26 de janeiro de 2009

A Vingança dos Nerds

Há alguns anos atrás, os nerds, cansados de terem suas calças abaixadas no pátio da escola todos os dias e obrigados a jogar no gol nas aulas de educação física, perceberam que não conseguiriam mais viver assim por muito tempo. Assim, colocaram a camisa para fora das calças, trocaram os óculos por lentes de contato, passaram uma Acnase no rosto para dar um trato nas espinhas e resolveram que agora não são mais nerds, são geeks.

Com a nova alcunha, formaram uma nova tribo, famosa por dominar todos os gadgets eletrônicos, conhecer o nome de pelo menos cinqüenta pokemons e saber de cor e salteado todos os aplicativos existentes para Twitter. Até aí, ok. Se você gosta da coisa, tem mais que curtir mesmo. Não só está no seu direito como é saudável. Eu mesmo tenho meu lado nerd (aliás, quem não tem?), e adoro ficção científica, quadrinhos, videogames e heavy metal, assuntos conceitualmente nerds.

E, até então, os geeks uma tribo simpática. Ou, ao menos inofensiva. Isso, claro, até a Campus Party deste ano, que foi um vexame total.

Desde que um dos participantes do Best Blogs Brasil (cuja premiação foi entregue no evento) foi desclassificado do concurso e ameaçou processar os organizadores do concurso a Campus Party deste ano foi um vexame atrás do outro. Ao longo do evento, os nerds, provavelmente empolgados por descobrirem que formam um exército maior do que imaginavam, abandonaram seus estojinhos de química e suas figurinhas de Dragonball Z e partiram para a conquista do mundo. Assim, tivemos nerds brigando com nerds, nerds brigando com a banda, e, claro, nerds passando a mão na bunda da Coelhinha da Playboy que estava no stand da editora Abril.

Mas o mais ridículo mesmo foram alguns comentários que eu peguei em alguns Twitters, colocando a Campus Party deste ano como uma espécie de Woodstock do século 21. E provavelmente falaram isso apenas porque a organização do evento disponibilizou um espaço para as pessoas acamparem ali durante a noite. É. Igualzinho a Woodstock. Ou quase igual, já que enquanto em Woodstock as pessoas transavam durante os shows, os nerds da Campus Party devem ter passado as noites fazendo sexo virtual pelo Messenger com a gordinha da barraca ao lado.

Sinceramente, o evento mostrou apenas que os nerds (se você gosta de ser chamado de geek, me desculpe por derrubar seu castelinho de cartas, mas você é nerd mesmo) podem dominar as novidades tecnológicas como ninguém, mas a maioria ainda não possui maturidade suficiente para poder andar sozinho na rua, agredindo todo mundo e bolinando mulheres por aí.

Aliás, o interessante sobre o moleque que passou a mão na bunda da menina da Playboy é que, quando ela reclamou, tudo o que ele conseguiu fazer foi desconversar – o que mostra que ele não faz menor idéia de como lidar com situações que não oferecem a alternativa “bloquear a pessoa no Messenger” como solução. Altamente maduro e evoluído.

Aqui fora, no mundo real, as coisas são bem diferentes desta realidadezinha cyberpunk que existem apenas na mente de vocês e na qual vocês são hackers caçados pelas autoridades (porque, provavelmente, descobriram a senha do Orkut da irmã). Então, aprendam a conviver com outras pessoas de carne e osso antes de saírem do apartamento.

Afinal, vocês sempre foram simpáticos aos olhos das outras pessoas. Não tentem mudar isso se tornando ocupando o lugar dos emos na posição de tribo mais detestada por todos. Porque é isso que vai acontecer, com mais uma ou duas Campus Party com presepadas deste nível. Mas tudo isso prova que dominar a tecnologia não necessariamente o transforma numa pessoa evoluída. aposto que por causa de nerds como esses que a Teoria da Evolução ainda é obrigada a ter a palavra "Teoria" no nome.

Afinal, não há muita diferença entre um nerd desses com um iPhone na mão e o macaco de 2001 - Uma Odisséia no Espaço socando o rival com um osso.

