28 de novembro de 2011

Em 2012 O Mundo Vai Ter Tcherê!

É engraçado como as coisas acontecem.

Sábado eu postei um texto sobre fazer compras no Pão de Açúcar, com o tecladista do supermercado (sim, isso existe) tocando Djavan. Muitos leitores comentaram aqui dizendo que poderia ser pior, e deram diversas opções de músicas mais insuportáveis.

Certo.

Ontem eu fui ao Pão de Açúcar novamente. Mas, desta vez, no lendário Pão de Açúcar aqui ao lado de casa. Fui com a Namorada comprar algo para jantar, mas me esqueci de um pequeno detalhe. Nas noites de domingo, o Pão de Açúcar da Teodoro é um lugar esquecido, abandonado e renegado por Deus. Todas as Suas criações que não deram certo são colocadas ali até que Ele decida o que fazer com ela.

Por exemplo: ontem, em cinco minutos, encontramos a Mulher com o Cabelo Mais Sujo da Cidade (que, na verdade, parecia mais uma moeda que uma mulher, visto que ela tinha um metro e meio e pesava uns 350 kg), e um mendigo – usando a tradicional calça de mendigos, amarrada com uma corda e um pedaço da bunda exposto – que cortou caminho pelos caixas em busca de um lugar para mijar, de uma caixa nova para dormir, ou ambos, deixando seu doce cheiro de jaula por todo o ambiente.

Mas o pior aconteceu na fila do caixa.

Estávamos começando a passar as compras quando eles chegaram. Um homem e uma mulher. Até aí, tudo bem. Ambos na faixa dos 25 anos. Até aí, tudo bem. Estavam comprando Coca-Cola e chocolate. Até aí tudo bem. E começaram a olhar as revistas expostas naquela arara ao lado da fila. Até aí tudo bem. E começaram a conversar.

E aí a coisa desandou.

Uma daquelas revistas de fofoca trazia dois moleques na capa, e a manchete “os novos reis do sertanejo”, ou algo assim. A menina mostrou para o rapaz, que respondeu que “isso é bom demais”, e começou a explicar a ela como esses dois meninos são bons, e que as músicas deles são sensacionais, e que o CPF deles é todo baseado em estudos de numerologia, e que os shows deles são demais.

A menina insistiu dizendo que não conhecia a dupla, e ele resolveu ilustrar sua explanação com um exemplo prático. Ou seja, ele abriu a boca, colocou os pulmões para trabalhar, e começou a cantar no meio do Pão de Açúcar – num volume como se estivesse se apresentando no Theatro Municipal – algo parecido com:

- Eu consertei meu carro e arrumei o som e hoje a noite vai ter Tcherê-Tcherê-Tcherê-Tcherê!

Eu confesso que não prestei atenção à letra. Toda a parte entre “eu” e “ter” da frase acima, pode estar errada (mas estou certo de que tinha as palavras “carro” e “som”), mas a parte do Tcherê foi reproduzida de forma precisa, em escala 1:1 aqui no blog. Acredite em mim, eu não estou enrolando porque não sei o final do verso. É “Tcherê-Tcherê-Tcherê-Tcherê!” mesmo. Quatro tcherês, todos animadinhos porque alguém consertou o carro.

No segundo tcherê meu estômago começou a embulhar, e o resto do cheiro do mendigo não ajudava tudo. Mas o pior foi a dificuldade de pensar, já que todos os meus neurônios saíram correndo para dentro um quarto no meu cérebro, ligaram Seasons in the Abyss do Slayer no máximo e me deixaram ali sozinho, à mercê dos Tcherês à queima-roupa.

Tudo o que eu poderia fazer era implorar para que os Tcherês passassem. E eles passaram. Ou, melhor dizendo, eles deram lugar a algo pior. Eles se transformaram no diálogo mais horrendo que ouvi em todos os meus 36 anos. Esqueça Ricardo III. Esqueça Laranja Mecânica. Esqueça as histórias em quadrinhos da antiga revista Cripta. Pois nada superaria a seguinte frase:

- Então, não está tudo certo e não quero comemorar ainda, mas é 99% de chances de que ano que vem eu trabalhe na produção dos shows do Luan Santana.

