19 de outubro de 2011

Devil's Tattoo Blues

I woke up one morning, with troubled heart and worried mind.
Yeah, woke up one morning, with troubled heart and worried mind.
So I put on my shoes and grab my coat, and left my life behind.

Went down to a dirty joint, and asked the Lord for some booze.
Went down to a dirty joint, and I asked the Lord for some booze.
Three bourbons later, I prayed my thanks and played my blues.

Later that night, I walked down the road with Satan on my side.
Later that night, I walked down the road with Satan on my side.
It was a beautiful lady, and she put my body and my soul on fire.

At the crossroad she drew a picture in my arm and gave some gin.
At the crossroad she drew a picture in my arm and gave some gin.
So now I got the blues on my heart, and carry the blues on my skin.

So now I got the blues on my heart…
And carry the blues on my skin.


Algumas pessoas, ao lerem o texto acima, me perguntaram se eu traduzi a letra de algum blues antigo. Não. Eu escrevi isso, em inglês mesmo (a tradução, para os leitores que não falam inglês, está no primeiro comentário do texto) para homenagear minha nova tatuagem.

Eu adoraria escrever aqui um enorme texto justificando a importância do blues dentro da minha vida (e, em especial, do momento que estou vivendo), como fiz com a tatuagem dos Beatles. Mas, ao invés disso, resolvi que a melhor forma de fazer isso seria justamente compondo um blues com os elementos – e sob a fórmula – das canções antigas, cantadas em estradas e bares por Robert Johnson, Lead Belly e Charley Patton.

São músicas e nomes de uma fase que considero a mais apaixonante dentro do blues e que está totalmemente retratada dentro desta ilustração. Em tempo: quem ainda não reconheceu o desenho do gaitista, segue a fonte original.


Vale lembrar que estas fotos não são definitivas – o “blues” ainda parece torto e fora de perspectiva, por exemplo, pois meu braço ainda está bastante inchado; e o branco da camisa ainda irá "subir". Assim que a pele voltar ao normal, posto uma nova foto.

E, claro, se algum leitor com talento musical decidir tirar a música “do papel”, basta gravar ao ritmo de um velho blues e mandar o vídeo para cá, que entra no blog com pompa e circunstância. E com direito a uísque de milho.

Mas, como eu disse no meu blues, agora eu carrego o blues na minha pele.

Para sempre.

37 comentários:

Rob Gordon disse...

Eu acordei uma manhã com o coração partido e preocupado.
Eu acordei uma manhã com o coração partido e preocupado.
Então calcei meus sapatos e coloquei meu casaco, e deixei minha vida para trás.

Fui a um pequeno boteco, e pedi a Deus por um pouco de bebida.
Fui a um pequeno boteco, e pedi a Deus por um pouco de bebida.
Três bourbons depois, rezei agradecendo e toquei meu blues.

Naquela noite, andei pela estrada com Diabo ao meu lado.
Naquela noite, andei pela estrada com Diabo ao meu lado.
Era uma mulher linda, que deixou meu corpo e minha alma em chamas.

Na encruzilhada, ela desenhou uma imagem no meu braço e meu um pouco de gim.
Na encruzilhada, ela desenhou uma imagem no meu braço e meu um pouco de gim.
Desde então eu tenho o blues no coração, e carrego o blues na minha pele.

Desde então eu tenho o blues no meu coração...
E carrego o blues na minha pele.

Natalia Máximo disse...

Assim como a dos Beatles, linda. Onde você fez? Tô caçando estúdios pra fazer as minhas!

Elise disse...

Uia, eu reconheci o desenho... já tinha visto-o numa página da HQ Terapia... =)

A tattoo ficou daora, Rob, e quando desinchar vai ficar lindona! O blues também ficou muito legal... enquanto lia a letra eu imaginei a cena na minha cabeça! E o último verso em especial me fez lembrar da minha própria tattoo ~sim, lembrar, às vezes esqueço que tenho uma tattoo, hehe, ela não tem a ver com blues, mas com outra coisa especial pra mim. =)

Karina disse...

Você tem as tatuagens mais legais do mundo.

Raquel disse...

Essa merecia ir aqui, ó:

http://fyeahtattoos.com/

Varotto disse...

Mas o cara vai virar um outdoor ambulante! Ficou muito boa essa.

Você podia aproveitar a onda Crumb e tatuar Fritz, the cat (para os momentos mais picantes)...

Michele disse...

Rob, fez aonde? tou querendo fazer minha segunda, mas n sei onde faço.

e a tattoo tá linda!

@frank_london disse...

Se eu soubesse compor direito, até tentaria colocar uma melodia no seu blues.

E a tatuagem ficou realmente muito maneira!

Varotto disse...