Não, pensando bem, tem diferença sim. Mas a favor do macaco.

Porque essas pessoas que arrumaram essas confusões na Campus Party acabaram de provar, para mim, que nerd não é quem gosta de desenhos japoneses, de tecnologia e de internet. Quem gosta disso é uma pessoa normal, saudável e muito provavelmente feliz - ao contrário do que diziam no pátio da escola. Nerd, na verdade, é quem não sabe se comportar em público. Pior: ainda se orgulha disso, e sai propagando seu feito na internet, como o sujeito que passou a mão na bunda da menina. Isso sim é ser nerd. Aliás, minto. Isso é ser bobo.

P.S. – Se você foi até a Campus Party apenas para conhecer as novidades sobre o assunto que gosta (e não para aparecer em Twitters em blogs como astro do “evento nerd do ano”), este texto não se refere a você.


Update: Quando comecei a receber diversos comentários discordando de mim sobre este texto, especialmente me acusando de generalizar, pensei comigo mesmo "não é possivel que eles não entenderam que estou falando sobre meia dúzia de pessoas".

Bom, a culpa de vocês não terem entendido é exclusivamente minha.

Eu postei este texto na correria, no trabalho. Digitei no Word e colei aqui. Aí, com o texto aqui no blog, adicionei o PS (que me ocorreu apenas enquanto eu estava postando o texto). Na pressa, simplesmente não vi que não copiei o último parágrafo do texto original - o que deu a impressão de que estava falando sobre todos os frequentadores da Campus Party e não sobre meia dúzia de pessoas.

Peço (muitas) desculpas a todos que leram o texto incompleto e peço, humildemente, que o releiam (ou ao menos leia o trecho "inédito", em negrito, logo antes do PS). Mais uma vez, desculpem pela confusão. E, caso você esteja pensando: "ah, ele inventou isso agora" (eu, no seu lugar, desconfiaria disso), deixo uma pergunta no ar: quantas vezes você já me viu generalizando aqui?

Mais uma vez, desculpem pela confusão.

Abraços

Rob.

23 comentários:

P! disse...

Sinceramente? Nem sabia direito o que era Campus Party, afinal, fiquei ilhada de qualquer meio de comunicação nos últimos quatro dias. Mas atitudes como essas são ridículas e não devem ser tomadas nem em Campus Party e nem em lugar nenhum.

Anônimo disse...

Cara, acho que você generalizou demais aí.

Mamãe Gordon disse...

"Nerds de todo o mundo: aqui fora, no mundo real, as coisas são bem diferentes desta realidadezinha cyberpunk que existem apenas na mente de vocês e na qual vocês são hackers caçados pelas autoridades (porque, provavelmente, descobriram a senha do Orkut da irmã). Então, aprendam a conviver com outras pessoas de carne e osso antes de saírem do apartamento."

Filho, larga o wii e vai malhar numa academia de verdade.

E não se esqueça de levar o casaquinho, pode esfriar.

Nash disse...

Não, ele não generalizou. Nesse aspecto a CP pecou mesmo. Em grande parte, foram jovens despreparados para um convívio social verdadeiro, como o Rob falou; que apenas se limitam ao seu mundo virtual fechado, seja ele de blog, twitter, msn, orkut, whatever. No "mundo real", eles apenas mostraram uma grande Blue Screen em seus rostos.

Nash é um meio-nerd. =]

Thais disse...

Sei lá, parece que cada vez mais, as pessoas vão acabar se fechando em tecnologia, e vão se afastar e perder totalmente o jeito de ser pessoas humanas...(aff que coisa sem noção que eu disse...) eu não quero estar nesse pós-modernismo. Eu curto pessoas mesmo! Infelizmente, atitudes como essa da CP nos mostram a imbecilidade de alguns indivíduos.
P.S. Graças à sua "propaganda" grátis de seu WII, meu namorado sofre agora com intermináveis pedidos de "mozão, compra um nintendo wii pra mim?" Fiquei com inveja....rs....
bjs tudo de bom.

MaxReinert disse...

