1 de novembro de 2006

Barcelona X Ponte Preta

Hoje assisti a Os Inflitrados, novo filme de Martin Scorsese. Gostei muito. Claro, não se compara a Taxi Driver e O Touro Indomável (aliás, não chega a ser nem um novo Os Bons Companheiros), mas está milhas à frente de O Aviador. Scorsese voltou às ruas (desta vez em Boston, não na habitual Nova York) e entregou um filme tenso, com história inteligente e personagens sólidos. E, de quebra, envolvendo o crime organizado, algo que ele conhece como poucos.

Mas o que chama a atenção no filme – e que, antes mesmo de assistir, eu já imaginei que aconteceria – é a enorme quantidade de Barcelona X Ponte Pretas que desfilam na tela. Afinal, nós temos Jack Nicholson X Leonardo di Caprio, Jack Nicholson X Mark Wahlberg, e, principalmente, Jack Nicholson X Matt Damon. Se você quiser entender o conceito Barcelona X Ponte Preta, Os Infiltrados é um bom exemplo.

Barcelona X Ponte Preta consiste na seguinte equação: trace uma linha reta e coloque, nos dois extremos, os algarismos 0 e 10. Escolha qualquer assunto que desejar (por exemplo, cinema) e pense em dois nomes que se encaixem tanto no 0 (Matt Damon) como no 10 (Jack Nicholson). Pronto: você já tem o seu Barcelona X Ponte Preta montado. Scorsese apenas fez o favor de marcar a data e fazer os times entrarem em campo.

Claro que isso não necessariamente se aplica somente a cinema. O assunto fica ao gosto do freguês, e assuntos para isso não faltam, como mostram os exemplos abaixo.

Música: Eric Clapton X Chimbinha; Frank Sinatra X Zeca Pagodinho

Inteligência: Stephen Hawkins X Sérgio Mallandro; Winston Churchill X Tiririca

Beleza: Jennifer Connely X Zezé Macedo; Brad Pitt X Pedro de Lara (para as leitoras)

Claro que isso são exemplos-macro. Podemos focar em apenas um universo e descobrir quem é o Barcelona e quem é a Ponte Preta de qualquer lugar. Por exemplo:

Filmes Recentes de Super-Heróis: Homem-Aranha 2 X O Justiceiro

Vencedores do Oscar de Melhor Filme: Menina de Ouro X Shakespeare Apaixonado

Lojas para Comprar CD: Fnac X Americanas

E por aí vai. Mas, claro que os exemplos têm que, necessariamente, pertencerem a uma realidade plausível. Comparar Beethoven (apresentando, pela primeira, a Nona Sinfonia) com Gugu Liberato (cantando “meu pintinho amarelinho / cabe aqui na minha mão”) já é algo que rompe os limites da sanidade, e apenas faria Beethoven agradecer aos céus por ser surdo. Não serve como estudo antropológico.

Por isso que o cinema é o campo ideal para testes de Barcelona X Ponte Preta. Se Deus, em Sua sabedoria, impediu que Beethoven e Gugu Liberato co-existissem na mesma época, não é culpa nossa (ou Dele) se Matt Damon decidiu encarar Jack Nicholson em Os Infiltrados, ou se Val Kilmer insiste em se enfiar entre Al Pacino e Robert de Niro em Fogo Contra Fogo. Azar o deles.

E, basta uma rápida pesquisa na internet para descobrir quem são os imbatíveis Barcelonas e os Ponte Pretas de todos os tempos. Os Barcelonas são fáceis, mesmo se pegarmos apenas os atuais: Al Pacino, Robert De Niro, Meryl Streep, Judi Dench, Jack Nicholson e por aí vai... Já identificar os Ponte Pretas é um pouco mais trabalhoso (mas muito mais divertido). Vale citar aqui que atores cuja carreira resume-se a filmes do Supercine ou Domingo Maior, que normalmente envolvem a) mulheres que casam com serial-killers; b) policiais enfrentando a máfia chinesa; e c) alienígenas ou enxames, manadas e alcatéias que atacam pequenas cidades não entram na estatística. Estão muito mais para Moto Clube ou CRB que para Ponte Preta (sim, Lorenzo Lamas, Dolph Lundgren e Michael Dudikoff, estou falando com vocês). Eles não jogam contra os grandes, pois sabem o seu lugar. Então, temos, como alguns exemplos ponte-pretianos: Julia Roberts, a mulher mais Ponte Preta de todos os tempos, (o supracitado) Matt Damon, Ben Affleck, Rob Schneider, etc.

Mas três exemplos precisam ser destacados. O primeiro deles é Val Kilmer, um dos maiores mistérios da natureza. Kilmer tem seu histórico de engolidas: em A Sombra e a Escuridão, apesar dos dois leões que dão título ao filme, foi devorado pelo Michael Douglas; e desapareceu totalmente sob os escombros de Fogo contra Fogo, por exemplo. Mas dá um show em The Doors, engole todo mundo em Tombstone (não que seja difícil engolir Kurt Russell) e é a única coisa que presta em Alexandre (o que também não é grande coisa). Ou seja, Val Kilmer é rebaixado a cada dois ou três anos, e, quando volta para a série A, fica entre os quatro primeiros. Ele é uma incógnita, não dá para prever como será seu desempenho. Val Kilmer é o Grêmio do cinema.

