22 de maio de 2009

A Varanda Sistina

Há algumas semanas, meu prédio andava meio alvoroçado devido a um comunicado afixado na parede do elevador, no qual a Síndica Mafiosa, como boa suserana do prédio, comunicou a todos vassalos que moram ali que as grades das varandas seriam pintadas.

Até aí, Ok. Sou a favor de morar num prédio que não pareça um cortiço, especialmente com a grana que eu pago de condomínio ali. Na verdade, o valor do condomínio é bastante injusto, já que o prédio não tem nada. Eu sei que tem uma sauna (justamente onde ela guarda seus porcos selvagens), mas eu não sei onde é. Um dia vou criar coragem e perguntar a ela se é possível eu pagar o condomínio sem a sauna.

Mas, voltando à pintura. Eu já tinha visto o aviso no elevador, mas não dei muito atenção. Dias depois, eu já havia me esquecido completamente disso. Até o meio da semana passada, quando eu, entrando no prédio, dei de cara com ela (e seu famigerado cigarro pendurado no canto da boca).

Tentei desviar o caminho, mas não consegui. Ela havia me visto.

– Oi, eu disse, timidamente.

– NÓS VAMOS PINTAR A GRADE DO SEU APARTAMENTO, ela afirmou, deixando claro que apenas os fracos usam expressões como “oi” e “boa noite”.

– Ah... É... Vamos?

– VAMOS.

– Mas... Agora?

Antes que ela pudesse responder, a cinza do cigarro dela caiu, mas não bateu nas roupas que ela usava. Provavelmente, por medo. Se você é novo aqui no blog, acredite: por onde minha síndica anda, os cães começam a latir, os cavalos relincham e os gatos fogem em disparada. Ou seja, não sei ao certo se ela é o anti-Cristo, mas, caso ela se candidatasse ao cargo, conseguiria a vaga com uma entrevista de dez minutos–- o fato dela aparentemente não piscar muito certamente ajudaria também.

– NA PRÓXIMA SEMANA.

– Ah. Bom, sem problemas. É só me avisar antes.

– VOCÊ JÁ FOI AVISADO.

Uma gota de suor desceu pelas minhas costas.

Percebi que a conversa estava entrando perigosamente perto de algo como “VOCÊ NÃO VIU O AVISO NO ELEVADOR?”, o que levaria, mais cedo ou mais tarde, a algo como “EU NÃO VEJO VOCÊ NAS REUNIÕES DE CONDOMÍNIO” e ao meu conseqüente fuzilamento na garagem e o desaparecimento do meu corpo.

Murmurei algo próximo de um “sim, claro” e me despedi, o mais respeitosamente que consegui. Subi para o meu apartamento, tranquei a porta e evitei acender as luzes ou fazer qualquer tipo de barulho por cerca de dois dias.

Bem, dias desses, enquanto eu entrava no prédio, um dos porteiros me avisou, no mais puro idioma portês:

– Turadoseutamentoémanhã!

– Quê?

– Turadoseutamentoémanhã!

– A pintura do meu apartamento...

– Manhã!

– É amanhã. Ok. Escute, tem como o meu ser pintado primeiro? Assim, o cara pinta enquanto eu ainda estou aqui.

– Simsorróbi.

Dia seguinte, o interfone toca e o porteiro balbucia algo que nem ele deve ter entendido. Calculei que deveria ser o pintor – afinal, ele não interfonaria para dizer que um ladrão está subindo – e já deixei a porta aberta. Minutos depois, um rapaz de cerca de vinte anos, com pincéis, latas de tintas e tudo aquilo que você pode imaginar na mão de um pintor entra no apartamento.

– Bom dia, ele disse, em português claro e sem sotaque. Quase chorei de alívio.

– Bom dia.

– O serviço vai demorar cerca de duas horas, tudo bem?

– Tudo. Você quer um café?

– Não, obrigado.

Jonas, o fantasma que mora comigo e não gosta de muita agitação em casa, calçou um par de chinelos e, falando que ia tomar um pouco de Sol na rua, atravessou a parede e foi embora.

O pintor, por sua vez, foi até a varanda e fechou a porta de vidro, por causa da Besta-fera. Eu fui para o computador, tentando não olhar para o relógio. Toneladas de coisas para fazer no trabalho, mas entre enfrentar meu chefe e minha síndica, meu chefe é nível practice, enquanto a síndica é chefe de fase no nível hard.