Meus neurônios rapidamente ligaram mais três caixas de som dentro do quartinho, e o Tom Araya passou a gritar que “Close your eyes look deep in your soul, step outside yourself and let your mind go!” Aliás, pelo barulho, alguns neurônios haviam aberto uma roda dentro do quarto e estavam se chutando alucinadamente.

Do lado de fora do meu cérebro, minha vontade era que alguém me chutasse também, mas para fora do mercado. Mas eu sei que nada disso iria acontecer, então comecei a considerar a hipótese de pegar uma das sacolas de plástico do Pão de Açúcar, colocar na cabeça e esperar pela asfixia que, quando eu era pequeno, meus pais garantiam que aconteceria.

Mas o diálogo foi mais rápido que eu. Antes mesmo que eu encontrasse as sacolas, a menina respondeu ao quase novo empregado do Luan Santana.

- Você vai se dar bem! Ele vai fazer shows no mundo inteiro!

Mundo inteiro? Meus olhos ficaram brancos, como se eu estivesse possuído por um demônio e comecei a tremer. Imagens de capas de discos com os nomes “Luan Santana – Live at Donnington”, “Luan Santana – Made in Japan” e “Luan – No Sleep ‘til Hammersmith” começaram a dançar na minha mente.

Ao mesmo tempo, um lampejo de consciência fez com que eu percebesse que um dos neurônios estava fora da sala. Era gordo e careca, e estava sentado nas sombras, em silêncio. Ao perceber que havia sido notado, ele simplesmente passou a mão na cabeça e resmungou algo como “O horror... O horror...” (Apocalypse Now mode: on).

Mas o meu neurônio Brando não imaginava que o horror ainda estava longe de terminar. Meus olhos voltaram ao normal ainda a tempo de ouvir o sujeito comentando sobre seus planos grandiosos de ajudar o Luan Santana a conquistar o planeta. Se eu possuísse uma arma, teria assassinado o sujeito ali mesmo e me sacrificado em nome do resto do planeta. Mas tudo o que eu poderia fazer era continuar ouvindo o Genghis Khan sertanejo.

- Ontem eu fui num rodeio animal! Teve show do Fernando e Sorocaba, foi demais!

Se eu estivesse em condições, teria perguntado a ele qual foi o critério usado para batizar esta dupla. Porque, até onde eu sei, as duplas sertanejas são sempre Nome & Nome, Apelido & Apelido, Cidade & Cidade. Fernando e Sorocaba rompe com tudo isso e usa a fórmula Nome & Cidade. É uma revolução sertaneja. E, de acordo com o roadie do Luan Santana, eles são demais!

- Eles tocam muito. Agitei muito no rodeio! Acho bem louco!

FROZEN EYES STARE DEEP IN YOUR MIND AS YOU DIIIIIE!, gritava Tom Araya dentro do quartinho no canto do meu cérebro, fazendo meu crânio tremer. Mas o som estava um pouco abafado. Provavelmente os neurônios lá dentro estavam vedando as frestas da porta com pedaços de pano para impedir que qualquer som do diálogo do casal alcançasse o local.

Pensei em pedir refúgio a eles, mas minha presença era necessária no mundo exterior. Afinal, o Hernán Cortés sertanejo ainda tinha muito a falar sobre rodeios.

- Eu gosto de ir nos rodeio para ver os bois se fuder. Acho bem louco.

Assim mesmo, com essa concordância, e eliminando o fato de que não são bois, são touros. Sua companheira disse que morria de pena dos animais, mas antes disso acontecer eu automaticamente estiquei meu braço e puxei de volta a Namorada, que estava em pleno ar, voando na direção do sujeito com uma faca nos dentes e granadas presas ao peito.

Felizmente, tudo estava se acabando. Quer dizer, partindo do princípio que o Luan Santana fará shows no mundo inteiro, o inferno ainda está longe de terminar, mas, pensando a curto prazo, meu inferno particular estava quase terminando. Paguei e guardei meu cartão e fui em direção à porta do mercado – onde a Namorada já estava me esperando, andando de um lado para o outro como um animal enjaulado.

Mas, a poucos passos da liberdade, eu ainda recebo o golpe de misericórdia, visto que a frase “eu desencanei de samba, para mim samba acabou, o que liga agora é sertanejo” veio correndo na minha direção e me golpeou na cabeça, fazendo o aparelho de som quebrar e o Tom Araya ficar mudo.

