29 de dezembro de 2007

Top 5 2007 - Música

Na música, o ano foi morno. Bem morno. Nenhuma das grandes bandas que eu ouço lançaram discos novos. Iron Maiden lançou ano passado, e Metallica, Judas Priest, Alice Cooper planejam lançamentos para 2008. A exceção foi o Megadeth, mas United Abminations, apesar de ser um disco bom, está longe der inesquecível como um Rust in Peace ou Countdown to Extinction, logo, não entra no podium. A salvação foram shows e packs especiais de DVDs, que mantiveram o ano interessante.














5 - Sgt. Hetfield’s Motorbreath Pub Band

Enquanto as bandas de rock indie tentam inovar (paradoxalmente caindo numa mesmice ridícula), os americanos do Beatallica simplesmente resolveram homenagear suas duas bandas preferidas, e, estranhamente, criaram algo sensacional. Jogando Beatles e Metallica no mesmo caldeirão, o resultado é impressionante, mantendo as melodias do quarteto de Liverpool e o peso do quarteto de San Francisco (com vocais que emulam perfeitamente os de James Hetfield). Apesar do tom de brincadeira, soa melhor que muita gente que alega fazer um trabalho sério. Imperdível.























4 - Kissology – Vol. 1 e Vol. 2

Não existe banda mais marketeira que o Kiss. Sem lançar um trabalho novo de estúdio desde meados dos anos 90, a banda investe em produtos de todos os tipos, desde chicletes até lençóis, passando por camisinhas e canecas. Dois deles, porém, merecem destaque: os DVDs da série Kissology. Cada volume é um disco triplo que traz basicamente toda a história da banda desde o princípio dos anos 70, com aparições raras na TV, trechos inéditos de shows e videoclipes. Algumas das imagens, mal conservadas e filmadas porcamente, apenas aumentam o caráter histórico do raro material.























3 - Plug Me In

Seguindo o caminho do Kiss com seu Kissology, o AC/DC, outro monstro do hard rock, resolveu abrir seu baú e colocou no mercado o box triplo Plug Me In, com apresentações ao vivo de todas as fases da banda. Com o primeiro disco abordando a fase Bon Scott e o segundo girando em torno da fase Brian Johnson (o terceiro traz extras), o material traz absolutamente tudo sobre o quinteto australiano (leia-se escocês), desde shows grandiosos até primeiras aparições na TV e nos palcos. Exemplos são um concerto realizado numa escola australiana quando a banda trabalhava suas primeiras músicas e o primeiro show (lotadíssimo) na Rússia. Ainda traz cenas da banda recentemente tocando com os Rolling Stones, que mostra de forma clara que Angus Young toca mais que Keith Richards e Ron Wood juntos.














2 - Show do Aerosmith

Podia ser melhor? Podia, claro. Tanto em termos de banda, que abriu mão de muitos clássicos, como em termos de platéia, que reconhecia apenas as baladas obrigatórias. Além disso, nos palcos, o Velvet Revolver mostrou que sempre funcionará como a sombra do Guns ‘n’ Roses. Mesmo assim, os veteranos do Aerosmith assumiram o caráter de lendas do hard rock e entraram com tudo no palco, quase derrubando o Morumbi – mesmo com Steve Tyler conversando bem pouco com a platéia. Ou seja, mesmo burocráticos, ainda mandam melhor que muita gente. Uma noite que entrou para a história – ao menos, para a minha história, por motivos particulares.














1 - Show do Alice Cooper

Existem astros de rock que não perceberam que envelheceram. E existem astros de rock que sabem que envelheceram mas não dão a mínima para isso. Alice Cooper se encaixa neste grupo, como mostrou no dia 12 de junho, naquele que entra tranquilamente na Top 5 dos maiores shows da minha vida. Destilando clássico atrás de clássico, a Tia Alice mostra no palco a mesma voz e energia de 15 ou 20 anos atrás. E, na hora do medley de Welcome to my Nightmare – que culmina com seu enforcamento no palco – mostra que ainda é o rei do horror rock, e provavelmente sempre será. Fora que esbanja simpatia, bom humor e carisma na medida certa.

Um comentário:

Sarcastic disse...

Ver ao vivo o Beatallica e uma experiencia muito boa!!! Foi uma surpresa muito gratificante ve-los!!!
Grandes abracos!!