8 de agosto de 2008

Meeting Tyler Bazz - Parte II

(Você lê a parte I aqui; e a versão do Tyler aqui)


Olhei a morena e pensei: “Será que o Tyler é ela? Gozado, ele parecia ser homem nas fotos do messenger.” Obviamente não era. A morena passou por mim e, atrás dela, vinham dois sujeitos. Reconheci imediatamente o da esquerda como o Tyler. Mas fiquei com medo dele ser veado, porque ele não parava de olhar um alemão que estava ali perto, encostado numa moto. Ele me cumprimentou e apresentou a outra pessoa, seu primo.

Fomos em direção ao restaurante escolhido. Andamos dez metros e eu já estava derretendo – o encontro aconteceu numa das noites mais quente do ano. Contei ao Tyler, porém, que eu havia morado em Manaus quando criança, e que calor daquele dia era fichinha perto daquilo. Ele, provavelmente para não ficar atrás, disse que na cidade dele é comum a temperatura chegar a 42 graus. Ridículo. Aí eu emendei que Manaus é pior porque é úmido. Ele disse que a cidade dele é pior porque é seca.

Andamos duas quadras protagonizando esse debate maduro e aprofundado quando chegamos ao restaurante. Entrei e fui direto para a mesa que eu sempre uso. Eles entraram atrás de mim. O restaurante estava mais cheio que de costume, com casais, uma mesa ocupada por uma família e outra com um grupo de amigos reunidos em volta de algumas garrafas de cerveja vazias. Já estavam naquele estágio onde todos falam ao mesmo tempo e nenhum escuta nada o que o outro diz – mesmo com os tons de voz elevados. “Esses vão dar trabalho”, pensei.

Sentamos e o garçom veio nos atender. Coca para todo mundo, e com o máximo de educação e carinho permitidos num restaurante cujo slogan é “a casa do filet a parmegiana”, pedimos a entrada:

– Pão.

O garçom entendeu a ausência de expressões como “boa noite” e “por favor” como sinal de muita fome e atendeu prontamente o pedido. Com o pão na mesa, o clima ficou melhor e começamos a bater papo sobre assuntos importantes como blogs e campeonato brasileiro e os idiotas da mesa ao lado que não calavam a boca.

Resolvemos pedir. Olhei ao redor, procurando um garçom, e me deparei com um cabelo loiro, cacheado. Conhecia aquilo de algum lugar, mas não dei muita atenção. Chamei o garçom e, após algumas tentativas, consegui convencê-lo de que queríamos uma picanha gorda e mal-passada acompanhada de fritas. Sim, é só a picanha que é mal-passada, as fritas não. Sim, a picanha já deve vir fatiada. Não, nós queremos que a picanha e as batatas sejam tratadas como indivíduos diferentes, e que cada um venha numa travessa separada. Sim, nós queremos que a carne e as batatas cheguem à mesa simultaneamente.

Enquanto esperávamos a comida, hora dos desafios que haviam sido lançados em algum post aqui no Champ. Tyler soltou todos os países-sede e campeões de todas as Copas. Eu soltei todos os filmes de James Bond em ordem cronológica. Mas nenhum de nós dois foi perfeito: ele engasgou na Copa 1998, o que não é culpa dele, já que é uma Copa deprimente; e eu esqueci de 007 – O Amanhã Nunca Morre, o que não é culpa minha, já que meu cérebro, por sobrevivência, apaga qualquer informação referente às palavras “atuação” e “Denise Richards”. Curioso que, em ambos os casos, fomos socorridos pelo primo dele, que é uma criatura deveras peculiar. Imagine uma pessoa que tem 17 anos, vota conscientemente, e ouve Frank Zappa e Pink Floyd. É como se a humanidade tivesse dado um salto evolutivo, mas só com o primo do Tyler. Enfim, como eu ainda estava engasgado com aquela história de que São José é tão quente como Manaus, apelei para a minha arma secreta e despejei todos os discos de estúdio do Iron na mesa. Pronto, eu estava no controle da situação novamente.

