16 de maio de 2012

Rob Gordon X Sujeito do Pet Shop


Foram alguns dias bem agitados aqui, com algumas novidades de todos os lados. Daí a demora em atualizar o blog – não me recordo qual a última vez em que passei uma semana sem postar – e em responder os comentários do último post, sobre o casamento. Mas prometo que farei isso em breve.

Mas, aos poucos, as coisas vão voltando ao normal. O que, no meu caso, normalmente significa problemas. Isso porque hoje, assim que acordei, a Esposa me veio com a notícia:

- Precisamos comprar ração para os cachorros.

Tremi na base.

Veja bem, quando o único animal que fazia parte da minha vida era o Besta-Fera, comprar ração era algo simples. Eu ia até o Pão de Açúcar, comprava um saco e pronto.

Quer dizer, eu sempre cometia a bobagem de aproveitar e comprar uma garrafa de Coca para mim, o que me fazia passar vergonha na fila do caixa – as pessoas me olhavam de cima a baixo, viam que eu carregava um saco de ração e uma garrafa de refrigerante e desviavam o olhar, rapidamente, com aquela expressão de “coitado, ele tem problemas”. Mas, fora isso, a tarefa era fácil.

Porém, agora, eu vivo numa espécie de Arca de Noé, com cães, gatos e peixes. Comprar ração para estes bichos é algo muito mais complicado, que envolve bastante planejamento, bastante dinheiro... E um saco do tamanho do mundo para falar com o maldito cara do Pet Shop.

Na verdade, esta deve ser o melhor Pet Shop da cidade, por três motivos. 1) Tem os melhores preços da região; 2) eles entregam em casa, o que faz bastante diferença quando estamos falando de um saco de 15kg; e 3), sabendo que os verdadeiros consumidores dos seus produtos são bichos, eles colocam um animal para atender ao telefone.

Toda vez é a mesma coisa. Eu ligo e atende a mesma pessoa, um sujeito que tem certas dificuldades em estabelecer um diálogo comum. Das duas uma: ou é um animal de alguma espécie não catalogada, ou a loja fica em outro país e o atendente não fala nada de português.

E toda vez eu perco pelo menos dez minutos da minha vida tentando me fazer entender, e mais dez minutos me perguntando se não seria mais fácil ir até lá e tentar explicar o que eu quero comprar por mímica.

Hoje não foi diferente. Tentei argumentar com a Esposa que as frases “na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza” não envolvem ter que ligar para o alienígena do pet shop, mas não deu certo. Ela estava atrasada para o trabalho, correndo para se arrumar.

Eu protestei, briguei, ameacei, me recusei a ligar... E cinco minutos depois, estava no quintal, fumando um cigarro, com o celular no ouvido, esperando alguém me atender no pet shop, e rezando para que, desta vez, fosse outra pessoa.

- Alô?

Não era outra pessoa. Era ele. Dei uma longa tragada no cigarro e me preparei.

- Alô?

Calma, cara, eu estou ainda maldizendo a vida e criando coragem para falar com você. Bem, se o estupro é inevitável...

- Bom dia. Eu queria fazer um pedido.

- Alô?

Certo. Além de tudo, ele é surdo.

- BOM DIA! EU QUERIA FAZER UM PEDIDO!

- Qual o endereço?

- Rua Professor Fulano de Tal, Número X. É casa.

- Você disse Professor, certo?

- Isso.

- Professor.

- Isso.

- Professor o quê?

- Professor Fulano de Tal, Número X.

- Professor Fulano de Tal.

- Isso.

- Qual o número?

- Meu Deus do céu.

- Oi?

- Número X.

- Nú... Me... Ro... Número X?

- Sim. Número X.

- É casa?

- Sim.

- Qual o pedido?

Certo, desta vez ele estava se superando. Mais de dez linhas de diálogo, e eu ainda não havia nem começado a fazer o pedido. Pensei em responder que “olhe, faz tanto tempo que eu estou passando meu endereço para você que esqueci o que eu precisava, eu ligo depois”, ir até a Esposa, dizer que eles estavam fechados e comprar a ração em outro lugar. Mas desisti. Afinal, todo mundo tem um carma na vida. O meu, aparentemente, é o cara do pet shop. Se eu fosse à outra loja, ele estaria ali me atendendo. Se eu fosse a uma terceira, ele estaria ali me atendendo. Ou seja, melhor resolver logo.

- Aquela ração Alfa. Você tem de carne?

- Temos sim.

- Certo. Eu vou querer um saco de...

- Temos de carne. De frango. De peixe.

- Ok, eu quero a de carne.

- De alfafa. De agrião. De cebola.

- Tudo bem, eu quero a de car...

- De filé com fritas. De canja. De salada mista.

- Me ouça! Por favor!

