26 de junho de 2011

Catú

Você nem faz ideia disso, mas esta semana o grande assunto da minha família foi você.

Na verdade, você é o grande assunto desde o dia daquele Brasil X Holanda. Mas, esta semana, algo diferente aconteceu. Eu não estava lá para ver, mas já fiquei sabendo. Todos nós soubemos que, em algum momento desta semana, você apontou o dedo na direção do gatinho da sua avó e disse:

– Catú!

É uma palavra pequena e que nem mesmo faz muito sentido (apesar de ser extremamente gostosa de ser dita), mas que nos ensinou muita coisa. Mais do que provar que você está aprendendo a falar, mostrou a nós que o tempo realmente passa para todo mundo. Até mesmo para você que, por ser tão pequenininho e inocente, sempre havia passado a impressão de desafiar – e vencer – os ponteiros do relógio que insistem em virar.

Porque foi com esta palavrinha que percebemos que já faz meses que você está aqui. Quase um ano, na verdade. E isso foi tempo suficiente para você escolher uma única palavra, “Catú”, que será a primeira de tantas outras que você irá falar na vida.

Logo, você começará a aprender os nossos nomes, os nomes das cores e dos números, os nomes dos seus brinquedinhos. Vai descobrir que tudo ao seu redor tem um nome. Até mesmo você. Com o passar dos anos, você irá se apaixonar por trechos de livros, frases de filmes e versos de músicas.

Assim, você descobrirá palavras novas todos os dias.

Assim, você encontrará as suas próprias palavras.

Exatamente como qualquer pessoa. Exatamente como seu tio.

Você ainda não sabe disso, mas sou apaixonado por palavras. E talvez eu tenha me apaixonado desta forma no momento em que descobri ser impossível viver sem elas. Elas são meu elemento natural. Na verdade, posso dizer que minha vida não são apenas palavras, mas que palavras são a minha vida.

Espero que, se um dia você ler algo que escrevi, sinta orgulho. Mas que este orgulho não seja pela forma que uso as palavras, que não esteja ligado a elas serem bonitas ou ordenadas de forma elegante, mas sim por serem sinceras. Porque eu, seu tio, sou exatamente aquilo que sinto; e o que sinto é exatamente aquilo que escrevo.

Mas não é porque sou apaixonado pelas palavras que isso quer dizer que eu as domine. Aliás, eu não faço questão de dominá-las. Gosto de usá-las, de brincar com elas, até mesmo de me expor por meio delas, mas jamais dominá-las. Mesmo apaixonado por elas, existem momentos nos quais eu acho difícil encontrar a palavra certa. Nem sempre consigo, mas jamais tento forçá-las a se transformarem em algo que elas não são Seria capricho da minha parte.

Sou apaixonado por elas, e o segredo de estar apaixonado é justamente não tentar dominar ou transformar, mas sim (e apenas) querer se entregar.

Sou apaixonado por ela e, por isso, quero dar um conselho a você: jamais se esqueça de que as palavras são algumas das coisas mais importantes da vida. Pense sempre antes de usá-las, e use-as sempre da forma mais verdadeira do mundo.

Porque palavras podem ser fortes. Muito mais fortes e poderosas do que você imagina.

Palavras podem formar poemas, músicas e textos lindos. Mas palavras podem partir um coração e esvaziar a alma de alguém. Palavras podem cativar um sorriso que durará por anos, mas também podem provocar rios de lágrimas. Algumas palavras podem destruir um sonho, enquanto outras acolherão mais que um abraço. Existem palavras duras e palavras macias; existem palavras ásperas e palavras amorosas. Mas elas sempre precisam ser verdadeiras.

Por outro lado, às vezes você descobrirá que as palavras são desnecessárias. Existirão ocasiões em que um abraço, um olhar ou um entrelaçar de dedos dirá mais que qualquer palavra. Às vezes, você descobrirá que elas são insuficientes. Nunca criaram uma palavra para descrever plenamente o amor, a tristeza ou a saudade, por exemplo.

