27 de janeiro de 2013

233 Palavras


A primeira palavra. O primeiro passo. O primeiro beijo. O primeiro sorriso. A primeira briga. A primeira bronca. O primeiro colo. O primeiro abraço. O primeiro natal. O primeiro passeio. O primeiro retrato. O primeiro aniversário. O primeiro filme. O primeiro adeus. O último adeus. O último filme. O último aniversário. O último retrato. O último passeio. O último natal. O último abraço. O último colo. A última bronca. A última briga. O último sorriso. O último beijo. O último passo. A última palavra.

Entre a primeira e a última palavras existem todas as outras.

E estas são as que deverão ser lembradas. Resistirão ao tempo, aplacando a saudade e mantendo o amor vivo. Elas trarão os sons de risadas alegres ecoando pela casa; o cheiro das roupas jogadas de qualquer jeito sobre a cama; o brilho dos olhinhos na manhã de natal; a sensação do toque de uma mão com dedos pequeninos; o sabor do beijo mais puro e inocente que poderia existir.

Elas viverão para sempre, mantendo o para sempre vivo. Elas existirão para sempre, provando que o para sempre existe, sim, dentro de cada um de nós.

Estas palavras serão eternas, emoldurando memórias doces e servindo de refúgio para os momentos em que nada mais parece existir, quando perdermos o chão e gastarmos nossas lágrimas.

Elas serão nosso lar nos momentos nos quais tudo parece sumir.

Até mesmo as palavras.

(Este texto foi escrito com 233 palavras.
Cada uma delas é dedicada a uma
das vítimas da tragédia de Santa Maria.)

22 comentários:

Elise Garcia disse...

Eu ando meio fria ultimamente, não consigo demonstrar meus sentimentos, mas achei esse texto uma bela homenagem.

César Ferreira disse...

:) Expressou bem o buraco que fica! vlw!

sarahcastanha disse...

Caramba *-*

Varotto disse...

Giovana disse...

(... , ...)

Fernanda disse...

Muito lindo!

Fagner Franco disse...

Complicado. Bem triste isso tudo. (singela e bela homenagem).

Anônimo disse...

(...)

Winnie Affonso disse...

Triste, mas bonito. Parabéns pela delicadeza em escrever algo tão doloroso, Rob.

Sérgio Miranda Leitão disse...

Bela homenagem...

Marcos disse...

Texto incrível.

Rob Gordon disse...

Elise:

Muito obrigado!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Cesar:

Obrigado. A ideia era justamente essa. E talvez tapar um pouco desse buraco.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Sarahcastanha:

Obrigado!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Varotto:

Seu comentário veio em branco?

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Giovana:

:)

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Fernanda:

Obrigado!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Fagner:

Complicado, sim. Difícil escrever sobre o tema, pois é delicado demais. Tive bastante dificuldade em achar o tom do texto... Que bom que gostou.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Anônimo:

:)

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Winnie Afonso:

Muito obrigado.

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Sergio Miranda:

Valeu!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Marcos:

Obrigado, cara.

Abraços!

Rob