10 de julho de 2012

Kafkaniana - Uma Peça em Ato Único e Produzida por Ordem Judicial


Texto Juiz: Ele já acordou?

Texto Oficial de Justiça: Ainda não.

Crônica Guarda: Ele tem o sono pesado.

Texto Oficial de Justiça: Jogue um balde de água na cara dele.

Texto Juiz: Gelada.

Rob Gordon: EI!!

Crônica Guarda: Pronto.

Texto Juiz: Está aberta a sessão.

Rob Gordon: Que merda é essa?

Crônica Guarda: Silêncio!

Texto Oficial de Justiça: Você não irá falar até ter permissão.

Rob Gordon: Por que eu estou amarrado? Que lugar é esse?

Texto Juiz: Silêncio! Você está aqui para ser julgado pelos seus crimes.

Rob Gordon: Crimes? Que merda vocês estã...

Texto Oficial de Justiça: Calado!

Texto Juiz: Como juiz deste tribunal público, declaro aberta a sessão.

Rob Gordon: Tribunal?

Texto Juiz: O acusado somente se pronunciará quando solicitado.

Rob Gordon: Oi?

Texto Oficial de Justiça: Silêncio!

Texto Juiz: Rob Gordon, você está sendo acusado de menosprezar seus textos. Nos últimos tempos, você mal tem atualizado seus blogs.

Rob Gordon: Sim, mas é porque...

Crônica Guarda: Quieto!

Texto Juiz: Existem diversos não terminados salvos na sua máquina. Todos eles pela metade e abandonados. Muitos deles estão aqui hoje. Aqueles pequenos demais para estarem presentes, textos com no máximo um parágrafo, estão representados pelos seus familiares, ansiando por ver a justiça prevalecer aqui.

Rob Gordon: Vem cá, não dá para soltar esta corda? Essa porra tá apertada.

Texto Juiz: Silêncio. E agora, você será julgado pelos crimes a estas crônicas que, graças à sua incompetência, nunca viram a luz. Nunca ganharam um final, nunca foram lidos. Rob Gordon, a comunidade de textos o acusa de descaso. Como você se declara?

Rob Gordon: Oi?

Platéia de Crônicas: CULPADO! CULPADO! CULPADO!

Texto Juiz: Silêncio! Rob Gordon, como você se declara?

Rob Gordon: Inocente?

Platéia de Crônicas: CULPADO! CULPADO! CULPADO!

Rob Gordon: Não! Inocente!

Texto Juiz: Crônica da Promotoria, por favor.

Crônica da Promotoria: As acusações contra Rob Gordon são graves. Seus textos estão pela metade. Ele não termina mais suas crônicas. O blog vem sendo atualizado uma vez por semana. É obrigação deste tribunal, que representa toda a comunidade das crônicas, fazer justiça aos textos vitimados pela incompetência do réu. Senão para recuperar as crônicas perdidas, o que parece impossível, ao menos para evitar que novos textos fiquem inacabados, nas mãos deste assim chamado escritor.

Texto Juiz: Obrigado. Onde está o advogado de defesa?

Poeminha de Defesa: Estou cá, presente no tribunal. E falarei sozinho, sem jogral.

Texto Juiz: Que comece a defesa.

Poeminha de Defesa: Começarei, pois, senhor juiz. E que a justiça não caia em mãos vis.

Rob Gordon: Por que meu advogado fala tudo rimado? Ele é imbecil?

Texto Oficial de Justiça: Silêncio!

Texto Juiz: Seu advogado de defesa, apontado pela comunidade das crônicas, é um poema.

Rob Gordon: Poema? Ele não é um poema, ele só fala rimando, mais nada.

Crônica Guarda: Quieto!

Rob Gordon: E ainda rima juiz com vis. Sério. Isso não é poesia.

Poeminha de Defesa: Se me é permitido por este tribunal, abandonarei a defesa do Mal. Pois que enterrem o escritor com pá de cal, depois de que quebrarem sua cabeça com um pau!

Rob Gordon: Espera, como assim? Ele é meu advogado!

Texto Juiz: Que, aparentemente, desistiu de defendê-lo, mostrando bom senso.

