5 de março de 2007

A Guerra da Vila Mariana - Introdução

Esse fim-de-semana, este que vos escreve foi convidado para uma festa de aniversário de criança, lá na Vila Mariana. E festa de criança é aquela maravilha: para onde você olha, tem comida. Espetinhos de montão, centenas de doces de todos os tipos e cores, e cerveja à vontade. O problema é que a criança em questão é fanática por futebol e, obviamente, ele e todos os seus amiguinhos ficam a festa inteira na quadra, jogando bola.

Problema? Sim, porque, no auge da minha genialidade (sarcasmo mode: on) resolvi ir para a quadra e participar (junto com outros dois ou três adultos), de uma partida de futebol, tendo como adversários uma horda de crianças de ambos os sexos, com idade variando entre 8 e 12 anos. Até aí, Ok. Eu sempre joguei bola, desde moleque, e nunca passei vergonha dentro de um campo ou de uma quadra. O problema é que já faz tempo que eu deixei de ser reconhecido pela juventude e nunca primei pelo excelente preparo físico. Eu fumo, eu bebo, eu como em churrascaria pelo menos duas vezes por semana e única coisa verde que costumo ingerir é bala Kids.

Não, o problema não é você jogar contra um time que tem 14 vezes mais jogadores que o seu. Não, o problema não é você jogar contra um time que tem 14 vezes mais jogadores que o seu e que ainda têm o péssimo hábito de não se cansarem nunca. Não... O problema é quando você escapa com a bola pela ponta direita e o goleiro do time adversário (um monstro, que deve estar na 4ª série), grita, orientando a zaga: “segura o Tio Careca!”. Ô fase.

Resultado. Hoje eu mal estou andando, já que nenhuma das minhas coxas veio trabalhar, alegando insalubridade. Meu ombro ainda dói, e minha mão também – apesar de eu não conseguir identificar na memória em qual momento eu a arrebentei. Estou gemendo umas duas vezes por parágrafo e mal consigo andar direito.

Rob Gordon, avançado na meia-direita (e na idade),
arrisca um chute pouco antes de distender a perna.

Postarei, então, aqui os melhores momentos de Rob Gordon no jogo. O Terra e o Uol não acompanharam o duelo, então, você encontrará isso com exclusividade no Champ Vinyl, curtindo todos os principais lances dessa verdadeira batalha campal, repleta de catimba, momentos desleais e extremamente violentos. Um daqueles jogos que serão lembrados por gerações. E, como vou dividir isso em três posts, cumpro aqui a promessa feita no post anterior e publico o top 5 da vez (que serve, inclusive, para situar as pessoas nesse universo podre e desleal que narrarei no post a seguir):

5 principais regras do futebol de rua:
1. Vira 5, acaba 10 – Não há empate em futebol de rua. O jogo só vai para pênaltis quando começa a chover ou as mães aparecem na calçada, chamando os filhos para jantar.
2. Prensada é da defesa – toda vez que tem um bate-rebate na área, e a bola sai pela linha de fundo depois de uma dividida, é bola da defesa. E não se discute.
3. Não vale gol de tabela – qualquer gol cuja bola entra após bater num muro, numa kombi ou naquela velhinha que estava passando com três sacolas de compra é sumariamente anulado (sim, no caso da velhinha é divertido, mas, mesmo assim, não vale ).
4. Quem chutou, busca - não importa se a bola caiu num terreno, num telhado ou na casa daquele militar reformado. Quem chutou, busca.
5. Não foi falta, até prova em contrário - Se a pessoa caiu, é porque ela escorregou. Casos que envolvem sangue ou fratura são sujeitos à analise - mas, a priori, não foi nada.

("assista" ao 1º tempo do jogo aqui)

7 comentários:

Julio Camara disse...

haha a idade é foda!

_gDaRu_ disse...

vixe ficou mal pro tio careca heim.. hehehe.

Ao menos fez aquele gol?

abraço.

Alexandre Rigotti disse...

E a ocorrência de passar o dia pintado a rua para fazer uma quadra com cara oficial e depois ficar vomitando a noite toda enjoado? Onde entra?

Rob Gordon disse...

Não entra. Isso foi apagado dos registros. Caralho, que memória!

Raquel Labarca disse...

Huhuhahuha!
Fica frio velhinho, isto pode piorar....\0/
Adorei o post.
Bjs

Mariliza Silva disse...

Adorei o "ô fase". Tadinhooooo

E agora, reconhece que a idade tá chegando. É disso pra pior, viu!!!
rsrsrsrsrs

Brincadeirinha!!! Espero que você volte a ativa logo, e que seus dedinhos não estejam doendo para você poder digitar mais pra nós (nem o cérebro, né, nem os pensamentos, idéias, enfim...MELHORA LOGO!!!!)

Beijão sumidinho

Mariliza

Liii disse...

huahuauhahua..
é bom exercitar!