1 de março de 2010

Carta Aberta ao Sr. Dioclécio Luz

Caro Sr. Dioclécio Luz:

Tenho 34 anos, sou jornalista e leitor de quadrinhos há três décadas. E foi tanto como leitor de quadrinhos quanto na posição de jornalista que fiquei estarrecido ao ler seu texto discorrendo sobre a violência encontrada nas histórias da Turma da Mônica.

Disposto a tudo para provar a sua tese de que a Mônica é um estereótipo violento, você simplesmente justifica todos os outros exemplos de violência dos quadrinhos – alguns, muito mais intensos que aquele que você tenta (inutilmente) provar.

É o caso do Batman: em muitas de suas aventuras, o herói fratura ossos de criminosos (muitas vezes descrevendo isso em detalhes gráficos e textuais) e os manda para hospitais. Mas, aos seus olhos, esta conduta é aceitável, já que ele teve “parentes” assassinados. Ou seja, em sua opinião, um crime justifica o outro.

Dentro do seu texto, a política do “olho por olho, dente por dente” é maleável, funcionando apenas como prova para incriminar a Turma da Mônica, inocentando outros personagens à conveniência daquilo que você tenta provar.

Aos seus olhos, a violência da Mônica é falha de caráter; a de Batman é traço de personalidade. Isso seria digno de uma análise mais detalhada, especialmente no caso do Batman (dizer apenas que “ele teve familiares assassinados” é pobre demais, pois a Mônica também tem motivos para bater em Cebolinha e Cascão: ela é provocada), mas você se furta a isso.

Aliás, me arrisco aqui: tenho certeza de que se pegássemos dez personagens que utilizam de violência como elemento em suas histórias (Lobo, por exemplo), você encontraria argumentos para continuar provando que a Turma da Mônica é a única a esbanjar este traço nocivo. Mesmo sendo jornalista, você não tem compromisso com a verdade, mas sim com uma idéia - o que é totalmente inaceitável.

Além disso, seu trabalho carece de uma pesquisa mais detalhada. Ao contrário do que seu texto indica, os personagens Tarzan e Guran nunca habitaram o mesmo universo (Guran é o chefe da tribo dos pigmeus bandar que habitam as cercanias da caverna da caveira, lar do Fantasma).

E o universo que você se refere como “Turma da Marvel” é totalmente equivocado. Em primeiro lugar, a “Turma da Marvel” não fazia sucesso na década de 50, pois ela foi criada nos anos 60. E finalizando, a única relação entre Batman, Tarzan e Fantasma com a editora Marvel é a mídia “história em quadrinhos”, já que eles nunca pertenceram à mesma editora que publica Homem-Aranha e Hulk.

Detalhes? Certamente. Mas que demonstram que o propósito inicial do texto era panfletário, pois provam que poucos minutos (ou nenhum) foram gastos numa pesquisa mais detalhada.

Quanto ao império de merchandising que você aponta como força motriz do universo criado por Maurício de Sousa (e traçando um paralelo com o universo Disney e, previsivelmente, com os Estados Unidos), nota-se outro argumento tendencioso.

As empresas que publicam os quadrinhos de heróis, sobretudo Marvel e da DC, que você propaga como lar de personagens com “personalidade”, há muito deixaram de atuar apenas como editoras, trabalhando muito com licenciamento – a própria Marvel Comics abandonou este nome e passou a operar sob a marca Marvel Entertainment Group. São desenhos animados, brinquedos, jogos eletrônicos, filmes, objetos escolares estampados com todos os seus personagens. E não é preciso pesquisa para saber isso, basta apenas olhar ao seu redor.

Mas, no seu texto, este elemento serve apenas para atacar a Mônica – no caso das editoras citadas acima, isso não é levado em conta em momento algum, pois contradiz seu argumento.

E uma observação: o Tio Patinhas – que, ao contrario do que você diz, não encontra solução para tudo na violência, mas sim no dinheiro – é o símbolo máximo da Disney apenas aos olhos de comunistas. Para o resto do mundo, incluindo aí própria empresa, o personagem-símbolo da marca é o camundongo Mickey Mouse: o desenho de suas orelhas é conhecido mundialmente, enquanto a cartola do Tio Patinhas é uma imagem que jamais funcionaria sozinha.

Walt Disney era reacionário? Totalmente. Mas daí a dizer que Maurício de Sousa também tem esta visão – pelos argumentos que você indica – é o mesmo que dizer que todo publicitário é nazista somente porque Joseph Gobbels o era.

Não vejo como sua análise poderia se tornar mais rasa.

Outro fator relevante no seu texto é a maleabilidade dos estereótipos; você cita os personagens da turma da Mônica, praticamente sem exceções, como criações unidimensionais. Mônica é forte, Cascão tem medo de água, Magali é comilona.

Bem, outros personagens dos quadrinhos – citados por você como tridimensionais – podem ser vistos desta forma também. Entrego aqui a fórmula: basta apenas pegar sua característica mais marcante e elevá-la a máxima potência, a ponto de ela se tornar o único traço de personalidade do personagem em questão. Assim, temos Hagar como um beberrão; Rê Bordosa como uma junkie; Peter Parker é um nerd; Bruce Wayne, um milionário obcecado por vingança. A lista seria interminável.

Mas, da mesma forma que Hagar não é apenas um beberrão e Rê Bordosa não é apenas uma junkie (e você deve saber o que mais eles são, caso tenha pesquisado), Mônica, além de forte, vive o dilema de diversas garotas, por ser gordinha e dentuça; Cascão, além de temer a água, é apaixonado por futebol; Magali não é apenas comilona, mas ensina às crianças valores pertinentes sobre os cuidados com animais de estimação, graças à presença de seu gatinho Mingau. Cebolinha, que você certamente apontaria como um garoto que valoriza problemas fonéticos, em muitas de suas histórias precisa cuidar de sua irmã menor.

Todos estes personagens têm mais de uma característica – cito apenas uma de cada um deles (não necessariamente a mais importante) apenas para exemplificar a falha de seu argumento. Não vou dizer aqui que você deveria ler mais as histórias para conhecê-las; isso seria inútil: você se recusa a colocá-las em seu texto, pois arruinaria a idéia que pretende provar com unhas e dentes.

Como leitor de quadrinhos, pessoa e profissional, eu aprendi muito com a Turma da Mônica. Mafalda e Calvin têm grande valor, mas, como você disse, eles não são exatamente destinados às crianças.

Mas Turma da Mônica é.

E me ensinou muito, desde que sou criança.

Por trás da violência “descabida” das histórias de Maurício de Sousa. Aprendi que brincar na rua com meus amigos é melhor que ficar sozinho em casa e a respeitar meus pais, os idosos e os animais. Além disso, aprendi que existiu uma pré-história (lendo as histórias do Piteco), a respeitar as diferenças (com as presenças do negro Jeremias e do oriental Hiro) e os deficientes (quantas histórias em quadrinhos podem se gabar de possuir um personagem mudo, como o Humberto?), a não ter medo de fantasmas com a Turma do Penadinho.

Aprendi tudo isso com as histórias dos personagens criados por Maurício de Sousa, e dificilmente encontraria palavras para agradecer por tudo o que ele me ensinou ao longo de décadas. Sim, porque Mafalda e Calvin me ensinaram a questionar o mundo e super-heróis me ensinaram a lutar pelo que é certo.

Mas a Turma da Mônica me ensinou mais que qualquer outra HQ.

A Turma da Mônica me ensinou a ser cidadão.

E isso porque ainda nem falamos sobre as histórias do pequeno dinossauro Horácio, que, sozinhas, derrubam totalmente seus argumentos.

Fortes abraços.

Sem mais,

Rob Gordon


Update: Por conta deste texto, acabei de receber um mail que entrou para a história do blog. A mensagem veio de ninguém menos que a Mônica, filha do Maurício de Sousa. Reproduzo aqui o texto com vocês:

Que texto mais lindo e, ao mesmo tempo, com total sabedoria. Gostaria de parabenizá-lo. Mônica Spada e Sousa”.

Assim, permaneço sem palavras, tamanho o orgulho que senti. Obrigado a todos pelos comentários e divulgação no Twitter, e um muito obrigado a Mônica, pela mensagem.

179 comentários:

disse...

Impecável!

Lilian disse...

Rob, você arrasou. Disse tudo o que eu queria ter dito.
Ele simplesmente agiu como um anti-nacionalista: justificou o comportamento de todos os personagens brasileiros e execrou os nacionais.
Quem é que tem um problema aqui, hein?
Infelizmente, o que esse 'jornalista' quis foi chamar a atenção para si. Só pode ser isso.

Lara disse...

O texto que eu gostaria de ter escrito, mas que, por falta de conhecimento suficiente do tema, me foi impossível de redigir.
Parabéns pela educação ao atacar, pela forma como conduz seus argumentos e, principalmente, por mostrar a importância da Turma da Mônica na formação da criança dentro de uma sociedade.