Não sei mais o que aconteceu. Apenas acordei hoje de manhã na minha cama, com febre e enxaqueca e a certeza de que sim, o mundo acabará em 2012, e eu fui o Escolhido para ter o conhecimento de como isso irá acontecer.

A partir de hoje, eu sou Rob Gordon, o Profeta do Apocalipse. Prazer.

E, da próxima vez, tomem mais cuidado com o que vocês comentam aqui no blog, por favor.

73 comentários:

Priscila disse...

hahahahahahah coitado de vc e da namorada! Mas infelizmente a cidade está entupida de gente brega. Meu Deus, cadê a explosao do center norte pra gente juntar esse povo e aguardar o inevitável? rsrs
ótimo texto. beijos,

Kel Sodré disse...

ahahahHAHAHAHAhuashuashuasHUASHAUSHUASHUAS

Você tem sorte, sabe? Aí em São Paulo ainda há a esperança de se matar asfixiado com sacolinha de supermercado - como nossos pais garantiram que aconteceria durante toda a nossa infância. Aqui em Belo Horizonte, onde as sacolinhas foram cruelmente banidas, só nos resta colocar uma sacola retornável assinada pelo Ronaldo Fraga na cabeça e chorar porque a sensação de morte iminente está lá, mas você sabe que ela, redentora, não virá. #dramaqueen

Algumas expressões são impagáveis! "cheiro de jaula" tá me fazendo rir ainda agora, que já li três vezes. E as imagens também são muito boas!

Rob, você é muito bom escrevendo textos de comédia! Consigo te ver, daqui a uns dois anos, como roteirista de um quadro ou programa, sei lá, do Multishow. Sou super a favor de mais textos à moda antiga no Champ! :)

Rob Gordon disse...

Priscila:

Já pensou? "Luan Santana - Sonic Boom at Center Norte". Esse eu compraria o DVD.

Beijos!

Rob

Fernanda Fefis disse...

Rob eu já disse que adoro seus textos?? Muito bom.. eu simplesmeste fiquei imaginando a Ana com a faca, vou matar essa cara aí! hahahaha
Mas sinceramente.. eu acho que vc deveria ter dado os parabéns pra ele, a hora que ele falou que iria trabalhar com o Luan Santana, dado seu número de telefone, ter pedido um autógrafo.. hahaha.. Sério agora, a sacolinha do pão de açúcar, deveria ir na cabeça dele! =D
E por favor, coloque vários avisos pela sua casa.. Não ir no Pão de Açúcar nas noites de domingos!!! A não ser que vc queira se deparar com essas criações que não deram certo! hahahaha..

Eric Franco disse...

Luan Santana + Orquestra Sinfônica de San Francisco. Imagina Meteoro da Paixão com um arranjo de violinos. :P

Elise disse...

Putz, eu bem que disse que podia ser pior... ops.

Como você consegue, Rob, atrair o maior número de pessoas bizarras e malucas pra perto de você? Se bem que nem acho ruim... se elas não orbitassem ao seu redor, rs, o Champ não teria esses textos divertidos...

Agora sobre as sacolinhas: acho melhor você levar uma de reserva no bolso, porque é mais fácil de alcançar, e porque daqui a pouco as sacolinhas serão proibidas aqui em Sampa também e não haverá outra alternativa a não ser levar seu próprio artefato asfixiante para essas ocasiões "especiais"...

Gilgomex™ disse...

Na realidade seria: "...tche tcherere tche tche tcherere tche tche tche tche..." Fiquei curioso sobre quem estava nessa capa. Pois quem canta essa é solo...

Ver os bois se fuder??? Vixi! Não é rodeio, é Animal Planet na TV!!!

E se o mundo vai acabar em 2102, temos muito tempo ainda. Achei que seria já no ano que vem.

E acho (sinceramente) que isso é balela do Rob. Tenho certeza que ele tem calças coladas, fivelas enormes, chapéus de aba larga, camisa xadrez, botz de cano extra longo e dança o tche tcherere escondidinho no quarto... Tenho que dar uma olhada nos arquivos fotográficos da Besta-Fera (quando este espi... er, cão puder sair de casa sem ser assassinado pelo matador de mouses)...

Ana Claudia disse...

Seres humanos... ¬¬

Rob Gordon disse...