Poeminha de Defesa: Por mim, queimem o réu em brasa. Eu, do meu lado? Vou para casa.

Rob Gordon: Então, isso aqui está bem injusto! Olha só, eu estou escreven...Ai! Porra! Jogaram uma pedra em mim!

Platéia de Crônicas: CULPADO! CULPADO! CULPADO!

Rob Gordon: Porra, não dá para afrouxar um pouco a corda?

Texto Juiz: Não. Você está amarrado por ordens judiciais. Com as mãos livres, você poderia estragar algum texto aqui presente.

Rob Gordon: Então, posso falar?

Texto Juiz: Somente seu advogado de defesa falará por você.

Rob Gordon: Mas eu não tenho mais advogado de defesa. Mesmo porque ele é um imbecil!

Platéia de Crônicas: ELE XINGOU O TEXTO! CULPADO! CULPADO! ELE XINGOU O TEXTO!

Rob Gordon: Então, posso falar?

Texto Juiz: O réu poderá se manifestar somente quando for solicitado.

Rob Gordon: Então eu vou poder falar uma hora?

Texto Juiz: O réu poderá se manifestar somente quando for solicitado.

Rob Gordon: Certo. Eu vou esperar.

Texto Juiz: O réu pode se manifestar agora.

Rob Gordon: Oi?

Texto Juiz: O réu pode se manifestar.

Rob Gordon: Vocês estão de sacanagem, só pode ser isso.

Texto Juiz: O que declara em sua defesa?

Rob Gordon: Então, eu não abandonei nada. Mas passei uns dias que não consegui escrever. E agora estou fazendo um trabalho enorme, passo o dia inteiro fora de casa.

Platéia de Crônicas: CULPADO! CULPADO! CULPADO!

Rob Gordon: Calem a boca! Eu não terminei! Olhe, querem saber? Se vocês querem me acusar de não estar escrevendo com a mesma frequência, certo. Eu me declaro culpado. Foda-se. Qual a pena máxima para isso?

Platéia de Crônicas: MORTE! MORTE! MORTE!

Rob Gordon: Morte? Não, espere! Então eu sou inocente! Esquece o que eu disse agora, falei da boca para a fora.

 Texto Juiz: O que declara em sua defesa?

Rob Gordon: Então, eu realmente estou sem tempo. Estou fazendo um trabalho enorme, não estou com tempo. De verdade. Juro que quero escrever, mas estou totalmente sem tempo. Mesmo. E não quero escrever qualquer bobagem apenas por escrever.

Texto Juiz: Você nega que deixou crônicas e mais crônicas pela metade nas últimas semanas?

Rob Gordon: Bom, não foram tantas assim...

Texto Juiz: Não negue! Não negue! As famílias destes textos estão presentes e faremos tudo para protegê-las de sua hipocrisia!

Rob Gordon: Mas estou sincero. Não foram tantas assim. Tem a da festa junina, que eu não achei o tom certo ainda. Tem a da camiseta. Que mais? Hum... A do gato também...

Texto Juiz: Que houvesse apenas uma! Já executamos escritores por menos que isso!

Platéia de Crônicas: JUSTIÇA! JUSTIÇA! JUSTIÇA!

Rob Gordon: Mas eu não abandonei as crônicas, elas estão no meu PC. Eu só preciso de tempo para terminá-las.

Texto Juiz: E você acha correto e justo postar um texto sobre uma festa junina no meio de julho?

Rob Gordon: Bem, não, mas...

Platéia de Crônicas: CULPADO! CULPADO! CULPADO!

Texto Juiz: Como você se declara?

Rob Gordon: Hã... Com um pouco de dificuldade para escrever?

Texto Oficial de Justiça: Culpado ou inocente?

Platéia de Crônicas: CULPADO! CULPADO! CULPADO!

Rob Gordon: Então, inocente. Acho que ninguém se declara culpado num tribunal, certo?

Platéia de Crônicas: CULPADO! CULPADO! CULPADO!

Texto Juiz: Após ouvir todas as considerações, declaro Rob Gordon culpado e inimigo mortal da comunidade das crônicas.

Platéia de Crônicas: CULPADO! CULPADO! CULPADO!