Beijos,
Larissa.

Fred Marvila disse...

Sem comentários! Ótimo texto como sempre!

Eduardo Marcondes disse...

Sem falar que hoje em dia já existe um personagem de cadeira de rodas (Dudu, se não me engano) e uma personagem cega.

Concordo que a intenção do autor do texto original, debatido aqui, era mesmo desancar a Maurício de Souza Produções, por questões que desconhecemos, mas podemos imaginar quando sabemos que o Dioclécio Luz é ligado ao meio sindical. Essa vertente sindicalista está evidente quando ele tenta qualificar a MSP como uma empresa "que atua em várias áreas de sucesso" e, por isso, mais uma inimiga como todas as outras.

Andrea disse...

Li o artigo que deu origem à sua carta, e concordo com sua opinião. A argumentação é rasa, tendenciosa, e descabida. Mas serve para revelar a face mais perversa do movimento politicamente correto: que a inteligência do cidadão, mesmo da criança, é subestimada a tal ponto que se justifique "controle", censura", "aparar arestas", ou "dourar a pílula".
A verdade é que, do alto dos meus 43 anos, posso dizer que eu adorava ler a Turma da Mônica porque eles eram um retrato fiel da nossa infância nos anos 70: brigas com meninos, mamãe chamando para jantar ou tomar banho, o primo caipira tranqüilo, enfim, pura normalidade que nunca traumatizou ninguém.

Toad - Matheus H. disse...

Muito bom, muito bom. E a lucidez desse texto é inversamente proporcional à coerência do que foi dito pelo senhor Dioclécio.

Não consegui entender o que levou o sujeito a falar esse tipo de besteira.

O processo de criação deve ter sido o inverso, para o Maurício. Ele deve ter notado uma reação violenta comum à algumas crianças e retratou isso... mas o inverso não acontece. Quantas pessoas que cresceram lendo A Turma da Mônica se tornaram violentas por causa disso?

Muito bom.

Milla Pupo disse...

Deixo minha assinatura virtual logo abaixo:

Camila Pupo

Perfeito!

Ana disse...

Ontem mesmo, por coincidência, eu comprei 3 gibis da Turma da Mônica e, além de ter dados algumas gargalhadas lendo, fiquei impressionada como o Maurício de Souza consegue manter os diálogos entre os personagens super atuais. Em um momento na história do Cebolinha (no gibi Almanaque do Cebolinha nº 19)ele está brigando com o Cascão e diz "Eu sou uma daquelas clianças com mente analítica e calculista que gostam das coisas muito bem contadas!". Sensacional!
Fora que a turminha tem orkut, twitter, etc.
O Sr. Dioclécio, obviamente, nunca leu a Turma da Mônica, apenas escreveu um textinho medíocre para aparecer. E se leu... Bom, daí é melhor eu nem falar aqui o que eu acho que o Sr. Dioclécio é.
Sua carta aberta ficou perfeita, Rob. Você falou exatamente o que deveria ser falado.
Parabéns por ser o jornalista fodido que você é, ao contrário de alguns que se dizem jornalistas, mas que servem apenas para falar besteira e que tentam, veja bem, apenas tentam, causar polêmica.

Rafiki disse...

Eu nem tive paciência para terminar de ler o "artigo" do Sr. Desesperado lá, não estou perdendo nada que valha mesmo.

Muito bem Rob!

Jimmy McManis disse...

Rob,
Obrigado por me poupar a saliva que teria que gastar pelo simples fato de ainda conseguir ser surpreendido pela falta de limites da estupidez humana. Estupidez essa que leva um sujeito como esse a perder o nosso e o próprio tempo em um texto que não vale em conteúdo nem mesmo metade do tempo que, tenho certeza, foi desperdiçado em sua digitação.

Rodrigo disse...

Muito bom, só faltou escrever "Mauricio de SouSa" certo.

Marina disse...

Não sei como uma pessoa pode querer atingir a Turma da Mõnica. Simplesmente, não entendo.

Rob Gordon disse...

Rodrigo

Tem razão, coloquei Souza. Já está arrumado, grato pelo toque.

Rob

大道寺@Line disse...

Nossa, cara! Esse texto está fantástico, brilhante, perfeito!

Os argumentos do Sr. Dioclécio Luz são inadimissíveis, absurdos e patéticos. Ele praticamente mexeu com a infância do país.

Falou e disse!
Assino embaixo!

Pedro Lucas Rocha Cabral de Vasconcellos disse...

Impecável como sempre Rob, algo a se considerar também, é a origem da Magali que o sr. Luz tanto condena, ela na verdade é embasada na FILHA do Maurício, que comia muito, principalmente melancias, e era extremamente magra...

Ao colocar Magali no google o segundo link é para o site oficial da Turma, com a descrição dos personagens:

"A Magali real é filha do Mauricio (como a Mônica e a Maria Cebolinha) e a Magali personagem é uma das criações mais simpáticas e conhecidas da turma.

A de verdade comia uma melancia inteira em criança. Daí o personagem seguir seus hábitos."

Não era necessária muita pesquisa para o autor ter visto os erros em seus argumentos, e nem sequer esboçar um texto desse nível.

Ao ler só senti uma coisa: VERGONHA ALHEIA.

Mussarela disse...

Falou e disse. Sempre gostei e sempre vou gostar da Turma da Mônica.

Mack disse...

Cara meu filho vai continuar lendo turmda mônica enquanto ele quiser ler. Que se dane os que querem um mundinho cor de rosa

Wesley disse...

Como já comentaram antes, eu gostaria muito de ter sido o escritor deste texto. Parabéns.

Smeg disse...

Na boa, o seu texto também não é la essas coisas. O início é patético "Tenho 34 anos ...", só faltou dizer que paga o seus impostos. A impressão que fica é que ficou ofendido porque alguém falou mal do seu gibi favorito, que queira ou não, não é unanimidade. Eu, por exemplo, nunca tive saco para Turma da Monica.

P! disse...

Não tenho o que comentar, opis você disse tudo o que passou pela minha cabeça enquanto lia aquele texto ridículo anti-mônica.

Enfim, seu texto ficou perfeito. Parabéns.

Sir Lucas disse...

porra, rob. Você é um filho da puta mesmo. Me fez até chorar nesse trecho:

"A Turma da Mônica me ensinou a ser cidadão."


Muito do que sei aprendi com a TM. Muito do que sou também. É uma das coisas que já passaram do status de produto pra virar um icone cultural.

E o texto do tio? Meramente panfletário...

Renata Izandra disse...

CARALHO, fiquei até arrepiada.
Rob, você é perfeito! Meus parabéns, vc é muito bom! \o/
E eu amo DEMAIS a Turma da Mônica, cresci lendo aquilo, cara! Eu sei ler e escrever certo, e conheci várias palavras "difíceis" por causa das revistinhas, e antes delas, eu não tinha tanto interesse em leitura. Foram as HQ's da Mônica que me fizeram ficar apaixonada por ler, ler e ler!
E bá, críticos não estão com nada, né? ;)
Beijos e um graaaande abraço! :)

Fernanda Guerra disse...

O que tenho a dizer após ler o seu texto é muito simples: Obrigada! Muito obrigada!

Vitor disse...

Deixe o Marvin fora de discussões pseudo-intelectuais. Pobre androide!

Larissa disse...

Impecável.

Letícia Sallorenzo disse...

Tenho cá pra mim que o próximo texto desse Dioclécio será uma terrível denúncia: bob Esponja tem traços de homossexualidade.
Daí, ele vai levar horas e horas discorrendo sobre como a relação de Bob Esponja e Patrick Estrela é homosssszzzzzzzzzzzzzz...
Mas o seu trexto está irretocável. Parabéns!

Tiago disse...

Nao acho que esse débil mental merecesse tantas linhas, mas se merecesse, essa seria a resposta perfeita!

Kel Sodré disse...

Olha, não me contive e comentei o artigo de bosta do cara no OI. Mas aqui eu vou é desabafar e falar tudo o que não pude falar lá por polidez ou por falta de espaço - já que eles, oportunamente, limitam a 1400 caracteres.

Quem é esse cara??? De onde ele surgiu e que direito - leia-se propriedade - tem pra falar da Turma da Mônica?? Baseado em quê ele escreveu esses despropósitos, na propaganda do almanacão de férias que ele viu na banca? Sim, porque para ter esse tipo de argumento a respeito da Turma da Mônica é necessário NUNCA ter lido uma revistinha inteira! Ou, se leu, foi uma cavalgadura para não conseguir abstratir nada e fazer uma análise tão rasa como a que foi feita.