Kel:

Ri alto com o "e chorar porque a sensação de morte iminente está lá, mas você sabe que ela, redentora, não virá"!

Quanto aos textos à moda antiga do Champ... escrever esse texto foi bem importante pra mim, mais do que as pessoas poderiam imaginar. Enfim, a regra agora é tentar, sempre que possível, voltar a este estilo de texto. Tomara de verdade que vocês gostem do que vem por aí.

E MUITO obrigado pelos elogios. Vou emoldurar isso aqui, de verdade. Ganhou meu dia.

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Fernanda Fefis:

Que bom que curtiu o texto! Uma dica: quando você imaginar a Ana em situações como essas, pinte os olhos dela de vermelho, é mais condizente com a realidade. E a sacola na cabeça do cara? Sério, pena da sacola. Imagine se ele começa a cantar o maldito Tcherê-Tcherê lá dentro?

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Eric:

Obrigado por destruir meu dia. Passar bem.

Rob

Rob Gordon disse...

Elise:

Eu juro que não faço nada. Juro. Eu estava quieto na fila de um dos 319 caixas esperando para pagar minhas compras. Quando eu vi, o Rodeio-Boy estava ali, atrás de mim, discutindo a semiótica do sertanejo. Mas num ponto você tem razão: vou começar a estocar sacolas plásticas aqui, para situações como essa.

Beijos!

Rob

disse...

Puxa, Rob. Você atrai, só pode... Murphy é seu colega de apto e te acompanha até as compras.

Eu imaginava um fim do mundo diferente, com sangue, fogo, gelo, óleo, dor, sofrimento, estacas e tudo mais, sabe. Bem ilustrativo assim. Nunca imaginei que poderiamos acabar ao som de Luan Santana e Fernando e Sorocaba. Eu ainda preferia o jeito 'decente' de morrer, será que dá tempo de alterar essa programação?

Rob Gordon disse...

Gomex:

É sério que você conhece essa música? E se quem canta isso é carreira solo, o cara falou merda, então? Bom saber. Quem sabe o lance do Luan Santana, e dos malditos shows no mundo inteiro também seja mentira. Vamos torcer ansiosamente...

E, realmente, eu adoro sertanejo. Sempre que você entrar no meu quarto e ver uma pessoa com essas roupas dançando e cantando o lance do Tcherê, tenha certeza de que sou eu. Sei que não vai parecer, porque eu vou estar com uma sacola plástica na cabeça reclamando que "Oh, I wish the Lord would take me now" (mama soprano mode: on), mas sou eu, pode ter certeza.

Abraços

Rob

Rob Gordon disse...

Ana:

Sempre eles, né?

Beijos.

Rob

Rob Gordon disse...

Fê:

Imagina o apocalipse. O inferno está lotado e os mortos começam a caminha sobre nós, ao som de Fernando & Sorocaba. O cheiro de enxofre se mistura ao de espetinhos Jundiaí (ou qualquer coisa que seja vendida em rodeios) e, de repente, numa nuvem dourada e bem cafona, o antiCristo Luan Santana desce em direção à Terra, castigando os pecadores enquanto canta... Hum...

Gomex, ajuda aí com uma música?

Beijos!

Rob

Lilian disse...

Obrigada por escrever um daqueles textos que me fazem rir tanto que me impedem de comentar. Depois que passar o surto de riso eu volto.

Rob Gordon disse...

Lilian:

Sinceramente? Eu que agradeço. Mesmo. Aguardo o final do surto. :)

Beijos

Rob

Varotto disse...

AAAHHHHHH!

Come on God! Do your worst!

You can't beat me!

P.S.: Acho que os demônios (aqueles antigos) voltaram a te testar.

disse...

Rob, com esse seu comentário agora não poderei dormir mais. NUNCA MAIS!

Rob Gordon disse...

Varotto:

Não cante vitória assim. O tal do Tcherê é um inimigo sombrio e poderoso.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Fê:

Sorry... Mas são os fatos. Não se preocupe que eu também vou passar noites e noites em claro aqui, agoniado!

Beijos

Rob

Gilgomex™ disse...

Só porque você pediu minha ajuda:

...demônios descem do céu vermelho, todos loiros de olhs verdes, com camisa xadrez antando: "AI SE EU TE PEGO, AI AI, SE EU TE PEGO!!!"