A picanha chegou, e no ponto certo (quase viva mode: on). Enquanto comíamos, eu olhava ao redor, pelo restaurante, procurando pessoas parecidas. Na verdade, procurando uma pessoa parecida. O mini-mim do Russel Crowe em Uma Mente Brilhante que trabalha ali. É um sujeito que é igualzinho a um Russell Crowe em Uma Mente Brilhante, mas deve ter 1.20m de altura. É quase uma versão zipada do Uma Mente Brilhante. E eu nunca consegui mostrar esse sujeito para ninguém, pois toda vez que vou até lá acompanhado, o cara está de folga – o que faz as pessoas pensarem que sou eu (e não o Russell Crowe em Uma Mente Brilhante) que tem amigos imaginários. Desta vez, porém, consegui. Estávamos comendo e ele surge no balcão do restaurante, e finalmente pude comprovar que aquela pessoa existe de verdade.

Posto isso, dei uma relaxada e continuamos a conversar. Mas, claro que eu continuava praticando meu hobby favorito, o de encontrar pessoas parecidas. E o local estava fértil aquela noite, já que encontrei até mesmo um Capitão Haddock, do Tintin, no local. Mas algo ainda me incomodava. Aqueles cabelos loiros e cacheados. E, enquanto o primo do Tyler discorria sobre a semiótica dos solos do David Gilmour em Umagumma, me veio a luz: Carolina Villenflusser! É ela! A moça desaparecida está, na verdade, num restaurante em Pinheiros mandando ver num parmegiana!

Infelizmente, não pudemos aproveitar a situação, porque, entre os berros insuportáveis dos bêbados da mesa ao lado, começamos a ouvir a música tema de O Poderoso Chefão, vindo da cadeira ao meu lado. Tyler me olhou curioso; o primo do Tyler, alheio ao som, olhava uma mulher na mesa ao lado. Eu, por outro lado, não conseguia ver mais nada. Sim, porque eu sabia o que aquela música significava: problemas.

(continua...)

24 comentários:

Tyler Bazz disse...

E pra quem duvidar da veracidade disso tudo, é só dar uma olhada:

- No meu texto, a picanha acabou de ser pedida..
- No seu, ela já está quase acabando..

AuyaUHAhuaUHAuhaUHAhuaUH

E sim, meu primo é um salto evolutivo! aUHAuhaUHA

o/

Thiago Apenas disse...

Quase!!!!!2º!
foi por pouco!

Thiago Apenas disse...

"É quase uma versão zipada do Uma Mente Brilhante."
hauauahuahahuahuahahua
De onde você tira essas sacadas?!

Sim.Comentei antes de ler o post.

Continua...
Merda.

Varotto disse...

Humm... Sei não...

No texto do Rob, o Tyler e o primo vem por trás da morena, e no do Tyler, eles cruzam (no bom sentido, é claro, e não no ótimo sentido) com a morena antes de chegar ao Rob (maníaco pentelho detailfreak mode: on).

PS: Rob, viu meu comentário sobre o 007 no Rio no post do Tyler?

PS2: Eu não sou maluco!

PS3: Terceiro, uôba, uôba!

Varotto disse...

Tá vendo, fui ler o post antes de comentar e acabei caindo uma posição. (o mundo não é justo mode: on)...

Pâmela disse...

sexta \o/
ecaa, odeio carne mal passada.
que saco! você e o Tyler ainda inssistem no "continua"?

Gilgomex™ disse...

Acha...?

Tema do "Poderoso Chefão", a primeira coisa que me veio a cabeça foi o tema do "Blade Runner", para mostrar que até meus pensamentos são muito desentendidos...

Voc~es com essas coisas de saberem de 007 e Copas... Eu, no máximo, sei a ordem dos signos do Zodíaco... Eu me mato de vergonha!

PS: se a Rejane não estivesse viajando por motivos pessoais, nós também já postaríamos as continuações da paródia lá na comunidade... mas quem ainda não leu... vai...

