17 de setembro de 2009

Rob Gordon X Itaú - Rounds 1, 2 e 3

11:49 am

– Sr. Rob?

– Sim.

– Aqui é Jucimara, do Seguro Residencial Itaú. Nosso prestador de serviços está indo até sua casa.

– Sim.

– Para consertar a privada.

– Podemos chamar de válvula? É menos humilhante.

– E ele precisa de um ponto de referência.

– Da válvula? Fica no banheiro, perto da sala.

– Não, da sua casa.

– Fica perto da Teodoro Sampaio, logo depois da Mourato Coelho e da Fradique Coutinho. É mais fácil ele ir pela Rua dos Pinheiros.

– Mourato Coutinho. Obrigada.

– Não! Mourato Coelho!

– Oi?

– O nome da Rua é Mourato Coelho.

– E a Coutinho?

– Como assim?

– Não tem uma Coutinho no meio?

– Sim. Mourato Coelho e Fradique Coutinho. São duas ruas. E ficam próximas a Teodoro.

– Ah, sim. Vou passar essa informação para ele. Obrigada.

– Ok.


12:03 pm

– Sr. Rob?

– Pois não?

– Aqui é Lucicrécia, do Seguro Residencial Itaú. Nosso prestador de serviços está indo até sua casa.

– Eu sei.

– Mas ele está encontrando dificuldades para localizar a Rua Ferrero.

– Bom, faz sentido ele ter dificuldades. Afinal, não existe esta rua em Pinheiros.

– Mas o senhor deu esta rua como referência.

– Não. Eu falei da Mourato Coelho e Fradique Coutinho.

– O senhor disse para ele subir a Rua Ferrero.

– Pinheiros! Rua dos Pinheiros! Igual ao bairro!

– Ah, não é a Rua Ferrero?

– Não, Lucicrécia. Ferrero é um bombom. A rua é Pinheiros. Rua dos Pinheiros.

– Ah, sim. Vou passar a informação a ele. Obrigada.

– Ok.


12:47 pm

– Sr. Rob?

(Suspiro)

– Sr. Rob Gordon?

– Sim.

– Pois não?

– O senhor pode falar?

– Posso, eu estava fazendo apenas aquele gesto da arroba com a letra "i" que o pessoal da propaganda do Itaú faz. Mas eu estava fazendo com o dedo do meio, por isso demorei mais.

– Como assim?

– Nada. Deixe.

– Meu nome é Gladysleide, sou do Seguro Residencial Itaú. O nosso prestador de serviços já está na sua rua.

– E...?

– Mas ele está com dificuldades para localizar seu prédio.

(Suspiro)

– Olhe, é o primeiro prédio ao lado da ponte da Teodoro Sampaio.

– Ah, sim.

– Ok.

– Este 398... Isso seria o quê?

(Suspiro)

– Sr. Rob?

– Sim?

– O senhor forneceu um número, 398. O que é isso?

– É o número do meu prédio.

– Ah, é o número?

– Sim. Todos os prédios da minha rua têm números. Coincidentemente, este é o número do meu.

– Ah, sim.

– E pode falar para ele que na minha rua tem apenas um prédio com o número 398. Tenho quase certeza de que não tem outro.

– Ah, sim, vou passar essa informação para ele.

– Obrigado.

– Obrigada, Sr. Rob.


Ah, a propósito, tem um texto especial para os fãs de Beatles aqui, no Champ Chronicles.

12 comentários:

Dragus disse...

Tenho medo da sua privada.

Até mesmo depois do balde ela continua dando merda... =p

Mikhail Bregovic disse...

Eu não sei se devo ter inveja do Rob Gordon ou me sentir aliviado por quase nunca atrair situações desse tipo.

Tyler Bazz disse...

Eu, no seu lugar, compraria mais baldes.

Leandro disse...

Eu me mudaria pra rua Ferrero.

Mikhail Bregovic disse...

Hmm... Se ele se mudar pra rua Ferrero é capaz que as mulheres do Seguro anotem Pinheiros. É realmente mais fácil comprar mais baldes...
Afinal, ele é Gordon Rob.

Hally disse...

Tu também não dá moleza hein!

Fiquei imaginando a cena do arroba com "i" feito com o dedo do meio, e, como diz o Rafinha Bastos: "Eu vou sonhar com essa porra."

Sugestão 1. Mude-se para um lugar com mais pontos de referência e que seja mais fácil de achar.

Sugestão 2. Compre mais baldes.

Sugestão 3. Não ligue para as minhas sugestões, somos do mesmo signo, o nível de azar é o mesmo.
=P

Natalia Máximo disse...

Venda o apartamento enquanto há tempo. E muda pro prédio do Itaú Seguro Residencial, quem sabe eles encontram...

Nelson disse...

Como assim um prestador de serviços não conhece Pinheiros? As ruas são retas aí! Se ele viesse aqui no meu bairro ia demorar um ano pra achar a minha casa no meio desse minhoqueiro.

Decididamente, a humanidade continua não dando certo.

Larissa Bohnenberger disse...

Putaqueopariu!
Estas coisas só acontecem contigo Meeeeesmo!!!!!!
Rsssss!
Bjs!

Gabriel Leite disse...

Até eu, que mora em Brasília (um lugar sem bairro, nem rua) aprendi a chegar aí na sua casa. Se você deu o número certo, qualquer dia apareço pra comer uma lasanha de calabresa.

George Marques disse...

Hahahaha! Não sei nem o que dizer. (a propósito, este post do Chronicles é muuuuuito bom!)

Dama do Lago disse...

Imagine se ia ser diferente com você meu caro. Agradeça ao Itaú por lhe dar mais assunto para a saga da privada :D