- De madeira. De Big Mac. De rocambole.

- EU QUERO A DE CARNE!

- De chiclete. De pastel. E de bolo.

- O que eu fiz para merecer isso?

- Qual você vai querer?

- A de carne.

- Qual tamanho?

- 15 kg.

- O que mais?

- Dois frascos de desinfetante. Sanol.

- O quê?

- Dois frascos de Sanol!

- Dois o quê?

- Sanol! O desinfetante!

- Não entendi.

- O negócio que eu jogo no quintal pra tirar o cheiro de merda depois que os animais cagam, depois de comer a ração!

- Ração? Tem de carne. De frango. De peixe.

- Não! Não! Não começa com isso!

Não sei se vocês se lembram, mas eu estava no quintal. E cercado de cachorros. Aparentemente, eles entenderam que eu estava novamente conversando sobre rações. Ou isso, ou o Lex Luthor enviou mais uma mensagem numa frequência altíssima para falar com o Super-Homem, porque todos eles começaram a latir ao mesmo tempo.

Agora, eu estava cercado. De um lado, os animais latindo. Do outro lado, o outro animal repetindo todos os sabores de ração já criados pelo homem. Saí correndo pelo quintal até um canto longe dos cachorros. Mas algo chamou sua atenção e ele parou de recitar os sabores. Ficou em silêncio por alguns instantes e perguntou:

- Não entendi o que você falou agora.

Agora? Você não entendeu nada em nenhuma das dezenas de vezes que eu liguei aí.

- Sim, porque não fui eu quem falou! Foram os cachorros!

- Não entendi.

- Esquece! Eu preciso de dois frascos de Sanol!

- Dois o quê?

- Sanol! Sabe? O eliminador de odores!

- O quê?

- A PORRA DO DESINFETANTE!             

- Ah.

- Dois frascos.

- O Sanol?

- Isso!

- Quantos frascos?

- Putaquemepariu! Dois!

- Dois frascos?

- Sim!

- Algo mais?

- Areia para gatos. Eu quero um fardo da mais barata.

- A mais barata é a Gama.

- Certo. Eu quero um fardo.

- O fardo custa treze reais.

- Certo. Eu quero um fardo.

- Vem com quatro sacos.

- Certo! Eu quero um fardo!

- Cada saco tem cinco quilos.

- EU QUERO UM FARDO!

- Ah, não. Ele vem com cinco sacos.

- Não me importa. Eu quero um.

- E cada saco tem quatro quilos.

- Por favor?

- Eu inverti o peso e o número dos sacos.

- Certo. Eu quero um fardo.

- Não são cinco sacos de quatro quilos, são quatro sacos de cinco quilos.

- Sim, eu entendi isso.

- O senhor vai querer?

- Você pode me dar um minuto? Eu vou até ali ter um ataque histérico, depois deitar em posição fetal e ter uma crise de choro.

- Como?

- Nada. Eu quero um fardo.

- Certo

- Quanto sai tudo?

Enquanto isso, do outro lado da galáxia, uma estrela entrou em supernova e explodiu. Com a energia liberada, diversos planetas foram criados. Lentamente, um deles ganhou vida, com o surgimento de plantas e, posteriormente, de organismos unicelulares. Estes logo se desenvolveram e abandonaram os oceanos. Aos poucos, criaram uma civilização baseada na caça e na agricultura. Com o tempo, aprenderam a utilizar ferramentas e foram ampliando seus domínios sobre os outros animais. Milênios se passaram e esta espécie foi aumentando seus conhecimentos científicos. Trabalho em metal. Imprensa. Estrutura do átomo. Fissão nuclear. Computadores.

E pouco tempo após eles mandarem seu primeiro foguete tripulado para o espaço, o sujeito do pet shop terminou de fazer a conta e me disse o valor.

- Você pede para trazerem troco para cem reais?

- Peço. O senhor vai pagar como?

- Oi?

- Dinheiro? Cheque? Cartão?

- É... Eu pedi troco para cem reais.

- Sim. Qual a forma de pagamento?

- ...

- Senhor?

- Oi, desculpe. Eu estava olhando para os céus e pensando porque é sempre comigo.

- Como?

- Nada. A forma de pagamento é dinheiro.

- Sim, senhor.

- Certo.

- Algo mais?

- Não. Acho que não. Não sei mais.

- Certo. À tarde o seu pedido será entregue.

- Ok.

- Obrigado.

E desligou. Assim, sem grandes cerimônias, como se a conversa não tivesse sido a mais estranha do ano. Na verdade, para ele deve ter sido algo normal. Todas as conversas que ele tem no telefone, com qualquer outra pessoa, sobre qualquer outro assunto, devem ser assim.

E será assim na próxima vez que eu ligar lá. Querem apostar?

