28 de junho de 2012

O Enigma do Shashashishador


- Alô.

- Oi. Tudo bem?

- Tudo. E você?

- Tudo também. Me diz uma coisa, você entende de pintura, certo?

- Sim, acho que sim.

- O que é um shashashishador?

- Quê?

- Eu liguei para o pintor e perguntei se precisava comprar algo além da tinta.

- Ah, que bom. O que ele disse?

- Então, não sei.

- Como assim?

- Ele disse que precisa comprar algo que eu não entendi o que é.

- Oi?

-É, precisa comprar algo, mas não faço ideia do que seja. Tudo o que eu entendi é que é um shashashishador.

- Comprar o quê?

- Então, foi justamente isso que eu perguntei para ele. “Comprar o quê?” E ele repetiu. Shashashishador. Aliás, ele repetiu duas vezes. E ele falou shashashishador nas três vezes. Eu fiquei sem graça de pedir para ele repetir novamente, ou de perguntar se ele falava português, e disse que ok, eu compro.

- Como é a palavra?

- Shashashishador. Tenho certeza que é isso. Não sei como se escreve, mas é assim que se fala. Estou repetindo o som, fonema por fonema. Existe algo na pintura que é usado para shashashishar as coisas?

- Evidente que não.

- Bom, eu pensei em ligar novamente e dizer que tenho perda de memória recente, e esqueci o que era para comprar. Mas não vai adiantar, porque eu vou continuar sem entender.

- Fale a palavra de novo.

- Shashashishador.

- Ele disse para que serve?

- Olhe, eu acho que... Eu não tenho certeza disso, mas acho que ele usou a palavra solvente em alguma parte da conversa. Ou algo parecido com solvente.

- Solvente?

- Isso.

- Catalisador?

- Isso não é coisa de carro?

- Não, tem na pintura também. E é um solvente.

- Ah, então deve ser isso. Sha-sha-shi-sha-dor. Ca-ta-li-sa-dor. As vogais batem.

- Bom, então é isso. Nós compramos junto com a tinta.

- Certo. Ele vem no sábado, né?

- Isso.

- Você pode ficar comigo quando eu precisar falar com ele? Eu não entendo nada do que ele fala.

- Você está exagerando.

- Não, se ele perguntar por onde ele começa, é capaz de eu responder informando as horas para ele. Eu não falo a língua dele.

- Bem, ok. Eu falo com ele também.

- Beleza. Vou ligar para ele e dizer que vamos comprar o... Como chama mesmo?

- Catalisador.

- Isso. Que nós compramos a tinta e o shashashishador. Beleza. Beijos.

- Beijos.

20 comentários:

Natalia Máximo disse...

Juro que quando vi o título, pensei que era um post sobre alguma palavra nova que seu sobrinho tinha aprendido, mas né... ô fase hahahaha

R. disse...

quando estava reformando o ap, eu ligava pro pedreiro e colocava ele pra falar com o vendedor da loja. além de tudo, o "meu" era gago

Sil disse...

Eu adoraria ser uma borboleta (mosca é muito nojento) na parede para ouvir a sua conversa com o pintor no sábado mas você provavelmente me mataria esmagada antes dele chegar :D

E pode se acostumar, todos os prestadores de serviço falam aramaico bíblico com a gente.

Beijo

disse...

Ô Fase, heim. Boa sorte aí com o amigo Shashashin no sábado. (será que o Google Translator tem essa língua?!)

Kel Sodré disse...

Natália Máximo, tamo junto! Eu também jurava que fosse alguma palavra nova do sobrinho. rs Mas acho que a gente cometeu um erro básico de conceito pra formar a nossa opinião prévia sobre o texto: desconsideramos que se trata do Rob. haha

Hally disse...

Mais uma pra lista de quem achou que era uma palavra nova que o sobrinho do Rob teria aprendido. Não é fácil mesmo...

Lilian disse...

Rob, grave ess conversa e libera o áudio pra gente. Precisamos ouvir o pintor falar SHASHASHISHADOR. [rindo alto]

Michele disse...

esse povo só inventa! pra que comprar um shashashishador???

Arthurius Maximus disse...

Nada como aprender novas línguas.

Rob Gordon disse...

Natália:

Ia te responder afirmando que meu sobrinho não tem capacidade de inventar uma palavra como essa, mas aí lembrei que ele chama "pregador de roupa" de "papaduro", vai saber o porquê.

Enfim... Ô fase.

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

R.:

Um pedreiro gago? Dá pra montar um blog inteiro só sobre o sujeito!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Sil:

Você, como mosca, teria perdido a viagem. O sujeito não veio, os shashashishadores estão aqui ainda!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Fê:

Acordei cedo e o cara do shashashishador não veio!

Ô fase total.

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Kel:

Quando o "fator Rob" entra em campo, nunca é o que parece. É sempre pior.

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Hally:

Já já meu sobrinho vai falar melhor que o pintor! :)

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Lilian:

Prometo que assim que o pintor resolver aparecer aqui, eu tento gravar!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Michele:

Nem pensei em perguntar isso. Se eu não entendi nem o que cara queria, imagina a explicação sobre o motivo de comprar o negócio?

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Arthurius:

Mais meia hora conversando com o cara e eu posso procurar emprego de secretário bilíngue. :)

Abraços!

Rob

Camila disse...

Quando li o título, imaginei que o texto teria algo a ver com salsicha, o que é estranho, porque aqui em Curitiba ninguém fala salsicha, mas vina.

Enfim.

Eu nunca deduziria que shashashishador era catalisador. Tipo, é outra língua.

Rob Gordon disse...

Camila:

Agora que você disse que eu percebi que tem semelhança com salsicha, sim. Ou não. Como você falou, é outra língua. Totalmente diferente.

Beijos!

Rob