7 de setembro de 2009

Coi'a' da Vida - XI

Eu já disse aqui diversas vezes que eu sou o piloto de testes de toda criatura estranha que Deus cria. Esse pensamento nasceu como uma piada, mas estou começando a ficar cada vez mais convencido que isso é a pura verdade. Meu papel no universo é entreter os mais diversos loucos que surgem por aí – e que vagam pelo planeta até cumprirem sua missão divina: me encontrar.

Entretanto, ultimamente a criatividade do pessoal lá de cima vem atingindo níveis inacreditáveis. Agora, ao invés de encontrar pessoas somente loucas, eu encontro loucos que seriam considerados estranhos até mesmo pelos seus colegas. Ou seja, se lidar com loucos na rua é um dos aprendizados da vida, eu cheguei a um nível que me permite até mesmo a dar palestras sobre o assunto.

Não, não é exagero. Ontem foi um louco fanhoso.

Estava esperando a Sra. Gordon no terminal Jabaquara. Cabe dizer – se você é leitor do blog mas não mora em São Paulo – que o terminal Jabaquara nada mais é que um Largo da Batata coberto. Lá, você encontra de tudo, desde pessoas que atuam como promoters de vans que vão para o litoral até mendigos de todas as idades, cores e religiões.

Enfim, estava ali esperando por ela. Poucos metros à minha frente, uma mendiga, que aparentava ter idade suficiente para ter ajudado Pero Vaz de Caminha com a carta, pedia suas esmolas. E era uma mendiga profissional, com banquinho e tudo.

Eis que surge ao meu lado um homem de cerca de 50 anos, carregando uma pastinha. Ele pára ao meu lado e fica olhando em direção a mendiga. Olha para mim. Olha para a mendiga. Olha para mim.

Eu, observando com o canto do olho, percebi o que ia acontecer. Ele estava louco para fazer contato comigo. Provavelmente ele recebeu, no Sindicato dos Loucos de São Paulo, uma foto minha desatualizada, e estava na dúvida se eu era eu mesmo. Quase virei para ele e disse que “sou eu mesmo, pode começar o show”.

Aparentemente, ele criou coragem, veio até a mim e começou a falar. Imagine TODAS as piadas sobre fanhosos que você ouviu até hoje. Imagine o outro personagem da piada, que fica tentando entender o que o fanhoso fala. Então, esse sou eu.

– Ho’e em dia, a’ pe’oa’ ’ó querem ´aber de di’eiro. E mai’ nada.

– Hã?

– É, é a’im o dia ’odo. Di’eiro, di’eiro, di’eiro.

– Hã?

– Por e’emplo: a madri’a da mi’a mu’er. Di’eiro, di’eiro. O dia ’odo. O’a ’ó, e’tá um baita dia ’onito. Ma’ ela não vai pa’ear, não quer conver’ar com ninguém. ’ó pensa em di’eiro.

– Hã?

– A madri’a da mi’a mu’er.

– Hã?

Ele ignorou que a completa ausência de fonemas essenciais ao nosso idioma estava nos levando a lugar algum, e apontou a mendiga com o dedo.

– O’a lá aquela mu’er.

– Hã?

– Di’eiro, di’eiro, di’eiro.

– Hã?

– Tem que ficar ’edindo di’eiro? Vai pa’ear! E’tá um ’uta dia ’bonito, vo’ê não a’a?

– Hã?

– Ma’, não! Tem que ficar ’orrendo atrá’ do di’neiro, o dia ’odo. I’o não é vida. I’o não é vida para mim.

– Hã?

– E ’e vo’ê pa’ar aqui ama’ã, ela vai e’tar aqui de ’ovo.

– Hã?

– Di’eiro, di’eiro, di’eiro.

Antes que eu pudesse responder qualquer coisa (admito, seria um novo “hã”?, talvez um pouco mais enfático), ele andou em direção à mendiga, e falou alguma coisa com ela. A senhora o mandou tomar no cu – em alto e bom som – e ele foi embora reclamando.

Mas, antes de entrar no metrô, ele ainda se virou para mim – já que eu era o mais próximo que ele tinha de um amigo ali – e ainda gritou:

– Vo’ê viu, né? Di’eiro, di’eiro!

Fingi que não era comigo, suspirei e continuei esperando a Sra. Gordon.

