente.

Normalmente, quando eu publico um texto destes, os comentários que recebo simplesmente pegam tudo aquilo que estou sentindo ou vivendo, e jogam uma nova luz sobre tudo.

Concordando ou discordando, vocês levantam questões, contam histórias parecidas - ou desabafam, em alguns casos –, opinam, jogam verdades na minha cara e se inconformam com o mundo lá fora. Vocês pegam a minha idéia e extraem tudo dela, discutindo o assunto nos comentários.

Em outras palavras: os gênios são vocês. Eu apenas escrevo.

Então, hoje eu tenho consciência de que muitos dos "genial!" que recebo aqui não são direcionados a mim, mas sim ao blog como um todo. E, com o número de leitores que tenho, foi-se o tempo em que eu fazia este blog sozinho.

Cada um de vocês tem participação nisso; cada um de vocês tem um quinhão desses diversos "genial!" que são soprados aqui.

Se o bem maior de uma empresa é o conjunto de seus funcionários, o de um blog é, certamente, seus leitores. Não, não são os textos. Um texto bom é o mínimo que se pode esperar de um blog; a grande riqueza dele, mesmo, são os leitores.

E, neste ponto, o Champ é muito rico. Uma vez me perguntaram se eu achava o meu blog o melhor do mundo, e minha resposta foi sincera: “não, está bem longe disso; mas não posso negar que alguns comentários que recebo são não apenas melhores que os meus textos, mas sim melhores que os textos de 80% dos outros blogs”.

Assim, chegamos a maior recompensa de se ter um blog pessoal: não é ser chamado de gênio – por mais que sim, eu adore os elogios –, mas sim ter, como seguidores, 300 gênios, que estão aqui diariamente fazendo este blog melhorar a cada dia.

Ou, se vocês me permitem, estão transformando, a cada dia, este blog em algo genial.

Sim, 300.

O Champ atingiu esta marca na semana passada. E, como de costume, os novos seguidores merecem, no mínimo, uma menção especial:

Assim,

Sandro Lima, NiNah, Alexandre Câmara, Danilo, Danilo Alves, Thiago, Li, André Caniato, Fee, Hanna Paterno Coutinho Ferreira, Marcello Mussa Amaral, Fernando Mozol, Yole, Whatzzupmand, Tenda, MizLilian, José Mahon, Luiza Dias, Felipe Lima, Melindabauer, L. Inafuko, Guto, Carol Barros, Anderson M. França, Medley, Carolina Tapajóz, Moni Duraes, Daniel, E., Lua Durand, Cidadão Entretido, Um conselho:, Jessie, Juju, Edson Telesca Filho, Meu Veneno, Bia, F. Pocow, Cami, Dianna Montenegro, Silvia Helena, Daniela Viana, Carlos, Mariana Hauer, Carol, Nih_x, Tuíla, Dani, Naná, Gabis, Pucci, Kika, Daniel de Araujo Dutra, Fernanda, Caaaah, Cristiane Scopel, The Writer, Paloma Souza, Milla Pupo, José Almeida, Dani Cavalhero, Carlos Cruz Junior, , Tally M., Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcelos, Talita.marianocarneiro, GraveHeart, Amós Cavalcanti, Diego OldSkull, Toad – Matheus H., Jamila Carvalho, Bruno T., Fabio Luis Stoer, **Dona Cris**, Mizu, Laura Rodrigues, Andreia,Mandy, Sebo Livraria Caixa Preta, Rafiki, Eduardo Aldo, BiAa AlpEr, Carol, Arlete soffiatti, Pavarini, José de Almeida, Brunacarolina, DahDah, Sergio Miranda, Menudo-jonas, Edu Ribeiro, Sayu, Gui Barreto, F., Glauco Guimarães, Cynthia, Mary, Juliana, Isabella, Pai é quem Cria!!, Simone dos Santos Silva, Théo, Jéssica Rosa, Sharla, Humbas, Ajpc.vsc, Luilton, Patricia, Fly, Sergiotoscano, Lyllyca, Carlota, Lucas Casasco, Evandro Correia, Elaine Rufo, Hillken, Tendasscelular, Camila, Ju - mãe da Letícia e Danielle Lourenço:

Sejam bem vindos e muito obrigado por tudo.