Deisinha Rocha disse...

qr saber de uma, o máximo em ordem q eu sei são os números e o alfabeto... nada mais...

pq sempre tem pessoas chatas falando auto perto das nossa mesas????

v6 reclamam do clima da cidade de v6... Brasília é quente no sol, fria na sombra e seca até dentro d'agua...
mas eu gosto daki...


e manizainha de continua...
isso é um saco, sabia??? conta logo a história inteira...
¬¬

isso já é tortura...

bem, acho q só... qlqr cosa, volto aki...

Bella... disse...

Comentário de uma fã: Melhor blog do mundo. Ever.

Comentário de uma fã sobre o post:

#1-não sei como vocês aguentam comer carna mal-passada. Só de imaginar aquele sangue todo escorrendo no prato me dá uma reviravolta no estômago.

#2-odeio ligar pra celular de outra cidade. Nunca lembro dos 10 primeiros números dos 349 necessários para completar a ligação.
Ops, acho que isso é do Meeting#1. Ok, pelo menos eu li os dois posts.

Bjus, eternamente fã.

Otavio Cohen disse...

porra, tá com cara é d saga sensacional. apesar d que eu já briguei um pouco com o tyler pelo orkut por ele sair por aí esnobando o encontro d vcs.

só q ele ainda n tinha dado os detalhes antes d começar a própria "saga" no blog dele.

gabriela disse...

Confesso que o 'continua' me deixa feliz.É sinal de que vem coisa muiiito boa pela frente.

Enquanto isso,F5 aqui e no blog do Tyler.


Muiiiiiiiito bom,Rob!

;D

Dalleck disse...

Lendo o mesmo assunto em dois blogs diferentes, parece que eu tô vendo flashbacks do Lost =D

Rejane Oliveira disse...

Falar sobre copas e filmes do 007com certeza deve ser muito interessante.
No meu encontro com o Gomex, o papo foi mais complexo, falamos sobre várias frases toscas e sem-noção sem o mínino de coerência, resumindo: piadas rídiculas a nível de mobral. E o pior, ríamos muito com todas elas.

É Gomex nós nos matamos de vergonha.

Varotto disse...

É... Essa história está me cheirando a enganação. Vamos ao que eu acho que realmente aconteceu:

Os três cavaleiros entraram no restaurante. E, mesmo estando entre os maiores blogueiros do mundo, o assunto, na hora H, não apareceu:

- Você já notou que quando alguém diz “pois não” quer dizer sim, e quando diz “pois sim” quer dizer não??

- Só...

...

- E o Biro-biro, hein?

- Pois é, batia um bolão...

Então no ápice da falta de assunto e não suportando mais aqueles momentos de silêncio desconfortável, apelam para a última cartada. Aquela que poucos seres humanos dignos desse nome lançariam mão: Listar filmes do 007 e Copas do Mundo.

Nesse momento, um grupo de amigos reunidos em torno de uma mesa repleta de garrafas de cerveja já vazias, que dali escutavam a conversa, não consegue mais se controlar e começam a gargalhar convulsivamente e a falar todos ao mesmo tempo, causando enorme incômodo no restaurante. Nossos três protagonistas lançam a eles olhares de desprezo.

Em outra mesa próxima, uma jovem loura, de cabelos longos e cacheados, com algumas gordurinhas salientes, revira os olhos, quando a conversa chega ao ponto de uma discussão sobre como um deles se esqueceu de listar o filme “007 – O amanhã nunca morre”, mas o outros se esqueceu da Copa de 1998. Riam de alguma coisa que envolvia o Russel Crowe e anões, mas que ela não entendeu, e pensa:

- Ai meu Deus...Tipo assim... Porque é que eu não deixei aquele maníaco me fatiar? Será que ainda dá tempo de voltar lá?