Deixei ele trabalhando ali e fiquei conversando com Sra. Gordon pelo computador, enquanto a Besta-fera ficou rodando por ali. Quando percebi, já havia se passado meia hora. Foi aí que eu tomei a infeliz decisão de olhar para o lado e conferir o progresso do trabalho.

Tudo o que eu vi foi uma bunda. O pintor estava de costas para mim, abaixado, e com as calças uns 30 paralelos abaixo da linha do Equador. Minha varanda não possuía mais uma grade ou dois vasos de flor pertencentes à senhora Gordon. Minha varanda era apenas o palco para a bunda do pintor desfilar toda sua branquidão, e umas duas espinhas.

Olhei para a Besta-Fera. Besta-fera olhou para mim, com cara de náusea e um olhar que dizia “porque não podemos ter sucrilhos no café da manhã, como as outras famílias?”. Pedi desculpas silenciosamente e continuei falando com a Sra. Gordon, tentando ignorar... Aquilo.

Mas a minha fé na raça humana é idiota e persiste. Logo, eu comecei a pensar que tudo isso aconteceu apenas porque ele estava abaixado, e a calça escorregou. Coitado, o cara esqueceu o cinto hoje em casa, deve ter perdido a hora. Não é culpa dele. Poderia acontecer com qualquer um. Vou oferecer café novamente a ele. Talvez uma água.

Olhei para a varanda.

Ele estava em pé. Ele não estava abaixado, mexendo na tinta. Ele estava totalmente em pé, pintando o peitoral da varanda, aparentemente orgulhoso do fato de que alguns de seus antepassados eram conhecidos como homo erectus. Executava seu trabalho calmamente, com metade do bundão exposto e provavelmente aproveitando o ventinho do oitavo andar.

Engraçado como são as coisas. O papa tinha o Michelangelo, e eu tenho um cara com a bunda de fora dentro do meu apartamento.

Besta-fera levantou, olhou para mim desolado e, ainda com o olhar, sussurrou algo como “estou no quarto, me avise quando a varanda voltar a ser um lugar normal” e me deixou ali sozinho.

Abri as gavetas e procurei qualquer coisa que eu pudesse usar como cabresto, mas mudei de idéia. Se o pintor me visse tentando digitar com uma das mãos ao mesmo tempo em que tentava segurar um envelope da Tim ao lado do rosto com a outra, eu provavelmente viraria um dos assuntos preferidos do prédio pelas próximas semanas – afinal, ele vai pintar a grade de todos os apartamentos.

Sendo assim, fechei um dos olhos, cortando totalmente a minha visão periférica, e continuei conversando com Sra. Gordon. Com o olho fechado, comecei a me concentrar no rosto e no sorriso dela para manter minha sanidade, enquanto conversava com ela.

Vale dizer que desde o colegial eu tenho esta habilidade. Durante as aulas de química, eu apoiava o rosto nas mãos de forma a cobrir um dos olhos e, enquanto aparentemente eu estava prestando na aula, na verdade, eu estava dentro do olho fechado, secretamente organizando minhas coleções de quadrinhos ou de discos de vinil (velho mode: on).

Assim, aos poucos, eu me coloquei dentro de um universo que continha apenas a Sra. Gordon, e fiquei ali, naquele mundo quentinho, perfumado e confortável. Aos poucos, estava livre de qualquer resquício daquelas nádegas no meu cérebro. Eu vivia num mundo melhor e mais justo, sem síndicas assassinas e totalmente desprovido de pintores com a bunda de fora.

– VALDIR!

Dei um pulo, ao mesmo tempo em que ouvi a Besta-fera caindo da cama.

Olhei para a varanda assustado e o pintor estava debruçado na varanda, gritando com algum companheiro que, provavelmente, estava a três quadras do prédio.

Faça as contas: calças caindo + pintor debruçado = aula de anatomia.

– VALDIR, PRA QUAL APARTAMENTO EU VOU AGORA?

O Valdir (que certamente tinha uma vista mais agradável que a minha) respondeu alguma coisa e o pintor voltou à posição normal, onde mostrava apenas metade da bunda. Abriu a porta da varanda.

– Acabei.