P.S. - Leitores mais atentos perceberão novamente que a contagem ultrapassa os 100 nomes. Isso porque o sistema de contagem dos seguidores do blog é bastante confuso. Fiz o melhor que pude para listar os últimos 100, mas é impossível ser preciso, já que alguns leitores mudam de nome, ou até mesmo de cadastro. Se você estiver na relação acima e já esteve nos posts anteriores deste estilo, me avise. E se você estiver listado acima, e seu blog não estiver linkado, favor deixar o endereço nos comentários, para eu arrumar.

35 comentários:

Tyler Bazz disse...

Acho que chegou a hora de confessar...

Só leio, sigo e acho o blog genial porque Besta-Fera me ameaçou de morte.
Pos uma arma na minha cabeça e disse: "Ou seus elogios ou seus miolos estarão nessa janela de comentários."

Não tive escolha. Nunca tive a menor vontade de acordar com a cabeça do meu peixinho dourado na minha cama...

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Pois então Rob, achei o texto fodástico, como sempre, mas concordo e discordo quando você diz que os "Genio"s, são para o blog em geral e não para você.

Porque sim, muitos deles se referem ao conjunto da obra, mas vários também são específicos para você.

Explico, eu te chamo de "Genial" sempre, a cada 2 ou 3 textos, e ao mesmo tempo que esse genial se refere ao todo dos últimos textos, ele é dirigido à você pois, o resultado dos seus textos é que me deixam até hoje abismado.

Com o champ eu já chorei, já sorri, já refleti... Você independentemente do texto que escreve, se mais leve ou mais triste ou mais "oquevocêestásentindonessemomento",consegue sempre me fazer entrar no texto, eu absorvo o seu estado de espírito e aquilo tem influência no meu dia.

Tem vezes que me sinto mal por algum motivo qualquer, e venho aqui ler um ou 2 textos antigos, sempre me dá uma nova perspectiva dos fatos.

Por isso você é Genial Rob, pois independentemente do tema dos seus textos, cada um deles é único e especial, e cada um teles me marca de alguma maneira.

O Luis Fernando Veríssimo por exemplo é notóriamente um cronista muito bom, mas muitas vezes quando leio os textos dele, fico com a sensação que ele está simplesmente fazendo piada, expondo ao ridículo certa cituação. Você não, independentemente do texto, eu sinto você contando uma história, e acabo sempre apendendo com essa história.

Por isso Rob, você é um Gênio. Meus parabéns.

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos, 20 anos, Ottawa, Canadá

Ana disse...

Genial foi o comentário do Tyler! :P
Hahahahhahahhaha!!!

Pedro disse...

Rob, a família Champ é fora de série. Você consegue como poucos trazer para o blog vivências e tornam vívidas na nossa imaginação.

Tenho certeza que o Champ ficará imortalizado, não por que tudo fica na rede, mas por que em momentos da vida você para e pensa, "nossa isso é a cara do Rob Gordon" ou "isso com certeza aconteceria com ele" e fica viajando sobre esses pensamentos.

Você já faz parte do nosso cotidiano, tenha certeza.

Parabéns e claro,

Você é um gênio!

Gabriel Alex disse...

Eu também penso nisso quando vou fazer um comentário, todo mundo já te elogiou dos melhores elogios possíveis, dai fica difícil expressar como gostei, mas é sempre assim, se na família você elogia uma tia, é porque ta puxando o saco.
Isso é meio que inevitável, meio chato, mais o bajulismo é sincero.
Não é porque tá no 'coro' da galera que não é sincero.

claudiaiarossi disse...

Independente da genialidade dos seus textos o que me importa é o quanto me emocionam.
E coooomo me emocionam!!!

Bjs

Mari Hauer disse...