Na verdade, essa já nasceu com a melodia pronta, pois muita coisa pode ser dito do blues clássico, menos que as melodias são originais...

Alan (FFC) disse...

Sempre quis fazer uma tatoo mas o "para sempre" me incomoda muito então até hoje estou sem... Quem sabe um dia.

A sua ficou muito legal. Boa escolha.

Nelson disse...

Bela letra, e bela tattoo.

Estranhamente, não sinto vontade de tatuar nada musical... creio que seja pelo meu passado e profissão atual, sempre nessa área. Na minha cabeça, seria como ver um técnico de rede com "error 404" tatuado, haha.

Minhas ideias pra tattoos são meio abstratas, sobre passagens da vida, momentos importantes e tudo mais... os motivos são exatamente iguais aos seus, mas os temas (ou inspirações) são diferentes.

E eu só não tiro seu blues do papel por dois motivos:
1-) sempre fui péssimo pra compor blues;
2-) não tenho como gravar.

abraço

Mari Hauer disse...

MUITO legal! Eu quero muito fazer uma, deveria ser agora que vou pro Brasil, mas sou tão indecisa que não sei o que quero tatuar ainda... deve ser porque a hora ainda não chegou, né?
Ficou linda! Adorei as duas!

Rob Gordon disse...

Natália:

Valeu, fico feliz por ter gostado! Fiz no mesmo lugar de sempre - o tatuador da Ana, que já virou "meu tatuador" tb. Eu te passei o endereço, não?

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Elise:

Das três referências sobre quadrinhos que entraram no primeiro arco de Terapia, a citação ao Crumb foi a primeira bolada - ela estava até no roteiro, antes mesmo da página ser desenhada. Isso porque a nossa ideia sempre foi fazer menção a blues e quadrinhos, e o álbum do Crumb seria essencial para isso.

Quanto a você ler o blues que escrevi e imaginar a cena me deixa muito orgulhoso. Muito mesmo, porque uma das grandes características do blues - especialmente destes mais antigos - é que muitas músicas conta uma história com começo, meio e fim (talvez seja justamente por isso que eu seja apaixonada pelas canções desta época).

E, se você conseguiu imaginar a cena, sinal de que meu blues ficou razoável!

Beijos e (muito) obrigado pelo elogio!

Rob

Rob Gordon disse...

Karina:

Obrigado, de verdade. E agradeço não apenas pelo desenho em si - que foram escolhidos com muito cuidado - mas porque cada uma das duas representa algo com muito significado para mim. E acho que tatuagem deve ser isso mesmo: algo muito pessoal. Desenhos e temas entram e saem de moda - respeito quem faz a "tatuagem da moda", mas não concordo / compreendo, já que ela vai sair de moda em meses e a tatuagem vai permanecer - mas foz questão de escolher ilustrações com uma cara diferente de coisas com muito significado para mim.

Se você achou as duas como "as mais legais do mundo", tenho só que agradecer a você!

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Raquel:

Quem sabe quando ela estiver prontinha, desinchada e retocada? Mas obrigado por achar a tattoo digna do site!

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Varotto:

Outdoor nada, as duas ficam bem escondidas! Quanto ao Fritz the Cat.... Olha, não é má ideia! :)

Abração

Rob

Rob Gordon disse...

Michelle:

Como eu disse para a Natália, fiz no mesmo estúdio do tatuador que fez os Beatles. Se quiser, te passo o endereço, manda um mail pra mim!

E obrigado pelos elogios à tattoo!

Beijão

Rob

Rob Gordon disse...

Frank London:

Pelo teu gosto musical (que vi em nossos papos no Twitter) eu tenho certeza de que você iria colocar uma melodia sensacional nesta letra!

Valeu pelos elogios à tattoo!

Abração!

Rob

Rob Gordon disse...

Varotto:

Tanto é verdade que eu escrevi esta cantarolando trechos da letra ao ritmo de Love in Vain, do Robert Johnson, para ver se "estava funcionando musicalmente".

Abraços!

Rob

Rob Gordon disse...

Alan (FFC):

Como eu disse acima, sou da opinião de que a tatuagem precisa ser algo pessoal e com significado para você. Na minha opinião, não adianta nada pegar o desenho da moda, como muita gente faz.

A tatuagem é algo muito pessoal e, no meu ponto de vista, uma pessoa que simplesmente escolhe o "desenho do momento" muitas vezes está fazendo a tatuagem para os outros e não para si próprio.

Respeito quem faz e acho que cada um tem o direito de tatuar aquilo que quiser, mas jamais faria uma tatuagem parecida com a de outras pessoas. Mais que algo único, tem que ser algo "meu".