Interlúdio:

Enquanto isso, num barzinho ali perto, a morena de mini-saia e cabelos esvoaçantes e o louro tatuado vestido de couro tomam um chope, tentando se conhecer melhor. Diz ela:

- Que coisa mais louca a gente ter se encontrado assim, né? Imagina só: se eu não estivesse distraída, olhando para trás preocupada com aquele baixinho careca que ficou me olhando de um jeito esquisito, não tinha batido de frente com você. Deve ser destino né?

E respondeu ele:

- É... Muito louco mesmo. Pior é que eu também nem te vi chegando porque estava incomodado com um cara que vinha andando com um outro garoto e ficou me olhando esquisito. Acho que ele me confundiu com um garoto de programa. Um brinde ao destino...

- Tim, tim...

Fim do Interlúdio.

De volta à churrascaria, a conversa na mesa já girava sobre um bootleg raríssimo do Iron Maiden que dizem que apenas cinco pessoas no mundo possuíam, mas que todos que tiveram a chance de escutar sofreram mortes misteriosas e suspeitas. Nisso eles começam a escutar a música tema de “O Poderoso Chefão”. Dois deles olham tensos em direção ao som (o terceiro estava distraído com a garçonete de saia que havia se abaixado para pegar uma moeda), apenas para ver uma adolescente atender a um telefone rosa e dizer:

- Oi, Xu. Nem te conto. Baixei um ringtone muito louco para meu celular. É tipo assim uma música de um filme velhão de, tipo assim, bandido, mafioso lá da Espanha, sei lá... Acho que é do tempo de meu avô.

(não continua)

P.S.: Desculpa a brincadeira aí, hein???

Gilgomex™ disse...

Putz, o Varotto desperdiçou um post inteiro aqui nos comentários... heuehuehuehuehuee

esse é o Champ... até os coments são mais inteligente que alguns blogs por aí afora...

Pâmela disse...

HAHAHAHAHA
Realmente a versão do Varotto é bem mais convincente!
Sem contar que foi ótima.
Rob, por favor, pede pra esse cara criar um blog.

Lady Dari disse...

quero sair desse vicio!

Dragus disse...

...se confraternizam de modo exemplar.

Coisa que falta muito na blogosfera...

[continua... ]

Perci Carvalho disse...

droga! eu nao venho aki há uns dias, entao pude ler a primeira parte e em seguia a segunda, sem ter de esperar... custava eu ter entrado aki só depois de vc postar a outra parte?!

Perci Carvalho disse...

ei! eu nao precisei digitar uma palavra esquisita pra postar o comentario xD

Marcio Sarge disse...

Poderoso Chefão,007, Copa do mundo e o glorioso Iron(desculpando claro o virtual XI) eu mereço ler mesmo esse blog.

Ao término da leitura a sensação que me deu foi que vocês estavam em um daqueles encontros de Cosplayers mas baseado no mundo nerd parópios desse blog. Sim, pois tinha a Carolina, o Russel, Haddock e músicas temas e vai saber mais o que.
O único problema encontrado por mim foi a coca-cola, como conseguem? Mas ela também faz parte desse blog.

Mariliza Silva disse...

Ai

de pensar que estive em São Paulo, do dia 27/07 a 02/08/08 e perdi a oportunidade de comer um bom churrasco com uma boa companhia!!snif

Visitei o MASP, Livraria Cultura, Bairro Liberdade, mas realmente ficou faltando esse encontro, não é mesmo! E olha que cheguei a comentar com minha filha sobre você morar em SAMPA. Eita cabecinha!!rs

Quem sabe uma outra oportunidade fico mais esperta..

Beijão e some não

Mariliza

Tyler Bazz disse...

Olha só esse comentario do Sarge...

Juro que se ele falar um "a" contra Coca eu começo uma campanha anti-Sarge.

auhaUHauhaUHUHAuhaUHauhAHUa

Rico disse...

Aos descrentes, faço um convite a fim de sanar todo e qualquer tipo de dúvida. Em menos de sessenta segundos...

atenciosamente,
Billy the Kid