Como vc disse, o Champ tem vc publicado. E acho que esse é um dos maiores benefícios de se ter um blog pessoal. É claro que é uma delícia ter quem lê o que vc perde tempo escrevendo. (Sorry, não é tempo perdido, é tempo investido... mas vc entendeu o que eu falei! ;]). Mas penso que escrever é, antes que tudo, transbordar, organizar pensamentos. Leio seus textos engraçados e, claro, me identifico em situações que eu passo na vida (como hoje, que consegui queimar o adaptador de tomada ao invés do secador... num país que não é o meu, um adaptador que não era o meu, depois de ficar escutando 4 pessoas que não são da minha família falarem grego durante 4 horas, considerando que grego é mesmo a língua e não figura de linguagem. Eu penso em um "dia completamente Rob Gordon" e sei que vc estaria fazendo piada da desgraça.). Penso que, nos textos engraçados, vc tá rindo de si mesmo. Mas lendo o blog todo, eu sei que vc não é só essa pessoa que se apega futilmente nas entrelinhas, nas piadinhas que Deus faz com a gente. Foda-se que as coisas explodem na sua cozinha, que a lasanha tem vida própria. Você ainda é íntegro e nada raso pra escrever um texto como esse, que eu estou dando o trabalho de comentar.

E por que? Porque acho que é o mínimo de consideração dividir um pouco as impressões que eu tenho sobre vc, sobre os textos e sobre o blog, o que não faz assim tanta diferença, considerando o contexto, rs... Mas acho que o que eu mais gosto do Champ, do blog, é essa identificação de que eu sinto de que somos inteiros. De que temos dias onde o mundo conspira contra a gente, que procuramos a câmera da "pegadinha" porque é muita desgraça e bizarrice pra ser real. Mas tem dias que falamos sobre a família, sobre coisas que realmente marcaram nossa vida, que olhamos a vida além das coisas explodindo e espatifando no chão. Porque a vida é bem mais que isso.

Eu fui uma daquelas que nunca escreveu um genial em comentário. Mas sei lá porque. Porque eu realmente gosto dos seus textos. Me identifico e gosto da forma com que vc expressa sua opinião e passa sentimento pelas linhas e entrelinhas. Me fazem pensar... e confesso, sou apaixonada pelo estilo do Chronicles. Mas isso porque eu sou mais mexicana, intensa e dramática mesmo... Mas volto aqui não só pra rir... mas porque me identifico com os sentimentos, com o que surge quando leio. E aposto ser o caso de muitos leitores.

Rob, obrigada por dividir sua vida conosco. Torço pra que vc mantenha a vontade de dividir as desgraças, os choramingos e todo o resto sempre por aqui. E que nossos pitacos continuem sendo importantes, haha...

Beijos!

Perci Carvalho disse...

este é um dos meus "lugares" favoritos na internet inteira ;)

Rafiki disse...

Mesmo eu estando entre os 100 últimos listados aí, faz um pouquinho mais de tempo que eu acompanho as coisas aqui.

Seus textos são realmente incríveis, espero eu um dia escrever assim, embora o meu modo de escrever seja diferente.

Mas se você é um gênio, e é bem provável que seja, eu vou querer 3 desejos.

Outra coisa, poderia trocar o link que está no meu nome por este aqui: http://ovodoincognito.blogspot.com/Por favor ?
Pode considerar esse como o primeiro desejo se preferir, =D.

Felipe Lima disse...

Primeiramente, quero dizer que é uma honra ter meu nome num post do Sr. Rob Gordon. Já sou um leitor antigo do blog, porém sou um novo seguidor.
Não gosto de "rasgar" seda o tempo inteiro, nem de parecer bajulador, por isso muitas vezes me abstenho de comentar aqui, justamente para não cair no lugar comum. Para mim, o seu talento já é tão evidente que chega a ser perda de tempo ficar lembrando disso a toda hora.
Considero você, personificado nos textos deste blog, um amigo de longo data. As visitas ao blog são como visitas à casa de alguém querido. Às vezes, me cobro quando fico algum tempo longe do Champ, pois bate uma saudade, uma vontade de saber como anda a vida do Rob. Como ele tem passado? O que andam aprontado com ele? Isso tudo é muito bizarro. Sentir-se próximo de uma pessoa que mal lhe conhece parece coisa de gente carente, mas não isso. É a qualidade e a verdade do que lemos, elas nos aproximam do ser por trás do Rob Gordon (a ambiguidade não foi proposital). Então, não ligue quando os comentários estiverem lotados de elogios aparentemente mecânicos. Com certeza eles são apenas agradecimentos sinceros advindos de pessoas que reconhecem o seu empenho na construção de cada linha que preenche esse blog.