Repetindo o que falei no meu comentário no OI: eu fui alfabetizada lendo Turma da Mônica e assinei as revistinhas até os 14 anos de idade. Semana passada ainda tinha alguns exemplares da revista aqui em casa, que comprei há algum tempo pra matar as saudades. E, com perdão da falta de modéstia, sou uma das pessoas mais centradas que conheço. Penso e repenso nas coisas mil vezes antes de tomar uma atitude, seja ela qual for. Resolvo tudo na base da diplomacia e tenho uma argumentação invejável. Desculpem novamente pela aparente soberba, mas isso é para dizer que o fato de ter lido Turma da Mônica durante a minha formação humanística inteira não foi determinante para que eu me tornasse uma boçal. Ao contrário: digo que as historinhas do Maurício de Sousa foram determinantes para que eu virasse o que sou hoje. Se as histórias da Mônica são um indicativo do que "as nossas crianças andam lendo", diria então que podemos ser otimistas para o futuro, pois não tenho medo em afirmar que crianças criadas lendo Turma da Mônica não põem fogo em índio ou em empregada doméstica, não matam a esposa com um tiro no local de trabalho dela, não jogam crianças pela janela, não matam os pais a paulada para ficar com a herança e anos depois se fingem de deficientes mentais para se isentarem da culpa. Que os pais comprem e assinem mais e mais revistinhas da Turma da Mônica, então! Claro que isso é uma generalização e que a leitura de Turma da Mônica, isoladamente, não é indicativo de nada, mas o ponto é que as histórias são uma fonte de aprendizado sobre cidadania, sobre respeito às diferenças, sobre solidariedade, responsabilidade, empenho, amizade, companheirismo, justiça e tantos outros aspectos que fariam a lista ficar infinita.

Rob, desculpe por usar seu espaço para comentários para desfiar meu rosário, mas fico não só revoltada com uma pessoa como essa ganhar espaço na internet para publicar seus impropérios como também envergonhada. No dia em que colei grau de Jornalista na faculdade ler um absurdo desse e ver que o autor é chamado de Jornalista é uma desmoralização.

Biajoni disse...

boa, gostei.
:>)

kadriatus disse...

nada mais a ser comentado.
parabéns.

Gustavo Timm de Oliveira disse...

O Dioclésio tá tentando até agora saber quem o atropelou, Rob.

Belíssimo texto.

Grande abraço!

Raquel disse...

Você foi além do óbvio ululante que pulula nas mentes humanas! Parabéns pelo texto!

E esse sr. Dioclécio Luz deve se achar o máximo por ser mestrando em comunicação. Alguém tinha que avisar a ele que ser mestrando não lhe dá o dirito de escrever um monte de besteiras como se fossem verdades absolutas.

Fabio disse...

Ótimo texto!

O Sr Dioclésio mostrou que sabe um punhado de nomes de personagens, mas que ao escrever sobre eles, entrega sua total falta de conhecimento sobre o assunto.

Rob, a infância brasileira agradece sua defesa em prol da Turma da Mônica, um patrimônio cultural que alimenta o imaginário infantil por anos!

Abç!

Ludi Rodrigues disse...

Simplesmente GENIAL!

Cristiano disse...

Parabéns Rob Gordon. Você foi perfeito em todos os pontos! Você tornou-se a voz de defesa de milhares de brasileiros que não concordaram com o texto de Dioclécio Luz.

Tyler Bazz disse...

O texto desse cara é simples de explicar:

Pós-graduando;
Ou recebe, ou quer receber bolsa de estudos;
Precisa publicar;
Precisa produzir.

Quando não se tem nada útil para pesquisar, sequer para falar, fala-se bobagem.

Bobagem. Bullshit.

Mary Fahur disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carcarah disse...

Diga-se de passagem, em uma abordagem politicamente correta (nada é mais podre que a expressão politicamente correta) a Mônica seria vítima de bulling e estaria apenas defendendo-se da humilhação sobre sua gordura e dentição. Mas, isso fica para o Dioclécio, que vê de forma doentia tudo o que não está de acordo com os clichês do psicologismo atual sobre o comportamento de crianças. Engraçado é que a curta visão de pessoas desse naipe sequer se dão ao trabalho de verificar que a tv japonesa é muito mais condescendente com a violência que a brasileira, embora eles não tenham índices de criminalidade, se você for comparar com os índices brasileiros. É mais fácil achar culpados externos para a problema de violência no Brasil que simplesmente aceitar que a maioria dos pais não estão preparados para dar boa formação moral a seus filhos. E nenhuma HQ, nenhum desenho animado ou filme pode substituir isso.

felipe disse...

Perfeito!

Emiliano Monteiro disse...

O cara ainda falou no texto que Walt Disney delatava comunistas nos tempos do presidente "McArthur".

O Gen. Douglas MacArthur nunca foi presidente. Talvez ele estivesse se referindo a McCarthy, mas ele nunca foi presidente. Aliás, os EUA nunca tiveram um presidente McArthur, nem MacArthur, nem McCarthy, nem McQualquerCoisa.

Dama do Lago disse...

Fiquei tão revoltada quando li o texto desse sujeito ontem que não cosnegui terminar o que estava escrevendo.
Você lavou a minha alma com este texto, Rob.
Só posso agradecer em meu nome, no de minhas filhas que amam a Turma da Mônica e de milhões de adultos e crianças que aprenderam e aprendem muita coisa boa com essa turminha maravilhosa.
Beijo

Sil

Senna disse...

Hehehehe....

Acabou com ele...

Daniela disse...

Acho que este Sr. deve sofrer uma perturbação... Só pode!

Parabéns Rob!

Marcela disse...

Excelente. Obrigada por dizer o que eu gostaria de ter dito!

RFL disse...

Perfeito!!!!!

Simplesmente perfeito!

gilgomex disse...

Os argumentos do Sr. Dioclésio foram muito parecidos, apesar de bem mais extenso, com os argumentos do José Serra ao dizer que aquele gibi (que obviamente não era para crianças) era a pior coisa que já viu na vida. Se bem que o mesmo Serra explicou que com o espirro de um porco a gente pegaria a gripe suína. Estou citando o governador não por ser contra ele politicamente (ou a favor), mas porque também foi uma agressão aos quadrinhos, algo que ele não entendia.

Da mesma forma o senhor Dioclésio abusou da falta de conhecimento e de argumentos sobre um assunto que é uma paixão. É quase como querer falar mal de um time, ou de uma bebida, ou mesmo de uma candidato ou de uma crença... Não pode ser tratado como uma verdade.

Opinião e nada mais. Mas ele escreveu essa opinião querendo jogar nas nossas fuças que isso nada mais era que a verdade absoluta. WTF?

Sempre li Turma da Mõnica. Lia Disney. Leio gibis de super heróis. Atualmente também tenho lido gibis da Vertigo e etc... Todo gibi nos dá alguma visão do mundo em que vivemos. Mas o mundo em que vivemos está realmente ficando politicamente correto demais e se chegarem ao cúmulo de censurarem até Turma da Mônica, o que as crianças vão poder ler ou assistir? Teletubbies?

Se uma criança esperta assistir Teletubbies, fica tonta. É claro que sei que os Teletubbies se destinam a um público bem menor, mas mesmo pruma criança, são muito idiotas. Mas isso é minha opinião e não é uma verdade absoluta... Mas que seria terrível um mundo em que os únicos exemplos pras crianças fossem aquilo, ah, isso seria.

Minha filha vai ler Turma da Mônica... Vai ler muito aliás, pois eu tenho muitos gibis da turma...

gilgomex disse...

Ah sim... E como já disse Kel Sodré e com certeza é pensamento de outros, a violência da Turma, nunca me fez agir com a tal... Nunca briguei de mão... Sempre fui uma cara de brigar com palavras e vencia a mior parte dos combates... Aliás, creio que se fosse na mão eu perderia a maioria...

Leandro disse...

Os gibis da Turma da Mônica fizeram parte de minha infância, e fazem parte da minha vida até hoje. E farão parte da vida dos meus filhos. Por tudo o que foi dito no seu texto.

Não sei como alguém com um mínimo de inteligência, ou de bom-senso, pode se atrever a criticar esse universo, de forma tão obtusa.

Esses traços não devem fazer parte da personalidade do Sr. Dioclécio. Ou o texto realmente tem outras motivações, considerando que ele é diretor de sindicato.

Mary disse...

Obrigada, obrigada e obrigada por ter respondido para aquela pessoa que se diz jornalista mas "não tem compromisso com a verdade". Deuses! Eu aprendi a ler por causa da Turma da Mônica! E dizer que o Batman é um um psicopata obcecado, não né? Ok, ele pega bandidos, então quem se importa? Eu leio quadrinhos, gosto de Batman, gosto de Hagar, Asterix. Caramba! Deixa a Turma da Mônica em paz, porra! É o que temos de mais lindo e puro, em termos de "inocência" infantil!
Patético, patético e patético.
Obrigada mais uma vez, Rob, seu texto está formidável.
[]s

Mary (amiga da Sil!)

