3 de setembro de 2013

O Redator dos Illuminati



- Alô?

- Oi. Quem está falando?

- É a Fernanda.

- Oi, Fernanda. É o Carlos, tudo bem?

- Carlos?

- Isso. Eu estive aí semana passada, naquela reunião que vocês me pediram um texto. Agora eu preciso emitir a nota fiscal, mas vi que não tenho os dados aqui. Você pode me passar?

- Texto? Que texto?

- Aquele institucional que vocês pediram. Lembra?

- Desculpe-me, qual texto?

- Aquele que apontava como boato a influência dos illuminati na política do Brasil. Eu entreguei segunda-feira. Aliás, o texto está rodando no Facebook, você viu?

- Como?

- Sim. Já vi umas quatro pessoas compartilhando. E parece que o pessoal gostou, está todo mundo acreditando que os illuminati não existem mesmo. Aquela parte sobre o pacote econômico está sendo bastante comentada.

- Não sei do que o senhor está falando.

- Como assim? Você estava na reunião comigo.

- Qual o nome do senhor mesmo?

- Carlos.

- Desculpe, não conheço nenhum Carlos.

- Fernanda, você estava na reunião comigo. Foi quinta-feira passada.

- Eu estava viajando na quinta-feira, senhor.

- Vem cá, o Wanderley está aí?

- Quem?

- O Wanderley. Foi para ele que mandei o texto.

- Não tem nenhum Wanderley aqui.

- Não é possível. Estávamos eu, você, o Wanderley e o... Como chama o outro cara? Aquele que estava segurando um cetro. Ele ficou quieto a reunião inteira.

- O senhor deve ter ligado para o número errado.

- Não, você que não está lembrando. Eu ainda tenho aqui todas as anotações que fiz na reunião.

- Senhor, aqui é uma desentupidora.

- Moacir!

- Como?

- O cara do cetro! Chamava Moacir!

- Senhor, não há nenhum Moacir aqui.

- Você estava na reunião! Aliás, você quem abriu a pauta, dizendo que precisavam urgente de um texto vendendo a ideia que os illuminati não existem! Depois disso, peguei informações com o Wanderley e fechei o valor com você! Você estava lá o tempo todo!

- O senhor certamente está enganado.

- Sei. Então você não se lembra de nada?

- Quinta-feira? Eu nem estava na empresa, senhor. Estava viajando.

- Você está mentindo!

- Não, senhor.

- É claro que está! O Wanderley me passou um e-mail com uma apresentação em ppt sobre os illuminati... Aliás, era um material de merda, eu quase nem usei aquilo. E você está copiada na mensagem!

- Eu não sei do que o senhor está falando.

- Eu estou olhando o e-mail aqui. O e-mail vem de diretoria@illuminatibr.com, e em cópia, estão aqui: fernanda@illuminatibr.com e graomestre@illuminatibr.com, que deve ser o e-mail do Moacir.

- Senhor, o e-mail que eu uso é desentupidorafernandes@hotmail.com. É o único e-mail que tem aqui.

- Olhe, eu fiz o texto como vocês pediram, no prazo que vocês pediram! Não usei o nome de nenhum daqueles senadores nem do governador, e coloquei a culpa nas redes sociais!

- Senhor...

- E ainda fiz aquelas fotografias mostrando que aquelas imagens que circulam na internet eram montagens! Você faz ideia do trabalho que deu mexer naquelas fotos? Eu sou redator, não sei mexer com imagem! Só que eu sou um profissional! Então nem pense em me tratar como um moleque! Quero os dados para eu emitir a nota!

- Senhor, eu vou desligar.

- Ah, entendi! Entendi tudo! Eu faço um texto provando que não existem illuminati no Brasil, e agora vocês estão fingindo que não existem de verdade! Rá! Estou morrendo de rir aqui! Só que é o seguinte! Eu faço parte do processo! Se vocês querem enganar todo mundo, o problema não é meu! Mas vocês vão me pagar pelo texto!

- O texto do senhor é este aqui listando todos os casos que as pessoas acusam os illuminati de corrupção, e mostrando que nada é verdade!

- Isso! Esse mesmo!

- É um que começa falando com a Copa de 2014!

- Isso! Isso! Você se lembrou de mim?

- Não. Eu estou olhando o Facebook enquanto conversamos, e minha prima compartilhou.

- Vocês acham que eu sou moleque?!

- Será que é verdade mesmo, isso aqui? Que esta eleição aqui foi fraudada pelos Estados Unidos?

- Não, não é verdade! Foram vocês que fraudaram esta merda! É por isso que vocês me contrataram! Para fazer parecer que é verdade! Para todo mundo acreditar que vocês não existem!