Pensei em responder algo como “acabou com meu dia, também”, mas mudei de idéia. Afinal, ele está aqui por causa da síndica, melhor apenas aceitar os fatos e tentar continuar o dia. Fui até a porta, agradeci e ele foi embora.

Imediatamente, voltei para o computador, abri o Word e digitei uma carta sobre a qual tenho pensado nos últimos meses. No dia em que eu me mudar daqui, vou imprimir e deixar numa das gavetas do guarda-roupa. Mas vocês já podem ler com antecedência:

"Caro (a) locatário (a) deste apartamento, conheça o Top 5 Coisas Essenciais para Sobreviver neste Prédio:


1. A Síndica é Deus. Se ela falar, obedeça. Se ela ao menos sugerir com o olhar, obedeça.

2. Jamais, em hipótese alguma, deixe de comparecer nas reuniões de condomínio.

3. Caso você descubra onde a sauna do edifício fica, não entre lá sem acompanhamento policial.

4. O elevador está sempre no décimo quarto andar. Sempre. Se você descer para buscar uma pizza, quando voltar para o hall o elevador estará novamente no décimo quarto andar. Não existe motivo aparente para isso. Aceite o fato e suba de escadas.

5. Caso alguém venha pintar a grade da sua varanda, não observe o trabalho do pintor. Aliás, se possível, não esteja em casa na hora que isso acontecer."

21 comentários:

Que Nem Chiclete disse...

anti-Cristo... lol

Bunda branca na varanda de casa deve ser algo mto desconfortavel mesmo!

Vou exercitar minha capacidade de fechar um dos olhos quando me irritar com alguém da mesa ao lado, incluo a mesa ao lado do restaurante. Sempre tem alguem lá que come fazendo mtos, mas mtos movimentos faciais. Aquelas caretas me irrita,...

Que Nem Chiclete disse...

Páratudonessemomento!

(ri de mim mesma)

Fui a primeira?

Qdo vejo aqui, alguém fazendo referência ao primeiro comentário, penso 'ah, q nada a v!'. Mas agora senti o gostinho =P

(Que coisa feia! Meu primeiro 1º comentário está cheio de erros... Tsc tsc) lol

Dragus disse...

Impressionante.

Veja o lado bom (e não falo do traseiro dele), o pintor poderia ser peidor (trocadilho infame).

Ao menos ele apenas inundou de terríveis experiências só seus olhos e não seu nariz. =/

Seria uma hecatombe nuclear e acredito que nem a Besta Fera sobrevivesse.

Gabi disse...

Besta-fera é um gato? Se for, ele aguentou indignidade por tempo demais. 5 segundos de exposição de bunda deveriam ser o suficiente pra ele fugir em desespero.

Ah, sim: pra você também.

Rafinha disse...

putz...perdeu a imagem da varanda e ganhou uma bunda feia no lugar...ehuehuuehuhueeu...

de mais cara =]

P! disse...

"Engraçado como são as coisas. O papa tinha o Michelangelo, e eu tenho um cara com a bunda de fora dentro do meu apartamento."
Essa foi ótima! Eu já imagina que aquelas suas reclamações no twitter virarim um post. :)

Dama do Lago disse...

E eu devia ter esperado o fim do expediente para ler...droga de curiosidade ^_^
Morri de rir aqui...tá fiquei com pena de você também ;)
Eu adoraria conhecer a sua síndica, o síndico do meu prédio é um imbecil.
Bom fim de semana, espero que tenha aventuras interessantes que virem posts ^_^
Beijo para a Sra. Gordon
Sil

Carol disse...

Fui jogar sinuca dia desses, comemorar o aniversário do meu banana (namorado) e na mesa da frente tinha uma galera com aquelas caras de... De... Qualquer coisa que eu colocar será ofensiva, então, pensa em pessoas com calças muito baixas. Pois é, jogando sinuca. Você viu um só, eu vi pelo menos 5 desses aí, assim, com a caderneta de poupança toda de fora. Nem Bamerindus dá jeito.

