13 de março de 2008

Caro Ozzy Osbourne,

As pessoas dizem por aí que o senhor acabou.

Andam falando que o senhor está completamente esclerosado, não se lembra das letras das músicas e que sua voz, que nunca esteve entre as 10 melhores do rock, piorou ainda mais. Além disso, dizem que o senhor nem sabe mais o que acontece ao seu redor, mal consegue articular uma frase inteira e que sua mulher, que não é exatamente a Miss Simpatia, manda e desmanda em você.

Dizem que a sua carreira solo não é a mesma desde meados dos anos 90 e está longe de chegar perto dos trabalhos que você fez no início da década de 80. E, claro, muita gente diz que apenas os seus primeiros discos estão próximos de chegar ao nível das suas músicas com o Black Sabbath.

Resumindo: dizem que o senhor deveria se aposentar. Aliás, dizem que o senhor já deveria ter feito isso já há algum tempo. Chega de gravar CDs. Chega de se apresentar ao vivo. Deixe espaço para os mais jovens, é o que eles dizem. É o que o senhor teima em não ouvir – e, provavelmente, vão falar que sua audição já está toda comprometida.

Mas o senhor insiste. Você insiste em gravar novos trabalhos. E continua saindo em turnê, mesmo com sua memória totalmente afetada e com condições físicas (no mínimo) discutíveis. E as pessoas estão falando que sua turnê atual nada mais é que um caça-níquel, com um set list contendo apenas 14 músicas. Estão falando que o senhor não vai tocar No More Tears porque sua voz acabou. Afinal, o senhor mal consegue se agüentar em pé no palco, que dirá quanto mais cantar uma música de mais de seis minutos em tons altíssimos.

E, agora, o senhor virá se apresentar no Brasil. Justamente na minha cidade. Exatamente no mesmo local em que poucas semanas atrás, foi apresentado um dos maiores shows da minha vida.

Bem, Ozzy... Eu tenho plena consciência de quem fala tudo isso é a mesma molecada que vai ao Palestra Itália naquela noite para assistir o show do Korn, uma banda que eles devem classificar como “bem lôca” e que provavelmente molhou a mão de alguém para poder sair em turnê ao seu lado.

Claro, eles devem conhecer suas músicas principais (afinal, quem não as conhece?), mas nem desconfiam que foi o senhor – ao lado de Tony Iommi, Bill Ward e Geeze Butler – quem criou o heavy metal como conhecemos hoje. Eles acham que você é apenas o cara do reality show. Ou, quando muito, “apenas o cara engraçado do Black Sabbath que canta No More Tears, que é bem lôca”.

Eles não desconfiam que, sem o senhor, provavelmente o Korn não existiria. Nem o Slipknot. Nem os Linkin’s da vida. Aliás, se a sua carreira tem um defeito, é esse.

Bem, eu não me importo se o senhor está cantando bem ou mal, se o senhor está bem fisicamente, se o senhor consegue lembrar as letras das músicas sem a ajuda de um teleprompter.

Não me importo com absolutamente nada disso. Eu não vou assistir ao seu show.

Eu vou ao estádio, sim, naquela noite, mas para prestar reverência. Porque eu, como qualquer pessoa que gosta de rock pesado, devo isso ao senhor.

Sem mais,

Rob.



1970. Provavelmente 80% da minha coleção de CDs nasceu aqui.

7 comentários:

Octávio Ribeiro disse...

Noooossa!!
arrebentou cara...
escreveu tudo que eu queria falar pros meus amigos mas não conseguia.
Ozzy osbourne é o rei!
num foi atoa que você ganhou o concurso. Parabens!


depois da uma conferida no meu blog
http://planetadainsanidade.blogspot.com/
fiz ontem.
te agradeço desde já! o/

Diego Moretto disse...

Há, flw tudo rapaz!
Realmente o criador do HM em si é o grande responsável pelos gritos e pelas guitarras mal feitas das bandas de new metal hoje. Saudades do grande Black Sabbath e sem duvida q o show do Ozzy vai ser memorável. Adorei a carta ao senhor Osbourne!

Agradeço ao selo tbm brow!!
Abraço!

Kath disse...

Boa, Rob! Até por que, equecer letra, não ter noção do que se passa e outras questões não são de hoje, não é mesmo?
E olha que nem mencionou os grandes guitarristas sobre os quais ele lançou luz, como o Zack e o Rhoads.

Tyler Bazz disse...

E deve ser por isso que ele continua fazendo shows... acho que ele gosta de receber as merecidíssimas reverências.

o/

Jota disse...

Muito louco.

No sentido correto do adjetivo.

rbns disse...

Irmãozinho tô dentro!
Quando vc. for comprar o ingresso me avisa que eu vou junto.
Isso não é um show, é um culto e eu vou estar lá contigo, reverenciando "O" cara.

Varotto disse...

Com o devido atraso:

Rob, concordo em parte com você. E é a parte em que você faz reverência ao Ozzy pelo conjunto de sua obra. Mas, por outro lado, tenho uma tendência a valorizar que as pessoas saibam a hora de parar para sair por cima antes de começar a manchar sua imagem. O mundo é cruel. Não importa se você salvou milhares de vidas ao longo dos anos, só vão lembrar daquelas últimas que você deixou morrer.

Então apesar de concordar com boa parte do que você falou, discordo que as pessoas tenham de ir ao show só por uma questão de reverência (embora isso seja um direito inalienável de qualquer um).

Então, se eu for ao show (o que é provável), irei porque acho que ele tem o potencial de ser bom ainda hoje, não pelo seu passado. Afinal, se for para reverenciar o seu passado, tenho uma vasta coleção do Sabbath e do Ozzy mesmo aqui em casa. :-)