(eu sou idiota e ri escrevendo isso...)

Michele disse...

ai Rob... só ctg... MAS PODIA SER PIOR.
você podia estar no Anhangabaú, ir ao shopping com a Ana e ouvir frases de vendedores ambulantes como "OLHA O GPS, MINHA SENHORA! PRO SEU MARIDO NÃO ERRAR O BURACO!"

você ainda acha absurdo o cara falando do sertanejo..

OFF: Olha, até eu q sou roqueira nata devo dizer, o som do tal Fernando e Sorocaba n é TÃO ruim mesmo. eles têm voz de verdade. só escolheram o estilo errado.

Gilgomex™ disse...

Ah sim, e de acordo com suas previsões, o mundo continua previsto pra acabar em 2102??? De uma olhadinha no final de seu texto... hehehehehe

Natalia Máximo disse...

Eu tenho um respeito muito grande por sertanejo. Do mesmo jeito que cresci ouvindo rock clássico, por causa do meu pai, minha mãe ouvia muito sertanejo. Mas sertanejo de raiz, daqueles caras que faziam repente no meio do sertão, sabe? Aquilo que minha mãe cresceu ouvindo. Não, nunca gostei de sertanejo, mas sempre respeitei muito.

Aí, inventaram o maldito do "sertanejo universitário" pra fuder com a porra toda.

Sempre achei que, pra deixar alguma coisa ainda pior, é só acrescentar o adjetivo "universitário". Aposta quanto que esse casal atrás de vocês na fila era universitário? Você deveria ter deixado a Ana dar um jeito neles, o mundo ficaria agradecido :p

Rob Gordon disse...

Gomex:

Vade retro com essa música.

E você viu só? Com um simples erro de digitação, o mundo ganhou mais um século de vida. Infelizmente, eu arrumei o erro. Mesmo porque um planeta que tem o cara que gosta de ver "os bois se fudê" não merece mais cem anos.

Abraços!

Rob Gordon disse...

Michele

Eu concordo que os gritos Anhangabaunianos são pavorosos, mas lá ao menos você pode escapar (e sempre é reconfortante saber que a galeria do rock está ali ao lado). Mas e na fila do Pão de Açúcar, encurralado entre a lerdeza da caixa e o maldito arauto do Luan Santana.

Já quanto ao Fernando & Sorocaba... Olha, eu nunca ouvi nada. Mas eu tenho grandes problemas com a palavra Sorocaba, olha aqui: http://champ-vinyl.blogspot.com/2009/10/top-5-palavras.html

Beijos!

Rob

Beijos!

Rob

Gilgomex™ disse...

O legal é que eu venho falar de erro de digitação, e na postagem-coment do demônio de olhos verdes, digitei 80% errado... heuehuheuheuhuee

Rob Gordon disse...

Natália

Eu também tenho, desde os repentistas do sertão, como você disse, aos músicos do interior, como Milionário e José Rico e congêneres, como o Ranchinho.

E você tem razão. surgiu o universitário, fudeu tudo. Estragam a música popular, e tentam dar uma qualidade a pagodes e forrós boçalizados simplesmente porque o gênero ganhou o sobrenome universitário. Triste.

Aliás, acabei de desenvolver uma teoria. Sabe aquele povo que eu sempre reclamo aqui, que gosta de rock apenas para dizer que gosta de rock? Será que eles seriam roqueiros universitários?

Beijão!

Rob

Rob Gordon disse...

Gomex:

O meio é a mensagem. :)

Rob

Gilgomex™ disse...

Eu quero parar de escrever aqui por hoje, juro, não quero transformar isso aqui num Championchat, mas... ROQUEIRO UNIVERSITÁRIO??? Isso dá muito pano... E me fez rir de novo.

Rob Gordon disse...

Gomex:

Roqueiro universitário rende muita coisa!

Abraços!

Rob

Michele disse...

Rock universitário...

é esse país que vai sediar a copa...

e vc fala pq vc pode escapar dos gritos do Anhangabau... E EU, QUE MORO DE FRENTE PRO METRÔ ANHANGABAÚ? faço o que? sento e choro, só se for, pq né?

Elise disse...

Sobre o rock universitário: Deus me livre, eu vou pras colinas!

Elise disse...