Afinal, não é acaso. É carma. Só pode ser.


Em tempo: para não dizer que passei a semana passada em branco, tem texto meu no Papo de Homem, sobre a primeira foto nua que vazou na história. Basta clicar aqui para prestigiar.

51 comentários:

Chico disse...

Fazia um bom tempo que eu não ria tanto assim aqui no Champ.

Adônis disse...

HAHAHAHAHA Ri muito! Fico me perguntando como foi o diálogo verdadeiro, mas, na verdade, não importa, sua versão com certeza é mais engraçada!
Abs

Alan (FFC) disse...

Não posso ler esses textos no trabalho, é quase impossível não dá risadas altas...kkkkkkkkkkk

R. disse...

welcome back. esse texto é vc no seu estado puro. ri litros. :)

Danilo Machado disse...

Ainda vou perder meu emprego lendo seus textos no trabalho...
Muito bom.

Bruna Colle disse...

Como sempre, adoro seus textos!

Ana Claudia Savini disse...

E você me fez gargalhar no meio da obra (li no celular enquanto esperava um teste de vazamento de gás ser feito)logo depois que eu engasguei dentro do elevador na frente do técnico do gás...

Mary Farah disse...

HAHAHAHA Rob! Só por deus!
Depois se possivel, de maneira obscura e secreta, PELO AMOR, me diz qual PetShop que é pra eu não ligar lá! kkkk
Obrigada pelo texto tão bom!
Bjos pra todos...

Karina disse...

Isso que falaram ai acima: Rob Gordon na sua melhor forma.

Bia (@beatrisgn) disse...

Rob, obrigada. Eu realmente estava precisando gargalhar!

Claudia Moreira disse...

Ri muito, adorei! Vai ver o "call center" desse pet shop foi mesmo terceirizado para outro país!

disse...

E eu rí tanto que o chefe veio ver o que eu estava lendo, e ele riu, e bom, o escritório virou um circo.

Muito bom, estava com saudades desses causos bacanas de inacreditável sorte que você tem na vida!

Ah, e é por isso que quando eu vou comprar ração pras minhas cachorras (2 sacos de 15 kgs, não 15 sacos de 2kgs cada) eu prefiro fazer esforço e ir de carro, pegar o saco no estoque, levar até o caixa, e levar até o bagageiro do carro. Sem mulas e aliens no meio do caminho.

Elise disse...

Eu comecei a rir igual uma retardada aqui em casa, e as duas moças que moram aqui também me olharam com cara de "oi?"... passei o texto pra elas lerem e prevejo uma explosão de risadas nos próximos minutos...

Aliás, quantos cachorros tem no quintal da sua casa? o.O

Varotto disse...

Cara! Chovendo no molhado: nem dá para comentar alguma passagem específica porque esse é um dos seus melhores textos.

O cara que atende é o mesmo que faz a entrega? Se não, você pode, um dia desses fazer um pedido e, quando ele for entregar, eliminar e enterrar o corpo.

É lógico que vai ter de fazer o pedido de um telefone descartável e mandar entregar em um terreno baldio isolado (Law and Order mode: ON), mas se dá um jeito.

Mas do jeito que a coisa vai para você, é capaz de um feladaputa de um cachorro desenterrar o cara e entregar na sua casa...

Hydrachan disse...

Oh my... Tenho o mesmo sentimento de desespero toda vez que preciso falar com a Oi no telefone... Será que é o mesmo atendente? XD

Eu sugiro que compre um carro, Rob, e passe a buscar a ração você mesmo.

^^/

Kel Sodré disse...

Gente, o Varotto é meu alterego. Ele sempre fala o que eu gostaria de falar!

Eu sempre comento sobre uma ou outra passagem que eu gostei mais, mas desta vez, concordo que não dá! Tá tudo muito bom! A parte dos votos de casamento é impagável, a parte da conta é sen-sa-cio-nal, a parte da forma de pagamento é inacreditável, tem tanta coisa pra ressaltar que vou acabar ressaltando o texto todo.

E, Rob, você tinha razão: eu, de fato, gostei deste! =) (Gostei do outro também, mas o meu fraco é pelos divertidos. hehe)

Kel Sodré disse...

Ah, gente!! Tô começando uma campanha e quero uma força dos leitores do Champ!

Tá rolando um concurso que vai dar a alguém o PRIVILÉGIO de ir ao casamento do Belo (o pagodeiro que foi preso, sabe qual?).

Quem acha que o Rob Gordon deveria se inscrever nesse concurso levanta a mão!!!

o/ o/ o/ o/ o/ o/ o/ o/ o/ o/ o/ o/ o/

PS: Lembrando que, do jeito que ele é cagado de urubu, ele iria ganhar. E a gente também iria ganhar: uma série IM-PA-GÁ-VEL aqui no blog. hehe

Camila disse...

