15 de maio de 2013

(Feli)Cidade



Desde que me mudei para Florianópolis, alguns meses atrás, tive que me adaptar a uma nova rotina, totalmente diferente da que eu conhecia.

Como eu imaginava, a cidade se move num ritmo mais devagar do que estou acostumado. As primeiras semanas foram difíceis, neste sentido: eu e a cidade demoramos a entrar em sintonia e, assim, eu acabava me irritando com a demora. Era no mercado, no restaurante, no banco, no bar.

Acho que isso durou pouco mais de um mês, até eu passar um dia em São Paulo. Quase enlouqueci, mas descobri que Florianópolis não é devagar, é São Paulo que se atropela demais. Ou seja, entre eu e Florianópolis, quem estava errado era eu. Foi quando tomei jeito, percebi que se eu quisesse correria, eu teria continuado em São Paulo e me adaptei à cidade.

Acho que foi aí que a paixão pela cidade – que nasceu mais de ano atrás, durante uma viagem de Ano Novo – virou amor.

E, claro, foi aí que as coisas se ajeitaram. Mas eu confesso que ainda não entendo como a cidade pode ser mais devagar e, mesmo assim, o dia rende muito mais do que quando eu estava em São Paulo. Mesmo porque ainda faço as mesmas coisas... Ainda escrevo o tempo inteiro, e estou começando rabiscar ideias para meu novo livro. Não vai ser sequência do anterior, como já me perguntaram. Vai ser algo totalmente diferente, e... Bom, vamos mudar de assunto antes que eu fale demais.

Enfim... Ainda escrevo a maior parte do dia. E já achei o lugar que mais gosto de fazer isso: é na mesa da sala, com o notebook. Achei que seria a varanda, mas prefiro ter o computador na mesa, e consigo ver a vista daqui onde estou. Então divido meu tempo escrevendo para mim e para os outros. Para mim, claro, estou falando dos blogs – algo que nunca vou abandonar -, brincando com ideias para o livro. Ou cuidando de Terapia (talvez role outro projeto de quadrinhos, mas ainda não é nada certo). Mas também escrevo muito para os outros.

Ah, sim, ainda escrevo para muita gente, afinal, eu ainda tenho contas para pagar. Confiem em mim: tem textos aí no Facebook ou em alguns sites, que são meus e você nem sabe disso. E mesmo morando longe, estou indo bem, com todos os trabalhos em dia – afinal, eu posso ter me adaptado à velocidade da cidade, mas continuo escrevendo rápido. Vou para São Paulo duas ou três vezes por mês, para reuniões, e o resto consigo fazer tranquilamente daqui. E o bom é que estou trabalhando somente com gente que gosto e que valorizam meu trabalho.

Mas coloquei uma regra para mim mesmo. Eu não escrevo depois que anoitece – a não ser, claro, que aconteça alguma emergência em um dos trabalhos que faço. Depois de anos sem tempo para mim, hoje o que eu mais valorizo é tempo para mim. E quando você mora numa cidade onde o tempo parece passar mais devagar, isso é fácil de conseguir.

Claro que ajuda muito eu não perder muito tempo na internet. Ainda acesso Twitter, Facebook, mas basicamente falo somente com os amigos – disso não abro mão - e uso para divulgar meu trabalho. Me mantenho atualizado, mas sem me aprofundar muito, apenas lendo as manchetes do dia – e tem dias que nem isso. Cada vez mais estou me convencendo de que as polêmicas de internet e os escândalos políticos só entram na minha casa se eu deixar. E eu resolvi que não deixo mais – mesmo porque eles são iguais, todos os dias, não fazem falta.

Assim, as noites são minhas. Às vezes, enquanto a Ana prepara o jantar, eu leio um pouco na varanda. Estou com uma pilha de livros de fantasia e ficção científica aqui, mas não tenho lido, pois não gosto de fazer isso quando estou pensando num livro novo. Então, ultimamente, eu tenho jogado um pouco de videogame – o que não muda muito, já que eu acabo absorvendo ideias do jogo o tempo inteiro.

Depois do jantar, normalmente assistimos a um filme ou mergulhamos em alguma série. Meu enteado ficou em São Paulo, estudando, e agora somos apenas nós dois, então temos a televisão para nós o tempo inteiro. Mas às vezes saímos para tomar alguma coisa, ou simplesmente dar uma volta à noite, mas normalmente vamos dormir cedo – já que acordamos cedo todos os dias para andar no calçadão antes de começarmos o dia.