[e acaba de começar a tocar na radio Random - dentro da minha cabeça -: "Run to the hills, run for your life!"...]

Alan (FFC) disse...

Hahhahahhahahaha. Luan Santana é pra entristecer mesmo...kkk.

Eu há muito quando parado em qualquer fila simplesmente deixo de escutar conversas alheias para não me irritar...kkkkkkkkkk

Varotto disse...

Uma vez me falaram que se você tocar Black Dog, do Zepp, ao contrário vai escutar: "Tcherê-Tcherê-Tcherê-Tcherê!"

Mas eu nunca tive coragem de testar...

Rob Gordon disse...

Michele:

Transforme o limão em uma limonada. Compre um rifle sniper e, toda manhã, và à janela do seu prédio e escolha um dos camelôs ao acaso. te garanto que no terceiro dia não haverá mais nenhum.

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Elise:

"Run for your lives" é o termo exato!

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Alan (FFC):

Concordo com você. Normalmente, eu ouço apenas para ter ideias para os blogs - mas tem horas, como no caso deste post, que a não-interação era impossível, pela proximidade e volume. Foi triste.

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Varotto:

Eu não vou tentar isso. eu tenho todos os discos aqui, e se for verdade, precisarei jogar creolina em cima de tudo.

Abraços

Rob

Lilian disse...

Droga, eu volto pra comentar aqui e os comentários me fazem mimijar de rir.

Mas hein, se estou perto desse cara amarro as bolas dele com um cinto e faço ele descer a Teodoro com a mulher moeda em cima dele. Cara babaca. Mau gosto? ok. Mas mexeu com os bichos, mexeu comigo.

E concordo com a Natália. Respeito o sertanejo de raiz. Mas isso que tem agora? Porcaria pura. E eu que achava as rimas de Zezé di Camargo & Luciano pobres...

Camila disse...

É porque ninguém cantou ou ouviu "Ai se eu te pego", do Michel Teló. Isso sim mata milhares de neurônios numa tacada só.

Imagina que trabalhei por quase dois anos num lugar em que a chefe ouvia sertanejo universitário o dia TODO e não deixava trocar a rádio. Essa era uma das técnicas modernas de tortura que ela aprendera em algum treinamento, só pode.

Quanto ao espertão do post, é o tipo de gente babaca que curte modinha. Geralmente essa gente não vale nem o feijão que come.

Mas falando de coisa boa, chorei de rir mais uma vez, Rob. #ofase :)

Rob Gordon disse...

Lilian:

Eu considero sua pena para o sujeito mais do que adequada. E, assim como você, não pelo gosto (se é que se pode chamar assim) musical, mas pela boçalidade da opinião sobre os rodeios.

E sertanejo universitário não tem nada de setanejo, só o nome. Mas vai explicar isso para esse povo que ouve...

Beijão

Rob

Rob Gordon disse...

Camila:

Só o nome da música já me deu arrepios. Aliás, para conseguir ler seu comentário inteiro, tive que aproveitar que o sujeito se chama Michel e fingir que ele é francês (tipo Michel Telau) e que a música dele é boa e não conheço. Se bem que toda hora que eu lembrava que a música se chama "Ai, Se Eu te Pego", me sentia como se estivesse cuspindo na história inteira da França.

Já quanto à modinha... Bom, é a regra de hoje em dia, não? Gosta-se do que os outros gostam, gosta-se do que os outros estão falando. É muita falta de personalidade.

Você que gosta de futebol, não reparou, na sua Timeline, diversos torcedores de final de ano (aqueles que mal sabem a escalação do time, nunca colocaram o pé num estádio) mas se tornam "fanáticos" (com aspas bem grandes) no final do campeonato, quando o assunto domina o Twitter? Na minha tem alguns, na sua com certeza deve ter, especialmente com os times na ponta da tabela. É o torcedor universitário.

Beijão!

Rob

Alan (FFC) disse...

Camila, há algum tempo atrás uma pessoa começou a divulgar uma versão da "ai se eu te pego" para a torcida do Fluminense cantar no estádio. Imagine o meu humor quando soube disso. Graças a Deus, por enquanto não pegou, mas ainda tenho medo. Muito medo... rs

Rob Gordon disse...

Só eu (felizmente) não conhecia esse "Ai, Se Eu Te Pego" aqui?

Alan (FFC) disse...