Jullia A. disse...

Querido Rob Gordon,

Sabe o que eu acho engra'cado?
Como voce faz parte das nossas vidas e a gente faz parte da sua em papeis completamente diferentes.

Eu sou uma leitora, confesso que comecei a acompanhar o blog por cometarios do Tyler e do Bonaldi na mesa do Bar do Portugues. Vim aqui ler seus textos porque o eles riram lembrando de um post que voce tinha escrito.

Eu tenho o meu blog ha pelo menos 3 anos, mas foi de pois que eu comecei a acompanhar o champ, e alguns outros blogs, que eu comecei a me dedicar ao meu blog. e escrever para o blog e nao postar no blog o que eu escrevo. Acho que voce entende a diferenca.

Eu acompanho o blog faz mais ou menos um ano, e agora que eu estou na africa do sul, e tenho poucos minutos na internet, o seu blog 'e um dos unicos que eu faco questao de entrar e estar atualizada na leitura dos textos.

E 'e por isso que voce 'e genial. Porque voce inspira as pessoas, influencia de certa forma, e os seus textos fazem com que o leitor se atenha ao blog e queira voltar.
Alguns textos eu acho otimos, outros eu acho bons, outros eu penso ' putz, porque eu nao tive essa ideia antes dele?'

A gente esta na sua vida como leitores, e como motivacao pra que voce continue escrevendo, afinal um texto so 'e um texto quando 'e lido. Mas voce esta na nossa vida, na minha, especificamente, durante o meu dia a dia, durante as minhas segundas feiras qeu eu lembro do ' ja 'e sexta?', durante as minhas tercas quando eu estou na reuniao do rotary e procuro semelhancas entre algum personagens e os membros da reuniao.

Minha mae sabe que voce existe porque eu mando os links dos seus textos pra ela ler. Esse 'e seu papel na vida dos leitores, voce entra nas entrelinhas da rotina.

E, batido ou nao, o comentario continua : voce 'e genial.

o/

Pequena disse...

Rob, esse fim de semana eu fiquei imaginando como seria minha vida sem o seu blog. Meus olhos encheram de lágrimas.

Lua Durand disse...

Rob, acho que se torna meio impossivel não frequentar o[s] Champ[s], e não se sentir como se estivessemos conversando numa mesa de bar, ou reunidos na casa de alguém, todos bons amigos, conversando, sobre as coisas da vida, ou os filmes da nossa infância, ou outras coisas mais.
Como você disse, é você quem está nessas palavras, objetiva ou subjetivamente, é você.
Então, não só eu, como acredito, vários outros leitores dos Champs, já se sentem como seus amigos, e isso é possivel, porque você nos faz/deixa sentir assim.
A cada texto novo, a cada leveza ou tristeza compartilhada, a cada risada, lagrima, ou reflexão, que nós leitores temos, a cada texto novo.
Sim, achamos você um gênio, sua criatividade aliada com a sua forma de escrever, como naquele texto do Todinho, é fantástico.
Mas, mais que gênio, você é humano.
E é isso que você passa aqui.
E isso é muito massa.
E mais massa ainda é acompanhar de perto, isso tudo aqui.
Obrigada.
E que venham outros trezentos, para essa família Champ.

Kel Sodre disse...

Assim que abri o Champ hoje de manhã e li o post, escrevi um comentário enorme. Na hora de postar, o blogger deu pau, não publicou e ainda apagou tudo. Assim sendo, here we go again. Aviso: será mais um comentário gigante da Kel Sodré, porque tenho muitas coisas a considerar.

Comecei a ler o blog enquanto morava na Itália (não tive contato com ninguém de sobrenome Corleone, sinto muito), por indicação do Otavio – que anda até meio sumido daqui e mais aparecido no Chronicles. Foi o Champ que de deu a ideia e a inspiração para fazer um blog meu. Ok, tudo bem que eu atualizo o meu Armário de Coisinhas uma vez a cada 100 anos, mas eu coloco lá o que eu acho que faço melhor em matéria de textos e as coisas que significam mais para mim. E isso é muito, já que eu trabalho escrevendo. Não tenho quase leitores, mas é lá que eu guardo um registro do que aconteceu de marcante na minha vida e das coisas que me despertaram o ímpeto de escrever.

