5 de julho de 2009

Bruxa do Mar Vai às Compras - Parte I

Eu não consigo mais ir ao Pão de Açúcar aqui ao lado de casa sem me irritar. E, ao contrário do que acontece na maioria das empresas que me irritam (Tim, Telefônica) o problema do Pão de Açúcar não é com a empresa em si, mas com os clientes. Cada vez que eu coloco os pés lá dentro me convenço mais de que a humanidade não evoluiu a ponto de conseguir usar um supermercado, e deveria ter ficado mesmo colhendo frutos de árvores e correndo atrás de mamutes.

Na verdade, o problema não é fazer as compras. Isso é fácil de lidar. Enquanto ando pelo mercado, basta desviar o caminho dos dementes que estão de plantão naquele dia antes que eles me vejam e queiram falar comigo (sim, porque se eu der chance, ele virá falar comigo, independente de quantas pessoas estiverem ao meu redor).

O complicado mesmo é a fila do caixa. Vale dizer aqui que o Pão de Açúcar tem alguns caixas especiais: caixa para dez volumes, caixa para vinte volumes e caixa para atendimento especial. Na verdade, eles também possuem um caixa para pessoas problemáticas (que muda de lugar toda vez que eu entro), mas a placa indicando qual a fila especial para dementes fica escondida.

Ou seja, é sempre nessa fila que eu acabo entrando. E lá sou obrigado a conviver de perto com os insanos que encontro, já que as minhas únicas alternativas seriam:

a) mudar de caixa e recomeçar todo o processo em outra fila (mas nada garante que isso não me jogaria nas mãos de outro demente)

b) largar as compras ali mesmo, gritar um palavrão e ir embora, mas isso faria com que eu fosse eleito o demente da vez pelas outras pessoas normais que estão ali dentro.

Então, a solução é respirar fundo e agüentar.

Dia desses, fui buscar algo para comer e parei na fila do caixa de dez volumes, obviamente, sem saber que aquele caixa, no dia, era o que estava atendendo as pessoas desconectadas com a realidade.

Havia umas quatro pessoas na fila, e, à minha frente, um casal de velhinhos. Fiquei esperando pela minha vez, quando vejo um carrinho ao meu lado. Não atrás de mim, como deveria ser o certo, mas ao meu lado. Apoiada no carrinho, uma mulher que parecia a Bruxa do Mar, do Popeye. Aliás, era igualzinha, faltava apenas o corvo no ombro.

Obviamente, assim como o carrinho, ela não estava atrás de mim, mas ao meu lado. Literalmente ao meu lado. Na verdade, o carrinho dela estava quase na minha frente. Nunca vi alguém tentar furar uma fila com tanta displicência.

Olhei para ela. Ela olhou para mim. O tempo congelou. Não se ouvia mais nada no mercado, a não ser o barulho do vento. A tensão no ar era palpável. Close nos olhos dela. Close na minha mão, perto da minha arma, pronto para sacar. O tema de Era uma Vez no Oeste começou a tocar baixinho.

– A senhora está na fila?, perguntei

– Tô!, ela disse, deixando claro que, se um dia alguém organizasse um campeonato para escolher a pessoa mais articulada do planeta, ela seria desclassificada na primeira fase.

– Então, a senhora, por favor, fique atrás de mim.

– Mas eu tô na fila!

Respirei fundo. Aparentemente, ela desconhecia (ou estava ignorando) o fato de que o conceito de fila implica, obrigatoriamente, em uma pessoa atrás da outra. Pensei em explicar para ela que fila, em inglês, chama-se “line” justamente por que as pessoas formam uma “linha”, e ela estava desvirtuando todo esse conceito, transformando a fila do Pão de Açúcar – que também deveria ser uma linha razoavelmente reta – num círculo ou numa outra figura geométrica qualquer.

– Eu também estou. E a senhora está atrás de mim.

– Ah. Na fila?

Meu Deus, como uma pessoa tão despreparada para viver em sociedade pode andar sozinha pelas ruas?

– Sim. Na fila.

– Ah.

Resmungando algo sobre mim e sobre a fila, ela se conformou e foi com o carrinho para trás de mim.

Dei uma olhada rápida por cima do ombro e vi que ela estava desvirtuando a fila novamente, ficando na frente do carrinho. Ou seja, a fila já não seguia mais a ordem lógica “carrinho – velhinhos – carrinho – Rob Gordon – carrinho – Bruxa do Mar – carrinho – outro cliente”, mas sim, “carrinho – velhinhos – carrinho – Rob Gordon – Bruxa do Mar – carrinho – carrinho – outro cliente”.

Se alguém tirasse uma foto da fila e mandasse uma criança procurar por um erro, o garoto imediatamente faria um circulo vermelho em volta da Bruxa do Mar e seu carrinho.

Meu impulso foi dizer a ela que ficar à frente do carrinho não faria a fila mudar de sentido e ela continuaria sendo atendida depois de mim, mesmo se ficasse atrás, à frente, ou até mesmo dentro do carrinho, mas achei melhor ignorar.