Hahahhahaha, sorte sua Rob...kkkkkkk... Sorte sua...kkkkkkkkkkkk

Barbara disse...

hahahahahahahahahaha
Tadinho de você! Isso não é fim de noite, é o fim do mundo!
Só não fico com mais pena de você por que sua tragédia fez a minha tarde mais divertida. Aí não dá pra rolar aquela hipocrisia e dizer "tadinho" enquanto me acabo de rir!

Rob Gordon disse...

Alan (FFC):

Amém.

Rob

Rob Gordon disse...

Barbara:

"Sua tragédia fez a minha tarde mais divertida."

Seja bem vinda ao Champ Vinyl. Prepare-se porque isso acontecer vai mais vezes. Muitas vezes.

Beijos

Rob

Mari Hauer disse...

HAHAHAHAHAHA... ADORO ver a sua vida voltando ao normal! To rindo muito imaginando a sua cara escutando Tche tchererê tche tchererê... HAHAHAHA... Fazia muito tempo que eu não ria assim alto lendo um texto! E minha felicidade dobra por ter sido um texto teu!

Desculpa, mas eu adoro as tragédias do Pão de Açucar, das coisas explodindo e pegando fogo, dos bebê gritando e surtando no prédio a dois kms do seu (e vc ainda escuta, claro!)... e algo me diz que com a Ana do lado, ela realça esse seu lado tolerância zero! hahahahaha...

WELCOME BACK!

Mari Hauer disse...

Que ninguém te conte da versão da Ai se eu te pego traduzida pro inglês como "Ai if I catch you"... CONSIGO IMAGINAR SUA CARA... HAHAHAHAHA

Rob Gordon disse...

Mari Hauer:

Fico feliz que gostou! Você sabe da importância do tcherê tcherê virar um texto assim! :)

E, sim, com a Ana do lado, fica mais divertido, porque a tolerância dela é menor que a minha. Muito menor.

Agora, o "ah, if I catch you" foi deprimente. Quase um incidente internacional!

Beijão!

Rob

gilgomex disse...

Bem, Rob, já que vc nao conhecia essa música, tenho uma péssima noticia. A musica mais tocada em Portugal, Espanha e mais uns 4 paises da Europa, é exatamente essa. Culpa, em parte do senhor Cristiano Ronaldo. Ou seja, Luan Santana eh o caralho, o mundo eh do demonio loiro de olhis verdes. Nao chega 2012.

Michele disse...

ai não... "ai se eu te pego" não...

pior q um gringo q trabalha comigo, um haitiano ADOOOOORA essa música...
e fica lá todo feliz cantando "delícia, delícia. assim você me mata. ai se eu te pego, ai ai se eu te pego" pra mim...
E DIZENDO QUE ESSA PORRA TEM LETRA BONITA.

Rob Gordon disse...

Gomex:

O meu dia está piorando em progressão geométrica. Mesmo.

Abraços

Rob

Rob Gordon disse...

Michele:

O problema não é nem cantar, né? O problema é achar a letra bonita. Ô fase, sério.

Beijão

Rob

Varotto disse...

"Cara! Esse seu blog é demais! Você manda muito bem! Tô aqui sempre e acho que você tinha de estourar no mundo inteiro!"

E com essa, inauguro o comentador universítário.

Varotto disse...

E, não universitariamente falando, sem maiories pretensões, acho que seu tcherê tcherê vai para a lista dos mais comentados...

Fernando Cesarotti disse...

Matou a pau com o roqueiro universitário. Na verdade, é o "ouvinte universitário", aquele povo que sempre existiu, que ouve "o que toca no rádio" e para quem a música é só pano de fundo, e não uma coisa com a importância que tem para nós.

E eu que chamo Fernando e sou de Sorocaba, como faz? Aliás, pena não ter conhecido o sujeito antes da fama, podia ter dado uma atropelada sem querer na rua. Ou, pelo menos, um tapão na garganta.

(Leio sempre, mas creio ser meu primeiro comentário. Dá licença, hein?)

Fernanda Fefis disse...

