25 de fevereiro de 2008

E o Oscar Foi Para...

Pela primeira vez em anos, assisti ao Oscar sozinho. Na verdade, estava acompanhado pela Besta-Fera, mas como ele dormiu a maior parte da cerimônia, acho que isso conta como sozinho. Jonas (caso você seja novo aqui, trata-se do fantasma que mora comigo), como de costume, foi para a sala apenas na meia hora final, para ver as premiações mais importantes.

Nem vale a pena comentar as premiações, já que achei a maioria delas extremamente “justa”. Destaque para as aspas do “justa”, já que essa justiça veio do fato de que todo mundo ganhou algo. A impressão que deu é que a Academia montou um esquema de programa infantil, onde todos os participantes ganham prêmios. Faltou só perguntarem aos premiados se eles “preferiam brinquedo ou revista”.

Mas, de forma geral, a premiação me agradou. Onde Os Fracos não Têm Vez é um filme daqueles que não se vê (ou faz) há muito tempo – mas claro que a sua ausência de clímax e a falta de cenas de ação incomodam o público de shoppings (neste caso, o problema é a platéia, e não o filme). Já Daniel Day-Lewis merecia ganhar disparado o prêmio de Melhor Ator. Só o trailer de Sangue Negro tem um trabalho de interpretação melhor que toda a obra do Tom Cruise junta. Em breve, resenha dos dois filmes no Champ Review, que eu não escrevi por pura falta de tempo (afinal passei as duas últimas semanas ou trabalhando ou brigando com o Visa). Juno, Conduta de Risco e Desejo e Reparação também ganharam seus prêmios, o que tornou a noite mais “justa” ainda.

Quanto à cerimônia... Bem, o grande problema deste Oscar é que como se tratava da 80ª edição do prêmio, os roteiristas rechearam a cerimônia com cenas das festas anteriores. E aí fica um Barcelona X Ponte Preta atrás do outro. Você vê o Robert DeNiro e o Al Pacino do passado sendo premiados, e lembra-se que o presente é um enorme “ô fase” quando o John Travolta escorrega no palco. Mas os clipes serviram para relembrar também que nem todas as Ponte Pretas são deste ano, afinal, foram exibidas imagens de arquivo da Julia Roberts e da Gwyneth Paltrow ganhando Oscar. Se eu fosse o presidente da Academia, ia esconder esse tipo de coisa, e torcer para as pessoas esquecerem que isso aconteceu um dia.

Mas a impressão geral que deu é que o pessoal da Academia, de uns anos para cá, vem investindo cada vez menos na cafonice da cerimônia. A única coisa que eles ainda não conseguiram limar são os clipes com as músicas concorrentes, mas que servem justamente para você ir pegar Coca, cigarro e pipoca. E, no meu caso, para ficar prestando atenção nos takes da platéia descobrindo quem parece com quem, meu esporte favorito. Foi num desses clipes que descobri, entre outras pérolas, que o próximo trabalho da Tilda Swinton deve ser o papel principal na adaptação live-action do Pica-Pau, e que o Ethan Coen é irmão mais velho do Nando Reis.

E os clichês... Bom, isso eles não conseguem evitar. É o caso da transmissão via satélite. Todo ano temos uma transmissão de alguém do outro canto do planeta via satélite (como se isso fosse o maior rompante tecnológico do momento). A diferença é que de uns anos para cá eles começaram a variar as pessoas (este ano foram soldados em Bagdá), já que, até alguns anos atrás, era sempre o Arthur C. Clarke, falando de 2001 – Uma Odisséia no Espaço, do Sri Lanka (país no qual ele é o único morador). E já outros: todo ano o Oscar de melhor Animação é apresentado por um personagem de animação. Todo ano, a orquestra faz um medleyzinho com trechos de três ou quatro temas famosos (e todo ano um deles é o tema de Tubarão). Até mesmo as brincadeiras com Jack Nicholson (todo ano de óculos escuros, todo ano na primeira fila, todo ano à esquerda do palco) são as mesmas.

Mas a sensação que fica é que a cerimônia está cada vez mais chata, sem grandes surpresas. Até mesmo o Oscar honorário deste ano foi entregue a alguém importante, mas desconhecido do público em geral. Saudade do tempo em que você podia esperar por qualquer coisa na cerimônia – eu não vi o homem pelado correndo por trás do David Niven (sou velho, mas nem tanto), mas me lembro do Jack Palance fazendo flexões no palco.

Hoje, o tédio da cerimônia é vencido somente por pessoas com rompantes geniais como Day-Lewis, que, ao receber o prêmio, foi “nomeado cavaleiro” por Helen Mirren, numa clara alusão ao trabalho dela em A Rainha – e que merecia o Oscar de Melhor Subida ao Palco para Receber um Oscar.