As únicas exceções são as noites de terça e domingo. Terça eu dou aula de história do cinema numa faculdade aqui perto – já me avisaram que ano que vem querem que eu lecione redação publicitária, mas ainda não é nada certo. Vamos ver.

E domingo eu apresento um programa numa rádio universitária, sobre blues. Não ganho muito – a rádio é pequena –, mas é gostoso passar uma hora no ar falando sobre o que gosto – claro que eu preciso sempre colocar coisas mais acessíveis, como Stevie Ray Vaughn, Eric Clapton e por aí vai, mas às vezes eu consigo rodar um Robert Johnson ou um Skip James.

Aliás, nunca ouvi tanto blues como atualmente. Passo o dia inteiro ouvindo isso – até mesmo para escolher o que tocar no programa, mas principalmente porque é a música que mais conversa comigo hoje. Ainda sou apaixonado por rock clássico e heavy metal, mas tenho deixado isso basicamente para shows. Aliás, mês que vem vamos a um show em Buenos Aires.

O que me lembra: este sábado meus pais vêm nos visitar. Minha mãe, claro, vai chorar na hora de ir embora, no domingo à tarde, e me perguntar quando vamos dar um neto a ela. Quem sabe ano que vem? As coisas estão caminhando bem, talvez seja a hora. E final-de-semana que vem é a vez de um casal de amigos meus vir conhecer a casa, e passarem o feriado aqui.

E agora vou encerrar por aqui. O sol está se pondo e tenho que cumprir minha promessa – mas hoje o pôr do Sol está bonito, então vou beber algo na varanda e ver se a Ana não quer ficar lá comigo até a hora do jantar.

Ou não. Na verdade, eu vou esfregar os olhos e voltar para a minha realidade em São Paulo. Vou terminar meus textos rapidamente aqui, para correr até o metrô, torcendo que ele não esteja (muito) lotado.

Vou entrar em casa mais cansado do que ontem, e com a sensação de que o dia já acabou. Com sorte, vamos comer qualquer coisa, rapidinho, e vermos um episódio de algo na TV, antes de eu desmaiar de cansaço e, dormir algumas horas antes de começar mais um dia que vai ser igual o de hoje.

Mas não precisa ser assim para sempre. E não será assim para sempre.

Prometo.

25 comentários:

Ana Claudia Savini disse...

<3

Ricardo Wagner disse...

Por um instante imaginei efetivamente que tivesse se mudado.

No final vi que quem mudou foi sua mente.

Ainda bem que sempre contamos com devaneios para fugir do dia-a-dia cruel.

Celyne Viana disse...

Já ia dizer: Olha, não sou a única que decidiu diminuir o ritmo... Mas sonhos acabam nos convencendo muito mais do que qualquer realidade ;-)

Lara disse...

to com o Ricardo. por um momento eu achei que você realmente tinha se mudado e fiquei pensando comigo: pô, mas eu nem percebi. acompanho tanto esse cara e não fui ver um trem grande desses.

um dia...

Adriano disse...

MAS QUE FILHA DA MÃE!!

Já tava pronto pra pegar um avião e chutar sua bunda florianopolitana de volta pra São Paulo, onde vocês me devem uma saída!

Rê Losilla disse...

Fazia tempo que seu texto não me dava uma paz. Esse deu!

Eu sempre tive uma dúvida cruel entre Brasília e São Paulo. Sempre o coração ficou partido na hora de decidir, acabei decidindo por ficar aqui na capital, mas às vezes vem aquele "será que fiz certo?!". Seu texto me fez lembrar de alguns pontos na minha decisão, e me deu uma paz (sei que por algum tempo) no coração.

Varotto disse...

Seu gênio subversivo...

Anônimo disse...

por um momento achei que um dos meus autores prediletos estivesse na minha cidade, ia descobrir o programa na rádio udesc....


quem sabe um dia, quando vier, será muito bem vindo.

e floripa é assim mesmo.

Irmão do Rob disse...

Achei que minhas preces de me livrar de você haviam sido ouvidas....

Nelson disse...

O comentário do irmão do Rob é fantástico, haha.

