30 de março de 2012

Para Mim, Para Vocês

Sempre é só para mim.

Sempre é só para vocês.

Para mim, pois às vezes eu já acordo com vontade de escrever. Apenas escrever, sobre qualquer assunto. Eu sei me expressar de muitas formas, mas sentado à frente de um teclado e brincando de frases e palavras, é onde me sinto totalmente à vontade.

Para vocês, pois se existe algo que pode mudar o dia de uma pessoa é um texto. E parto do princípio que quem possui este poder precisa usá-lo com responsabilidade, o que envolve não apenas criatividade como também doses maciças de sensibilidade e sinceridade.

Para mim porque eu não consigo viver sem a sensação de poder criar mundos e diálogos que tornam o meu dia mais divertido. Porque sou amigo de todos meus personagens, pai de todos os meus textos e adversário do texto que ainda não foi escrito.

Para vocês porque os comentários que vocês deixam aqui me motivam a escrever cada vez mais. Eu escrevo sempre como forma de agradecimento pelo elogio recebido. Por todos eles, por cada um deles. É o mínimo que eu poderia fazer.

Para mim porque preciso me desafiar. Seja para fazer um texto diferente de tudo o que fiz, seja para vencer o efeito colateral do remédio que inibe a minha criatividade e ainda me impede de ver textos se formando à minha frente o tempo todo.

Para vocês porque textos foram feitos para encantar. Sejam engraçados ou mais tristes, sejam sombrios ou mais coloridos, textos precisam mudar o dia de quem o lê. Assim, gosto de presentear cada um de vocês com o texto que eu gostaria de ler.

Para mim porque não existe nada mais divertido que escrever. Dou risada ao escrever, assim como me encanto criando diálogos rápidos e até mesmo brinco de colocar pessoas reais, dentro de cada um dos textos que escrevo.

Para vocês porque seria egoísmo demais esconder de vocês as histórias em que eu me ferro na rua ou num mercado, e seria burrice guardar dentro de mim os textos que se escrevem quase sozinhos, por refletirem justamente o que sinto.

Para mim porque a sensação de leveza que eu tenho após terminar um texto chega a ser incomparável. Dias com textos são dias mais leves, mais tranquilos, com sabor de dever cumprido. Dias sem escrever são acinzentados.

Para vocês porque a graça de contar histórias não é a verdadeira se ela não compartilha as risadas e lágrimas de cada cena. Pois a vida de um personagem surge apenas quando ele cativa o leitor, tornando-se amigo dele em algumas poucas linhas.

Para mim porque às vezes quero brincar de construir mundos, mas, por outro lado, em alguns momentos eu preciso literalmente vomitar um texto sobre determinado assunto. E ainda me encanto, feito criança, com o fato das frases praticamente se formarem sozinhas.

Para vocês porque cada risada que eu dei ao escrever e cada lágrima que derrubei no meio de um texto já foram gargalhadas e choradas por pelo menos um de vocês, aí deste lado da tela. E não existe mágica maior que essa. Seja para quem escreve, seja para quem lê.

Sempre é só para mim.

Sempre é só para vocês.


(Este texto é dedicado a quem escreve por amor.
E, claro, a quem lê por prazer.)

25 comentários:

Renata de Toledo disse...

AH ROB!

Chorei de soluçar aqui! Você me dá a impressão de que fomos separados na maternidade, leio você como quem lê a carta muito esperada de um irmão querido.

Obrigada, irmão querido!

Unknown disse...

Pode ter certeza que seus textos não fazem somente o seu dia ficar mais leve, eles tornam o dia de cada um dos seus leitores melhor e mais alegre.

Realmente admiro sua capacidade de produzir textos assim, criativos, variados e excelentes.só tenho a agradecer por estes dois blogs que você mantém.

E não pare!

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Ou para quem le por amor, e pra quem escreve por prazer.

Giovana disse...

É por isso que todos os dias sua pagina é aprimeira que eu acesso. Porque vc tem sintonia com seu leitores!

Brunín Assis disse...

E a gente sempre volta aqui por nós, por você.

Por nós porque cada texto seu mexe com a gente de alguma forma. Gera risadas inapropriadas no local de trabalho, emociona, traz leveza pro nosso dia, nos faz pensar.

Por você, pois nos importamos com essa pessoa aí atrás do texto. Gostamos da te fazer companhia e sabemos que ela é importante para você.

gilgomex disse...

Para nós porque você phoda ao escrever sobre qualquer coisa. Nosso dia fica mesmo mais interessante depois de um texto seu. Eu prefiro os alegres, mesmo que eles sejam alegres pra gente em cima de algo trágico para o seu dia, quem manda a tragédia ser mais divertida...?

Pra você porque você é phoda... E sabe disso.

Aline Cruvinel disse...

Leio seu blog desde 2007. Quando eu tenho saudade, e vontade de ler textos realmente bons na blogosfera, é aqui que eu venho bater.

Varotto disse...

Para mim porque, na minha visão, é melhor que os desastres tenham acontecido com você do que comigo.

Para você porque não é possível que você não possa tirar alguma coisa de bom do fato de se f#*&%$ tantas vezes assim.

Para mim porque posso tirar onda de ter um amigo que escreve assim tão escrotamente bem.

Para você que pode (embora não queira) tirar onda de escrever assim.