Mas, na maior parte das vezes, as palavras funcionarão muito bem. Use-as com sabedoria e com amor. Cada palavra que você usar precisa ser escolhida com cuidado e carregada de amor, porque não existe nada mais sincero no mundo inteiro que o amor. A sinceridade de suas palavras nada mais é que a consequência da sinceridade que você sente. Seja sincero com você mesmo e suas palavras serão sinceras, sempre.

Pense antes de escolher suas palavras, mas escolha-as sempre com o coração.

Neste exato momento, enquanto escrevo isso, é bem provável que seus melhores amigos e o amor de sua vida estejam aprendendo as suas primeiras palavras. Com o tempo, eles, assim como você, descobrirão outras. E as palavras deles serão tão importantes, na sua vida, quanto as suas próprias.

Com palavras sinceras você se aproximará dos seus amigos e conquistará o amor da sua vida. Com palavras sinceras você confortará seus amigos e cuidará do amor de sua vida. Com palavras sinceras você gargalhará numa mesa de bar com seus amigos e sonhará abraçado com o amor da sua vida.

Com palavras sinceras você será amigo para sempre e amará eternamente.

Com palavras sinceras você será feliz. Com palavras sinceras e carregadas de amor, você será feliz todos os dias, mesmo naqueles em que as derrotas lhe deixarão sem palavras. Afinal, mais que do que serem simples palavras, "amor" e "sinceridade" são a forma correta de usar todas as outras palavras que você descobrir.

Amor e sinceridade: a única regra gramatical que não pode ser ignorada jamais.

Curiosamente, eu, que sou tão apaixonado por palavras, não sei qual foi a primeira que falei. Não faço ideia de qual foi a palavra que deu origem a tudo o que me tornei hoje. Nestes dias, cheguei até mesmo a perguntar para sua a avó, mas ela também não se lembra. Assim, eu posso apenas esperar ter acertado em todas as outras que vieram depois. E saber que fiz o melhor que pude.

Quanto a você... Bem, você ainda não precisa se preocupar com isso. Com o tempo você não apenas encontrará as suas palavras, e, principalmente, descobrirá quais as pessoas que merecerão ouvi-las, e que darão o valor adequado a cada uma elas.

Mas você não precisa pensar nisso agora. Você tem todo o tempo do mundo, exatamente como eu já tive um dia. Mas quero que saiba que a palavrinha que você escolheu para começar tudo isso, estará guardada aqui, neste blog. Para sempre.

“Catú”.

Esta foi só a primeira. Que venham as próximas.


Words are flowing out like endless rain into a paper cup,
They slither while they pass they slip away across the universe.


15 comentários:

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Gatú.

Mariana Paschoal disse...

Lindo, Rob!

Vou salvar este texto e mostrar pro meu filho, no dia em que ele existir... =)

Otavio Oliveira disse...

arrepiante. sortudo este garoto.

Alessandra Costa disse...

Nossa, ele já vai fazer um ano? Me lembro quando ele nasceu...
E ele vai ter orgulho, tenha certeza disso.

Tyler Bazz disse...

E vão ter as horas que ele vai saber milhares de palavras, mas vão todas fugir.

Mas é cedo ainda, ele tem tempo.

Cora disse...

No exato momento em que eu comecei a ler este texto começou uma chuva torrencial. Dentro da minha janela poderia se esperar. Mas foi a chuva que caiu fora dela que me impressionou.
A leitura do texto que fala de palavras, e da escolha das palavras. Que fala da descoberta das palavras enquanto ainda se tem a inocência. Enquanto ainda não se sabe o peso que as palavras ou a ausência delas tem. Lindo texto (encaixe seu nome aqui), lindo texto. Me emocionou. Fez chorar a mim e a minha porção de céu.

Ana disse...