Kika® disse...

Esse post vai ser recorde de comentários. Não mexam com os fãs da Turma da Mônica, oras!

Mas, brincadeiras à parte, adorei a análise e a crítica, Rob. Mto bom!

Teo disse...

Sem entrar no mérito do apreço que temos pela Turma da Mônica ou não, que poderia transformar qualquer resposta ao artigo de Dioclécio em uma defesa, em última análise, de nossa própria identidade, comprometendo o diálogo, o artigo de Dioclécio é extremamente raso e precário porque ele tenta, maleporcamente, se valer da retórica para imprimir um pretenso embasamento intelectual em seus argumentos, os quais, por trazerem apenas uma série de veementes e infundadas acusações, todas parciais e "desesperadas", acabam redundando, ironicamente, na violência gratuita. Há uma série de erros contextuais, análises psicológicas tacanhas, e até equívocos históricos que comprometem sensivelmente a seriedade do texto e levantam séria indagação sobre a qualidade profissional do seu autor, eis que evidenciam sua falta de comprometimento com a imparcialidade e a isenção que devem envolver o exercício da profissão que ele afirma ser sua.

Imparcialidades à parte, quem for leitor da Turma da Mônica desde os anos 90, como eu, vai entender quando eu disser que:

- O Sr. Dioclécio é um BORIGODOFO.

=P

Parabéns, Rob. Abraço.

Brunohs disse...

Falou simplesmente tudo...o texto anti-mônica está ridicularmente sem nexo...

Edu Ribeiro disse...

Alguém anotou a chapa do caminhão?

Anônimo disse...

Resposta sensacional! Lindo.

Anônimo disse...

muito BOM! parabéns

Camila disse...

Rob Gordon,
Eu te amo! Quer casar cmg?!
=D

Marco Antonio disse...

Ontem tinha lido e comentado aquele merda amontoada em forma de palavras no OI, mas nem sei se aprovaram meu comentário.

Você deve saber que o acompanho há algum tempo, mas algo nos distanciou. Desde aquela época em que trocávamos comentários na comunidade do Orkut. Dessa vez, só quero dizer que faço minhas suas palavras. Seu texto exprime exatamente o que senti ao ler o OI. Meus parabéns.

Varotto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
David Denis disse...

Parabéns pelo texto, falou muita coisa que estava "engasgada" na garganta de quem ama o trabalho do Mauricio de Sousa e acima disto ama as histórias em quadrinhos. Abraços!

Leandro Ricardo disse...

Acho que o Sr. Dioclécio Luz está perdido no tempo.
O bom que a internet acabou com as verdades absolutas. Um exemplo é nos próprios comentários do infeliz artigo do Dioclécio Luz (onde quase 100% de seus leitores discordaram de sua opinião).

Pode ser que há certos interesses por trás desse texto. Vai ver a intenção era começar algo que desde o seu inicio foi por água abaixo.

Enfim... Bom ver e ler tantas pessoas com opiniões e bons argumentos (o que não foi o caso do Sr. Dioclécio Luz, que foi extremamente raso e equivocado em suas opiniões).

Luccas disse...

Otimo texto, parabéns!

Sou mais um a ir contra a opinião rídicula de Dioclécio Luz qual seu texto foi muito mau redigido e como todos viram sem base de estudo alguma, apenas suas fracas opiniões pessoais.

Anderson Leonel disse...

Não sou contra nem a favor.. a violência está na ótica de quem a vê.
Eu analiso da seguinte forma: Como eu posso permiti que meu filho veja o perna longa sacar uma arma de grosso calibre e descarregar no Eufrazino, e acho isso uma graça (racho de gargalhar até hoje) em contra partida ver episódios de um determinado anime serem cortados por conter violência, e notado que ambos passam no mesmo horário...
Se ele acha que é violento sem personalidade ou coisa do tipo faltou comparar com personagens da Warner e entre outros ou os mais atuais da cultura asiatica. Que são esquartejados, explodidos incinerados, atropelados em fim.. e estão inteiros no quadro seguinte.. e no outro o ato de morrer é um consequência natural das coisas.

Essa é minha opinião sobre violência na mídia...

Sobre o seu comentário aqui posto.. as compartilho, o outro em questão.. acho que não devemos levar em consideração... mas é algo pra ler-se absorve quem quer..kk

Kєℓℓєη disse...

Parabens pelo artigo.
Outra coisa que me chamou atenção foi ele dizer que a Magali não engorda apesar de comer muito e por isso ela é irreal já que não arca com os custos de seu comportamento obssessivo...
Pois bem.. quem não conhece pelo menos uma pessoa na infancia ou nos dias atuais que come come come e não engorda? É uma questão de genética e metabolismo.
Realmente autor do texto contra a Monica não fez sua lição de casa antes de comprar esta briga.
COELHADA NELE!!!

Willian Cruz disse...

PQP, matou a pau, parabéns. Resposta excelente. Mas se ele não entende nem a turma da Mônica, que qualquer criança entende sem precisar refletir sobre o assunto, também não vai entender seu texto. :)

Ock-Tock disse...

BRAVO!! Aplaudo de pé a sua resposta ao texto do Sr. Dioclécio Luz que, sinceramente, não tive estômago de ler até o fim. Como também jornalista, também com 34 anos de idade, também leitor de quadrinhos a décadas e que também cresceu aprendendo muito com a Turma da Mônica, peço sua licença para fazer minhas as suas palavras, sem tirar nem por.

Dalleck disse...

Nossa Rob, que orgulho de você agora! Argumentos super dignos. Dioclécio é um babaca querendo aparecer. Omitir pontos negativos à ideia dele é o que ele faz melhor.

Otavio Oliveira disse...

literalmente arrepiante. santa eloquência, batman...

paulonando disse...

Parabéns Rob!
Acho que os critérios para aprovação para freqüentar o mestrado estão piorando. As pessoas se vendem por qualquer coisa! O papel aceita toda frase idiota que se escreva.
Gostei do comentário do Tyler.
Corrija a primeira palavra da 3a. linha: não é "ser" e sim "ler".

Anônimo disse...

Só me resta aplaudi-lo.

Mo Rodrigues disse...

Fantástico!! Parabéns pela crítica

Rob Gordon disse...

Paulonando:

Arrumado,valeu!

Juju disse...

perfeito! um belíssimo tapa com luva de pelica na cara desse imbecil. Rob Gordon, sou sua fã!

Papo de Mãe disse...

Simplismente uma obra de arte. Parabéns!! Adoro a Turma da Mônica desde criancinha. Tenho um filho de 2 anos que já consegue identificar os personagens da "Turma".

thais disse...

Acho que todos têm direito de expressar sua opinião. Essa revolta contra alguém pq ela não concorda com você é pura ignorância, sua e de quem concorda com você. Debater sim, acho ótimo, mas crucificar alguém por achar os quadrinhos da onica violentos é ridículo. Particularmente, considero mangás e muitos outros quadrinhos impróprios para crianças. É sabido que crianças repetem MUITAS coisas que os pais fazem, que a TV faz e pq não os quadrinhos também. Não acho saudável uma criança ver mortes, histórias onde o assunto em pauta é sempre a disputa, a briga. Dentre todos, o da Mônica é o mais 'inofensivo'. Enfim, fica aqui a MINHA OPINIÃO. Quem não concordar só lamento, respeito o que cada um aqui pensa a respeito do assunto.

Motenai disse...

Fico realmente feliz que alguém tenha defendido a "turma" como ela merece.

VBN disse...

Fiquei emocionada com o seu texto. Adoro o Mauricio e concordo com todas as opiniões apresentadas em seu texto.

gilgomex disse...

Aproveitando a enxurrada de comentários...

Visitem: www.colunadolorida.blogspot.com

Kakah disse...

Vendo corcel 1970, único dono, NÃO PAGA IPVA.

Brincadeira.

Eu achei de uma falta de noção o texto do Dioclécio. Tem que ser MUITO mal amado pra falar daquela forma perjorativa sobre a Turma da Mônica.

Aproveitando a oportunidade, tenho uma confissão a fazer: eu dou risadas MUITO altas em qualquer lugar que eu estiver, lendo as historinhas da Turma da Mônica. Tipo, já dei risada alta internada e soltei o soro... Só Maurício de Sousa pra me alegrar quando eu tô "podrinha"!

JoJo disse...

Faço das suas palavras, as minhas palavras.
Que esse cara vá pro inferno.
Onde já se viu, com tanta pornografia e violência barata na tv, pessoas atacando um gibi tão inocente?

Marina disse...

Opa, posso fazer propaganda aqui também? Afinal, já sou de casa.