Outro mérito do Champ na minha rotina foi ter iniciado uma certa disciplina na internet. A partir do blog, eu comecei um ritual diário de consultar um roll de blogs e sites que me mantém informada a respeito das coisas de que gosto e de que quero saber um pouco mais. Sei que é impossível ficar atenta a tudo o que rola na internet – principalmente sem Twitter, como é o meu caso – mas essa rotina também foi importante para me tirar a angústia de não poder olhar tudo. Depois de algum exercício, hoje tenho plena consciência de que é necessário abrir mão e se privar de muitas coisas – legais ou úteis – na internet simplesmente porque eu tenho mais o que fazer. Porém, essa minha ronda diária é importante pra mim, é o que inicia o meu dia, é o que dita o ritmo que as coisas irão assumir.

Mais um ponto que tenho a comentar é a respeito dos comentários em si. Sabe, é uma responsabilidade muito grande comentar no Champ. Com tanta gente boa – Tyler, Varotto, Gil: sou fã – que passa por aqui, é até difícil postar alguma coisa neste espaço dos leitores. É por isso que não comento às vezes. Prefiro me valer da máxima “se não tem o que dizer, é melhor ficar calado” por achar que não tenho nenhuma contribuição válida para dar àquele cenário que está se construindo. Entro no Champ religiosamente todos os dias em busca de textos que me façam sair da vida boba (leia-se: aquela vidinha sem reflexão e sem juízo que corremos o risco de assumir quando entramos na espiral da rotina casa-trabalho-casa), e na maioria das vezes encontro, seja nos posts, seja nos comentários.

Acho que escrevi um texto meio desconexo e bobo aqui, mas fiquei tentando resgatar algumas das idéias que havia colocado no comentário que não foi publicado. Desculpe(m).

De qualquer forma, sinto-me honrada pela homenagem. Apesar de não assinar o feed, também me considero merecedora dela, já que venho aqui todos os dias colher as novidades diretamente da árvore onde elas brotam.

Até amanhã, então!

Natalia Máximo disse...

É, Rob, 300 seguidores não é para qualquer blog. Mas o Champ merece! THIS IS SPARTAAAAAAAA Não? Tá bom =p

Parabéns, e que venham mais 300!

Pri disse...

As vezes desanimo tb, mas ai penso q meu blog é pra mim msm, o que importa é o legado!
Só q não tenho leitores pra compartilhar isso... rsrsrsrs

Lucas Casasco disse...

É, acho que somos nós quem temos a agradecer meu velho.
Eu mesmo conheço seu blog a menos de um mês e já posso dizer que sou apaixonado por ele, não só pelo blog mas também por você, pelo Besta-Fera e esse robozinho bonitinho que fica ai.

Eu devo muito do meu blog à você, ele estava decadente e eu completamente desinspirado. Entrei na neura de escrever pros outros, escrever pra ter público e isso não funcionou.
Foi ai que eu lí sua carta aberta aos blogueiros de merda, tomei vergonha na minha cara e voltei a escrever como fazia a meses atrás.

É claro que meu blog ainda não chegou à cem visitas diárias, mas eu sei que as vinte e tantas pessoas que passam por lá todo dia estão lá pelo meu conteúdo e eu agradeço isso à você que me fez enxergar isso.

É estranho, eu não sei nada sobre você além do nome mas o blog faz parecer que você já é amigo de muito tempo.

MarianaMSDias disse...

Agora que vc já passou dos 300, vou passar a te seguir oficialmente. Não que eu já não seguisse, sigo, pelo twitter, onde sei, em primeira mão, quando tem algo novo postado!

Se nestes 300 do caminho, 'o importante é que emoções eu vivi', podemos dizer que houve relato de muita coisa importante!

Rob, escrever é muito mais do que revelar o que há em nós. Escrever é revelar no leitor, o que há nele, através das nossas palavras!

Por isso a importância dos comentários. Por isso eu amo a Mari Hauer, rssss.

Quando escrevemos, depuramos coisas que estão em nós, algumas vezes maturadas há tempos, outras que estamos trabalhando. nossa terapia está em colocar para fora, em palavras, sentimentos que já são nossos.

