2 de abril de 2010

A Delicada Arte de Fazer Inimigos

Material necessário:
1 Besta Fera com inflamação no ouvido
1 frasco de soro para limpeza
1 frasco de remédio (com conta-gotas)


No momento em que você abrir o armário e pegar os dois frascos, Besta-Fera – que estava dormindo do outro lado da casa – irá desaparecer para baixo da mesa da sala, e isso não pode ser evitado. Deixe os frascos do soro e do remédio prontos para utilização, em cima da mesa.

Fique de quatro no chão da sala tentando alcançar o cachorro, e dando o melhor de si para levar na esportiva o fato de que sempre que você estica o braço, ele foge para baixo de outra cadeira. Conversar com ele é inútil, independente do tom. Frases como “colabore, é para o seu próprio bem” ou “venha aqui, filho da puta!” provocarão a mesma reação: ele ficará parado e olhando para você, atento ao seu próximo movimento, como um tigre acuado.

Assim, é necessário demolir todas as defesas do animal, uma por uma. E, por defesas, leia-se cadeiras. Comece a afastar todas as cadeiras ao redor da mesa, colocando-as no centro da sala. Quando ele perceber que está ficando sem proteção alguma, tentará correr para outro lugar.

Pule sobre seu corpo (se você gosta de Conan, gritar “morra, demônio estígio!” no momento do salto torna a tarefa mais divertida) e o agarre, imobilizando-o totalmente. Ele irá resistir e tentar escapar. Mas ele não irá mordê-lo, porque não é nem louco de fazer isso.

Quando ele estiver dominado, leve-o para a porta da sala, ao lado da mesa onde os fracos estão. Coloque os dois frascos no chão e, agachado, pressione o corpo dele contra a porta com uma das pernas, imobilizando-o totalmente. Segure a cabeça dele e pegue o frasco com o soro para limpeza.

Como você está segurando a cabeça dele com uma das mãos e o frasco com outra, é preciso uma terceira mão para levantar a orelha dele. Amaldiçoando o fato de que você não é um deus hindu com seis braços continue pressionando o corpo dele com a perna e dê uma chave de braço nele, tentando levantar a orelha com a ponta dos dedos. No momento em que a orelha levantar cerca de dois centímetros, enfie o frasco dentro dela e o aperte como se sua vida dependesse disso.

Ignore o fato de que ele está esperneando e troque o braço, repetindo a operação no outro ouvido. Assim que o soro for aplicado nas duas orelhas, largue o frasco e, já de pé e segurando a cabeça dele com as mãos, comece a massagear ambas as orelhas. Enquanto faz isso, tencione os músculos das suas pernas. Quando seus músculos estiverem prontos para explodir, largue a cabeça dele e pule para cima do sofá, enquanto ele chacoalha a cabeça, lavando as paredes da sala com soro como se tivesse se transformado num regador de jardim.

Importante: se você gosta de filmes de guerra, não tente bancar o herói e pular sobre o cachorro para abafar a explosão e salvar seus companheiros. Primeiro, porque não vai adiantar nada, você apenas vai se molhar mais. Segundo, lembre-se de que isto seria completamente inútil, já que não existem companheiros. Aliás, se tivesse alguém ali lhe ajudando, tudo já estaria terminado. Mas você está sozinho em território inimigo.

Ignore os litros de soro que atingiram suas costas. Cada segundo conta agora. Enquanto Besta-Fera termina de chacoalhar a cabeça e ainda tenta entender o que está acontecendo, pule novamente em cima dele – desta vez com o frasco do remédio nas mãos, e repita o procedimento de prensá-lo na porta com uma das pernas.

Desta vez, porém, será necessário levantar suas orelhas completamente, já que o remédio não pode ser esguichado. Pelo contrário, são oito e somente oito gotas em cada ouvido. Assim, com a perna direita, pressione o corpo dele contra a porta. Com a perna esquerda, pressione a cabeça dele contra a porta.

Com a mão esquerda, levante um dos ouvidos; com a mão direita, coloque o frasco no ouvido e – ignorando o fato de que aquela merda não funciona direito – comece a pingar as gotas do remédio, contando em voz alta da seguinte forma: “Um. Dois. Fica quieto! Três. Quatro. Pára de mexer a cabeça, porra, essa última gota foi para fora! Quatro. Cinco. Seis. Pára, tá acabando! Sete. De novo, para fora! Quieto! Sete. Oito”.

Aparentemente, ele não apenas sabe que são oito gotas, como sabe contar também. Assim que a oitava gota cair dentro do ouvido, ele tentará escapar. É preciso ser rápido. Imediatamente, pegue a outra orelha e a levante. Repita o procedimento. Assim que finalizá-lo, massageie bem o ouvido dele para o remédio ser absorvido. Não é necessário pular para longe após a aplicação do remédio.

Não esboce o menor sinal de sorriso, pois isso é algo que ele não irá perdoar.

Guarde os remédios e perceba que Besta-Fera desapareceu. Faz parte do processo, ele ficará cerca de duas ou três horas escondido num daqueles cantos da casa que apenas ele sabe que existe. Ele irá reaparecer somente no meio da tarde, e passará o resto do dia sentado do outro lado da sala e olhando você fixamente, com ódio.