Pois é... o CParty acabou por revelar uma panorâmica bastante clara da parcela geek da população. Um misto de gente muito interessante que realmente tem o que dizer e sabe o que acontece no mundo com um bando de gente sem noção que sofre do mal do "o meu é maior que o seu". Antigamente era com carros e até o tamanho do dito cujo... hoje em dia é pela velocidade da banda larga e a quantidade de assinantes do Feed!

O tempo passa... e o mundo continua insuportávelmente parecido com o que sempre foi!

Flavita disse...

Quase tão bom quanto o post foi o comentário do Max. Ainda bem que ainda há vida inteligente na blogosfera.

Gábisz disse...

Isso não são nerds,são adolescentes imaturos e isso independe de ser nerd,otaku,metaleiro,pagodeiro,funkeiro,
jogador de futebol,fã de carros ou o que for, o fator "nerd" nada tem a ver com isso,portanto acho que tu generalizou e muuuuuuito dessa vez.

Acertou na crítica,mas errou no alvo.

Anônimo disse...

Cara, eu me surpreendi quando eu li esse post. Nem parece ser do Rob que escreveu o post anterior. Generalizou sim, e muito. Estás julgando demais. Não é por causa da atitude de um ou de outro que toda aquela "comunidade" deve ser rotulada. Por causa de julgamentos assim que habitantes de países desenvolvidos tem na mente a imagem de um menino com sandália de dedo segurando uma metralhadora quando escutam o nome Brasil.Volta Rob.

Pat Iglesias disse...

Gostei do post... Muito bom...

Pat Iglesias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Barretão disse...

Galera que "acusou de generalizar", desculpem dizer, mas se a carapuça serviu....

Diversos blogs tem falado sobre o "nosso comportamento", seja comentando o jeito boçal como a maioria dos jogadores brasileiros se comportam em jogos multiplayer, com a prática do cyberbulling que acontece em todos os cantos do mundo e, agora, com essas palhaças das CParty.
Cada tribo tem sua necessidade criar grandes marcos, daí a fulano chamar um evento como esse de Woodstock dos geeks. Há sim um problema sério em relação à conduta de gente acostumada demais ao convívio virtual. Engana-se quem não quer ver só por não se considerar parecido com os imbecis citados pelo Rob. Ele não se referia a cada um de nós, mas sim a elementos que permitimos existir ao não fazer nada a respeito, nem que seja dar um Ban numa sala de chat ou não assinar um feed.
Generalizar nesse sentido faz mais sentido que somente apontar o dedo para meia dúzia de imbecis. Eles podem ser o Lado Negro da nossa sociedade, mas ainda assim, fazem parte e existem pois a gente faz questão de dizer aos quatro cantos: "não sou assim". Mas o fato de não ser não exime da culpa de ver um idiota desses passando a mão na bunda da coelhinha e não dar um tapa na cara, chamar a polícia ou denunciar para a organização para que o sujeito seja expulso. Atitude é necessária, ficar putinho e vir aqui "criticar a generalização" é muito conveniente, meu povo.

abs,
Barreto

Kel Sodre disse...

Nossa, Barreto, eu não poderia concordar mais!
Não acho que o raciocínio deva ser: "o texto diz que nerd não sabe conviver em sociedade. Eu sou nerd, mas acho que sei conviver em sociedade. Logo, todos os nerds sabem conviver bem em sociedade"

Acho que, com uma pitada de senso crítico, é possível chegar ao raciocínio: "O texto diz que os nerds não sabem conviver em sociedade. Eu sou nerd, mas considero que sei conviver em sociedade. Logo, há outros nerds por aí que não sabem conviver em sociedade"

Se doer com a generalização de um texto é, como o Barreto bem disse, vestir a carapuça. Se você é nerd (como eu sou um pouco. E nerd mesmo, porque sou super fora das coisas tecnológicas) e não acha que se enquadra nesse perfil que o texto traça, bola para a frente! O que não dá é para não reconhecer que há pessoas assim que, além das habilidades matemáticas, do raciocínio lógico e do gosto por tecnologia, precisam desenvolver também a educação, o respeito, talvez até um pouco de bom-senso.