Mas quando um leitor, mais do que entender o que escrevemos, descobre-se em sentimentos que existem nele, então a coisa toma proporções globais e, através dos comentários, podemos perceber quantas leituras diferentes existem de um assunto que, algumas vezes, havíamos encerrado em nós!

Então, nossa contribuição - que foi relatar um fato cotidiano nosso, destilar um mau-humor ou contar a todos uma alegria - se transforma em uma cadeia de sentimentos, visões, experiências, emoções que nos voltam carregados de informação, para que possamos trabalhar novamente aquela idéia alí postada.

Neste enorme vai e vem, nessa rede de contribuições, num post em que os comentários criam vida própria, quem é mais genial? Quem inspira ou quem se permite inspirar?

Parabéns, Rob, pelos 300. E parabéns por se permitir inspirar.

linafuko disse...

Parabéns Rob, pela marca dos 300 e por este texto, que me faz refletir sobre essa função conversacional que o blog possui. Você conversa com os leitores, os leitores conversam com você! Por isso ler o Rob Gordon é tão legal!
O texto não fica só nele mesmo, como os livros.. a gente escreve e reescreve junto com vc!

E obrigada por meu nome estar aí no meio xD

Pergunta indiscreta: Posso usar esse post em um exemplo no meu tcc? ^^

Bruno disse...

Cara, vou te dizer, sem medo nenhum de que você me leve a mal, que para mim você não é "gênio", não, senhor. Porque o gênio nasce gênio, e não precisa grandes esforços para produzir suas genialidades. O gênio não se tornou gênio, ele nasceu gênio e ponto. E, putz, tem alguma coisa de chato nisso. Não é a toa que, por trás dos panos, quase todos os gênios da Humanidade foram meio frustrados.

Eu sou muito mais o jogador mediano que corre o campo de ponta a ponta e sua a camisa até o último lance, até o último segundo do jogo do que o craque que só aparece em jogo na hora de brilhar. O estrelinha pode até ter feito o gol, mas o raçudo é que fez o jogo. Se o Ronaldo tivesse levantado a taça do Penta eu não teria chorado tanto quanto chorei quando vi o Cafu lá no alto.

Então não leve a mal, Rob, se eu disser que você é um homem assim como eu, assim como seus leitores todos. O que te faz incomum é que você se esforça para fazer a diferença, para fugir do medíocre. Pô, meu, você trabalha o dia inteiro, às vezes a noite inteira –pelo que acompanho no Twitter e aqui– e ainda faz questão de se dedicar ao Champ. Pra mim isso não é genialidade, isso é paixão.

Porque a impressão que eu tenho é de que tudo que você escreve não nasceu de genialidade coisa nenhuma; nasceu, sim, da sua paixão. Da sua paixão pelo cinema, pelo rock, pelo futebol, pelas pessoas, pelas amizades. Até pela síndica do prédio.

Eu sei que aí desse lado da tela não tem um sujeito que escreve meia dúzia de linhas e fica só esperando os aplausos, porque a ele só interessam os aplausos. Nem um que escreve meia dúzia de linhas e não está nem aí se vão ler ou não, porque a ele só interessa escrever. Tem um cara que é um coração gigante, que se esforça todo dia para escrever o melhor, para deixar alguma mensagem bacana nas entrelinhas, para divertir o dia chato de alguém.

Daí que, na minha concepção, isso não faz de você um gênio. Isso faz de você um herói.

Sei que cada post é um filho e aposto como você, olhando o histórico, se lembra de como, quando, por que, para quem, onde escreveu cada um deles. Imagino que a coisa seja difícil de tocar, e esse negócio mecânico de "genial" o tempo todo diminui um pouco seu esforço, seu mérito para chegar lá. Fica parecendo que foi fácil. E, pô, eu sei que não foi.

Aí, quando vejo meu próprio blog tantas vezes abandonado por dias e dias, tantas vezes levado quase sem paixão, tantas vezes quase fechado, aí é que eu venho aqui e ganho mais certeza para poder dizer que, Ricardo Rigotti, você é um exemplo. Você é meu herói.

Continue em frente.