- Não sei, não. Eu estou lendo aqui, parece que faz sentido. Aqui diz que a CIA mandou...

- Eu sei o que diz! Eu que escrevi essa merda!

- Ah, é. O senhor havia dito.

- É o seguinte. Ou você me passa os dados da nota, ou eu vou até aí com a polícia.

- Bem, se o senhor quiser mesmo, pode vir.

- Como?

- Eu já disse, aqui é uma desentupidora. O dono não está aqui hoje, mas o senhor pode deixar um recado para ele.

- Vocês acham que eu sou imbecil? Que eu vou acreditar agora que vocês não existem? Eu criei a ideia de que vocês não existem! Cadê o Wanderley? Ou o Moacir?

- Já disse, senhor. Não há ninguém com esse nome aqui.

- Olha, está aqui na assinatura do e-mail. Está tudo aqui na assinatura e eu vou à polícia! Está aqui na minha frente! Wanderley Rodrigues, diretor de operações. Illuminati Brasil. 5055-3106. diretoria@illuminatibr.com. Eu vou até a polícia! Eu vou até os jornais!

- 5055?

- Oi?

- Qual telefone o senhor falou?

- 5055-3106. Está aqui no e-mail.

- Aqui é 5550.

- Oi?

- Aqui é 5550-3106.

- Mesmo?

- Isso. Está até na lista. Desentupidora Fernandes. Telefone 5550-3106. O fax é nesse número também.

- Putz! Eu liguei errado.

- É, eu disse pro senhor.

- Pelo amor de Deus, você me desculpa.

- Sem problema. Acontece.

- E, por favor, eu preciso que você esqueça que isso aconteceu.

- Como assim?

- A ligação. O que eu disse sobre o texto. Eu estava falando bobagem. Fiquei nervoso e falei demais.

- Ah, sim. Sem problema.

- Os illuminati não existem. Não sei de onde eu tirei essa ideia.

- Tudo bem. Posso ajudar em algo mais?

- Não, não.

- Esta semana estamos com uma promoção. Se o senhor nos contratar para limpar a fossa, fazemos a manutenção na caixa d’água com desconto de 30%. Não quer aproveitar?

- Não, obrigado. Preciso só que você esqueça tudo isso.

- O lance dos illuminati?

- Isso.

- Ah, pode deixar. Eu até compartilhei o texto, mas nem lembro mais do que li.

- Certo. Eu vou desligar. Mais uma vez, me desculpe.

- Ok. Tchau.

Desligou e acendeu um cigarro. Repassou a situação na sua cabeça e se sentiu um completo imbecil. Imagine? Fazer um texto para uma organização provando que ela não existe e, dias depois, descobre que eles não existem mesmo? Que bobagem, parece coisa de série de TV. Aliviado, deu uma risada.

Acabou o cigarro e ligou novamente, desta vez para o número certo. Ninguém atendeu. Ligou novamente. Ninguém atendeu. Olhou no relógio e concluiu que deviam estar almoçando. Decidiu esperar um pouco. Foi até sala para assistir um pouco de TV.

E, no momento que apertou o botão do controle remoto, sua casa explodiu.

A bomba estava abaixo do sofá, então tudo o que estava na sala (incluindo ele e seu computador com o texto sobre os illuminati) desapareceu totalmente.

No dia seguinte começou a circular um e-mail contando a história de um escritor que havia morrido numa explosão por causa de um defeito no gás encanado. Três dias depois, uma enorme passeata exigindo mais segurança com o fornecimento de gás aconteceu nas ruas da cidade.

O governador prometeu tomar as medidas cabíveis e o prefeito jurou que uma tragédia dessas não ficaria impune. Manifestantes pediam uma posição oficial do governo e que a companhia de gás mostrasse publicamente seus orçamentos.

Mas ninguém nem falou nada dos illuminati. Porque, oficialmente, eles nem mesmo existem aqui no Brasil.


Em tempo: esta crônica deveria estar no Chronicles. Mas acabou entrando no Champ por dois motivos: o primeiro, para despistar os illuminati. O segundo e mais determinante: na correria, postei no blog errado. 

4 comentários:

Fernando Santos disse...

E vc acha que só de trocar o blog vai conseguir despistar os illuminati? Fica esperto, meu caro! :)

Douglas Marciano disse...

Parabéns mais uma vez Rob, texto divertidíssimo!

Rafiki Papio disse...

Além de despistar os Illuminati, essa confusão de blogs me pareceu uma isca interessante.

Varotto disse...

Ahn? Quem???