Novamente, frases como “é para o seu próprio bem” ou “não adianta olhar assim, não posso fazer nada” não apenas não surtirão efeito como podem piorar tudo – afinal, ele sabe onde todas os seus quadrinhos estão, e quais deles você mais gosta. Assim, apenas ignore sua presença, evitando passar perto próximo a ele por cerca de quatro horas.

Repita esta operação duas vezes por dia, durante dez dias. Mas sempre jurando a ele que “é a última vez, prometo”.

20 comentários:

O Lerdo disse...

hahahaha experimenta fazer isso com um gato pra ver como é bom. Ele pode não esguichar soro pela casa toda, mas você vai precisar subir no teto pra alcançá-lo.

Camila disse...

KKKKKKKKKKKKKK... EU RI!

Camila disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Natalia Máximo disse...

Eu te entendo, Rob, até porque preciso fazer esse tipo de operação médica em dose dupla. O pior é ter sangue frio pra ficar olhando os dentes gigantescos e ameaçadores, que acabariam com a minha pobre existência em 5 minutos...

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Esse é o único motivo pelo qual não tenho cachorro... São fofos e adoráveis, até você ter que resolver uma merda dessas...

André HP disse...

às vezes penso que eu sou o animal de estimação do meu cachorro.

Maysa Luz disse...

Tenta fazer isso com uma criança e além de molhado vai ficar surdo. lol

Nadia disse...

hê hê... a parte da contagem foi sensacional.
xD
ahuahuahuahuahuahua

marcelo disse...

eu to passando por isso tb...
só que no meu caso é uma gata.
então triplica a dificuldade disso tudo

abraço

LunaFelicia disse...

eu passei isso com o cachorro e o gato ha 1 mes atráz. Agora experimenta fazer esse procedimento com um gato. Qdo vc termina parece um vaso em craquele, e pensar que são duas vezes ao dia por 10 dias. Só usando armadura ou sendo ninja mesmo kkkk

Nelson disse...

Rob Gordon, o último dos bárbaros cimerianos.
Lembro que eu tinha o segundo número de "Conan, o Bárbaro" e dei a HQ pra um amigo quando ele teve um ataque semi-epilético quando viu a revista jogada no chão do meu quarto.

Voltando ao tema, realmente é uma tarefa hercúlea medicar animais. Piora bastante quando são gatos, já que estes bichos são capazes de dar nós em si mesmos e arranhar seus braços com uma habilidade impressionante.

Rob, talvez seja de grande ajuda o meu conhecimento adquirido aplicando colírios em gatos, mas tenta "embrulhar" a Besta-Fera num cobertor velho ou toalha; isso diminui bastante os movimentos de fuga e até dá pra aplicar o remédio só com duas mãos.

boa sorte nos próximos dias,
abraço

Lucas Casasco disse...

Rí litros...

gilgomex disse...

Putz... Q animal! E o cachorro tb...

Mari Hauer disse...

Com o meu cachorro a gente compete pra ver quem é mais esperto.
Preciso pega-lo pra dar banho quando ele nem imagina que vai tomar banho... se ele ver a toalha, ou o shampoo, ou dizer "banho", esquece. Fora a cara que ele faz de "você não tem pena de mim, você vai me torturar com aquela água ou com aquele remédio e nem vai escorrer uma lagriminha?"
Mas bem... eu pego ele no colo antes que ele saiba de qualquer coisa, tenha visto algum vestígio e coloco ele num lugar alto! Tipo uma mesa, uma bancada, um mõvel. Pq ele tem medo de pular... então, é ali que a tortura começa.

E sim, ele fica sem falar comigo 1 semana depois...

Pra variar, como sempre o texto está ótimo, super engraçado e as histórias do besta-fera são sempre deliciosas...

Anônimo disse...

Querido, vc é muito talentoso e divertido. Adorei a sugestão da minha filha para eu ler seu texto.
Parabéns.

Solange, mãe da Jullia

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Hahahaha, a pessoa posta um comentário anônimo depois assina!! Que sensacional, são os nosso pais na Internet, tenham M E D O

Dani. disse...

Minha cadela operaou há quinze dias, retirou 9 pedras na bexiga. Foram quinze dias de luta pra fazer curativo, dar remédios e passar pomadinha... O pior é dar comprimido, pq tenho que literalmente enfiar na garganta dela, pq se eu der misturado com algo de comer ela sente o cheiro e não pega. Esperta até a alma! ^^

Dá trabalho, cansa, mas ela é meu orgulho e alegria. Cachorro é realmente tudo de bom!

Besos

Ana disse...

E vc não se machucou com toda essa movimentação? Aê! :P

Barlavento disse...

Concordo com o lerdo.
Com um gato é muito pior.
E, ao melhor estilo Robgordoniano o meu gato é ALÉRGICO e já teve otite. Passei 15 dias fazendo exatamente isso, duas vezes por dia. Fiz tanto que até peguei a prática.
Mas vou logo avisando:
Eles vão aprimorando os mecanismos de fuga...

Luilton disse...

Eu não nasci para cuidar de animais, MESMO.

Abraços.