Grande abraço
Bruno

tcr disse...

Não são todas as pessoas que conseguem transformar letras em algo tão fantástico...
Parabéns e continue fazendo arte. Estarei por aqui lendo

danielle disse...

oi querido
achei muito legal seu texto, gostei de ver meu nome na sua lista e tal... tive até inveja de vc, confesso!
cara, n tenho seguidores, a não ser duas amigas que assim o fizeram para n me ver deprimida, n sou popular, pelo menos n nesse meio virtual.
na vida real tenho um "milhão de amigos", como o Rei, mas no blog...
tô pensando até em fazer uma campanha: "vc n quer me seguir, pq?"
hahahaha
bjs Dani

Dianna Montenegro disse...

Assim como o Rafiki, eu estou na lista dos 100 últimos seguidores, mas já faz tempo que acompanho o blog. Se não me engano, desde que você comprou um Wii e queria sugestões de bons jogos (sim, eu lembro até do primeiro post que li). Mas não, não acho que ja tenha dito por aqui que você é um gênio; aliás, acho que raríssimos foram os comentários que deixei.

Enfim. Não acho que você devia ser tão modesto. É verdade que a qualidade dos leitores incentiva a escrever mais e melhor, mas o mérito de pelo menos uns 85% da genialidade do blog é todo seu =) Keep it up!

Stephanie disse...

Rob, eu sigo e recomendo esse blog há tempos, mas infelizmente não apareço nos seguidores porque uso o google reader =P

agora sério, Rob, acho que só quem tem um blog e cuida dele com carinho e dedicação - se preocupa em postar um texto bem escrito, que dê o leitor o que se emocionar, questionar ou simplesmente se divertir, sabe muito bem que não é questão de genialidade.

Muitas vezes é de manter os olhos e o coração aberto pra sacar quais situações da vida podem render um texto. E trabalhar nele pra que se possa considerá-lo bom.

o seu blog merece cada um dos leitores que tem e outros muito que vai conquistar.

beijos

Lilian disse...

Como a Diana disse, eu tb me lembro do 1° texto que li por aqui. Foi amor à 1ª vista e eu nunca mais saí. Gosto de tudo por aqui exatamente do mesmo jeito que gostava quando cheguei.
Gênio ou não, adoro o que você escreve. E é isso que me faz voltar.
E sabe o que é mais legal? São 300 leitores conquistados pela empatia. Não milhares comprados por uma promoção, aquelas mesmas famigeradas que entopem os blogs hoje em dia. Só isso é uma coisa digna de nota. Parabéns!

Camila disse...

Nunca pensei que meu comentário simplório, bobo e insignificante fosse fazer você pensar muito.
Mas espero que ele não tenha feito você pensar que eu não goste do seu blog, pois eu não só gosto como a-d-o-r-o! Recebo suas atualizações por email justamente para saber quando você postou algo novo, pois eu não tenho muito tempo disponível para ficar entrando o tempo todo nos blog's que eu sigo para verificar se ha novidades. Mas quando eu entro eu leio tudo, tudinho mesmo, desde o seu texto até os comentários. O primeiro texto que li do seu blog foi "Um Estranho numa Terra Estranha - Parte I", e simplesmente amei, foi um texto interessante de como é o pensamento masculino na hora de comprar um presente para a sua companheira, e partir daí eu não deixei de apreciá-lo.
Portanto, Rob, peço desculpas se em algum momento fiz você pensar que "está tudo no automático", pois não está, o seu blog é um sucesso sem nenhuma dúvida. Mas acho sim, que as pessoas repetem, repetem e repetem os mesmos comentários. No meu ver, e deixo bem claro que é AO MEU VER pois existem pensamentos diferentes, não gosto de ficar repetindo sempre a mesma coisa, pois pode soar falso. É como se fosse pessoalmente, duas pessoas se encontrassem e dissessem sempre a mesma frase, tipo, "Nossa, seu cabelo está tão bonito hoje". Todo santo dia a mesma frase seria super chato.
E pode notar que se comentei no seu blog 4 vezes, foi muito. Mas isso não quer dizer que eu não tenha gostado ou lido.
Gosto muito dos teus textos, do visual do teu blog e da maneira como você torna um simples acontecimento uma grande produção cinematográfica.