A sorte de se ter um tio que registra para sempre esses momentos únicos do sobrinho no blog da forma mais linda do mundo e que ele um dia vai ler e mostrar para todo mundo com muito orgulho: "Foi o meu tio Rob quem escreveu para mim".

Ennio disse...

Não dá pra comentar muito. Vou só te dar os parabéns por você e sua paixão, a palavra, no caso, se darem tão bem! hehe

Mari Hauer disse...

Depois que terminei de ler esse texto eu fiquei imaginando qual foi a primeira palavra que eu falei. Mas não faço a mínima ideia. Fiquei imaginando os filhos que eu não tenho aprendendo a falar também.
Mas sabe... você disse que não se imagina vivendo sem as palavras. Eu até concordo com você... Mas existem momentos que palavras são desnecessárias pro entendimento, que não é preciso se expressar de forma verbal e coerente pra se fazer sentido, pra se sentir. Lembro de um texto que vc escreveu da "menina que sorria com os olhos" e lembrei que sempre quando vejo uma criança (e eu amo criança!) eu me comunico com elas, muitas vezes sem palavras. Só com caretas, com gestos, com carinho.
Então, eu ainda acho que seu maior dom não é colocar no papel tantas palavras bonitas e escrever textos impecáveis, que me fazem rir, chorar, pensar, sentir... Seu maior dom é sentir. Sentir tanto que precisa transbordar. Assim, como você fez aqui... E é disso que o seu sobrinho lindo terá orgulho: do tio que de tanto que sente, transborda. E registra de forma tão linda os momentos que ele não vai lembrar. Orgulho de ter um tio sensível e gente, que estará ao lado dele pra emudecer ou escrever, quando for necessário.

Varotto disse...

Cara, demais!

Como a Ana disse aí um pouquinho mais acima, esse texto registra este momento de uma forma que nem mesmo uma foto, aquelas que valem mais do que mil palavras, poderia fazer (até mesmo porque seu texto tem mesmo mais de mil palavras).

Gostei muito quando você escreveu "Neste exato momento, enquanto escrevo isso, é bem provável que seus melhores amigos e o amor de sua vida estejam aprendendo as suas primeiras palavras."

Apesar de alsolutamente óbvio e teoricamente banal, é um conceito é interessantíssimo.

Às vezes me pego pensando em quanta gente que eu não conheço, e que está espalhada aí no mundo, um dia ainda vai acabar fazendo parte da minha vida.

E as possibilidades disso, para quem ainda está começando a vida, são vastíssimas.

Você pode até (e vai) ensinar um monte de merdas para essa criança, mas acho que daí vai sair também muita coisa boa...

.a que congemina disse...

Concordo grandão com as habilidades e a falta delas que as palavras têm. Você sabe usá-las com propriedade, transmite tanta coisa, que parece que a gente tá aí do seu lado.

Tendo um tio assim esse rapaz vai aprender o necessário, não há dúvida!

Hally disse...

Acho que depois desse texto, a dúvida é geral: qual foi a primeira palavra que eu disse?

E esse menininho tem sorte por ter um tio que fez questão de registrar a sua primeira palavra de uma forma bem bonita, e, como disse o Varotto, com um conceito interressante sobre encontros.

Parabéns Rob. E, mais uma vez, os comentários foram tão interessantes quanto o texto. =)

Pri disse...

E quem sabe um dia, ele com palavras sinceras escreverá um blog tão bom quanto o champ, porque é isso que o tio sempre faz!

Irmão do Rob disse...

O pai dele nunca aprendeu o nome das cores rs

Sil disse...

É lindo demais ler os textos que você faz em homenagem ao seu sobrinho.

Esse amor é lindo e é delicioso senti-lo. Quem é Tio(a) sabe.

Tenho certeza de que um dia, ele sentirá muito orgulho de seu tio e da capacidade dele em colocar em palavras um sentimento tão lindo como o amor.