Para mim porque, agora, toda vez que vou a Sampa tenho quem procurar para falar umas besteiras e comer um boi morto.

Para você, que de vez em quando tem de aturar um cara falando besteiras no seu ouvido e te fazer sair da dieta (Chupa! mode: on)

Para mim porque sim.

E para você, por que não?

P.S: Confirmado: dia 10 estou chegando aí e vou ficar hospedado em um hotel pertinho da sua casa antiga (e do Degas). Pena que você não esperou umas semanas para se mudar. Outra hora te ligo para acertar os detalhes...

Rob Gordon disse...

Renata de Toledo:

Muito obrigado pelo seu comentário lindo! Acho que esta é a maior força que um texto pode ter: aproximar as pessoas. E isso independe do texto ser engraçado, triste, sério... Tudo o que ele precisa é ser honesto e sincero, que é o que sempre tentei fazer aqui. Obrigado, mais uma vez!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Unknown:

Muito obrigado pelos elogios. E, pode ter certeza de que se meus textos fazem vocês se sentirem da mesma forma que eu ao escrevê-los, dificilmente eu vou parar de escrever. Afinal, este é justamente o objetivo de cada texto publicado aqui ou no Chronicles.

Muito obrigado pela palavras.

Rob

Rob Gordon disse...

Pedro:

Ou (justamente) isso.

Abraços, cara!

Rob

Rob Gordon disse...

Giovana:

Muito obrigado! Mais do que tentar entender o que vocês leitores querem ler, é uma tarefa deliciosa tentar escrever isso casando com o que eu gostaria de ler. Espero que esteja conseguindo!

Beijos!

Rob

Dani Cavalheiro disse...

Sempre é só para você, sempre é só para nós. E sempre é incrível.

Parabéns, Rob, e muito obrigada!

Beijão!

alice_ disse...

dói não escrever e sorrimos. porque a vida é escritura, em fardos rugas e agrados, tudo isso que já não nos basta. a própria vida já não nos basta.

Camila disse...

Ah, Rob. Você adora fazer a gente chorar, né?

"Para vocês porque cada risada que eu dei ao escrever e cada lágrima que derrubei no meio de um texto já foram gargalhadas e choradas por pelo menos um de vocês, aí deste lado da tela. E não existe mágica maior que essa. Seja para quem escreve, seja para quem lê."

Obrigada por continuar escrevendo.

bjo

Rob Gordon disse...

Brunín Assis:

Muito obrigado, cara. Não apenas pelos elogios aos meus textos, mas por esta companhia que sim, vocês fazem a cada texto e que sim, é muito muito importante para mim - e não apenas como escritor!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Gomex:

Valeu, cara! Quanto a eu escrever sobre "qualquer coisa", é como eu sempre disse: acho que toda história está esperando para ser contada, basta achar o jeito que ela quer ser contada! E o fato dos meus textos tornarem os dias dos leitores mais interessantes... Cara, nem tenho palavras para agradecer a isso. De verdade.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Aline Cruvinel:

E lá se vão cinco anos lendo meu blog. Que venham outros cinco - e eu estarei aqui dando o melhor de mim para cumprir suas expectativas por textos bons!

Beijos e muito obrigado!

Rob

Rob Gordon disse...

Varotto:

Já que eu consigo transformar os desastres em textos, ao menos que eles aconteçam comigo, mesmo, né?

Mas, falando sério agora. Obrigado, não somente pelos elogios, mas - principalmente - pela amizade. Isso vale mais que qualquer texto, escrotamente bem escrito ou não.

Valeu!

Rob

Rob Gordon disse...

Dani Cavalheiro:

Que seja para mim, que seja para vocês... Que seja para sempre.

Muito obrigado!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Alice_:

E quando a vida já não basta, é a hora de escrever.

Muito obrigado!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Camila:

Juro que a ideia não era fazer vocês chorarem - mas, se foram lágrimas boas, tanto melhor!

Obrigado por ler. Sempre.

Beijos!

Rob

Iza disse...

Bom, não sei se lembras de mim? Acho que não. Eu virei borboleta. (risos)

Cara, eu sofri disso que tu estás enfrentando e te acompanho há mais quatro anos. Os efeitos colaterais disso foram os meus vários blogs apagados na Web. na vida cotidiana o estrago foi maior

E sim, leio por prazer e nem sempre comento. Li sobre o ápice do que estavas enfrentando, mas sabe como é na época eu estava muito ruim disso também e não podia te dizer nada que ajudasse.

Mas aqui torcendo para que tudo melhore aí e lendo como sempre.

Bom, eu vou deixar um beijo, porque sou apenas uma borboleta mesmo. Rá!

Rob Gordon disse...

Iza:

Seja bem vinda de volta - espero que agora as coisas estejam melhores por aí! Obrigado não apenas por nunca ter parado de acompanhar o blog, e, especialmente, pela torcida!

Beijos!

Rob

Maurilio Resende disse...

O carinho e a sinceridade dos textos em que você fala sobre a sua paixão pela escrita são cativantes. Me inspiram a continuar fazendo o que faço, a trabalhar para vencer meus bloqueios e encontrar as palavras que anseiam por ser escritas.

"Dias sem escrever são acinzentados.", e dias sem um texto do Rob também. ; )