1 de janeiro de 2012

O Primeiro Post do Ano


É o primeiro réveillon do qual me lembro.

Não sei se eu já contei esta história aqui, mas se contei, me perdoem, porque faz tempo.
Eu devia ter coisa de três ou quatro anos e estávamos na casa de uma tia minha. Era uma época na qual a família inteira se reunia, tanto no Natal como no Ano Novo.

Neste réveillon, me lembro de que não entendia direito o que estava acontecendo, para que estivéssemos todos reunidos. Mas, claro, eu estava gostando. Afinal, era a criança mais nova da família, era o xodó da casa. E assim foi até eu ter oito anos, quando meu primo mais novo nasceu.

Recordo muito pouco desse Ano Novo. Minha memória desta época é composta de muitas imagens e poucas cenas. Mas me lembro com clareza da minha mãe se aproximando de mim – calculo que já passavam das 23h00min – e dizendo a mim que logo o Ano Novo chegaria.

Eu não entendi direito o que ela queria dizer. Mas, mesmo criança, eu sentia o clima de mudança no ar. A esperança e o amor eram quase palpáveis, mais que nos outros dias.

E aí meu cérebro de criança começou a funcionar, e eu imaginei que o tal Ano Novo seria uma espécie de raio colorido que passaria pintando a casa em que estávamos e o mundo, feito as propagandas em que o carro, passando por uma cidade em preto e branco, deixa as ruas e os prédios coloridos.

Cores novas. Vidas novas. Ano Novo.

E eu fiquei pacientemente esperando pela onda de cor que passaria por mim. Provavelmente, seria a coisa mais bonita que eu iria ver na vida – afinal, nós estávamos reunidos justamente por causa disso.

Esperei. Esperei. Esperei.

E nada das cores.

De repente, todo mundo começou a se abraçar e a se beijar. Gritos, copos batendo. E eu ali no meio, sem entender direito, preocupado em não ver as cores chegando.

Foi quando minha mãe se abaixou ao meu lado e – lembro como se tivesse acontecido agora mesmo – segurando meu queixo, me beijou no rosto.

- Feliz Ano Novo, ela disse.

Eu não soube ao certo o que dizer, mas fiquei triste. Ou melhor, decepcionado. Porque as cores haviam passado e eu não havia visto nada.

E eu, criança, queria ter visto as cores novas.

Mais de trinta anos depois, já adulto, eu as vi. Foi agora, trinta minutos atrás.

Não chegaram do jeito que imaginei, feito ondas.

Mas coloriram tudo por onde passavam, explodindo e brilhando; pintando o mundo ao seu modo.

E deixando no ar amor, esperança e os sonhos de um futuro melhor.

Feliz Cores Novas!


29 comentários:

Cesar da Mota Marcondes Pereira disse...

Amor não se mede no tempo, mas sim nas marcas que ele deixou na gente!

Feliz 2012, como desejado anteriormente!!

Arielle disse...

Feliz cores novas! Especialmente agora =)

Rob Gordon disse...

Cesar:

Feliz 2012 para você também!

Rob

Rob Gordon disse...

Arielle:

Que seu 2012 seja repleto de cores lindas e vivas!

Beijos

Rob

Lucas Santos disse...

Isso pode se chamar tranquilamente de crônica poética. Independente da data, new colors for you too, guy. :)

Rob Gordon disse...

Lucas:

New colors para todos nós! Muito obrigado pelos votos, e tudo de bom para você!

Abração!

Rob

Irmão do Rob disse...

Cores....????

o que é isso? rsrsrsrs

Feliz Ano novo saco de merda.....

Que 2012 seja melhor de 2011 e pior q 2013...

Ah, sempre viaje nos anos-novos.. adorei passa-lo longe de vc, inútil...

Até amanhã.. sua mãe fez uma Lazagna animal....

Beijos .'.

Rob Gordon disse...

Senhoras e senhores, o comentário acima é do meu irmão, pai do bebê que vocês acham fofo. Não é um doce de pessoa?

(Bicha, amanhã estamos por aí. Não detona a lasanha! Beijos)

Elise disse...

Feliz cores novas! =D

Claudia Iarossi disse...

Rob Gordon me fazendo chorar no 1º dia do ano.
Mas foram lágrimas coloridas. :)

Muitas cores para todos nós!!!!

Bjs

Hydrachan disse...

É uma forma bem otimista de ver o ano novo. rs
Espero que 2012 seja um ano intenso. E que você possa fazer grandes realizações. ;)

Bjs!

Natalia Máximo disse...

2012 ta aí para ser um ano muito melhor, porque você merece, cara. Taí também pra gente concluir todas as discussões de mesa de bar que começamos em 2011 e iniciar novas, ok?

Excelentes Cores Novas para todos nós!

Varotto disse...

Pô, fiquei emocionado...

... e com inveja.

Ninguém nunca me chamou assim de saco de merda inútil na frente de todo mundo...

Rob Gordon disse...