Ô fa’e.


Update: Tem texto novo no Champ Chronicles: O Bar do Luís. Confiram!

23 comentários:

Charlie Dalton disse...

Você é um predestinado! kkkkk


PS: Nossa vida é nós que escrevemos. O que aparece sem nosso consentimento é imprevisto.

Tyler Bazz disse...

Rob Gordon, alegrandos nossos feriados desde.. muito tempo!

Mas porra! Vc vai explicar a situação da rod. jabaquara pra quem não é de Sampa e usa como exemplo o Largo da Batata... que fica em.............

Rob Gordon disse...

Tyler, Tyler...

"Cabe dizer – se você É LEITOR DO BLOG mas não mora em São Paulo – que o terminal Jabaquara nada mais é que um Largo da Batata coberto".

O Largo da Bata fica em São Paulo. Mas o Largo da Batata também fica aqui no blog. :-)

Lizzie disse...

Vo'e 'ao 'em con'idera'ao, 'ob!

=/

Barlavento disse...

Meu feriado tinha tudo para ser um tédio até entrar aqui. Mais uma vez, obrigada, Rob!

Tyler Bazz disse...

Essas referências são complicadas demais pra mim.

Sou um leitor do blog sem memória.

Vinicius disse...

HAhauhaua, você devia ter feito igual a mendiga desde o início.

Fabio Barreto disse...

Hã?

Leonor disse...

hahahaha, genial.
"Piloto de testes de toda criatura estranha que Deus cria"...
Eu achava que eu tinha um imã de atrair malucos, mas tenho que concordar que vc passa por mais situações obscuras q qq um...rs

MaxReinert disse...

huahuahuaha... é 'so me'mo di'eiro, di'eiro, di'eiro!

Jullia A. disse...

Eu ia comentar um "Você e esse seu blog.. Di’eiro, di’eiro. " mas o MaxReinert chegou na frente. Portanto, concordo com o Vinicius.
oO

Varotto disse...

Pô, você foi injusto com o cara.

Fez aquele monte de "Hã?", mas entendeu o suficiente para transcrever a conversa dele, em detalhes, aqui.

Coitado...

O Lerdo disse...

Nuss, quanto tempo não apareço... o visual tá até diferente, mas a capacidade de me fazer rir ainda tá inalterada.

E concordo com o Varotto... você e a mendiga foram muito cruéis e fizeram um maluco um pouco mais infeliz.

Marina disse...

Hauhauhuahua! Por isso piada de fanho é divertida.

Nash disse...

No meu mundo ideal a mendiga teria respondido:

" 'ai 'omar no 'u, 'orra"

Leandro disse...

digamos que você também não evita lugares propi'cios pra encontrar esses loucos :-)

Dragus disse...

Dizem espiritualmente que as pessoas são ligadas a existência por fios de prata.

Você tem outro fio, o fio da puta. Um fio que atrai a loucura para você. Sempre.

Alexandre Greghi disse...

Voce devia ter respondido:
"os 'au...os 'au... os 'au'eses!!!!"
e saido correndo!

Kel Sodre disse...

Deixei escapar umas risadinhas e engasguei no trabalho com o comentário do Dragus! Agora me mandam embora!

Também concordo com o Varotto. Crueldade.

P! disse...

Tadinho, o cara super na conversa com você e você só, hã hã hã.
Aí o cara chega em casa, entra no blog dele e escreve:
"Hoje eu tava na estação de metrô e fui falar com um cara. Acho que ele era louco, tudo que eu falava ele respondia com 'hã?'. Tá loco, viu! Só vejo gente louca na rua, que não entende o que eu falo!"
E o Tyler tem razão, nem eu sei onde fica o Largo da Batata (?).

Larissa Bohnenberger disse...

Tu fez eu me engasgar com um pedaço de cocada...

Gilgomex™ disse...

Hã?

Eu ia escrever algo em fanhês, mas ia dar muito trabalho...
Sei que não tenho comentado muito aqui nos últimos tempos (ou em qualquer outro blog) mas tádifici a coisa).
-----Tem post de despedida lá no meu blog:----
www.thegilgomex.blogspot.com
-----------

Isabella disse...

hahahaha.
olha... queria escrever alguma coisa! mas não consigo... só dou risada! adoro seus causos!
bjs!