5 de janeiro de 2011

Top 5 2010 - Música


5 – Muddy Waters

Se em 2009 eu comecei a ouvir blues de forma mais séria, 2010 foi o ano em que me “especializei” em alguns nomes do gênero, como John Lee Hooker e Robert Johnson. Contudo, poucas coisas foram mais tocadas na minha casa neste período que Muddy Waters. Fazendo mágica na guitarra, e com uma voz que fica no meio termo entre solidão e luxúria, Waters ganhou espaço definitivo na minha vida com músicas doloridas e quase hipnóticas, carregadas de apelo sexual e malandragem, e que servem como grande embrião do rock.





4 – The Big Four
Nascido no início dos anos 80, o trash metal norte-americano tornou-se uma das maiores vertentes do heavy metal não apenas no mundo, como na minha vida. Este show – que foi exibido nos cinemas – reúne, pela primeira vez, as quatro maiores bandas do estilo: Anthrax, Slayer, Megadeth e Metallica, tocando juntas em Sofia. Riffs alucinantes, solos enlouquecedores e um momento histórico, com membros dos quatro grupos dividindo o palco durante uma performances do hino Am I Evil, do Diamond Head.





3 – The Final Frontier
Os fãs mais xiitas reclamando de todos os discos novos do Iron Maiden, reclamando que os novos trabalhos da banda passam longe de álbuns como The Number of the Beast e Powerslave. E é verdade, visto que a banda consegue a proeza de se reinventare modernizar a cada disco, mas sem nunca deixar de soar como o Iron Maiden. Este longa, que gira em torno de ficção científica na maioria de suas músicas (o título do disco é uma referência a Star Trek) ilustra isto muito bem, sobretudo na primeira canção, Sattellite 15... The Final Frontier e sua introdução memorável.





2 – Show do Metallica
Confesso que fui ao show de forma despretensiosa, já que eu, como qualquer outra pessoa, havia me decepcionado bastante com os últimos álbuns do Metallica. Para minha surpresa, assisti a um dos melhores shows da minha vida, com uma banda que, mesmo esbanjando experiência nos palcos, tocou cada música com a garra de um grupo iniciante, alternando boas músicas do disco novo e clássicos obrigatórios – de quebra, a abertura foi com Creeping Death, minha canção preferida deles. Foi a noite em que eu e uma das bandas mais importantes da minha vida fizemos as pazes.





1 – Show do Paul McCartney
Se eu tiver que escolher o melhor show que assisti na vida, talvez eu escolha a apresentação do Iron Maiden na turnê Somewhere Back in Time. Isso porque o show do Paul McCartney não iria nem concorrer – aos meus olhos, o que aconteceu naquela noite está em outro patamar. Listar as melhores músicas ou os momentos inesquecíveis daquela noite é uma tarefa quase impossível. Mas quando você assiste a um beatle cantando A Day in the Life na sua frente, sua vida muda. E muda para o bem, pois você sabe que está vendo a história acontecer na sua frente, como para o mal, já que você sente que nunca mais verá algo parecido dentro de um show.

4 comentários:

Otavio Oliveira disse...

a única coisa chata pra caramba no paul foi que tinha um baixinho do meu lado chorando pra caramba e não me deixava ouvir Blackbird. foda né?

Natalia Máximo disse...

Fato: nunca mais vou conseguir ler, falar ou ouvir algo sobre esse show sem ter olhos marejados ou nós na garganta.

Dragus disse...

A única coisa chata do show do Paul é que eu não fui.

Daí bate arrependimento e vergonha de morar numa cidade de funkeiros e popozudas.

Kel Sodré disse...

"como para o mal, já que você sente que nunca mais verá algo parecido dentro de um show."

Uma das primeiras coisas que comentei depois de ter saído do show (eu fui no de 2ª, por confusões várias com a compra do meu ingresso pra domingo) foi "depois deste show, não sei mais o que poderá ser chamado de 'entretenimento' pra mim".