Porém, concordo também com a Gábisz, quando diz que esse não é um privilégio dos nerds. O texto fala sobre essa tribo porque houve o gancho da CP, mas aí poderiam estar retratados membros de qualquer outra. E, sinto dizer, de qualquer idade. Se a pessoa não recebe educação e não aprende a respeitar e a se dar ao respeito, ela pode passar da adolescência, pode chegar à velhice cometendo os mesmos tipos de erros. A diferença, talvez, será o cenário. De repente, em vez da Campus Party o absurdo seja cometido na padaria, no clube, na porta da boate.

Max (se tiver lido até aqui...), ótimo comentário, ótima análise.

ivan disse...

Não conheço o autor do blog, até pq é a primeira vez que entro, mas em se tratando da comparação personagem de High Fidelity, e a "persona" que faz os textos daqui... ao menos isso eles teriam em comum: julgar SEMPRE!rsrs...

Ótimo blog, by the way!!!

Varotto disse...

Discussão à parte: como é que alguém pode querer ameaçar quebrar alguém usando aquele chapeuzinho? :oDD

Que meda...

Barretão disse...

@ Varotto
Né? Como eles chamam isso mesmo? "Poser?" Então...

Gábisz disse...

Discordo que "se doer" é vestir a carapuça. Se trata de ver uma injustiça sendo feita,mesmo estando o Rob se referindo a geeks e não nerds(sim,há diferença,do mesmo jeito que há entre speed metal e doom metal),que é o meu caso. Como eu disse,isso não é exclusividade dos geeks e nem todos os geeks são assim,então eu tenho direito de chegar e dizer: olha,não é bem assim. É como o Max disse,tem muita gente interessante que sabe do que fala e muita gente idiota,aliás,como em todo o resto do planeta independente de tribo e eu não acho certo jogar todos eles no mesmo saco,como se fossem todos iguais. Isso não é vestir a carapuça e nem falsa de senso critico,de achar que "ja que eu não sou assim,então ninguém mais é". É que nem dizer que todo brasileiro usa sandalha de dedo e fica com uma metralhadora na mão.

Pooooorém vendo essa versão revisitada,ficou claro o que o Rob quis dizer,aí sim eu concordo.

Thiago Apenas disse...

"Absorvam tecnologia de maneira saudável e não contundente"

Deisinha Rocha disse...

eh... tive a impressão q vc generalizou...

mas ainda assim...

discordo em algumas coisas com vc sobre nerds...
ou intaum os nerds de bsb são diferentes do resto do mundo - se bem q as pessoas aki são diferentes do resto de qlqr jeito, tribo, etc...


mas qnto ao q vc diz sobre essa meia dúzia aeh, fazer o q???? já não se pode impedir as pessoas de fazerem coisas tão fúteis, inuteis e ridiculas q incomodam outros a sua volta...



fica bem, rob...

Dalleck disse...

O mais interessante é que ano passado houve a primeira edição e ninguém nem sabia o que era direito. Foi só o Big Brother Twitter fazer sucesso, que as pessoas começaram a querer se aparecer no CParty e achar que é o Woodstock.

banana disse...

Campanha: correção ortográfica nos comentários do Championship - YES WE CAN!

@Varotto e @Barretão (nerd ou geek mode: on) - chapeuzinho ameaçador

@amoremio: aos 4 minutos do vídeo da briga no palco, Fabinho + água de salsicha cobre o evento.

banana disse...

E, né, gente... achei que esse povinho todo metido a cyberpunk ia gritar algo mais digno que "ih, fora!" e "uh, pega ele".

Só faltou juntar com "treta, treta!" + palminhas, e ia virar tudo colegial.

Sei lá né, faz alguma referência nerd, ao menos. Grita "eu tenho a foooooorça".

Renata disse...

sis: ashuashuashuashaushaushaus
sempre ótima.

rob: sugiro um post sobre a "o que mesmo?" mallu magalhães pra manter o nível dos debates (ou embates) aqui no champ.