14 de janeiro de 2013

Por Trás Daquele Sorriso


Dia esses eu estava na casa da minha sogra e, após o jantar, a Esposa começou a me mostrar fotos antigas de sua família.

Talvez esta seja uma das coisas mais íntimas que você pode fazer com alguém. Pois você não vê apenas roupas e penteados que saíram de moda, mas praticamente mergulha dentro da história de uma pessoa e de sua família.

A partir do momento em que comecei a olhar as fotos, foi como se eu entrasse em festas de aniversário, viagens e almoços em família que aconteceram décadas atrás, muito antes das pessoas nas fotos sequer imaginarem que eu existo. Uma hora eu estava na mesa de uma pizzaria; depois, numa festinha na quadra da escola; em outros momentos, estava junto com a família dela na sala, logo depois da ceia de Natal.

E, passando pelas fotos, vi minha Esposa envelhecendo.

Vi aquela pequena menina cujo sorriso deixa linhas no rosto se tornar uma típica adolescente que não sabia como agir na frente de uma câmera; e vi a adolescente se tornar uma mulher cada vez mais parecida com a pessoa que dorme e acorda comigo todos os dias. Sempre sorrindo – às vezes somente com os lábios, muitas vezes também com os olhos.

Literalmente, as fotos mostram a história da vida dela. Não são apenas festinhas de aniversário, ceias de natal ou jantares em família. Os retratos mostram o universo onde ela foi criada, o mundo onde ela cresceu para se transformar na pessoa que é hoje. Está tudo ali, basta saber olhar.

Mas claro que as fotos mostram, também, como esse mundo se transformou junto com ela. A cada foto, as roupas e os cabelos das pessoas mudavam. O mesmo acontecia com os cenários ao redor. Os carros se tornavam mais modernos; os móveis da sala e do quarto iam mudando aos poucos, transformando o aposento em algo discretamente diferente a cada imagem. As próprias cores das fotos mudavam, sendo mais nítidas com o passar dos anos.

As fotos mostram que tudo mudou sutilmente com o passar do tempo.

Somente o sorriso dela continuou o mesmo em todas as fotos.

Seja emoldurando brincadeiras da menina de três anos, expressando sonhos da adolescente de treze anos, ou na gargalhada gostosa da mulher de 23 anos... Ele continua o mesmo. Quase como se tivesse vida própria, quase como se desafiasse o tempo.

Mais tarde naquela noite, ela sorriu para mim.

E eu reconheci, em seu rosto, o sorriso que havia visto nas fotos horas antes. Era o mesmo sorriso das fotos. Era o mesmo sorriso que a acompanhava há anos e que havia sido guardado para os retratos daqueles momentos que seriam lembrados anos depois.

E, quando ela sorriu para mim depois de eu ver as fotos, percebi a grandiosidade da história daquele sorriso.

Durante anos e anos, ao lado da família, dos amigos ou sozinha aquele sorriso já existia. Eu, em outro bairro, em outro mundo nem imaginava isso. Até a hora que ele entrou no meu mundo, depois de anos vivendo em universos diferentes.

E, com esse sorriso, ela trouxe todos os outros sorrisos, e toda a sua história. Talvez você ache que este sorriso seja apenas um sorriso. Não é. Ele é uma escolha. No momento em que ela escolheu sorrir para mim, eu entrei em sua vida. Mas é mais que isso.

No momento em que ela escolheu sorrir para mim, todos os sorrisos que ela deu até hoje – e que estão guardados naquelas fotos - também me escolheram. Suas lembranças dos momentos felizes eternizados naquelas fotografias também me escolheram. Seus sonhos – tanto os que foram realizados como aqueles que persistem – e visíveis em cada sorriso nas fotografias também me escolheram.

Pois tudo isso ainda está vivo dentro dela. Cada sorriso, cada lembrança e cada sonho que eu vi formam a pessoa que ela é hoje: a pessoa que escolheu sorrir para mim. Ou, melhor dizendo, escolheu a mim para sorrir.

Por isso eu sorri de volta para ela. Foi a maneira mais sincera que eu escolhi para agradecê-la por todos os seus sorrisos.

Afinal, o sorriso que está guardado nas velhas fotografias na casa dos meus pais... Hoje este sorriso é dela.

11 comentários:

Lara disse...

o amor de vocês é muito bonito e eu fico feliz daqui de longe quando leio tudo isso, tanto da sua parte, quanto da dela (um pouco mais discreta, mas não por isso menos verdadeira). me da gosto de ver e me faz ter de volta aquela esperança que os dias tem roubado.

obrigada por isso. que mais sorrisos cheguem até vocês, porque vocês merecem.