Elise:

Que suas cores novas sejam suas preferidas, e que suas cores preferidas brilhem muito em 2012!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Claudia:

Sei que vai parecer frase de biscoitinho da sorte, mas cada lágrima colorida vale um milhão de sorrisos em preto e branco!

Feliz Ano Novo!

Beijos!

Rob

Alan (FFC) disse...

Um pouco atrasado mas como diz o ditado, antes tarde... rs. Comecei a ler seus textos no Malvadezas, passei a comentar e virei um leitor assíduo... rs

Feliz 2012 para vc e para os outros leitores do Blog.

Alan

Rob Gordon disse...

Hydrachan:

Depois do ano que passei, ver 2012 com otimismo se tornou quase uma obrigação para mim. E que as realizações (tanto minhas como suas) venham da forma e na hora certas!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Natalia:

Poucas coisas me contaram tanto neste Ano Novo quanto este simples "você merece, cara". Obrigado, de verdade, por isso.

E você também merece. Muito. E, no que depender de mim e da Ana, suas cores serão maravilhosas - e sempre com papos cada vez melhores e cada vez mais frequentes!

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Varotto:

Existem coisas que só a Litte Miss Sunshine do meu irmão é capaz de fazer.

Feliz Ano Novo, meu irmão.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Alan (FFC):

Obrigado pelo prestígio!!! E que o seu Ano Novo seja sensacional também!

Rob

Larissa Bohnenberger disse...

Feliz Cores Novas, Rob. Que 2012 venha para renovar.

Bjs!

Giovana disse...

Preciso admitir que _ apesar de ser uma pessoa que a maioria que conhece acha muito séria, exigente, metida a intelectual e chata - quando leio seus textos sinto uma felicidade quase infantil, tenho vontade de sair saltitando e balançando os braços pelo escritorio (como faz minha filha de 6 anos qdo sai pra passear). Acho que é isso, ventila meu cerébro como uma caminhada ao ar livre...

Giovana disse...

Ah! Um Ano de 2012 abençoado e leve para todos!!!!!!!!

Kel Sodré disse...

Ah, então você achou MESMO que eu não iria vir aqui te desejar feliz ano novo, né? Tsc, tsc, tsc Só hoje coloquei no Armário minhas resoluções de ano novo, então 2012 está começando agora. haha

Rob, gosto muito dessa analogia com as cores. Gostei demais do texto da criança sem cores e gostei demais deste texto também. Eu sou uma pessoa muito visual, então as cores pra mim representam muito. E você, mais uma vez, verbalizou uma coisa que eu sentia, mas não conseguia colocar em palavras: essa coisa do ano novo passar colorindo a vida, retocando os desenhos desbotados. 2011 jogou muita água na minha aquarela, então vai ser bem bom que 2012 seja uma caixa de tintas a óleo, para serem usadas concentradamente. Quero que meu 2012 seja um Tondo Doni, do Michelangelo (http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/4/48/Michelangelo_Buonarroti_-_Tondo_Doni_-_Google_Art_Project.jpg/1020px-Michelangelo_Buonarroti_-_Tondo_Doni_-_Google_Art_Project.jpg).

E, como te quero bem, bem, bem, não te desejo nada de diferente do que eu desejo para mim. Assim, um ano-tondo-doni pra gente! :)

Rob Gordon disse...

Larissa:

Que as cores do seu 2012 sejam leves, pacíficas e muito intensas!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Giovana:

Com este seu comentário, eu poderia encerrar o blog e declarar "missão cumprida". Porque.... Sabe... acho que existe uma diferença entre o
"escrever" e o "ser lido".

Enquanto as pessoas que buscam "ser lido" precisam de elogios atrás de elogios, aqueles que sentem prazer simplesmente em escrever querem apenas que o texto mude um pouquinho o dia do leitor, de preferência para melhor. Neste comentário, você descreveu exatamente não apenas a forma que sua filhinha passeia, mas a forma que me sinto quando escrevo determinados textos. E este foi um deles.

Muito obrigado pela mensagem, e que o seu 2012 seja muito, muito abençoado!

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Kel:

Lembro bastante do seu comentário sobre a criança e sem cores e este que você deixou aqui pode ser quase como uma sequência.

Na verdade, a forma que eu via o Ano Novo quando era criança era muito mais simples, mas o seu "colorindo desenhos desbotados" empresta uma poesia muito bonita ao pensamento.

E gostei muito da analogia que voce fez, sobre a água na aquarela - especialmente porque é uma maneira de definir boa parte do meu 2011. Assim, eu desejo o mesmo para você:

Que nosso ano seja um ano-tondo-doni, repleto de tintas a óleo... Mas que nunca nos esqueçamos do poder de encantamento de uma simples caixinha de cor.

Beijos e um 2012 maravilhoso para você!

Rob

Bruna Amaral disse...

Infelizmente 2012 já começou com tragédia! =/

Rob Gordon disse...

Bruna:

Aqui começou sem tragédia, graças a Deus.

Beijos!

Rob