Mas o pior mesmo foi quando acabou a cerimônia. Depois de ver clipes de Jack Lemmon, Meryl Streep, Bette Davis, Ingmar Bergman, John Huston, Humphrey Bogart, John Wayne, Katharine Hepburn, Shirley MacLaine e Marlon Brando, a festa acaba e a TNT começa a exibir Tudo para Ficar com Ele, estrelado pelo Cameron Diaz. E aí você se lembra que, hoje em dia, Meryl Streep é exceção e a Cameron Diaz é a regra. E, pior, ela já trabalhou com Daniel Day-Lewis. Ô fase.

E, como o Oscar vive de clichês, segue, então a minha lista clichê, com meu Top 5 injustiças do Oscar (o fato do Ben Affleck ter uma estatueta de Melhor Roteiro em casa nem concorre) :

1. Shakespeare Apaixonado ter ganhado o Oscar de Melhor Filme independente de quais eram os outros concorrentes.

2. Julia Roberts ter ganhado o Oscar de Melhor Atriz, independente de quem eram as outras concorrentes.

3. Gwyneth Paltrow ter ganhado o Oscar de melhor Atriz, independente de quem eram as outras concorrentes.

4. Art Carney ter ganhado o Oscar de Melhor Ator no ano em que Al Pacino concorria “apenas” por O Poderoso Chefão – Parte II

5. Gente como a Gente ganhar o Oscar de melhor Filme no ano em que um dos outros concorrentes era “somente” Touro Indomável

20 comentários:

Thiago Neres disse...

Acho que já faz um bom tempo que quem gosta de cinema nem liga mais para o Oscar =P

E Meryl Streep atua muito bem mesmo, eu tiro meu chapéu pra ela. Mas eu acho engraçado que ela tem uma cara de vilã... aiuehaeuiheuieha... XD

Pedro disse...

É simplesmente por ser sempre a mesma coisa que não assisto mais a premiação.

É mais fácil descobrir tudo nos jornais no dia seguinte... Quem sabe um dia a coisa muda e volte a valer a pena.
_______________________
Histórias para Ler

Anônimo disse...

Neste "Top 5 injustiças do Oscar", faltou o fato de "Gladiador" ter ganhado como melhor filme, independente de quais eram os outros concorrentes...

Rafaella disse...

Faltou se perguntar, aí no meio das entrelinhas, pra quem o Matt Dammon deu (e quem ele comeu) pro Ultimato Bourne levar 3 estatuetas... Mesmo que sejam técnicas.
E quem a galera da Pixar pagou pra eles ganharem de Persepolis. Rattatouille é bom, mas perae né?

Dama do Lago disse...

Concordo com seu top 5 em gênero número e grau sem comentários.

Nem tive paciência de assistir este ano, aliás, há algum tempo não acompanho, faço como o Jonas, só assisto as principais premiações.

Este ano foi tão corrido que não assisti a nenhum dos indicados.

De qualquer forma, gostei de ler o seu ponto de vista.

Beijo

Sil

Thais Gama disse...

Rob, sei que não tem nada a ver com o seu post, mas lendo meus readers hoje me lembrei de você: http://papodehomem.com.br/como-fazer-arroz-passo-a-passo/

Como fazer arroz! Na hora achei sua cara! Vai pelos caras do blog, que tenho certeza que nunca mais você vai ter problemas, e vai poder agora comer arroz sempre que quiser!

Beijos
Thais Gama

Hally disse...

Acrescentaria, aí no meio, o fato de porque Titanic ter levado uma porrada de estatuetas. Essa foi a pior merda do Oscar, o que acabou "brochando" a maioria dos que acompanhavam a festa.

Concordo com o Thiago, Meryl Streep tem mesmo uma cara perfeita pra vilãs!

Fábio Buchecha disse...

Hehe! Fiquei esperando tua eminente resenha sobre o Oscar, porque fiquei morrendo de sono e não assisti.

Injustiça mesmo foi "Uma mente brilhante" não ter ganho melhor maquiagem no ano em que concorreu...

___________________________________
TemPraQuemQuer <<< Entra!

Varotto disse...

Cara, só tem uma coisa com a qual me importo menos do que com o Oscar, e é o Grammy.

E acho que a única maneira de me fazer assistir a isso (ainda mais de madrugada) era me colocar amarrado, com os olhos forçados a ficarem abertos e alguém do lado para pingar colírio para que não sequem (Laranja Mecânica mode: on).

