18 de junho de 2014

O Evangelho Segundo Rob Gordon



Ontem, eu e a Esposa fomos até a Cobasi e, entre outras coisas, compramos oito peixes novos para o aquário. Juntando com os peixes antigos, devemos ter uns quinze agora. E, como fazemos todos os dias que temos peixes novos, vira e mexe olhamos o aquário para ver se está tudo em ordem.

Foi assim esta manhã. Ela estava olhando o aquário e eu me aproximei com meu balde de café. Os peixes novos estavam ali, nadando de um lado para o outro. Os peixes antigos estavam mais para o fundo – provavelmente tentando entender quem é esse pessoal novo e o que eles querem.

E um peixe vermelho veio nadando, sozinho, em nossa direção. Meio torto. Nadou até a frente do aquário, olhou para nós... E morreu.

Simples assim. Olhou e caiu morto no aquário. Deixou de existir. Tudo o que aquele peixe foi na vida, tudo o que ele poderia ser um dia, todos esses momentos... Se perderam no tempo... Como lágrimas... Num aquário (blade runner mode: on).

Confesso que eu fiquei meio assustado. E um pouco deprimido a respeito da minha aparência. Afinal, o peixe olhou para mim e morreu. Digamos que na escala da beleza humana, o zero seja equivalente à “aberração” e o dez seja “deus grego”. Com isso, eu estou no grupo “criaturas olham para você e morrem”, que deve estar ali perto de -12.

Mas se isso dizia muito sobre minha aparência, também era uma excelente oportunidade que se abria. Afinal, o peixe simplesmente morreu... E todos os outros peixes viram isso acontecer. Imediatamente, eu abri o aquário e os peixes se aproximaram, esperando receber comida. Desta vez, porém, eles foram presenteados com uma mensagem divina. Coloquei as mãos em concha na boca para fazer eco e arrisquei:

– Eu sou o senhor seu Deus. Eu tirei vocês da terra da Coba... Não, da água da Cobasi e trouxe vocês para as águas prometidas.

Os peixes continuaram nadando ali, sem entender direito. Eu entendo. Não deve ser fácil você ser contatado por uma divindade, ainda mais antes do almoço. Pensei em Deus e Abraão, e imaginei que Deus deve ter tido um pouco de trabalho ao convencer Abraão de que era Deus mesmo, e não um louco qualquer que andava por ali pedindo para as pessoas sacrificarem seus próprios filhos. Além disso, como Deus, eu criei o mundo em seis dias, poderia gastar mais alguns minutos falando no aquário.

Aliás, era hora de me apresentar. Todo deus que se preza tem um nome imponente.

– Meu nome é Aquaman. Eu sou seu deus.

Pronto. Agora eu tinha a atenção deles – e o fato de eu estar balançando o pote de comida não tinha nada a ver com isso. Aproveitei a deixa e continuei:

– Vocês deverão obedecer Meus ensinamentos e espalhar Minha palavra para os outros peixes. Façam isso e terão comida. Caso contrário, irão morrer como aquele vermelho ali. Vocês viram que o vermelho morreu, né?

Os peixes se aproximaram. Talvez seja porque ouviram a palavra comida, mas eu prefiro pensar que era medo de eu usar meus poderes. Aproveitei e fui mais enfático.

– E se vocês me desagradarem, eu vou pegar um dos gatos aqui em casa e colocar a cara dele aqui na frente de vocês.

A esta altura, a Esposa já estava longe, na cozinha. Eu, no lugar dela teria feito o mesmo. Não deve ser fácil você passar a adolescência sonhando com um príncipe encantado e, um dia, descobrir que conseguiu um marido pelo sistema de cotas para deficientes mentais.

Mas agora eu era um deus e não podia mais me preocupar com questões mundanas. Agora que eu tinha a atenção dos peixes, era hora de colocar algumas leis.

– Meu primeiro mandamento é que vocês não irão pronunciar Meu nome em vão. Meu nome é sagrado. O segundo mandamento é que sempre que Eu passar aqui perto, todos vocês vão até a frente do aquário, porque Eu gosto de ver vocês nadando, e não escondidos atrás dessas plantas de merda.

Os peixes continuaram me olhando. Estava dando certo.

– Mais uma coisa: vocês terão que manter este vidro limpo. Eu concedi a vocês o dom da vida, então vocês devem ficar comendo essas algas aqui. Porque Eu sou Aquaman e tenho mais o que fazer do que ficar passando a esponja aqui no vidro. A alga é o mal. Um aquário com alga é um aquário infiel. E peixes morrem num aquário infiel.

Os peixes ficaram agitados com isso. Mas era esperado. Afinal, não era um mandamento fácil de cumprir e iria desafiar a fé deles. Mas não voltei atrás. Tenho certeza que quando as pessoas viram que no meio dos andamentos existia um que era “não irá cobiçar a mulher do próximo”, a popularidade de Deus deve ter caído uns 10%, mas ele enfrentou a crise sem mudar nada ali nas tábuas.

Mas um dos peixes... Um branquinho, nadou até a superfície e olhou para mim com um ar desafiador. Fiquei com vontade de dar um peteleco nele, mas me segurei. Uma entidade não faz essas coisas. Mas era hora de mostrar o poder da minha voz de comando.

– É evidente que Eu não vou causar um dilúvio no aquário, seu imbecil. Eu não sou idiota. Vai lá para o fundo do aquário antes que Eu mate você com os poderes da Minha mente como matei o outro ali. Não teste Meus poderes ou Eu vou colocar você como infiel e iniciar uma cruzada aqui dentro do aquário. Vai ser você contra todos os outros peixes.

Merda de peixe agnóstico. Aproveitei que os outros estavam atentos ali e dei meu comando final do dia.

– Enquanto Eu não penso em outros mandamentos, vocês podem começar a redigir as escrituras sagradas do aquário. Você aí, amarelinho. Você é o profeta. Começa a escrever aí como Eu criei todo o aquário.

O amarelo olhou para mim com cara de quem não estava entendendo direito.

– É fácil. Começa assim: 'No princípio, não havia nada'. E aí conta como foi que Eu criei tudo. A água, as plantas, aquele navio pirata ali no canto, o canhãozinho... Criei o mundo e coloquei os peixes para habitarem este local. E aí você vai desenvolvendo essa ideia. O lance é ser grandioso e falar bem de mim, sempre. Aquaman é com ‘n’ no final, não esquece. Esta é a tarefa de hoje. Aguardem novas instruções divinas.

E fui embora, deixando os peixes ali com o livre arbítrio. Se der certo e os peixes começarem a escrever as escrituras de forma legal, vou começar a passar uns freelas para eles e ficar jogando PlayStation em casa, sem fazer nada e deixando os outros trabalharem por mim.

Afinal, não dizem por aí que Deus é brasileiro?

5 comentários:

Ana Claudia Savini disse...

Retardadinho.

Varotto disse...

Viu? Está melhorando. Agora é só no diminutivo.

Hally disse...

Hahahaha, será que Aquaman é um nome para ser respeitado como Deus dos seus peixinhos?

Brunín Assis disse...

Sabe o que é pior? Os peixes tiveram uma revelação divina e, no fim, foram obrigados a jejuar porque você não deu a comida que eles esperavam. Se rolar uma revolta no aquário - ou um aumento no ateísmo - o motivo vai estar bem claro.

Luilton disse...

Faltou explicar para onde foi o peixe vermelho.