Meus pais conseguiram sair de Sampa, hoje moram num sítio no interior. Lá nem tudo são flores; têm que cuidar dos animais, cortar a grama pras cobras não aparecerem, aguentar o sol escaldante (ou o frio absurdo) e os quase 20km pra comprar pizza. Minha mãe se aposentou, mas meu pai ainda trabalha... e oportunidades de emprego por lá são raras, boas ou ruins. Agora, adivinhe se eles sequer sentem vontade de visitar São Paulo?
Pelo que eles contam, a vida por lá não é a maravilha toda que eles imaginavam, mas é muito melhor do que a que eles tinham aqui.

Eu ainda não sinto vontade de sair dessa loucura, mas na última viagem com a patroa pra Bertioga me peguei pensando se não seria bacana morar numa cidade litorânea. Menos trânsito e filas, mais qualidade de vida e sem perder algumas coisas que cidade grande oferece. Quem sabe.

Marcus Vinicius disse...

Texto ótimo.

Geralmente me sinto assim também: por mais que eu tenha me acostumado com o ritmo frenético de São Paulo, sinto muita falta de algo tranquilo, energia que outras cidades não sugam de você.

Fernanda disse...

Minha mãe fez isso. Aposentou, largou tudo e se mudou pra longe e pra praia (e levou a minha avó junto). Ela diz que foi a melhor decisão da vida dela, tem coisas ruins, tem coisas boas e o balanço final ainda pende pra te feito exataemnte a mesma coisa. E olha que ela morava em Belo Horizonte(e eu ainda estou aqui) nem perto da loucura de Sâo Paulo.

Toda vez que eu viajo pra SP eu me pego pensando que a cidade é ótima, mas não é pra mim. Eu cresci numa capital que não é tão acelerada como SP, e apesar de ter a habilidade de me adaptar, eu não conseguiria sobreviver tanto tempo sem poder parar, e respirar, e resetar tudo como você descreveu aí no seu texto, que é o que eu consigo fazer aqui em BH mesmo.

Mas assumo que levei um susto com a suposta mudança, rss. Quem sabe um dia, né?!

Rob Gordon disse...

Ana:

Sempre. :)

Beijos,

Rob

Rob Gordon disse...

Ricardo Wagner:

Sem esses devaneios, nada acontece. Mesmo.

Abraços,

Rob

Rob Gordon disse...

Celyne:

É o que eu disse ao Ricardo, acima. Esses devaneios - ou sonhos - são essenciais.

Beijos,

Rob

Rob Gordon disse...

Lara:

Quando isso acontecer, vocês vão perceber. Pode ter certeza. :)

Beijos,

Rob

Rob Gordon disse...

Adriano:

Será paga. Aqui em SP mesmo. :)

Abraços,

Rob

Rob Gordon disse...

Rê Losilla:

"Fazia tempo que seu texto não me dava uma paz."

Muito, muito obrigado por isso.

Beijos,

Rob

Rob Gordon disse...

Varotto:

Não discuto o subversivo. Já o gênio...

Abraços,

Rob

Rob Gordon disse...

Anônimo:

Quem sabe um dia? :p

Rob

Rob Gordon disse...

Irmão do Rob:

Você não era ateu?

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Nelson:

É justamente isso. Mais tranquilidade, sem perder as vantagens de uma cidade grande. E, a meu ver, SP já perdeu as vantagens de uma cidade grande.

Pegue uma exposição, por exemplo. Você decide ir. Você enfrenta um trânsito absurdo - ao contrário de 15, 20 anos atrás, não há mais hora, dia ou local - e, chegando ao lugar, não consegue entrar pois a exposição se espalhou pelas redes sociais e até mesmo quem não sabe do que se trata está lá apenas para dizer que foi.

Isso, claro, sem falar em criminalidade e, principalmente, custo de vida, que vai do aluguel ao mercado.

Seus pais estão onde deveriam estar, confie em mim.

Abraços,

Rob

Rob Gordon disse...

Marcus:

É isso que você disse. SP "suga" sua energia. É exatamente isso.

Abraços,

Rob

Rob Gordon disse...

Fernanda:

Meu conselho: não venha agora, a não ser que seja extremamente necessário. Isso aqui está bem longe de ser uma boa cidade, e faz tempo.

Beijos,

Rob

Juba disse...

Todo blogueiro mora em Floripa, seve ser um tipo de atração gravitacional.