[Obs: Estou na sua listagem dos 100 últimos (Mizu)]

Kell Alves disse...

Venho muito aqui e quando digo muito é todo dia e só c esse post percebi q ainda não sou seguidora ainda. É q o blog é tão envolvente q a gente q coisas como olhar qntos seguidores têm é totalmente desnecessário.
Tenho certeza q s todos q leêm ocasionalmente (ou não)seguissem já seriam mais de mil seguidores.
Conheço tanta gente q lê e n segue q vc n tem noção...

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Eu chorei lendo o comentário do Bruno... Me fez até ter sentido vergonha de ter te chamado de gênio...

Rob e Bruno,

Vocês são meus heróis.

Carlos Cruz Junior disse...

Primeiro, pode parecer besta, e ao mesmo tempo bobo, mas fico muito feliz e honrado de ser mencionado neste post, onde diz que sou um leitor, porque realmente sou, se as vezes bate um desanimo em você para com o blog, se serve de ânimo, existem pessoas como eu que não conseguem ficar sem dar uma olhada pra ver se chegou um post novo, pra ver se o dia vai ser mais engraçado, reflexivo ou até mesmo inteligente, variando de cada post. Portanto, quando a falta de inspiração bater, olha pela janela, imagina quantas pessoas dessas 300 não estao pensando em quando voce irá postar uma nova matéria, um novo acontecimento.

Mas algo que não pode acontecer é como voce disse, cair na rotina, e muito menos, voce ter que postar por se sentir obrigado talvez pela demora.

O Gênio não são os leitores, não é você. Talvez o besta-fera, mas sim o Blog como um todo, Leitores, você, besta-fera, a velha do ponto de onibus, a mulher da lanchonete, entre tantos outros.

Abraço,

Carlos Cruz Junior.

Carol Barros disse...

Rob, o Champs - e você, obviamente - contribuíram significativamente para minha vida de três formas:
1) Descobrir o Champs me deu mais ânimo ainda para continuar com o meu blog, por mais bobo que ele seja.
2) Eu me divirto demais. Posts como os "Diga-me o que procuras..." e "A pequena loja dos horrores" alegram meu dia de uma jeito que você não imagina.
3) Atiça minha curiosidade. Depois de conhecer o Champs eu comecei a assistir filmes e ouvir músicas que eu não conhecia, mas você falava que eram coisas boas.

De forma geral, Rob, eu imagino que você seja um cara muito bacana. Você parece ser aquele tipo de pessoa de quem eu adoraria ser amiga!

Cidadão Entretido disse...

A gente faz por merecer esses agradecimentos, aguentando as épocas sem atualizações constantes... :/

Mentira, quem merece os 300+ thank yous é tu, tatu - se me permitem parafrasear o Freakazoid.

Nadia disse...

Ai que munitoooo...o/

Dani disse...

Que legal, estou aí na lista!

O Champ já me fez rir, chorar, me identificar... esse é o blog mais pessoal - e com o qual eu mais me identifico - que conheço.
Parabéns!

Besos.

Otavio Oliveira disse...

O que é que se pode dizer diante desses comentários ae?

fico feliz de ter feito um pouquinho de parte dessa historia. e fiquei mto feliz também quando você percebeu que eu já não aparecia por aqui tão frequentemente. Serio, foi um momento bacana na minha vida. não porque eu acho tudo que eu acho aqui perfeito. já discordei de você algumas vezes, já me abstive de comentários por preguiça de gerar polêmica. e justamente pelo fato de te conhecer já há alguns anos (poxa, vc acha mesmo que não teve nada a ver com o fato de eu ter feito jornalismo? sim, pq eu conheci o champ ANTES de entrar na faculdade) é q eu ja conheço também alguns defeitos seus.
e isso, como o bruno falou, te torna um de nós. um cara com qm a gente conversa de boa no twitter. o cara pra qm eu mandei meu convite de formatura mesmo sabendo q n viria.
por isso é motivo de orgulho ver q eu tb faço parte do champ. pq o champ com ctz faz parte da minha vida.

paiequemcria disse...

Bacana, como sempre, Rob!

Valeu!

Abraços, Sr. Paiéquemcria