Olha só Rob.. sinceramente.. não sei se eu ri mais com seu texto.. ou com os comentários dele!!! hahahaha.. Tem cada coisa aí.. Roqueiro universitário foi o melhor! Se bem que comentador universitário tá ali..
Certeza o que o Gilgomex escreveu é fato! ...demônios descem do céu vermelho, todos loiros de olhos verdes, com camisa xadrez antando: "AI SE EU TE PEGO, AI AI, SE EU TE PEGO!!!" - faltou só uma coisa: A coreografia!! hahaha

Rob Gordon disse...

Varotto:

"Comentador universitário" foi ótimo!. Mas não sei se este texto chega aos mais comentados... Falta chão ainda!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Fernando:

Você se chama Fernando, nasceu em
Sorocaba e (aparentemente) nunca tentou assassinar os integrantes da dupla. Você tem o meu respeito.

Quanto ao roqueiro universitário, você expandiu a ideia para o "ouvinte universitário", que ficou melhor ainda, especialmente com a música sendo "pano de fundo". Isso não teria problema, desde que eles assumissem que ouvem por ouvir - mas insistem em falar que gostam, e que as músicas têm a mesma importância para pessoas que nós, que ouvem a música como algo completo, e não como um mero motivo de ir na baladinha da vez.

Pelo seu ótimo primeiro comentário aqui, tenha certeza de que vou esperar pelos próximos!

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Fernanda Fefis:

Como eu sempre digo, boa parte da graça do Champ está nos leitores. É o maior tesouro que este blog tem!

Beijão!

Rob

Giovana disse...

Estou sempre visitando o blog, mas acho que é a 1ª vez que comento. Sou da terra do Sertanejo Universitário (99% desses"artistas" são daqui do MS - que vergonha). De-tes-to todos, mas imaginem a reação geral qdo manifesto minha opnião nas festinhas, face... Eu é estou precisando das sacolas, viu!?

Camila disse...

Alan (FFC,

Putz, cara, ainda bem que a música não pegou, hein? Imagina um estádio inteiro cantando isso!


Rob,

"Michel Telau" foi ótimo, hahaha. Mas acredite ou não, isso é made in Brazil. =(

E bem que vc disse. Final de Brasileirão é um festival de torcedores universitários, todos seguidores da modinha, assim como os fãs de UFC.

Rob Gordon disse...

Giovana:

Deve ser muito difícil mesmo morar aí e odiar este tipo de música - assim como o Fernando, de Sorocaba, você tem meu respeito. Mas, olhe, prometo que um dia que eu fizer um sorteio com um fone de ouvido aqui no blog, darei "um jeitinho" de você ser a premiada!

Muito obrigado por ter comentado, espero mais visitas suas!

Beijos!

Rob

Rob Gordon disse...

Camila:

É deprimente, né? A pessoa passa o ano inteiro simplesmente ignorando o time, com exceção de três ou quatro semanas - final do estadual e final do brasileiro (às vezes, com uma copa do Brasil ou Libertadores, tem mais umas três semanas como torcedor apaixonado). Ela não sabe quem joga, contra quem joga, como está a tabela, quem é o técnico.

Mas, aí, o campeonato se aproxima da reta final e a vira assunto recorrente no Twitter. O que a pessoa faz? Passa as tardes de domingo gritando, torcendo e xingando no Twitter (porque todos esses torcedores são torcedores de Twitter e Facebook), fazendo questão de mostrar para os outros o quanto "sempre foram" apaixonados pelo time. É tão fake, tão forçado e tão artificial que chega a dar dó.

Sério, como eu disse acima, é deprimente. Aliás, minto. No caso de música, isso é deprimente. No caso de futebol (que, tanto eu como você sabemos que gira em torno de um amor VERDADEIRO por um time) chega a ser quase falta de caráter – já que amor não se finge e não escolhe época –, e desrespeito com o verdadeiro torcedor.

Mas... Cada um sabe o mundinho em que vive, né?

Beijão!

Rob

PS - Em tempo, continuarei com o Michel Telau mesmo. Para mim, é mais fácil lidar com isso dessa forma.

Juju disse...

Rob Gordon, o salvador das tardes de sextas-feiras boring e intermináveis... com deliciosas gargalhdas (tendo que ser contidas, pq estou em ambiente profissional! =P)

Rob Gordon disse...

Juju:

Obrigado!! Que bom que gostou do texto, fico feliz demais!

Beijão!

Rob

Wagner disse...

"Luan Santana Live at Budokan"

Este texto foi o breu, ri demais kkkkkkkkkkk