Rob Gordon: Inimigo mortal? Isso não é um pouco de exagero?

Texto Juiz: Está pronto para ouvir sua sentença?

Platéia de Crônicas: MORTE! MORTE! MORTE!

Rob Gordon: Bom, eu não posso ir a lugar algum mesmo. Estou amarrado aqui.

Texto Juiz: Seu crime é passível de morte. Mas, em nome de uma meia dúzia de textos razoáveis que você escreveu, pouparei sua vida. E o condeno para vinte anos de trabalhos forçados.

Rob Gordon: Trabalhos forçados?

Texto Juiz: Você ficará enclausurado numa masmorra, escrevendo incessantemente. Ao final de vinte anos, ou ao terminar vinte mil crônicas, voltaremos a analisar seu caso.

Rob Gordon: Mas e o trabalho que estou fazendo?

Platéia de Crônicas: CULPADO! CULPADO! CULPADO!

Rob Gordon: Certo. Eu admito. Sou culpado. Vem cá, e se eu voltar a escrever com a mesma frequência de antes?

Texto Juiz: Você fará isso. Na cadeia.

Rob Gordon: Não, estou pedindo uma chance de me redimir. Prometo solenemente, aqui, a não abandonar mais meus textos pela metade.. AI! Porra, dá para pedir que parem de jogar pedras?

Texto Juiz: Que garantia temos que você irá cumprir sua palavra?

Rob Gordon: Hum... Que tal se eu postar uma crônica no blog hoje? Assim que eu chegar perto de um PC, escrevo e coloco. Que tal?

Texto Juiz: Sobre qual assunto?

Rob Gordon: Não sei, eu invento algo.

Texto Juiz: Não é suficiente.

Rob Gordon: Duas crônicas?

Texto Juiz: Não. É pouco.

Rob Gordon: Porra... Já sei. Uma peça de teatro! Que tal?

Texto Juiz: Uma peça? Inteira?

Rob Gordon: Sim. Mas de um ato só. Mas vai ficar bom, prometo.

Texto Juiz: Qual o tema?

Rob Gordon: Não sei ainda. Vou pensar no caminho de casa.

Texto Juiz: Este tribunal, majestoso e clemente, confiará em sua palavra. Você tem até o final do dia. Caso contrário, sua pena será a execução.

Rob Gordon: Ok.

Platéia de Crônicas: CULPADO! CULPADO! CULPADO!

Texto Juiz: Até o final do dia!

Rob Gordon: Eu sei, eu ouvi isso!

Texto Juiz: Este tribunal está em recesso. Que libertem o prisioneiro.

Rob Gordon: Certo. Valeu.

Texto Juiz: Podem se retirar.

Rob Gordon: Eu também posso ir, certo?

Texto Juiz: Adeus.

***************

Rob Gordon: Sobrou alguém aqui? Ei! Eu continuo aqui! Alguém pode me desamarrar?

23 comentários:

Adônis disse...

Brilhante, Rob! Ri muito!!

"Por que meu advogado fala tudo rimado? Ele é imbecil?"
HAHAHA

Legal é que mesmo você não tendo tempo pra postar, você não simplesmente vem e fala isso, você escreve um conto falando que não tem muitas condições de escrever... rs

disse...

Depois de xingar o pobrezinho do Poeminha-Advogado, eu sou a favor de deixar o Rob preso e amarrado nessa cadeira aí no Tribunal por pelo menos um mês.

Que volte para casa pulando com a cadeira, todo torto e digite com o pé!

Na verdade, acho que vou chamar os leitores abandonados e o espaço de banda não-consumido pelas letras nos blogs para se unir às Cronicas e continuar o processo... bom, acho que vamos esperar até amanhã. Senão, podemos até entrar em contato com o chefe do "grande projeto" e duplicar o volume de serviço e de dificuldade, para puní-lo eternamente.

São essas as nossas considerações. Qual a sua defesa?! Qual o seu plano de redenção?

Fábio Megale disse...

Essa nossa justiça só ajuda os criminosos e prejudica os inocentes. Que absurdo é esse?