Brincadeira.

Anônimo disse...

fatality!

Luiza Ribeiro disse...

Parabéns pelo texto, Rob

Como alguém que pretende fazer monografia sobre HQs e fã da Turma da Mônica, fiquei indignada como o texto desse cara. Bom saber que não foi só eu que o achei cheio de impávia e algumas contradições.

Luiza Ribeiro disse...

impáfia, quero dizer

Airton Krauniski disse...

Fico feliz de ver que tem mais gente defendendo (não que precise disso) o mestre Maurício, do que intelctuais frustrados o atacando...

eu disse...

Rob Gordon, o senhor enviou este texto ao senhor Dioclécio? Ele realmente precisa ler sua resposta, pois tentou defender um ponto de vista através de algo que ele tem conhecimento raso....
Meu parabéns!!você se utilizou dos melhores argumentos para defender a minha tão amada Turma da Mônica!

Anônimo disse...

Parei no tenho 34 anos.

Anônimo disse...

Oi, li o artigo ontem, e hoje me mandaram o seu.

Faço minhas a suas palavras! Parabéns pelo texto!

Abs!

Anônimo disse...

Que horror. Vocês aprenderam com a Mônica mesmo: só reagem com violência.

O tal autor de nome feio (de tão feio, aposto minhas fichas que o tal autor seja um véio) executa o seu plano infalível (que como os do Cebolinha, é cheio de furos) e a reação? Porrada. Verbal, mas porrada.

Vocês, jovens e não-tão-jovens brasileiros, estão se saindo uns belos duns reacionários. Bastou um argumento CHINFRIM ser dirigido ao que consideram como algo de valor para deixar todo mundo de bundinha dolorida.

Aprendi a ler com gibis. Meus pais assinavam revistinhas da Globo e da Abril, já que não eram todos os títulos que chegavam às bancas de onde morávamos, tamanho meu fascínio por elas. Hoje tenho uma coleção de quadrinhos que é meu orgulho. Talvez por eu gostar tanto da mídia que eu não censure novos olhares como o do Sr. Astrolábio, ou seja lá qual o raio do nome.

Em tempo: comento os comentários, não o(s) texto(s) que deu(deram) origem aos mesmos.

P.S: o anonimato é para que eu não me depare com uma "carta aberta" todinha pra mim.

Érika dos Anjos disse...

òtimo texto Rob! Fiquei igualmente revoltada com essa "tese" sem nexo do Sr. Dioclésio. Assim, também expus meu ponto de vista no meu blog O quarto elemento (http://www.oquartoelemento.com.br). Fico imaginando se todas as pessoas nesse país que leram as histórias da Turma da Mônica tivessem esses desvios de personalidade como ele aponta. Seria um caos.

Grande abraço.
Érika dos Anjos

Anônimo disse...

spoke and said, man!

Bruna Tresoldi disse...

Não sei exatamente o que dizer. A única coisa que me veio na cabeça foi: Sensacional!!!!

Renato M disse...

Eu ri muito de alguém que comentou lá em cima que o Sr. Dioclécio é um BORIGODOFO! Hahaha

* Interessante citar as edições especiais da Turma da Mônica como "Estatuto da Criança e do Adolescente".

* Interessante também lembrar de outros personagens como a Dorinha (cega) e o Luca (paraplégico).

* Outras características dos personagens, para ilustrar os seus argumentos: Cebolinha é sonhador, Mônica é vive se apaixonando, Magali é muito amável e avoada e Cascão é malandro e criativo.

Parabéns pelo texto!

Vladir Duarte disse...

É isso. Disse tudo. Mas a cada dia que passa e mais gente adere a essa moda do "politicamente correto", mas aparecem hipócritas querendo achar cabelo em ovo e chifre em cabeça de cavalo. Lamentável!

Parabéns pelo texto!

Otavio Oliveira disse...

O orgulho é de todos nós, Rob. PQP. A MÔNICA, velho! :D :D

Walter disse...

Nem li, mas só pelo título e a primeira frase pensei: Pessoa que se acha o único pensador do mundo que adora escrever sobre qualquer coisa que ache relevante ou que cause grande impressão a massa.

Gostaria que o ser humano criasse uma regra para si mesmo: Se sua opinião é idiota, não expresse-a.

Otavio Oliveira disse...

preguiça demais de ler todos os coments e ver se alguem já falou sobre isso mas... se tem uma coisa que a Turma da Mônica é é politicamente correta.

Anna Lee disse...

obrigada obrigada obrigada obrigada!!

Lilian disse...

O anônimo mimimi realmente não conhece o blog. Não precisa ter nome pra receber carta aberta. Tsc, tsc.

May. disse...

Alguém tentando convencer alguém que a Turma da Mônica incentiva a violência. Quer dizer.
Nem preciso dizer que você disse tudo, porque um monte de gente já fez isso. =)
Mas parabéns, que mania de argumentar bem, viu. hahaha =)

Ivan Carlo disse...

Parabéns pelo texto! É impressionante que o Observatório publique um texto tão sem nexo, baseado apenas em clichês de Ariel Dorfman (que, aliás, renegou essa parte de sua obra).

Glauco Guimarães disse...

Boa! Te devo uma cerveja, gelada claro.

Gilgomex™ disse...

E o que eu falei sobre passar de 100, hein???

Ah... Quem twittou este post pro Maurício de Sousa fui eu...
(ou pelo menos fui um dos...)

Post novo em:
www.colunadolorida.blogspot.com

Marina disse...

Desconsiderando minha opinião sobre seu texto e o tema de maneira geral, só acho que você deveria ter enviado o mesmo ao Dioclécio. Críticas são sempre bem-vindas desde que entregues aos criticados. Afinal, essa é sua função: reportar as opiniões para gerar troca de ideias.

Kell Alves disse...

A Mônica gostou! Precisa dizer mais alguma coisa?!

Luízα disse...

Fantástico, parabéns pelo sucesso. E aos ignorantes, já basta a ignorância, que é um castigo tamanho. ^^

Bruno T. disse...

Caramba ! quanto conhecimento, gostei mesmo de ter lido isso :D
Parabéns.

Anônimo disse...

Simplesmente fantástico.

Rob Gordon disse...

Respondendo alguns comentários:

Anônimo (19 comentários acima): Você expressou da sua opinião da mesma forma que eu expressei a minha, e o Dioclécio expressou a dele. Não há porque temer represálias: qQuanto a você não deixar seu nome com medo de receber uma "carta aberta"... Bem, algumas cartas abertas aqui (a maioria delas, aliás) foram dirigidas a leitores anônimos). Entretanto, se seus comentários não se referem ao texto (O que caberia numa resposta mais detalhada, e não necessariamente grossa), este problema é, digamos, acadêmico.

Anônimo (21 comentários acima): Se você leu apenas a primeira sentença do meu texto e mesmo assim se propôs a comentar, você fez exatamente o que o Dioclécio aparentemente fez com a Turma da Mônica: não leu e resolver comentar o assunto. Para nossa sorte, seu texto foi (muito) mais curto que o dele.

Aos demais que perguntaram se eu mandei o texto ao Dioclécio: vi nos comentários que ele recebeu no OI, três pessoas indicando o meu texto, com o link. Assim, achei desnecessário postar lá - acredito que ele tenha a delicadeza de ler os comentários que recebeu.

isabella disse...

Rob,

Adorei o texto. Quem não adoraria? Ah, sim, Dioclécio! hahaha. Até a Mônica apareceu por aqui.

Escrevi um também e te citei.

Parabéns. Beijo!

Marina disse...

Rob, vou parar de frequentar seu blog. Comentar aqui está ficando muito concorrido. Hahaha!

Daniela disse...

Chupa, Dioclécio!
Acho pouco!!! hehehe

Poxa, até a Mônica?? Maravilhaaa!

Ainda bem que voltei até o post e li o Update.

Varotto disse...

Pelo que conheço do Sr. Gordon, o anônimo não tem o que temer. Como foi dito, ele tem uma opinião diferente mas, ao contrário de outros que mereceram represálias por aqui, seu comentário não foi, de forma geral, desrespeitoso ou agressivo.

Eu, por exemplo, acho que Os Trapalhões, que eu adorava, ajudaram a incentivar hordas de crianças a cultivarem preconceitos (de sexo, raça e contra os "diferentes"). Mulher só servia para aparecer de biquini e ser "bicho bom", negro só para ser sacaneado, anão para tomar porrada, e por aí vai. É como piadas raciais, parecem inocentes mas, lá no fundo, vão formando idéias nas cabeças de alguns.

Mas é claro que só que isso não é suficiente para que eu forme uma tese de como os trapalhões foram danosos ao desenvolvimento das crianças por décadas.

Simplesmente porque eu tenho noção de proporção e sei que a coisa não é deste tamanho. Considero que isso possa influenciar alguns, mas sei que não faz lavagem cerebral em ninguém.