Por isso - e justamente por ser "para sempre" - que eu demorei tanto para fazer as minhas. E fiz não por ter certeza de que queria uma tatuagem - eu sempre tive certeza disso - mas por ter certeza sobre exatamente o que e como eu queria ter tatuado.

Abraços

Rob

Rob Gordon disse...

Nelson:

Entendo isso que você disse - é justamente por isso que eu não tenho nenhuma tatuagem sobre cinema, que, teoricamente, seria a primeira que eu faria. Mas, apesar de ainda ser apaixonado pelo tema, ele se tornou trabalho para mim.

E quanto à tirar o blues "do papel"... Eu disse a Ana que você certamente faria isso e, olha, ainda bem que não apostei com ela!

Abração, cara!

Rob

Rob Gordon disse...

Mari Hauer:

Você matou a charada. Se você não sabe ainda o que tatuar, é porque não chegou a hora! Foi justamente o que aconteceu aqui comigo - pensei durante anos no que tatuar, e não conseguia me decidir. De repente, os dois assuntos pularam na minha frente: Beatles e Blues. Aí eu soube que era o momento, e comecei a pensar em desenhos com a minha cara.

Obrigado pelos elogios às duas - duvido que um dia eu consiga escolher a minha preferida!

Beijos!

IsabelVeronica disse...

Nossa Rob, ficou linda!
Tem tudo a ver com você. Aliás as duas tatuagens são a sua cara.

Beijos

Nelson disse...

Confesso que eu até tentei fazer alguma coisa ontem (em MIDI), mas não consegui nada decente.
Já se vão 3 anos que eu não toco com frequência, e mais de 2 anos que eu não componho nada... e tentar compor assim, ainda mais em um estilo que eu nunca fui bom foi um desafio grande demais, hehe.

abraço

O Antagonista disse...

Muito legal a tattoo, bem original! E a letra do Blues ficou muito, muito legal mesmo!

Valeu.

Kel Sodré disse...

Eu li o post anteontem. E ainda não encontrei as palavras certas pra comentar. Tudo que me vem à cabeça é "foda. FODA. F.O.D.A. Fodapracaralho. Muito foda mesmo." E a "abundância" de adjetivos é pra tudo: pra tatuagem em si, pro desenho escolhido, pro SEU BLUUUES, pelas suas tatuagens fodas que são cheias de significado, pro "blues" tortinho, que eu até curti, pro fato de o cara do desenho ser um GAITISTA. Foda.

Só sei que a cada tatuagem que vejo, me cresce a vontade de fazer a minha coruja no antebraço.

Larissa Bohnenberger disse...

Linda a tatoo, Rob! Eu tava com uma marcada pra fazer, peguei conjuntivite viral e tive que desmarcar! Oh, tristeza!

Bjs!

Rob Gordon disse...

Isabel:

Obrigado! Era justamente isso que eu queria ao escolher cada uma das tatuagens: que elas fossem a minha cara!

Beijos

Rob

Rob Gordon disse...

Nelson:

Sem problemas! Quem sabe nós ainda não escrevemos algo juntos?

Abração!

Rob

Rob Gordon disse...

O Antagonista:

Muito obrigado! Não apenas pela tatuagem, mas pela letra do blues - confesso que adorei escrever isso!

Abração

Rob

Rob Gordon disse...

Kel:

Sei que meu comentário é até previsível, mas achei o seu comentário F.O.D.A. demais! E não apenas por você ter adorado a tatuagem (com todos os motivos que você listou) ou o meu blues, mas especialmente por ter aumentando ainda mais sua vontade de fazer sua coruja! Torcendo para você fazer logo!

Beijão

Rob

Rob Gordon disse...

Larissa Bohnenberger:

Poxa, que chato! Mas não desista não, marque logo uma nova sessão! E obrigado pelos elogios ao meu blueseiro!

Beijos

Rob

Juju disse...

Vc fez um bluesman e eu fiz um jazzman http://www.facebook.com/photo.php?fbid=10150340248157638&set=a.278098522637.143818.608832637&type=1 (que no caso é meu pai, desenhado pela minha mae), a minha já tem quase um ano e eu AMO! a sua ficou show! adorei!

Rob Gordon disse...

Juju:

Linda sua tattoo! Toda estilizada, adorei - e, por reunir tanto seu pai e sua mãe, fica mais bonita ainda. Linda e perfeita!

Beijos!

Rob

disse...

Linda a tatuagem! Adorei. Uma lindissima maneira de marcar a pele, a alma e algumas pessoas junto. Adorei!

Rob Gordon disse...

Fê:

Obrigado! Você disse tudo: mais que a pele, é uma maneira de marcar a alma! Por isso que escolho com muito cuidado o que tatuar!

Beijos!

Rob