Se o Brasil fosse um país justo, este criminoso-destruidor-de-inocentes-famílias-e-parágrafos seria obrigado a escrever 20 mil crônicas de pé e usando um sapatênis. Mas, não, a impunidade reina.

E ainda queremos sediar uma Copa do Mundo!

[Brincadeira, Rob, brincadeira! O texto foi foda, como sempre é. :)]

Tukow disse...

Eu ouço os antigos leitores gritarem em coro: "Culpado! Culpado! Culpado!"

Cadê as testemunhas? o Juri? Se tivesse, seria 40 mil crônicas ou então 40 anos. O que acharia completamente justo.

hahaha

Brincadeiras a parte, ótimo texto, como todos os demais.

Inclusive, mandei um e-mail para você, de uma certa importância. Espero que leia.

Abraços.

Tukow disse...

PS.1: Sinto uma enorme saudades dos Top 5.

PS.2: Vamos ter comemoração dos 5 anos?

Abraços.

Varotto disse...

Cara, você é o mestre dos metatextos!

Ninguém conseguiria passar esta mesma mensagem de forma tão sensacional.

P.S.: Você é um cara muito doente.

@frank_london disse...

Já disse e repito, você é o único escritor que consegue transformar a falta de inspiração (ou a falta de tempo) em textos SENSACIONAIS!

cmmarcondes disse...

Já falei que, qdo eu crescer, quero escrever como vc?

Falo de novo!!
Eu preciso, mesmo, aprender a fazer diálogos ou, pelo menos, fazer as vozes parecerem menos interrompidas ;)

Keep writing, man!!

Elise disse...

Vou só dizer que meu pai, aqui do lado, perguntou do que é que eu tava rindo tanto. E tou na rodoviária, indo viajar. Depois comento melhor :)

Hydrachan disse...

Eu fiquei com pena do Poeminha de Defesa... ó.ò
Esse tal da Rob Gordon é muito mal mesmo... =/
Mas ele escreve bem pra caramba, e recentemente ganhou até um prêmio. Eu acho que isso o redime. XD

Bjs!

gilgomex disse...

Poeminha de defesa??? tss tss.. só podia ser... mais que isso só se fosse o Prof. girafáles...

Natalia Máximo disse...

Hahahaha, melhor "prestação de contas", MUUUITO BOM!

Rob Gordon disse...

Adônis:

Pelo menos, a falta de tempo (e de ideias) para posts virou algo legal!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Fê:

Me comprometo aqui, perante este tribunal, a escrever cada vez mais e sempre que possível! Palavra de ordem!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Megale:

Ainda bem que a justiça não funcionou desta vez. Este criminoso-destruidor-de-inocentes-famílias-e-parágrafos vai adorar escrever cada vez mais...

Mas sapatênis não, por favor.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Tukow:

Na dúvida, sou o culpado, sempre. Mas a sua pena de 40 mil crônicas... Eu chego lá!

PS - Desculpe a demora, vou responder seu mail hoje!

PS 2 - Como você deve ter visto, foram seis anos - e sempre temos comemoração aqui. Não dê ouvidos ao "ano 4" lá em cima!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Varotto:

"O mestre dos metatextos."

Gostei. Gostei disso.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

@frank_london:

Todo escritor sofre de falta de inspiração. Todos, sem exceção. Como eu não consigo driblar esse problema - nenhum escritor consegue - tento ao menos utilizar isso a meu favor.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

cmmarcondes:

Já que o assunto são textos, vou falar com sinceridade aqui - pode soar falta de modéstia, mas é sincero. Mais de uma vez, já me perguntaram:

- Como você consegue fazer diálogos assim?

E a minha resposta é quase sempre a mesma:

- Não sei. Eu apenas faço.

E sou sincero. Juro.

Valeu pelos elogios, cara.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Elise:

Mostre o texto a ele. :)

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Hydrachan:

Queria ver VOCÊ num tribunal desses, sendo defendido por um poeminha parvo como esse! :)

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Gomex:

Esses poeminhas...

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Natalia:

E aparentemente deu certo. Voltei a escrever! Aqui, ainda com um ou dois textos por semana. Mas, no Chronicles, tem bastante coisa nova!

Beijos

Rob