A fila foi andando e eu fazendo de tudo para não prestar atenção naquele bípede atrás de mim. Felizmente, algo me distraiu: comecei a sentir um cheiro horrível de mamão e, curioso e enojado – eu e mamão somos inimigos mortais há mais de vinte anos – comecei a pensar qual seria a origem daquilo.

Obviamente, o cheiro vinha de algum lugar atrás de mim.

(continua)

22 comentários:

flavitavalsani disse...

Eu já te falei q odeio posts q tem sequência certo?

rbns disse...

Já eu tmbm odeio mamão...

MaxReinert disse...

... e eu odeio... odeio... odeio.... alguma coisa que eu não lembro agora!

Marina disse...

Eu odeio supermercados. Sempre que posso, peço para alguém comprar o que eu estiver precisando, para não precisar pisar em um. E filas são irritantes, ainda mais quando alguém resolve que educação é coisa para perdedores.

Leandro disse...

hahaha você fala isso porque você não conhece o Carrefour de Antibes, e olha que aqui é o famoso "primeiro mundo" ;-)

Dama do Lago disse...

Você devia me ver em uma fila de supermercado...ia ter um ataque do coração :DDD

Bárbara Ribeiro disse...

E aquelas pessoas que deixam o carrinho sozinho na fila e vão buscar a manteiga que tinham esquecido, e você precisa ficar empurrando o carrinho pro demente.

Adoro o blog. Sou uma leitora anônima.

Arthurius Maximus disse...

Só falta agora você dizer que o cheiro de mamão era da velha. Já imaginei ela se esfregando e se besuntando com mamão justamente porque leu em mente o seu "asco frutífero".

Isabella disse...

MUITO BOM, hahahaha...

Dragus disse...

Não satisfeita em te incomodar quis te dar umamão?

Ela apenas queria oferecer ajuda, vc não compreedeu a nuance linda. Afinal de contas, seu para-raio de maluco podia estar desregulado. =p

Arlene e Roberto disse...

Passei na frente dessa loja do PA outro dia e morri de medo: uns moleques enormes, com pinta de crackeiros, com UMA BARRA DE FERRO na mão.

Era sábado, tipo 3 da tarde.

Viva São Paulo! \o/

Gabi disse...

Que cazzo de arlene e roberto? :S

chaverinho disse...

ok já estamos curiosos.. continue o post por favor!!!!!!
=]

Matheus Silva disse...

dica: use um mp3 e fones de ouvido internos, eles são à prova de pessoas irritantes e/ou idiotas

Eric Franco disse...

A Gabi que comentou ali em cima já trabalhou no Pão de Açúcar. Peça pra ela te contar do dia em que um cliente jogou um pãozinho nela. =D

MPauloS disse...

Cara, eu passo por algo do tipo duas vezes por mês no Extra daqui de Brasília (você não está sozinho soldado) hehe, muito bom o post, estou esperando a continuação.

Perci Carvalho disse...

nao li o post.

me recuso. até eu vir aqui e ler o titulo "Bruxa do Mar vai às compras - parte final" não vou ler.

pq eu leio, fico curiosa, criando, recriando, emendando e imaginando a história na minha cabeça e depois nao tem nada a ver com o que eu pensei. porque, é óbvio, sua criatividade supera a minha demais da conta.

Termina de postar e eu leio.

BjoMeTwitta (ô faseee)

Dalleck disse...

Já que várias pessoas aqui comentaram o que odeiam, eu simplesmente odeio as pessoas agindo na sociedade, seja o lugar que for.

Pequena disse...

Eu tb odeio mamão. :/

Fagner Franco disse...

E aquela pessoa que traz a família inteira e a divide por todas as filas. Obviamente, pela primeira vez na vida, a sua fila é rápida e o cara que estava na sua frente apenas com uma lata de refrigerante chama a essa família inteira, com dois carrinhos cada. Fueda. Odeio supermercado e fila.

Perci Carvalho disse...

(Cá estou... tentando comentar... pela enésima vez... será que seu blog deixa hoje??)

Rob... o problema de vc fazer certas comparações entre pessoas e personagens é que, enqto vc narra a historia, eu nao consigo mais imaginar uma pessoa parecida com aquela personagem... imagino a personagem em si. sem contar que a cena sempre passa com riqueza de detalhes na minha mente como se fosse um filme. eis o problema. a bruxa do mar é um desenho animado!! e nao! eu nao consegui imaginar uma mulher parecida com o desenho... entao vc tava em pé na fila do carrefour (nao conheço o 'pao de açucar' por isso meu cérebro usa o supermercado que eu frequento como referencia) e atrás de vc, na fila... tinha um desenho animado!!! em tamanho real O.o

agora vou ler e comentar o segundo.


(esse comentario foi escrito no dia que eu li, e desde entao seu blog ta me sacaneando e nao deixa eu postar o comentário)

Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkk muito bom mesmo meu amigo, manda ai a continuacao please?

Grande Abraco:

Assinado: BRUXADOMAR hahahahaha