Li o post na biblioteca e todo mundo ficou me olhando. Devem ter pensado: "do que essa louca está gargalhando?"

Sério, Rob, chorei de rir. Karma is a bitch, mesmo. =P

Marina disse...

Se fosse meu eu, a ligação teria caído umas duas vezes ainda, só pra atrapalhar mais.

Muito bom, Rob. Ri demais.

Dr. Hardman disse...

Rob,Tente por carta. Deve ser mais rápido... O atendente não precisa ouvir bem para recebe a correspondência, latir para o carteiro, entrega o pedido a alguém que saiba ler, e essa pessoa faz o resto do trabalho.

Otavio Oliveira disse...

Saudades do Champ! haha

To sentindo falta de textos sobre os outros cachorros. Besta fera vai ter ciúmes?

Winnie Affonso disse...

hahaha
Ótimo!
Pelo menos o troco pra R$100 veio certo?

Michele disse...

o legal é q o Rob se mudou e as esquisitices se mudaram com ele.

o Jonas já se manifestou?
ou o cara do China in Box?
e as carolinas na padaria?

Lilian disse...

MAUHAUHAUHAUAHUAHAUHAUAHUAHAUHAU

Tava com o note no colo e quase o derrubei de tanto rir.

Obrigada, Rob. Sua "desgraça" é a nossa diversão.

Abs!

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Engraçado como a gente se condiciona rir. Eu já estava rindo quando você escreveu:

"Tremi na base."

Não porque isso seja engraçado, mas porque já sabia o que viria pela frente.

O champ é foda =)

Rob Gordon disse...

Chico:

Valeu, cara! Que bom que curtiu!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Adônis:

Confie em mim: o diálogo verdadeiro foi mais confuso ainda!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Alan (FFC):

Valeu, cara!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

R.:

Você não sabe a importância que tem ler um comentário desses aqui! Obrigado. :)

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Danilo Machado:

Sorry pelo inconveniente (aka que bom que gostou)!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Bruna Colle:

Que bom! Espero você de volta aqui!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Ana:

Era o mínimo, né? Afinal, eu que liguei pro alien! :)

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Mary:

Tem certeza de que você não quer ir? Os preços são ótimos, e o atendimento é... É... Deixa para lá.

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Karina:

Obrigado, de verdade!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Bia:

Que bom que conseguiu! Fico feliz!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Claudia Moreira:

Na verdade, acho que não é bem outro país. Pense maior. Pense em sistema solar. :)

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Fê:

Que bom que curtiu! Mas pense pelo lado positivo: se eu não tivesse ligado para o cara, este post não teria rolado!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Elise:

Tem três cachorros aqui. Espero que tenha rolado a explosão!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Varotto:

Valeu pelos elogios, cara! Vindo de você, leitor antigo daqui, conta muito!

E, cara, não é a mesma pessoa não. Eu pensei nisso logo depois de desligar o telefone (nisso = "se é o mesmo cara" e não "matar o cara"), mas o que veio entregar falar português.

Valeu!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Hydrachan:

Olha, não sei se é a mesma pessoa. Mas, pelo que vejo dos atendentes da Tim, eles certamente vêm do mesmo planeta. Talvez o povo da oi venha na mesma nave.

E quanto a comprar um carro. isso implica em grana e, bem... Blogueiro, jornalista... Sabe como é, né? :)

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Kel:

Por partes. Primeiro, fico feliz demais que tenha gostado a ponto de nem conseguir escolher a melhor parte.

Já a respeito do seu segundo comentário... Olha, graças a Deus que isso já aconteceu! Nunca mais dê uma ideia dessas aqui! :)

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Camila:

Que bom que gostou! E sim... Karma is a hell of a bitch.

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Marina:

Ta aí: sempre pode piorar, né?

Que bom que gostou, fico feliz!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Dr. Hardman:

PROMETO que tentarei isso na próxima vez!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Otavio:

Besta-Fera com ciúmes? De onde você tirou essa ideia? :-)

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Winnie Afonso:

Surpreendentemente, veio. Não sei como, mas veio.

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Michele:

As esquisitices sempre andam comigo, há anos. E aquelas que ainda não se manifestaram certamente estão planejando alguma coisa. Pode esperar.

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Lilian:

Sempre às ordens. Por bem ou por mal. :)

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Pedro:

Valeu, cara! Feliz que tenha curtido!

Abraços!

Rob

Dani Cavalheiro disse...

Rob Gordon. Status: precisando de uma metralhadora. hahaha

Ô fase (que não passa)!

Beijos

Rob Gordon disse...

Dani Cavalheiro:

Um lança-chamas caía bem também! :)

Beijos!

Rob