Elise Garcia disse...

Que texto lindo, Rob... me fez chorar, isso não vale! :')

Leandro R Freitas disse...

Depois de você ter falado tão bem de amor, só me resta calar de amor e saudades dela. Parabéns pelo texto!

Marina disse...

"Talvez você ache que ele este sorriso seja apenas um sorriso. Não é. Ele é uma escolha."

Lindo isso. Lindo texto.
Beijos aos dois sorrisos.

Giovana disse...

texto lindo, carinhoso e leve... claro que isso é amor! rsrsrs

Ana Claudia Savini disse...

Lara, a minha discrição se deve ao fato de eu ser extremamente tímida (fiquei quase tendo um treco de vergonha quando o Rob veio me mostrar esse texto) e de eu acreditar de verdade que o amor, os sorrisos, os abraços, os beijos, eles só se tornam realmente verdadeiros quando são ao vivo.
Estou cansada de ver por aí casais que demonstram muito amor nas redes sociais e que, de repente, se separam porquê dentro de quatro paredes a vida deles é uma merda.
Eu e o Rob temos quase como um acordo sermos autênticos aqui e dentro da nossa casa, justamente por sabermos bem que é muito fácil cair nessa armadilha de querer passar para os outros uma falsa felicidade.
Como disse, sou tímida, e me mantenho assim. Não tento parecer nada além do que sou, mas pode acreditar que todo o amor que sinto pelo Rob é do tamanho do mundo inteiro e que ele sabe disso pois frequentemente falo "amo você", através de palavras ou de sorrisos.
E obrigada por compartilhar da nossa felicidade e fico contente por saber que nosso relacionamento deixa você com mais esperança, algo tão difícil hoje em dia. E é justamente por causa desse tipo de sentimento dos leitores que devemos nossa sinceridade a todos vocês.
Beijos,
Ana
:)

Varotto disse...

Bonito...

Camila disse...

Sincero, bonito e adorével...

Fagner Franco disse...

Não sei se pago mais pau (expressão pobre, mas é o que tem pra hoje) pro texto lindo e sincero do Rob ou pro comentário fodão da Ana. Parabéns, casal fodão.

Anônimo disse...

Toda a felicidade do mundo, é apenas isso que resta desejar a vocês dois. Ler fragmentos da vida de vocês e, ao mesmo tempo, sentir por inteiro as sensações que vocês vivem é impagável. Eu gosto quando o Rob publica estas declarações de amor à Ana, porque esquentam aqui dentro do meu peito. Eu e minha namorada, a Mariana, que me fez reviver, estamos vivendo uma fase difícil (eufemismo) no nosso relacionamento, mas, apesar disso, ao ler esse texto, meus olhos brilharam, porque, imediatamente, eu me transportei praquele momento em que fizemos amor no coreto que fica no meio daquele lago naquele sítio, quando tudo estava escuro, não víamos nada, porém, eu beijei a boca dela, e logo que nossos lábios se separaram, eu senti o sorriso dela e, de repente, aquela noite estava clara como o dia. Eu me transportei praquele momento, quando ela estava deitada, me pedindo pra fazer toddy pra dormir, aí eu cheguei perto dela e a enrolei no cobertor e falei: - Agora você é uma panqueca!, nada no mundo paga aquela gargalhada mais gostosa!! Eu gosto muito, gosto muito mesmo de ler todas estas declarações, mas dessa em especial, por que quando eu conheci a Mariana, o sorriso dela ofuscava tudo que estava em volta, ver aquele sorriso, as maçãs do rosto se espremendo entre a bochecha e os olhos, o queixo se arqueando levemente pra baixo, e os olhos, aaah... os olhos brilhando, sempre que ela sorri, os olhos brilham, ela não sabe disso, mas eu sei, eu sei por que eu não perco um detalhe sequer daquele espetáculo, enquanto escrevia isso, eu até ouvi um princípio de gargalhada, ouvi até ela me xingando quando eu faço cosquinha. E, lá no início desse comentário, quando eu desejei a vocês toda felicidade do mundo, eu menti, vocês já tem toda felicidade do mundo, vocês têm o sorriso um do outro. À vocês, só me resta agradecer, isso sim que me resta, eu agradeço a vocês por me trazerem estas lembranças nessa fase tão conturbada que eu e ela estamos passando, eu agradeço por vocês me fazerem lembrar da nossa rotina que me traz paz, eu agradeço por vocês significarem tanto na vida um do outro, eu agradeço por aquecerem o meu peito com estes fragmentos da vida de vocês. Muito obrigado Rob e Ana, muito obrigado mesmo!

Fernanda disse...

<3