31 de dezembro de 2008

Top 5 2008 - Música



















5 - Along Came a Spider
Qual a probabilidade de algo dar errado num projeto que envolve Alice Cooper fazendo um disco conceitual sobre um assassino serial? Zero. Along Came a Spider mostra que a década atual tem sido excelente para o cantor, que vem lançando bons álbuns com uma regularidade impressionante. E este mais recente trabalho deixa claro que seu hard rock, feito com honestidade e sem frescuras, continua servindo como modelo para qualquer banda nova que deseje se aventurar pelo estilo.
























4 - Black Ice
Sem gravar desde o começo da década, muita gente jurava que o AC/DC já estava aposentado. Black Ice, porém, caiu como um petardo, reunindo os melhores elementos da sonoridade do grupo, com os vocais rasgados de Brian Johnson e a guitarra __________ de Angus Young (ainda não inventaram um adjetivo apropriado para isso). Só o primeiro single de trabalho, Rock N Roll Train, já mostra que o AC/DC tem muita lenha para queimar. Dedos cruzados para eles passarem por aqui este ano.
























3 - Death Magnetic
É um CD perfeito? Não, está longe de ser. Mas é um ótimo CD e – apesar disso já ter sido falado tantas vezes – é o melhor CD deles, desde o Black Album, do longínquo 1991. Não é um Master of Puppets ou um ...And Justice for All, mas é um ótimo disco, pesado e com o Metallica (finalmente) soando como Metallica. Sinal de que, quando os caras querem, eles conseguem fazer um som de qualidade. O próximo disco, porém, será definitivo: ou colocará a banda de volta ao topo, ou encerrará a carreira dos caras, mostrando que Death Magnetic foi apenas a “melhora-antes-da-morte”.


















2 - Show do Ozzy
Semanas antes do show, diziam que ele não se agüentaria de pé no palco. Estavam errados. Em sua passagem pelo Brasil, Ozzy fez um show irretocável, cantando (excelentes) músicas novas e clássicos obrigatórios. Desde o vídeo de abertura, com o Madman satirizando diversos filmes e séries de sucesso até o encerramento com Paranoid (passando, claro, por No More Tears), foi tudo praticamente perfeito. A voz dele falha, às vezes? Sim. Não importa. Paranoid, Iron Man e War Pigs significam mais para a história do heavy metal tudo o que o Linkin’ Park fez na vida.
















1 - Show do Iron Maiden
Sim, foi a terceira vez que eu assisti aos ingleses tocando em São Paulo, mas, foi, de longe, o melhor show da minha vida. Não apenas pelo desempenho – sempre irrepreensível deles – mas pelo setlist escolhido a dedo, com sucessos dos anos 80 - ou seja, todas as músicas que me ensinaram a gostar da banda e que eu apenas sonhava em assistir ao vivo, já que não eram mais executadas em turnês: Aces High, Rime of the Ancient Mariner, Powerslave, Wasted Years. Acredito que será difícil – ao menos por um bom tempo – outro show mexer tanto comigo.

4 comentários:

Dalleck disse...

Sabia que Iron estaria em primeiro! Em março de 2009 é a minha vez de vê-los. Aliás, minha primeira vez =D

Tyler Bazz disse...

Ah, vamos falar sério.
Os três minutos de Paranoid, sozinhos, já significam mais para a história do heavy metal do que tudo que o Linkin' Park e o Korn (do cara de saia) já fizeram, vão fazer, e já sonharam em fazer na vida.

Luis Filipe disse...

eu ouvi o death magnetic e é muito bom,o ac dc estou baixando e o do alice cooper eu encomendei.
ah, e fui no show do iron em 2008 em porto alegre
=D

Varotto disse...

Também acho que vou encarar um Maiden em 2009.

Acho que a última vez que fui a um show dos caras foi aqui no Maracanãzinho (a pior acústica do mundo) no final da década de 80 (ou ínicio dos 90's).