Então daí para eu resolver me expor, escrevendo um texto cheio de certezas como o camarada Dioclécio fez, vai muito caminho. Até mesmo porque esssas certezas são muito relativas.

Fora que tenho mais o que fazer do que preparar um texto sobre a influência nefasta d'Os Trapalhões sobre a pobre juventude brasileira, ou sobre como Godzilla contribuiu para o preconceito com montros gigantes que saem do mar e répteis em geral.

Varotto disse...

Aí Gordon, recorde absoluto de comentários, hein?!

Sherman Klump deve estar se remoendo de inveja...

Tiago Freitas disse...

Isso foi simplesmente MAGNIFICENT!

Anônimo mimimi disse...

Aos que me instruíram sobre a besteira que fiz ao querer me manter anônimo, os meu agradecimentos. Além de deixar clara a minha ignorância a respeito das práticas do blog, certamente acabei passando por alguém que tem algo a esconder. Prometo ser mais identificável - não que eu passe a frequentar o blog, mãs...

Não sei se tenho algo mais a acrescentar ao, ahm, "debate", já que provavelmente os leitores e o autor vão comentar sobre a minha escolha em ser ou não identificável. Além do mais, se eu quisesse mesmo compartilhar conversações a respeito do conservadorismo cultural da moçada, faria isso em um espaço apropriado ao invés de em uma coluna reservada para comentários.

Como prefiro não faze-lo pois sei que a coisa não andaria por falta de quórum (sou anônimo online mesmo, um zé-ninguém virtual sem audiência e/ou veículo) melhor eu me despedir dizendo que desafiar opiniões é sempre saudável, sejam elas as de um gibi infantil ou as de uma iniciativa do Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo e do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo, da Unicamp (iniciativa também conhecida como Observatório da Imprensa).

P.S: favor notar o tratamento irônico ao encher um de credenciais e tratar o outro com uma descrição de duas palavras - "gibi" e "infantil".

tati rosa disse...

O Piteco me apresentou ao Mito da Caverna do Platão.

O Louco me introduziu à PSICODELIA.

André Amaral disse...

Pela quantidade de comentários defendendo o Maurício de Sousa, devo supor que mais de 90% da população brasileira é um psicopata em potencial. Só pode...

Parabéns, Gordon por dizer tudo que queríamos dizer com conhecimento e estilo. Ele ainda deve estar pensando de onde veio essa coelhada!

Mas, o tal do Dioclécio conseguiu o que queria: celebridade instantânea ao atacar o inatacável.

Só algumas coisas pra acrescentar:

- o cara não entende nada de bullying (não sabe nem soletrar). Além da Mônica ser amiga do Cebolinha e do Cascão, nunca bateu neles de graça. Só batia quando davam nós na orelha do Sansão ou a chamavam de baixinha e dentuça. na historinha seguinte, eram melhore amigos de novo!

- a Turma do Papa Capim dá mais aulas de ecologia que qualquer Capitão Planeta.

- a Turma do Chico Bento sempre mostra a interação cidade-campo, dando sempre vontade de ir pra uma fazendo quando seu primo da cidade o visita.

- Aliás, muito me surpreende o simpático Chico não ser acusado de meliante por furtar goiabas do Nho Lau, nem de atentado ao pudor por nadar pelado no rio.

- outra coisa interssante são as aulas de folclore com Curupira, Saci, Mula sem Cabeça e outros que aparecem nas histórias da Vó Dita.

- ainda com o Chico Bento (o cara consegiu mexer com o CHICO BENTO! Não me conformo!): o "caipira burrão" é o único personagem que frequenta regularmente a escola. OK, suas notas e desculpas não são as melhores...

- Comentar sobre o Horácio, nem precisa. Quando era moleque achava chato, mas quando era adolescente comecei a entender a profundidade de alguns comentários e virei fã do dinossauro.

- O Cascão é criticado por não tomar banho, mas quantas vezes - apesar de ser muito querido - não é segregado por seu "cheirinho"? Várias vezes quase se arriscou a encarar o chuveiro. Seu único defeito indesculpável é ser curintiano.

- por fim, o Piteco que ensina aos homens uma lição preciosa: como fugir do altar! Hahaha...

Morris disse...

Acho que em homenagem ao Rob Gordon o Maurício de Sousa podia criar uma historinha (me sinto naquela parte do meio do almanaque) em que o Sansão é levado por bandidos da censura barata (eles podem ser baratas mesmo) e a Mônica conta com um outro bicho de pelúcia, chamado (dããã) Rob, que a ajuda na salvação do coelho. Turma toda, pancadaria com bichos de pelúcia (violentíssimo!) e final feliz.

Eu só não sei que bicho o Rob Gordon seria...

Até lá, Sansão neeeeeeles, amigo!!!

Jullia A. disse...

tyler bazz e seu conhecimento universitario. (:
Rob, EU cresci lendo turma da monica e colorindo almanacao, eu, como voce, aprendi que irmao 'e bacana lendo turma da monica, aprendi que amigos devem durar pra sempre. Aprendi que nao tem porque ter medo de chuva ou de trovao.

Quando eu crescer eu vou responder carta que nem voce.

Jullia A. disse...

Ps: Eu tambem aprendi que eu nao queria ser que nem a carminha fru fru e a denise. Aprendi a valorizar meu tempo como crianca mais do que a aparencia.

Renato A. disse...

Caríssimo Rob, texto absolutamente brilhante, parabéns. Foi para mim indicado, aliás, pela Silvia, nossa amiga em comum.
O senhor Dioclécio nada mais é que esses doentios patrulheiros do politicamente correto. Essa gente tem horror a pensamento independente.
Grande abraço e novamente parabéns
Renato A. Azevedo
http://escritorcomr.blog.uol.com.br

Kel Sodre disse...

Ah, não, Rob! A MÔNICA??? Babei...

I. Malforea disse...

Tenho 27 anos e um guarda-roupa cheio de revistas da MSP, que me acompanham desde antes de aprender a ler meu próprio nome. Por um tempo fui roteirista freelancer da Turma da Mônica. Sou historiador e assino embaixo de todo esse texto. Não existe HQ mais saudável que a Turma da Mônica.

Tyler Bazz disse...

"ou sobre como Godzilla contribuiu para o preconceito com montros gigantes que saem do mar e répteis em geral."

Varotto ídolo!


E sim, o Sherman deve tar jogando olho gordo nesse post... aHUAhuaHUAhuaA

Gilgomex™ disse...

Rumo aos 200????

Felipe disse...

Rob, sensacional! trazer todo o embasamento do universo ficcional do Mauricio neste artigo certamente é mto melhor que deixa-lo perdido nos comentários do Observatório da Imprensa.

adiciono que os intelectuais da esquerda vivem tentando convencer o mundo de que o ser "despolitizado" (no caso, as crianças) são "vasos vazios que aceitam tudo que lhes põem", porque eles mesmos sonham encher esses "vasos" com lixo marxista.

Anônimo disse...

Porra Rob! http://porramauricio.tumblr.com/post/422459939/porra-mauricio-porra-monica-porra-dioclecio#disqus_thread

Benito disse...

A Turma da Mônica me ensinou a ser cidadão.{2}

Lua Durand disse...

Rob, suas palavras falaram por mim e por mais um monte de gente.
Eu tinha lido lá, o do Sr. Dioclécio, queria ter falado algo, mas temia parecer agressiva demais.
Pois falar da Turma da Mônica como ele falou é tentar desconstruir toda uma gama de valores que ajudaram a formar o que eu sou hoje.
Eu aprendi a ler antes da alfabetização lendo os gibis da turma, e me determinei a aprender porque quando eu nao sabia ler pedia ao meu irmao mais velho pra ler pra mim e ele me contava as historias erradas, e eu não gostava disso e quis ler sozinha, bom enfim. A minha geração, cresceu lendo a Turma, a sua, a geração depois da minha, e muitas e muitas crianças Brasil a fora, nesse momento estão lendo a Turma.
E a cada gibi tem um aprendizado novo, tem um valor novo, tem um sorriso novo.

"Sim, porque Mafalda e Calvin me ensinaram a questionar o mundo e super-heróis me ensinaram a lutar pelo que é certo.

Mas a Turma da Mônica me ensinou mais que qualquer outra HQ.

A Turma da Mônica me ensinou a ser cidadão."

Obrigada, Rob. [Posso fazer minhas as suas palavras, com os devidos créditos, claro, hehehe]

Yellow disse...

Boa Rob!!! Muito boa!!!

Não dá pra comparar... veja:

- Rei Mufasa morreu, rainha tentou ENVENENAR a Branca de Neve, a madrasta subverteu e escravizou a Cinderella (e ela falava com ratos! :|), e daí por diante.