Já Keanu Reeves é um exemplo clássico de Ponte Preta. Os únicos filmes em que ele não é engolido são os que ele contracena com a Sandra Bullock (porque aí seria demais, até mesmo para ele). Porém, Keanu Reeves tem um fator que o distingue dos outros Ponte Pretas: ele é o protagonista dos placares mais dilatados da história do cinema. Reeves foi destroçado por Anthony Hopkins e Gary Oldman em Drácula (a Wynona também enfiou uns gols nele, mas ó placar não foi tão humilhante como contra os outros dois); se arrebentou na mão de Jack Nicholson e Diane Keaton em Alguém tem que Ceder. E, finalmente, foi, literalmente, humilhado por Al Pacino em O Advogado do Diabo, que permanece, até hoje, como a maior goleada da história – e que deu origem à tese Barcelona X Ponte Preta.


A cada frase, um gol. Alguns dos melhores momentos do placar mais dilatado da história. Curiosamente, mesmo acostumado a tantas derrotas, Reeves ainda dá um chilique no final do jogo, gritando que "não perde". E ainda toma mais uns dois gols depois disso. Digno de pena.

O que salva Reeves (além dos filmes com a Sandra Bullock) é que em alguns filmes ele não é engolido por ninguém, única e exclusivamente pela falta de adversários. São os casos de Caçadores de Emoção (no qual ele perde para o Patrick Swayze, que, descobrimos depois, era apenas um CRB numa fase boa), Doce Novembro (perde para uma Charlize Theron pré-Monster) e Constantine (OK, o Peter Stormare dá uma engolidinha, mas como são apenas alguns minutos, vamos dar um desconto).

Ou seja, apesar dos placares dilatados e vergonhosos, a freqüência de goleadas que Reeves toma não é alta. E isso é um fator determinante na vida de qualquer Ponte Preta. Não basta perder, tem que perder toda semana. Porém, tem o mérito de já ter sido goleado por Pacino e Nicholson, precisando apenas aparecer na tela por alguns segundos ao lado de De Niro para fechar o "Grand Slam de Engolimento".

O que nos leva ao terceiro exemplo ponte-pretiano. O homem que se tornou a definição de Ponte Preta no cinema. Goleado de todas as formas possíveis, por placares absurdos, por qualquer adversário que desafia, ele é aquele time que se está na chave para os adversários fazerem o saldo de gols. 0 x 8, 0 x 9, são placares comuns em seu histórico. Exatamente que, por isso, ele merece ter todos seus jogos dissecados (para uma melhor análise do modo ponte-pretiano de ser) e que será realizado no próximo post. Aguardem.

5 Tipos de Engolidas Diferentes no Cinema

1. Engolida por Atacado – Ocorre quando um ator engole todos os outros do filme. Exemplo: Jack Nicholson engolindo Leonardo di Caprio, Matt Damon e Mark Wahlberg em Os Infiltrados.

2. Engolida Rio de Piranhas – Um ator simplesmente cai num filme onde é engolido por todos os lados. Exemplo: Al Pacino, Jack Lemmon, Kevin Spacey, Alan Arkin e Ed Harris, juntos, devoram Alec Baldwin em O Sucesso a Qualquer Preço. É o equivalente a Ruanda se classificar para a Copa e cair no mesmo grupo de Alemanha, Argentina e Itália.

3. Engolida “Bom, Só Sobrou Você” – É quando um ator sem a menor vocação para Ponte Preta acaba sendo humilhado pelo azar de ter caído num grupo muito forte. Acontece em O Poderoso Chefão, com a Tália Shire, que pena na mão de Marlon Brando, Al Pacino, James Caan, Robert Duvall e Diane Keaton.

4. Engolida “O Jogo dos Desesperados” – Dois atores ameaçados de rebaixamento se enfrentam, num jogo feio, que normalmente resulta num placar magro e enfadonho. É o caso de Caçadores de Emoção, que serve de palco para Patrick Swayze X Keanu Reeves (deu Swayze. 1 x 0, de pênalti).

5. Engolida “Atirador de Elite” – É quando um ator poderia engolir todos os outros, mas acaba focando em apenas um adversário específico, descarregando todas suas balas nele. Foi o que vimos em Gangues de Nova York, onde Daniel Day-Lewis poupou Liam Neeson, Jim Broadbent, Brendan Gleeson e John C. Reilly, simplesmente ignorou Cameron Diaz e fulminou Leonardo di Caprio.

4 comentários:

Anônimo disse...

até hoje, eu nunca consegui entender como o 'grande' Keanu Reeves, com toda sua expressão shakesperiana e sua grande eloquência, voi escolhido pro papel de um advogado que 'never lost a case...'.
deus! deveria se chamar 'um advogado dos diabos!'

o aotr mais 'barcelona X ponte preta' de todos ? caraca... difícil. to pensando aqui...

Luciana Toledo disse...

Rob, estou lembrando da primeira vez que vi O Advogado do Diabo, naquele cineminha tosco do Shopping Ibirapuera.

Rob Gordon disse...

"cineminha tosco"? Who are you carrying all those bricks for? God? IS THAT IT? GOD?

Luciana Toledo disse...

Free will, it is a bitch.