3 de junho de 2013

O Jogo da Vida

Xeque. Sai de trás do monitor! Saia daí! Você vai soltar os cabos mais uma vez! Xeque. Parem de latir! Eu estou tentando escrever aqui dentro! Xeque. Que barulho é esse? Você vai comer esse plástico de novo? Gato pentelho! Pare com isso! Xeque. Alô. Não, não é este número. Não, não conheço nenhum Geraldo. Ok. Xeque. Por que essas filhas do vizinho não calam a boca por um minuto? Calem a boca! Xeque. Parem de latir! Eu não estava gritando com vocês! Eu estou tentando escrever! Xeque. Que inferno essa campainha! O que será agora? Xeque. Pare de comer o plástico! Eu preciso ver a campainha! Se você estiver comendo o plástico quando eu passar por aqui de novo, eu vou matar você! Xeque. Não, não tenho nada hoje. Desculpe. Ok. Xeque. Pare de comer o plástico! Saco! Você é imbecil? Xeque. Meu Deus do céu, essas filhas do vizinho devem ter algum problema. Xeque. Eu proponho uma troca. Se vocês conseguirem fazer as filhas do vizinho calarem a boca, eu deixo vocês latirem por meia hora. Fechado? Xeque. Sai de trás do monitor! Você vai soltar o cabo! Xeque. Seis bilhões de pessoas no mundo, e as duas retardadas obcecadas com o disco do Carrossel se mudam para a casa ao lado da minha. Perfeito. Xeque. Parem de latir, pelo amor de Deus! Xeque. Alô? Não, o técnico não veio ainda. Sim, é evidente que a minha internet continua uma merda! Ok, eu espero. Faz só uma semana mesmo. Ok. Xeque. Pelo amor de Deus! O que vocês querem para parar de latir e para eu poder escrever? É dinheiro? Xeque. Alô? Pare de latir! Desculpe, não era com você. Pois não. Não, eu já disse que não é esse número! Não, eu não conheço o Geraldo! É evidente que eu não posso! Como eu posso passar um recado para alguém que eu não conheço! Quer saber? Eu passo o recado! Só não ligue mais, por favor! Xeque. Quantas vezes eu vou ter que tirar você de trás do monitor? Xeque. Maldito disco do Carrossel. Maldita professora Helena. Xeque. Desisto. Vou responder os comentários do blog. Xeque. Internet filha da puta! Não consigo fazer nada! Xeque. Para de comer a porra do saco plástico! Xeque. Alô? Não! Não! Olhe, o Geraldo morreu! Não ligue mais! Xeque. Desisto. Pode ficar aí atrás do monitor. Vou ver televisão. Xeque. Por que só está pegando Ana Maria Braga? Quem mexeu nos cabos? Xeque. Parem de latir! Foda-se tudo. Não aguento mais. Vou deitar. Inferno de vida.

Demônio: Derrubou o Rob?

Demônio-Assistente: Sim, desisto.

Demônio: É uma pena. Eu daria o xeque-mate em dois lances, usando o cara da internet.

Demônio-Assistente: É muito difícil assim.

Demônio: Vamos jogar de novo?

Demônio-Assistente: Sim, mas agora você joga com o Rob e eu jogo com o resto do mundo.

Demônio: Nem a pau. 

12 comentários:

Varotto disse...

Well played...

Adriano disse...

EBAAAAA!! Tava com a maior saudade deles! :D

P.S.: Preciso dizer, você é a única pessoa que eu conheço que usa "é evidente que". Acho garboso.

Leonardo Gedraite disse...

Pelo visto o Demonio é um Garry Kasparov do jogo da vida

cmmarcondes disse...

E eu achando que seria mais uma das revoluções dos Neurônios ;)

Textaço!!!

Sil disse...

Querido, você está ficando velho e deixando esses Demônios abusarem demais de você.

Já pensou em fazer meditação?

;)

Beijo

codinomequalquer disse...

hahaha, muito bom, Rob Gordon, espero um dia escrever tão bem quanto o Sr. :)

Rob Gordon disse...

Varotto:

Thanks, Mr. Varotto. :)

Rob

Rob Gordon disse...

Adriano:

É evidente que é garboso. Mas é evidente que não sou o único.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Leonardo:

E eu não sou o Karpov. Eu sou o Rob, mesmo.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Cmmarcondes:

Demônios são surpreendentes. E a maior obra deles é fingir que não existem.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Sil:

Não é questão de deixar, mas sim de não ter escolha. Meditação... Hum, vou pensar (não se vale a pena, mas no que poderia dar errado, em se tratando de mim).

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Codinomequalquer:

Obrigado! Fique à vontade para comentar sempre!

Beijos!

Rob