O maior vilão que MS criou foi.... O CAPITÃO FEIO!!! Que era feio. E queria sujar o mundo. MS me ensinou que sujar o mundo é errado. Ponto pra ele. E ponto pra vc, Rob!

Abs

Dani. disse...

Se a Turma da Monica prega violência gratuita e tudo o que ele disse, então só até agora somos 133 psicopatas com sede de sangue. Isso sem contar com o Rob.
Acho que nem preciso dizer: Dioclécio Luz levou uma sonora coelhada!

Parabéns pelo ótimo texto, e putz, receber respaldo da Senhora Coelhada em pessoa foi a pá de cal no Seu Diô!

Varotto disse...

""ou sobre como Godzilla contribuiu para o preconceito com montros gigantes que saem do mar e répteis em geral."

Varotto ídolo!"

Que isso...

Juliano Gouvêa disse...

Rob Gordon


Você lavou a alma. Obrigado pela bela resposta a ALTURA em defesa contra o absurdo.

Letícia Volponi disse...

Excelente resposta ao artigo. Fiz um post a partir dele também, mas focado na educação infantil e linkei teu blog. Quando puder, passe por lá para conferir: Pelos Cotovelos e Cotovelinhos.

André Sobreiro disse...

Olha, já li e ri demais de seus posts aqui (apesar de nunca comentar, sou leitor assíduo). Mas dessa vez você realmente se superou.

Como parte de uma geração que esperava o embrulho cinza quinzenal com meus gibis, me senti pelo menos ofendido pelo artigo do Dioclécio.

Valores e mais valores me foram sim passados pela Mônica e seus amigos. Pq aquilo era a meu maior entretenimento.

Disse tudo que eu queria dizer e muito mais. Matou a pau aquele texto porco.

parabéns!

Orelhinhas disse...

Pulando de blog em blog cheguei nesse texto, e uma coisa aquele anormal do Diolcécio Whatevah merece meu agradecimento: o de me trazer a esse texto e a esse blog.
Alguns comentaram que a reação é exagerada, e eu sou obrigada a concordar que este asno que se diz jornalista (e infelizmente eu sou jornalista formada e tenho que dividir o título com seres como esse) usou argumentos ridículos, bobos, sem nenhum fundamento e totalmente equivocados sobre o assunto. PORRA, na faculdade (se é que ele teve a capacidade de entrar em alguma, e se entrou foi turista) você aprende que pra fazer uma matéria, comentário, crítica, você primeiro ESTUDA, CONHECE, PESQUISA sobre.
Mais do que raiva por ele ofender uma coisa que eu amo (é desnecessário pra mim dizer o quanto eu amo a Turminha, aprendi a ler com ela, pra mim isso já diz tudo) senti vergonha vendo tamanha quantidade de batatadas em um texto só. Não entendi a proposta dele, terminei irritada com tanta provocação digna de gente ignorante e me enoja ver essa energia toda desperdiçada em um assunto que não precisa desse tipo de discussão. Muitos aqui já disseram o que eu queria dizer em gênero, número e grau. Turma da Mônica é um bem nacional, parte da nossa cultura, com valores e fundamentos maiores que qualquer sindicato, empresa ou dinheiro. Quem lê reconhece os valores e lições que esses quadrinhos nos passaram, e o principal: são voltados para as crianças. Qualquer uma que saiba ler entende e acompanha qualquer história, isso é maior do que qualquer idéia boba de violência. Essa falta de sinapse já obrigou o Maurício a remodelar as histórias de uma forma drástica, triste seria se ele o fizesse de novo por uma opinião idiota.

Rob Gordon, desculpe por repetir o que muitos já disseram, mas obrigada pelo texto. Lavou minha alma ver a minha turminha do coração dignamente defendida e reconhecida. Eu não sei quanto aos outros, mas por ler os gibis a tanto tempo (19 anos e contando), me sinto como se estivessem ofendendo pessoas que eu conheço profundamente e amo. Pessoas que é evidente que este babaca tendencioso não se preocupou em conhecer para fazer o mínimo em um texto legível como o que o dele propunha: expressar uma opinião baseada em argumentos. Triste isso.

Fabio Valle disse...

O tal jornalista lá é tão dedicado ao trabalho de pesquisa que escreve o tempo todo "Mauricio de Souza", quando na verdade o nome dele é "Mauricio de Sousa".

gustavofsc disse...

Perfeito. Assino embaixo.

Anônimo disse...

PALMAS!

somente isso e nada mais.

Nadia disse...

É quase absurdo o ponto ao qual uma pessoa consegue chegar pra critícar algo.
A falta de argumentos é visível no texto e a resposta mereceu muitos, mas MUITOS aplausos mesmo.
E só digo uma coisa.

PARA DE ESTUDAR FREUD SEU BABACA... nem tudo é culpo do inconciênte e nem tudo influência no inconciênte... assim como esse texto escroto será deletado de nossas mentes em 5, 4, 3, 2...

Valeu Rob.

Cecília disse...

Clap clap!!!!!
Parabéns pelo texto!!! Garanto que não só a Mônica, mas o Mauricio deve estar orgulhoso de vc agora!!
O Brasil precisa de mais jornalistas como vc!!!

Lu Monte disse...

Sensacional! Derrubou com maestria e elegância os argumentos tacanhos do tal crítico. De quebra, descobri que esse excelente blog continua vivo. :)

Jr disse...

Ótimo!!!!...muita gente aprendeu a ler com a Turma da Mônica!!!..Parabéns, nem preciso ler a porcaria que o tal escreveu no Observatório!!!..Deixo aqui uma sugestão para o Mauricio publicar sua carta em uma de suas revistas e mais fazer um banner bem grande esse texto e colocá-lo na entrada do Estúdio MSP!!! Abraço!!!

Alexandre disse...

Ou seja, o indivíduo em questão é basicamente mais um desses palpiteiros da mídia que se acham mestres naquilo que lhes vem à cabeça e sai da boca.
Ele deve estar hiperdeslumbrado com as próprias indagações que escreveu no artigo. O problema desses ignorantes é que o ego fica tão grande quanto um ônibus que eles nem se prezam ao cuidade de não colocar besteiras nos próprios trabalhos. Aquela parte em que ele escreve que Disney delatava comunistas para McArthur já mostrou o nível do desconhecimento do cara.
Bem que já falaram antes e isto só confirma o dito de que "a ignorância torna as pessoas arrogantes".

Nat disse...

Rob, acredito que você disse tudo que o Brasil tem a dizer sobre o assunto, apenas com a frase "A Turma da Mônica me ensinou a ser cidadão". Parabéns pelo blog, que está cada vez melhor.

Professor Luis Carlos disse...

Sinceramente digo que o texto me emocionou pela clareza dos argumentos e pelo fato de nos fazer lembrar que ser criança é uma das maiores maravilhas da vida.

カウエ・リベイロ disse...

Depois de ler os dois textos... não resta muito a dizer.

HEADSHOT no Dioclécio Luz

Diego Cóstola disse...

Rob, concordo con sua contra-argumentação. Mas ela se faz com o simples ataque às conclusões do Dioclécio Luz, e não tira os méritos de analise dele, que tambem são coerentes.

Lênin Jr. disse...

Caro Rob: Tomei conhecimento de seu texto em outro blog [Pava Blog] e quando comecei a ler, minhas entranhas revolucionárias começaram a estremecer [ou eram gases talvez]. Vejo que você é mais um abduzido pelo imperialismo ianque que tem no Brasil a turma da Mônica como "cavalo-de-tróia" para sua estratégia de dominação continental. Sei do que estou falando meu caro, pois meu avô Stalin Molotov Stupedivich foi caguetado pelo Disney mais de uma vez. Viva o Deoclécio!Viva Marx!Viva Sierra Maestra!Viva Zapata1 [o mexicano, não o que teimou em morrer de fome em Cuba, segundo nosso Guia Genial Luís Inácio]. Espero que este inspirador comentário o leve a refletir. Um abraço

Guilherme disse...

Parece muito afrescalhado se eu disser que cheguei a sentir um nó na garganta em partes do texto, principalmente com o finalzinho e o update? Lasque-se, eu confesso: cheguei a sentir um nó na garganta em partes do texto, principalmente com o finalzinho e o update!

Enquanto isso, na Sala de Justiça, o meu comentário lá no OI não foi aprovado, talvez porque, no final, sugeria que o Dioclécio deve ser a favor do "controle social" da mídia, que é só um nome elegante para a CENSURA que nossos atuais (e, infelizmente, prováveis futuros) governantes sonham em instaurar, obviamente para zelar pelo "bom interesse e andamento da nação".

Venezuela, aí vamos nós!

Blog do Cristian disse...

