6 de fevereiro de 2007

Injustiça Reparada

Se a vida fosse sempre justa, o John Bonham não teria morrido após beber 40 doses de vodka e o Led Zeppelin não teria acabado. Se a vida fosse sempre justa, o Paolo Rossi não teria saído da prisão para disputar a Copa de 1982 e o Brasil teria sido campeão. Se a vida fosse sempre justa, a obra do metrô de SP teria desabado justamente quando o Zé Dirceu (e só ele) estivesse passando por ali.

E se a vida fosse sempre justa, eu teria assistido a Pequena Miss Sunshine o ano passado e o filme teria entrado nesta lista aqui. E, sim, em primeiro lugar. Assisti somente esse final de semana - comecei minha corrida para ver todos os principais indicados antes da premiação - e já adianto que o filme é uma das obras mais ridiculamente deliciosas e sinceras que o cinema americano produziu desde E Sua Mãe Também (que é mexicano, para vocês entenderem o drama). Nem vou perder tempo contando a história. Como foi indicado a Melhor Filme, até o IG já deve ter uma sinopse por lá.

Aliás, saí do cinema com uma certeza: Pequena Miss Sunshine é feito com atores americanos, por diretores americanos, com grana americana, mas é, na verdade, um filme italiano. Só não sei ainda se dirigido pelo Ettore Scola ou pelo Mario Monicelli. Mas o roteiro certamente é assinado pelo Fellini. Ou, ao menos, alguns dos personagens foram criados por ele (provavlemente, durante as filmagens de Amarcord), como o avô viciado em heroína, o cunhado homossexual e suicida e o filho que sonha em entrar para a Força Aérea e decidiu que não fala mais com a família, só se comunicando por gestos ou escrevendo num bloco.



Simplesmente genial. Tão genial que merecia um post só para ele. Sérissimo candidato a entrar na lista dos meus cult movies - não entrou ainda apenas porque é muito novo e para ser cult, tem que ter uma certa idade.

Mas, certamente, já é responsável pela melhor frase do cinema dos últimos anos. Na cena em que eles são parados por um guarda na estrada, o pai encosta a Kombi na qual viajam no acostamento e pede ao resto da família:

– Finjam que vocês são normais.

É a típica frase que faz você querer sair do cinema, ir até a bilheteria e comprar mais um ingresso para poder assistir ao filme. Aquele que você tinha comprado, antes, você já gastou nessa cena.

E, já que falamos nisso, seguem, então, os MEUS 5 Cult Movies (lembrem-se que essa lista muda de tempos em tempos. Pequena Miss Sunshine, como visto acima, não entra. Ainda. )

1. A Dança dos Vampiros - É o MEU filme. Não dá para tentar explicar minha relação com o filme, ou contabilizar o número de vezes que eu o assisti. Vocês ficariam assustados, é quase um caso de autismo.

2. Três Homens em Conflito - Talvez o filme mais sujo feito na história do cinema - até a música-tema é suja. Mas quer cenário melhor para Clint Eastwood, Lee van Cleef e Eli Wallach saírem se matando? Ah, e coloquei esse título por uma questão de formalidade. Para mim, o nome sempre será O Bom, o Mau e o Feio.

3. Blade Runner - O Caçador de Andróides - é o filme cult por excelência, especialmente para quem se propõe a fazer uma lista de filmes cult. Mas periga perder umas posições na lista, por que é tão cult, tão cult, que acabou virando pop.

4. Assassinato por Morte - Outro que veio da minha infância. Só o Alec Guiness fazendo o mordomo cego já é melhor que tudo o que digníssimo Ponte Preta fez em toda sua carreira, somado e multiplicado por 2.

5.O Jovem Frankenstein
- Disparado, o melhor filme de Mel Brooks - que não aparece aqui. E, sinceramente, nem precisava. Aliás, com só o Igor (pronuncia-se "Áigor") de Marty Feldman, não precisava mais nada, mesmo.

5 comentários:

FF disse...

É nóis no Oscar!

Mariliza Silva disse...

"pô, é bem legal"....tô zoando!!rsrs

Olha só, a vida cheia de "se" a gente não ia aguentar tanto "então"...

Meu consultor cinéfolo predileto, agora já sei por onde começar minha relação de filmes que tenho que ver ou rever antes de morrer...(irc, menos...bem menos....quase nada)rsrs

Olha a responsa heim, mantenha-me informada antes que eu morra!!!!

Beijão e some não

P.S.MAIUSCULO: 1) muuuuittooo obrigada pelo carinho ao falar do entressafra!!!
2) tô chateada comigo mesma de não ter chegado a tempo de ser a primeira a comentar neste post. Deixo aqui meu protesto!!

AHH, pode comentar no meu também, viu!!!

Beijão de novo

Mariliza

Alexandre Rigotti disse...

Prezados Colegas..

o autor desse blog é tão viciado em Dança dos Vampiros que mesmo antes de saber inglês falava a introdução junto com o filme.

Tyler Bazz disse...

(não me pergunte o que estou fazendo nesse post)

Mas quem morreu foi o JOHN Bonham, não foi? :D

Rob Gordon disse...

Tyler

Trocar o nome da mãe pelo da tia é "fazer confusão". Trocar o nome do baterista do Led pelo do filho dele é "surto".

Injustiça reparada e erro corrigido. Valeu!

(mas, afinal, o que você estava fazendo aqui?)