Nathália disse...

pooxa, essa parte de olhar e ver ' uma bunda com a calça a uns 30 da linha do equador ' eu sei mto bem como é! skaposkepsoakspoa, um dia na sala de aula, eu super confortavel prestando atenção na materia, de repente na minha frente um muleque dormindo com o COOOFREEE A UNS 20 CM A MOSTRA! putz ninguem merece! parabens pelo post rob

Nathália disse...

pooxa, essa parte de olhar e ver ' uma bunda com a calça a uns 30 da linha do equador ' eu sei mto bem como é! skaposkepsoakspoa, um dia na sala de aula, eu super confortavel prestando atenção na materia, de repente na minha frente um muleque dormindo com o COOOFREEE A UNS 20 CM A MOSTRA! putz ninguem merece! parabens pelo post rob

Larissa Bacellar disse...

Passei no seu blog ontem, e RIMUITO/

Resolvi comentar ^^
Parabéns, você é sensacional o/

Beeijos, Larissa.

Tyler Bazz disse...

Demais!!! aUHAuhaUHAuhaUHAuhaUHA

Fazia tempo que o Jonas não aparecia,né? (ok, ele é um fantasma, mas você entendeu...)

E você explicando o significado dos olhares da besta fera é algo que entra no top5 'melhores coisas desse blog'!

Barlavento disse...

Sei exatamente como se sente. To aqui, em pleno sábado à noite, com minha sogra no pc da sala, cantarolando aos berros (em seu inglês único) a trilha sonora de Mamma Mia.

Só pra deixar claro: Nada contra o filme.

Gilgomex™ disse...

como eu não sei o que dizer sobre nada no post (falar da bunda dum cara realmente não me anima nada), resolvi dizer que agora percebi uma coisa...

O CQC TE COPIOU!!!
o quadro mais famoso deles é o Top 5....

Obrigado e não esqueçam...
www.thegilgomex.blogspot.com

(é um bosta, mas é de coração...)

Varotto disse...

O engraçado (trágico, na verdade) é que gatinha sarada com metade da bunda de fora não acontece nunca...

Essa coisa da posição para disfaçar na aula, tem um amigo meu que faz uma nas reuniões que eu apelidei de Chico Xavier: cabeça apoiada na mão (acima, e escondendo, os olhos), e caneta na mão em posição de escrever. Parece que o cara está psicografando um best-seller, mas tá é dormindo mesmo.


P.S. : "Um dia vou criar coragem e perguntar a ela se é possível eu pagar o condomínio sem a sauna."

Yeah... right... (30 de fevereiro mode: on)

Larissa Bohnenberger disse...

Ahahahahhahahahahaahahahahahahah
ahahahahahahahahahahahahahhahaha
ahahahahahahahahahahahahahahahah
ahahahahahahahahahahahahahahahah!!!!

Rob Gordon, costumo dar muita gargalhada com partes específicas dos teus posts, mas fazia tempo que eu não lia um que me fizesse chorar de rir do começo ao fim! Minha família tá me tirando pra louca, aqui!

Bjs!

Layla Barlavento disse...

O atraso deste comentário deve-se ao mesmo tema aqui postado: Um pedreiro com meia bunda de fora dentro da sala da minha amiga pondo uma janela no lugar... Será que é um pré-requisito para esse tipo de trabalho? Não consigo olhar para a janela sem lembrar da cena.
Sou solidária a sua dor Rob.

Abraços
Layla Barlavento
www.culpadowalter.blogspot.com

Matheus Silva disse...

visualizar a bunda branca (com duas espinhas) de um pintor nao deve ser uma esperiência muito agradável.
bem que eu queria ter essa habilidade com os olhos que tu tem, eu mal consigo fechar um e deixar o outro aberto =/

Patrícia Pereira disse...

Olá, Rob Gordon. Como vai?

Faço mestrado em Comunicação na UERJ e meu tema de pesquisa são os blogs pessoais. Gostaria de saber se posso incluir o seu blog em meu grupo de análise. Eu precisaria usar trechos dos posts publicados em janeiro, fevereiro e março e também conversar com você, por telefone ou MSN, para saber mais sobre o blog. Não é preciso se identificar, caso não queira, ok?
Aguardo uma resposta. Espero que seja positiva...[rs] Meu e-mail é patypera@gmail.com
Ah, encontrei o blog entre os finalista do concurso Best Blogs Brazil.

Um abraço,
Patrícia Pereira

Thiago Apenas disse...

"O papa tinha o Michelangelo, e eu tenho um cara com a bunda de fora dentro do meu apartamento."

é, cada um tem o que merece...hauahuhahhaua

http://nuncaouvinemfalar.blogspot.com/

Anônimo disse...

Faltou a foto para ilustrar!