Muito bom teu comentário. Interessante que o artigo do Sr. Dioclésio comenta Mafalda (que também gosto muito) como o suprassumo da inteligência, devendo levar em consideração o viés esquerdista da publicação. Sendo assim, na verdade algo que não é ideologizado no viés esquerdista é conservador, unidimensional, etc e tal.
A Turma da monica remete a valores que muitas vezes a nossa sociedade mantém esquecida como solidariedade (sempre há um personagem ajudando alguém), amizade (existe uma obra prima chamada Amizade com o Cascão e o Cebolinha, quem teve um grande amigo de infância chora), boa alimentação (A Magali come de tudo), namoros sem viés sexual (O Chico bento e a Rosinha) e muitas outras que são benéficas para as crianças. Eu li e as minhas leem.

Ricardo/Sardonis disse...

Acho particularmente interessante o fato do sr. Werth... digo, Luz, não ter em momento nenhum se dado ao trabalho de defender seus argumentos. Resta evidente ter vomit... publicado seu texto com o simples propósito de, como diria o Cascão, "causar".

Fico feliz de ver tantas pessoas com o o bom senso necessário para se revoltar diante de insanidades como as apresentadas pelo sr. Luz, no entanto!

Cristine disse...

PERFEITO!!
Eu apoio e assino embaixo!
Sou fã de todos os núcleos criados pelo Mauricio de Souza, é um universo tão rico, e até hoje me surpreendo e aprendo com eles.

Humbas disse...

Lord of the Riggs,

Nessa você pegou emprestado o Sansão...

Abrassss

Beto

lidianecunha disse...

Seu texto foi maravilhoso,eu tb cresci lendo as historias da Turma da Monica, lia muitas por sinal, e por esse motivo hj me considero uma pessoa que aprendeu altos valores de lealdade para c os amigos.Parabens pelo seu belo texto.

Lafa disse...

Boa resposta. Nunca levei coelhadas.

--- disse...

Ehehehe nunca levei coelhadas também! Leio a TM desde que comecei a ler, e o faço até hoje (estou com 25). E não pretendo parar! As histórias tratam de assuntos universais e de uma maneira muito fácil e sublime para o leitor. Não tem criança que não se identifique com os personagens e não aprenda com eles.

Parabéns!

Eduardo Chaves disse...

..e qdo eu falo para meus amigos q sou fã de um tal de Rob gordon eles ainda não acreditam (!)

Thiago Moskito disse...

Arrebentou, meu chapa!
Adorei o texto, mandou muito bom!
Ficou redondo!

MPauloS disse...

Vou ser curto e grosso, Rob, tu é foda, sem mais.

felipão disse...

Tá difícil de acreditar que vocês estão levando mesmo a sério o que esse Dioclécio escreveu. Falácias, falácias, argumentos absurdos, falácias, incoerência, falácias e falta de lógica. Pra mim é mais um troll que habita as profundezas da internet e vocês aí, caindo como patinhos. Ele deve estar rindo de toda a repercussão causada pelas merdas que ele escreveu. Ou será que...? Quer saber, me conforta mais pensando que é mais um troll.

Anônimo disse...

Na mosca! Muito bom!

@ricardoszm disse...

parabéns pelo pela carta aberta, que à propósito ficou perfeita!!!

continue assim !

Vinícius O. E. disse...

Excelente texto, está de parabéns!

Também cresci lendo a Turma da Mònica (aliás, aprendi a ler através das revistas da turminha) e querer comparar os personagens de Maurício com a violência é o mesmo que querer atribuir a violência de alguns videogames aos maníacos que pegam uma arma e saem atirando em todo mundo.

Thiago Cotta de Campos disse...

Perfeita a resposta!!! Falou por todos nós... obrigado!

In The Deepest Ocean disse...

Palmas, Palmas!
Falou por nós!

Lucho disse...

Texto simplesmente perfeito.

Eu não acredito que aquele agente da SS/KGB/DOPS/DOI-CODI/Gestapo da correção política, também conhecido como "jornalista" Dioclécio Luz escreveu aquele texto a sério.

Não é a toa que eu digo que o sujeito politicamente correto é o maior ignorante que existe.

Fernando Ventura disse...

Em uma país onde Turma da Mônica vende mais do que os quadrinhos Disney só pode ter alguma coisa muito errada acontecendo!

Eu prefiro uma reprise do Darkwing Duck!

Lucas Reis disse...

Não acho necessário dizer mais alguma coisa. Todos os comentários expressam o que eu queria dizer.

Só mais uma coisa: tô arrepiado. Me segurei para não chorar.

Lucas

TRICLONAGENADOS disse...

Olha, vou passar a ler o seu blog diariamente, você meu caro é sensato, honesto, e não foge da verdade, além de dar sua opinião sincera sem ofender, isso meu amigo é que eu chamo de imprensa!
meu forte abraço, e vamos trocar figurinhas!
qualquer coisa lhe mando um e-mail sobre algo interessante pela qual possamos discutir, quero aprender com você amigo
visite o blog da minha banda
triclonagenados.blogspot.com

Marco disse...

Rob,

Gostei do texto e acrescentaria: o Cascão também é criativo, costuma limpar a sujeira das ruas e combate o vilão Capitão Feio, que pretende emporcalhar o mundo. Além disso, o mundo do Maurício é riquíssimo em personagens secundários e eventuais.

Já na crítica ao Tio Patinhas, Dioclécio comete uma gafe do tamanho de seu compromisso ideológico: Tio Patinhas não é Disney, mas Carl Barks - um dos melhores, senão o melhor e mais criativo dos quadrinistas. Além disso, Patinhas foi reinventado por Don Rosa nos anos 90 a partir de entrevistas com o então nonagenário Barks produzindo uma obra de extrema sensibilidade e que já nasceu clássica.

O problema do Delcídio é que ele se compromete com a hipótese e não com o método. Daí sua tese resultar rala, rasa e tendenciosa. Não é de se admirar, dado o espaço em que ele escreve (e olha que no Observatório há exceções louváveis).

emerson disse...

Mais um Golaço de Rob Gordon.

Queria poder apertar sua mão pessoalmente. Íntegro, justo e imparcial. Parabéns meu amigo.
Morte aos hipócritas .hehehe

LatoeSensu disse...

Estou fazendo um comentário atrasado no post do seu blog só pra lhe dizer que hj, enquanto eu escrevia sobre a interrupção da programação religiosa na TV pública, pesquisei o nome de um dos sujeitos que participou da consulta realizada pela EBC. O Sujeito simplesmente desfiou um texto de caráter anti religioso para pedir a interrupção da transmissão de programas cristão na EBC. O nome dele: Dioclécio Luz.

Esse Senhor é um esquerdopata. Um homem de mentalidade revolucionária e neo ateu convicto. Só mesmo uma pessoa que odeia a religião e acredita no delírio comunista para ver em um gibi infantil alguma violência e não enxergar nas ideologias em que ele acredita o fundamento dos piores genocídios que algum dia já se praticou no mundo.

ROB, eu já conhecia o seu Blog - tenho até um link que o indicando na minha página - e por isso confesso que não fiquei tão surpreso com a qualidade do seu texto de refutação do delírio desse senhor, pois sempre que leio algo por aqui sei que a regra é a qualidade. Por isso deixarei de lhe parabenizar pelo artigo, já que virou rotina o elogio pela excelência.

Brincadeira, é claro. Parabéns pelo excelente texto.

Abraços.

PS: o relatório que indica a opinião daquele senhor está no Site da EBC, mas se quiser tem um texto no meu blog com o link.

Anônimo disse...

PORRA-JORNALISTA-QUE-ESCULHAXOU-COM-O-MAURICIO-E-QUE-CONSERTAR-O-QUE-DISSE!!!!

Gabriela disse...

Parabéns, ótimo texto.
Só pra completar: Mônica ensina o PERDÃO.
Novela não ensina, super-heróis não ensinam.
Já imaginou Batman se divertindo com Coringa?
E Mônica e Cebolinha?

Os heróis definem seus inimigos e ignoram todas as suas virtudes.
Já a turminha mostra que mesmo com diferenças e conflitos, as pessoas podem se dar bem.

Quem é o superficial e o profundo?
Já dizia Seu Madruga: As pessoas boas devem amar seus inimigos.

Obrigado, mamãe e papai por me fazerem ler Maurício.

Anônimo disse...

Esse Dioclécio Luz é um doente. Que ibope!

Rodrigo José

Anônimo disse...

E O QUE VC TEM A DIZER SOBVRE CERTAS PALAVRAS QUE APARECEM NO DVD DA TURMA DA MONICA? COMO POR EXEMPLO A PALAVRA: "VADIA". MEU EMAIL É WOSBOURNE@HOTMAIL.COM
SE VC QUISER LHE DOU MAIS EXEMPLOS! E VC MESMO OUVIRA NO DVD!
WASHINGTON OLIVEIRA

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.