Não quero dizer que grandes filmes e atores já não levaram a estatueta para casa, mas a grande verdade é que ganha quem interessa que ganhe para o mercado (principalmente no que diz respeito ao Grammy).

Prefiro ficar lendo o Champ (puxa-saco mode:on)...

Redd disse...

e ainda tem gente q reclama q a Meryl Streep ganha qse todos os premios a q concorre... tem é q ganhar mesmo, olha as alternativas!!!! seu Top 5 injustiças tinha q ser um Top 100 injustiças!

Larissa Bohnenberger disse...

Pois é, eu também tenho achado essa cerimônia cada vez mais tediosa! Só assisti toda pois, pela primeira vez, eu havia assistido aos principais filmes que estavam concorrendo! Nos outros anos eu sempre ficava viajando...
Bjs!

Otavio Cohen disse...

ué. quem gosta de cinema liga pro oscar sim, nem que seja pra achar tudo injusto e reclamar da vida...

discordo de algumas opiniões suas, mas nem vou argumentar. sobre o ben affleck, a estatueta que ele tem em casa não é de melhor ator, o que já atenua um pouco. e eu até gosto de Gênio Indomável.

e realmente a subida no palco do daniel day-lewis foi sublime. quase que a helen mirren não entende a brincadeirinha. aí ia ter sido bizarro. mas ela é a rainha né.

que o coen é IGUAL ao nando reis, isso eu tenho que concordar eheh.

Filho do Padre disse...

Eu vejo o Oscar.
Aí neguinho vem com aquela história de "ah, quem manja de cinema não vê o Oscar..."
Bem verdade que eu não manjo de cinema mesmo. Mas vejo o Oscar, não tô nem aí.

Só acho muito estranho alguém "gostar de cinema" e não ver o Oscar. Querendo ou não, a casa do cinema é Hollywood. Ignorar o Oscar, assim como ignorar a indústria americana do cinema, é ignorar Ragging Bull, Scarface, Forrest Gump, Apocalipse Now... E mesmo que alguém goste de Titanic e outras coisas medonhas, não vale esquecer que toda arte tem seu lado de entretenimento.

Mas bem, tem sempre o filme afegão com legendas em alemão pra quem tem preconceito por Hollywood...

O ANTAGONISTA disse...

Acho que a ganhadora o Oscar de melhor atriz do ano passado também não merecia o prêmio... entre ela (Jennifer Hudson), a menininha do Miss Sunshine e a maravilhosa Meryl Streep de O Diabo Veste Prada... de longe a interpretação mais fraquinha foi a daquela que acabou sendo a ganhadora... fazer o quê?
Ahhh... também foi injustiça aqueles prêmios todos para Titanic, independente de quem eram os outros concorrentes!

Valeu.

Siegrfried disse...

Eu nem ligo pra oscar!
Os melhores filmes do mundo foram feitos antes dessa baboseira ser inventada!

Varotto disse...

Só para acrescentar: eu não tenho o menor preconceito com Hollywood e sou até mais chegado num filme circuitão do que num filme afegão com legendas em servo-croata. Só acho que a premiação segue certos interesses do mercado que não necessariamente estão atrelados à qualidade dos produtos o que, como já disse, ainda é mais claro no Grammy do que no Oscar.

E acho que não dar o menor valor para o Oscar não afeta, de forma alguma, o fato de eu gostar de cinema. Até mesmo porque eu não sinto que precise de que digam para mim de que filme tenho de gostar. Vou gostar ou desgostar independentemente de premiações.

Caio Rudá disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Caio Rudá disse...

Apenas um convite, sem ler a postagem, infelizmente:

Responder a um meme, idealizado por Dragus, do Pensamentos Equivocados. Pode conferir lá no meu blog. Não deixe de participar. É importante.


http://dasideiasdecaioruda.blogspot.com/

Otavio Cohen disse...

antagonista: a menina do miss Sunshine não concorreu com a Meryl Streep. A Meryl streep concorreu E PERDEU(só) para a Helen mirren.

a Jennifer Hudson ganhou de coadjuvante. e até que foi merecido, na miha opinião.

filho do padre: finalmente uma pessoa sensata...

siegrfried: o oscar existe desde 1927, vc se lembra de 10 filmes ótimos feitos antes disso? lumiére e meliés não vale...

via hollywood.

ok, exagerei, desculpa usar o espaço, Rob... não resisti.

Eduardo Chaves disse...

heuhauehuaheuha...

A parte em q o Sr. Sir. fala q o "Ethan Coen" é irmão do Nando Reis... kkkkkkkkkk... foi a melhor..
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...

nunca tinha reparado isso, kkkkk... e num é parece mesmo?!?!


at mais
--XD--